Trio australiano Babaganoüj prepara dois novos EPs, sucessores de “Pillar Of Light”

Trio australiano Babaganoüj prepara dois novos EPs, sucessores de “Pillar Of Light”

29 de junho de 2016 0 Por João Pedro Ramos

A banda australiana Babaganoüj começou em algum momento de 2011 que os membros afirmam “não se lembrarem” e desde então estão “fazendo música e shows, tocando algum tipo de rock”. Com o intuito de “curtir e responsavelmente consumir bebidas alcoólicas”, o trio de Brisbane lançou em abril o EP “Pillar Of Light” e prepara mais dois EPs para este ano.

Formada por Harriette Pilbeam (baixo e vocal), Ruby (guitarra e vocal) e Charles Sale (guitarra e vocal), a banda cita como influências bandas australianas como The Saints, The Go Betweens, Not From There, Screamfeeder, The Melniks e Stingers, além de Smudge, the Lemonheads, Replacements, Husker Du, Led Zeppelin, Jimi Hendrix e até Creedence Clearwater Revival. “Queremos sempre adicionar coisas interessantes à nossa lista de influências”.

Conversei com Charles sobre a carreira da banda, os EPs que estão por vir, a vida de artista independente e a cena australiana:

– Como a banda começou?

Minha antiga banda (Yves Klein Blue) se separou e eu queria tocar algumas músicas. Conheci Harriette através de um amigo e ela se juntou a mim. Então sua outra banda (Go Violets) terminou e ela trouxe Ruby. Agora, alguns anos mais tarde, estamos aqui!

– Como surgiu o nome Babaganoüj?

Na verdade, é uma música de uma banda chamada Smudge, de Sydney. Eles tocavam nos anos 90. Eles têm uma canção chamada “Babaganoüj” que tem cerca de 10 segundos, eu acho. Eu não sei qual é o significado da babaganoüj na música, porém, porque é tão curta.

– Quais as suas maiores influências musicais?

Pessoalmente, eu tive um monte de obsessões totais. Comecei com The Cars, em seguida Jeff Buckley, então Led Zeppellin, então eu comecei a curtir Big Star e, em seguida, punk. Husker Du é provavelmente uma das minhas bandas favoritas de todos os tempos. Ah, e Teenage Fanclub e coisas 90s assim. Minha obsessão mais recente é a cantora pop Charli XCX. Ela é tão legal.

– Me conte mais sobre “Pillar Of Light”, seu trabalho mais recente.

Ele teve uma concepção confusa, porque levou várias sessões de gravação para construí-lo. Estávamos um pouco duros, por isso a gravação foi um processo bastante prolongado. Eu acho que ele faz sentido. Nós meio que soamos como nós mesmos, não importa quem nos grave. As músicas foram desenhadas no último ano e meio e são principalmente sobre meninas e meninos e coisas assim.

Babaganoüj

– O que vocês acham da cena do rock independente hoje em dia?

Eu não tenho certeza, eu pessoalmente não me sinto como parte de um “movimento” ou uma cena ou algo assim, pelo menos não me sinto mais. É difícil na Austrália, porque nós realmente não temos um lugar óbvio ou uma definição em que possamos ser colocados.

– Você acredita sexismo ainda é forte na indústria musical?

Eu provavelmente não sou a melhor pessoa para responder a esta pergunta, então eu diria que sim, mas provavelmente menos do que costumava ser. Eu acho que a “indústria” está mais ciente desse problema faz um tempo e está mudando de dentro para fora, mas é em grande parte ainda liderada por velhos caras brancos. Eh. Eu diria que a sociedade como um todo tem muita mudança para fazer e isso é um pouco demais para eu comentar!

– Você é da Austrália, lar de bandas incríveis. Como está o cenário do rock aí hoje em dia?

É legal! Gosto de viver na Austrália e nós temos uma grande história musical. Brisbane é meio uma cidade ‘menor’ na Austrália em comparação com Sydney e Melbourne, mas é lar algumas das melhores e mais incríveis bandas. The Saints, The Go Betweens. Somos objetivamente mais legais do que outras cidades.

– Qual é a melhor e a pior parte de ser uma banda independente?

A melhor parte é poder fazer o que diabos você quiser fazer. A pior parte é não ter nenhum dinheiro! Mas isso é ok, nós temos outros trabalhos de dia.

Babaganoüj

– Quais são os próximos passos da banda, em 2016?

Estamos lançando mais dois EPs este ano. Certifique-se de ouvi-los! Não demorarão muito… Também vamos estar em turnê pela Austrália, mas talvez internacionalmente em algum momento. Isso seria muito divertido.

– Recomendar bandas e artistas que chamaram sua atenção ultimamente e todos devem conhecer.

Deixe-me pensar… Bem, duas bandas de Brisbane que gostamos muito são Tempura Nights e The Creases. Harriette foi ver New Order em Sydney recentemente e eu fiquei com inveja. Também tem chovido muito recentemente e eu escutei o álbum do Beach House “Depression Cherry” e foi incrivelmente apropriado.