Onde o rock se esconde (ou: Como o One Direction ganhou minha simpatia)

29 de janeiro de 2015 0 Por João Pedro Ramos

one-direction-5-album

Aí as bandas de rock estão cada vez mais sumidas das paradas de sucesso e das rádios comerciais. Então você fica reclamando que a música pop matou o rock, e que não existem mais bandas que valham a pena nas paradas de sucesso. Você tem vontade de dar um tiro de bazuca no rádio assim que o liga. Tem saudades de saber cada nota do solo de Eddie Van Halen em “Beat It”, de Michael Jackson, quando esta estava em primeiro lugar nas paradas de sucesso. Diz que “essa criançada não sabe nada de música”.

Tá, muitas das coisas acima podem se aplicar inclusive à mim, que vivo reclamando da música pop atual e da falta que estão fazendo os instrumentos musicais em uma era em que um DJ é mais importante que um baterista ou um baixista. E, principalmente, por não existir nenhuma banda de rock em alta entre o público que não é necessariamente “do rock”.

Será mesmo? Pois eu te digo que não. Assim como Jason Vorhees, o rock pode parecer morto diversas vezes, mas sempre volta, mesmo que horrível (vocês assistiram “Jason Vai Para o Inferno”? Puta filme horrível! É o equivalente ao Simple Plan na história do rock). E uma das bandas que conseguiu fazer uma música bem bacana que é mais rock que muita banda “de rock” que está por aí é o One Direction.

4DSm593

Sim, você leu direito: o One Direction. Foi do quinteto de Londres que ficou em terceiro lugar no X Factor de 2010 que eu ouvi um bom rock. “Little Black Dress”, do disco “Midnight Memories”, de 2013, é um power pop que remete diretamente ao Cheap Trick e ao Big Star. Uma bela canção pop com um riff chiclete, solo de guitarra bacana e um refrão que fica na cabeça pelas próximas horas à sua audição. E digo mais: muito mais rocker do que os hits de Foster The People e Imagine Dragons que a criançada dita “roqueira” tem ouvido por aí.

http://www.youtube.com/watch?v=h70qwjL-jzM

Se a ideia de gravar uma música tão “That 70’s Show” veio dos próprios garotos ou do produtor, pra mim tanto faz. E acrescento que não é o primeiro flerte com o rock da galerinha do Harry Styles. Afinal, o cover mais famoso que eles já gravaram é de Blondie e Undertones na mesma música. Isso mesmo: Blondie e Undertones!

Tem também o megahit “What Makes You Beautiful” (que você não consegue cantar sem lembrar de Nissim Ourfali), que é quase uma versão de “Summer Nights”, o clássico tema do filme “Grease”. E é um quase-rock, mesmo com a limpeza e as batidinhas eletrônicas acrescentadas pela produção.

E tem o mega-hit “Best Song Ever”, que chupa com gosto o riff de “Baba O’Ryley” do The Who em sua introdução e refrão. Tô falando sério:

O que eu estou querendo dizer com esse post é principalmente o seguinte: O One Direction tá fazendo rocks melhor do que as bandas de rock de hoje em dia, quando tá afim. Ou seja: One Direction, invista mais em músicas como “Little Black Dress” que eu prometo que ouço mais vocês.

(Ah, e eu aposto que se eu tocar “Little Black Dress” durante uma festa de rock da noite paulistana, ninguém vai se ligar que é One Direction a menos que seja fã do grupo e capaz de dançar como se fosse uma dos Strokes. Duvida?)