RockALT #4 – BBGG, Moxine, Letty and The Goos, Winteryard e X-Ray Spex

RockALT #4 – BBGG, Moxine, Letty and The Goos, Winteryard e X-Ray Spex

8 de março de 2017 0 Por Jaison Sampedro

RockALT, por Jaison Sampedro

Hoje é 8 de março, Dia Internacional da Mulher, e a coluna do RockALT gostaria de homenagear e demonstrar todo o nosso respeito por esta data tão importante. Poderíamos citar inúmeras mulheres que pavimentaram o cenário musical e conquistaram um espaço merecido no panteão do rock como Patti Smith, Debbie Harry, Kim Gordon, Kathleen Hanna, Joan Jett, entre outras. Vou fazer um pouco diferente: na coluna de hoje eu vou falar de uma grande mulher que merece ser lembrada e também gostaria de apresentar algumas bandas recentes compostas ou lideradas por mulheres que estão carregando a tocha que foi acesa por essas grandes lendas citadas acima. Então vamos lá!

BBGG
Eu gostaria de começar as minhas recomendações com uma banda já mencionada aqui no blog Crush em Hi-Fi, BBGG é uma mistura de riot grrrl com grunge e um estilo vocal que me lembrou um pouco as britânicas do Girlschool. O grupo formado por Ale Labelle (voz e guitarra), Dani Buarque (voz e guitarra), Joan Bedin (baixo) e Mairena (bateria) já tem 4 singles lançados e um cover de “Comida” dos Titãs lançado para a coletânea “O Pulso Ainda Pulsa”. BBGG me conquistou logo de cara e espero que a banda lance um álbum logo porque esse singles me deixaram com um gosto de quero mais.

Moxine
Mesmo tendo feito carreira e tocado um bom tempo em uma banda de reggae, Mônica Agena, ex-guitarrista do Natiruts, se juntou com Fabiana Lugli e formou o Moxine. Mônica aprendeu a tocar guitarra com Iron Maiden e Black Sabbath, e em seus trabalhos mais recentes pode-se perceber a incorporação de estilos variados como MPB, dub e até Motown. No ano passado a banda lançou o single “Marlon” com a participação de Marietta e tem um som bem dançante, diferente do álbum “Hot December” de 2013, que é puxado um pouco mais pro rock e indie. Moxine é uma grande banda e o talento de Mônica Agena é indiscutível, se você não conhece a banda, fica aí a nossa dica ;).

Letty and The Goos
Banda que já teve passagens recentes pelo RockALT e também no Crush em Hi-Fi, Letty começou sua carreira musical sozinha lançando vários covers de Beatles, Lou Reed e até Fugazi em sua página do Soundcloud. Agora Letty conta com Lívia Tellini (bateria) e Arian Nogueira (guitarra) formando o trio Letty and The Goos. Essa semana eles lançaram o single “No One Else” no Spotify, o trabalho foi gravado pela Dinamite Records. Gostei do single, gostei da forma que a música trabalha o vocal delicado com uma guitarra e bateria cheia de atitude, é mais uma banda pra ficar na expectativa e aguardar mais singles e espero em breve um EP ou álbum.

Winteryard
Até agora falamos de bandas inspiradas na atitude punk e movimento Riot Grrrl, mas também queremos falar de bandas que expressam o lado mais delicado, sensível e sincero das mulheres. E uma dessas bandas é o trio Winteryard, formado por Priscila Castro (Guitarras/Vocal), Rafael Fumagali (Bateria) e Brunella Martina (Baixo). A primeira vez que escutei o EP “Endless Winter”, especialmente a música “Gray Skies”, foi um completo e total deleite, a voz suave e os acordes minimalistas me cativaram instantaneamente e me fez lembrar um pouco dos trabalhos de PJ Harvey e Sharon Van Etten. Assim que eu terminei de escutar o EP a primeira coisa que fiz foi mandar uma mensagem para o meu irmão dizendo “Mano, escuta esse som aqui. Que coisa mais linda”. Sugiro a você, querido leitor, fazer a mesma coisa: escute o EP e mande uma mensagem para um amigo dizendo como o som de Winteryard é lindo.

X-Ray Spex
Como eu disse no começo da coluna, hoje quero homenagear e lembrar de uma grande mulher que sem sombra de dúvidas foi um grande ícone feminino na música. Me refiro a Marianne Elliot-Said, mais conhecida como Poly Styrene. A líder do X-Ray Spex foi um dos primeiros ícones femininos do punk, cujo estilo pouco ortodoxo ainda infeccioso foi altamente influente. Poly Styrene formou sua banda depois de assistir a um show do Sex Pistols em Hastings Pier no seu aniversário de 18 anos. A banda se tornou conhecida por seus vocais crus e gritos de mobilização energética contra o consumismo e a destruição ambiental. Ao escutar “Oh Bondage Up Yours!” é possível até afirmar que ela foi Riot Grrrl muito antes da criação do movimento. O X-Ray Spex teve curta duração e Poly seguiu carreira solo com “Translucence” em 1980. Seu último trabalho foi “Generation Indigo” em março de 2011, com Poly falecendo um mês depois do lançamento devido a um câncer na coluna. Poly Styrene e o X-Ray Spex marcaram uma geração e sem dúvida o grito de liberdade contra o sexismo. A atitude e coragem de Poly marcaram presença em um estilo musical formado, em sua maioria, por homens e influenciou muitas mulheres a seguirem o mesmo caminho.

Se você curtiu essa coluna, não deixe de escutar o RockALT toda a quinta-feira às 21h na planetmusicbrasil.com.br. E nossos 95 programas estão disponíveis no link! https://www.mixcloud.com/rockalt/