Quarteto de Moscou G9 mostra a nova cara do chamado “russian rock”

Quarteto de Moscou G9 mostra a nova cara do chamado “russian rock”

5 de abril de 2017 0 Por João Pedro Ramos

Uma transmissão ao vivo no Instagram foi o que me fez conhecer o quarteto de Moscou G9. O ensaio da banda me chamou a atenção, com músicas que grudavam na cabeça instantaneamente e com músicos competentes em seus instrumentos. Formada por Alla Aspidova (vocal), Max Kachinkin (guitarra), Andrew Syusyukov (bateria) e Alexander Drozhzhin (baixo), a banda mistura rock e metal com elementos da música eletrônica e do rap, e mesmo tendo sido influenciada pelo chamado nu-metal, não se parece em nada com os ultrapassados grandes nomes do gênero.

Após sua formação em 2008, o grupo rapidamente começou a colecionar elogios graças à suas energéticas apresentações ao vivo. Depois disso, receberam convites para se apresentar em grandes festivais como Nashestvie, Dobrofest, Maxi Drive e OzROCK, além de abrirem shows para o Fall Out Boy. Com um disco (“Stubborn & Sober”, de 2012) e um EP (“3”, de 2014) na bagagem, o G9 mostra que está em constante evolução musical e prepara seu próximos disco para 2017, já tendo lançado seu primeiro single, “Girl”.

Conversei com a vocalista sobre a carreira da banda, a cena do rock na Rússia, suas influências e muito mais:

– Como a banda começou?

A banda começou com Max, nosso guitarrista. Ele tinha uma banda de metal com vocais masculinos inspirada por Blind Guardian, Metallica, Iron Maiden e In Flames. Uma vez, Max pediu pra mim, Alla (amiga da escola) para ajudá-lo com letras e backing vocals. A parceria deu na banda de rock alternativo G9.

– Como surgiu o nome G9? O que significa?

G9 é uma estrela bonita, como o sol. As estrelas do tipo G são freqüentemente chamadas de anãs amarelas. Além do sol, outros exemplos bem conhecidos de estrelas de sequência principal de tipo G incluem Alpha Centauri A, Tau Ceti e 51 Pegasi. O número 9 é uma classificação espectral da estrela. É considerado a mais fria e bonita dentro de estrelas do tipo G. G9 é algo que você vê no céu à noite, representa a beleza deste mundo, a liberdade e a nossa curiosidade para ir além dos limites conhecidos, como você só vive uma vez.

– Quais são suas principais influências musicais?

G9 é uma mistura de nossas influências musicais. Eu fui influenciada por Linkin Park, POD e até Slipknot. Max (guitarrista) cresceu com Michael Jackson, Metallica, In Flames e Rihanna. Andy (baterista) ama Led Zeppelin, Muse, Rage Against The Machine e alguns synthwave. Alex (baixo) foi influenciado por Korn e Red Hot Chili Peppers, mas também está apaixonado por garotas como Pink e Taylor Momsen do Pretty Reckless.

– Conte-me mais sobre o seu primeiro disco, “Stubborn & Sober”.

Ele foi lançado em 2012 e foi a nossa primeira experiência com um álbum completo. Metade do álbum está em russo e metade está em inglês. Naquela época, já sabíamos que adorávamos fazer músicas em inglês para chegar ao público internacional, mas o público russo prefere rock em russo. Então o álbum foi o compromisso e a primeira tentativa de ir além das fronteiras russas. “Stubborn & Sober” está repleto de letras sociais sensíveis sobre as relações humanas, o crescimento e os problemas sociais. Fomos inspirados por bandas de rock alternativo como Linkin Park, Limp Bizkit e In This Moment, então o álbum ficou agressivo, poderoso e alto.

G9

– E como o EP “3” difere do trabalho anterior?

Bem, nós nos divertimos muito com isso! O EP “3” é muito mais suave e mais diversificado em termos de estilos de música. Temos a poderosa “Break”, com groove incrível e rap freestyle de Philip E Jones, pop-rock funky com “Do Not Fall Apart” e algo bluesy em “5 a.m.”. Aqui nós mudamos totalmente para o inglês e soltamos nosso amor por som enérgico e letras inspiradoras. O G9 é sobre diversão e visão positiva que mostramos em 5 canções incríveis. Não se esqueça de ver o clipe da música “Break” Você vai se divertir muito!

– Estão trabalhando em material novo?

Sim, já gravamos um álbum e lançamos o primeiro single,“Girl’, agora em março de 2017. Já filmamos um clipe para o próximo single, ele será lançado muito Em breve, então fique atento!

– Como é o seu processo de composição?

Nós geralmente temos um conceito em nossa mente: os acordes, uma melodia vocal e um pouco de letras, para começar. A nova idéia normalmente vem de mim ou do Max (guitarra), então este conceito se torna uma canção com um pouco de magia, no ensaio com as habilidades de composição do Max.

– Como você definiria a cena rock na Rússia hoje em dia?

Acho que a música mais popular é o chamado “russian rock”, tocado por bandas mais velhas que se estabeleceram na década de 80. Letras profundas e principalmente tristes em russo são a principal característica desse “rock russo”. A outra parte das bandas é aquele hardcore de 2000, que atraem mais o público jovem. Eu acho que “Stubborn & Sober” pode ser um exemplo remoto deste estilo. A parte mais pequena, mas a mais promissora da cena hoje em dia faz um som puxado para o Fall Out Boy e bandas indie, então o G9 agora permanece nesse grupo.

G9

– Quais são os próximos passos da banda?

Nós vamos lançar vários singles sexy nesta primavera e um álbum completo em setembro de 2017. Também planejamos estar em vários festivais de verão russos e fazer uma turnê no outono. Não paramos com a Rússia e procuramos o público internacional que compartilha da nossa paixão por ir além!

– Recomende bandas (especialmente se forem independentes!) que chamaram sua atenção ultimamente!

Ouçam WildWays, uma nova banda incrível da Rússia e dêem uma olhada em Leningrad, uma banda com clipes incríveis!