Irmãos Archie and the Bunkers mostram como um órgão pode trazer a energia de volta ao garage punk

Irmãos Archie and the Bunkers mostram como um órgão pode trazer a energia de volta ao garage punk

27 de janeiro de 2016 0 Por João Pedro Ramos

O “hi-fi organ punk” de garagem de Archie and the Bunkers me pegou logo na primeira audição. Como pode um duo formado apenas por bateria e órgão ser tão punk sem nenhum instrumento de cordas ali? E, por incrível que pareça, guitarra e baixo não fazem falta ao som da dupla de Ohio. Emmett O’Connor (16 anos, bateria) e Cullen O’Connor (13 anos, órgão e vocais) começaram a banda em 2013 e já lançaram dois EPs gravados no porão da família. No final do ano passado, saiu “Archie and The Bunkers”, seu primeiro disco completo, produzido por Jim Diamond nos estúdios Ghetto Recorders.

“Não começamos com essa formação”, diz Emmett. “Meu irmão tocava baixo e estávamos procurando um guitarrista para começar a banda. Fizemos testes com alguns, mas nunca deu muito certo, pois eles eram sempre muito ocupados ou não estavam de acordo com o som que estávamos procurando”, diz. Foi aí que Cullen deu a ideia do órgão. Emmett não foi lá muito favorável com a ideia até que conheceu a banda setentista The Screamers, formada por um vocalista, um baterista e alguns organistas. E foi aí que a banda ainda sem nome dos irmãos se tornou Archie and The Bunkers, um duo sem baixo e sem guitarra cheio da crueza e atitude que só o punk tem.

Archie and the Bunkers

Emmett cita como influências para sua animalesca bateria pessoas como Keith Moon e Buddy Rich. Já para Cullen, a grande influência no órgão é Jimmy Smith. “Gosto de seu swing, seu soul”. Entre as maiores influências para as composições da banda, eles citam The Damned, Dead Boys e The Stooges. Apesar da pouca idade da dupla, a banda está em constante ascenção na cena de Cleveland. O duo já dividiu o palco com nomes como The Detroit Cobras, Obnox, The Sonics, The Fleshtones, The Woggles, King Khan and the BBQ Show, The Rezillos e até Cheetah Chrome, ex-membro de uma das bandas preferidas de Emmet e Cullen, os Dead Boys.

A crítica já está babando no auto-intitulado primeiro disco da dupla, lançado no segundo semestre do ano passado. “Para simplificar, o ‘Hi-Fi Organ Punk’ do Archie and The Bunkers é uma incrível mistura de garage punk com rock’n’roll puro que deixa seus ouvidos e imaginação desorientados”, disse o Ringmaster Review. “Essa dupla de irmãos adolescentes fez um dos melhores discos de 2015”, carimbou o The Durango Herald. “Puta merda, esse disco é foda! Com um grande nome e capa icônica, este duo de irmãos cativa sua atenção desde o início. O órgão Farfisa soa gigantesco e funciona perfeitamente com a bateria. Como se Keith Moon parasse com a anfetamina para uma batida mais estável e James Taylor e Booker T. fossem adolescentes fãs de garage punk”, define o Voix De Garage.

Archie and The Bunkers

Ouça o primeiro disco do Archie and The Bunkers aqui e apaixone-se. Afaste os móveis e tente não quebrar tudo: