“House Number 1” traz Theo Charbel mostrando sua faceta mais eletrônica e viajante

“House Number 1” traz Theo Charbel mostrando sua faceta mais eletrônica e viajante

10 de dezembro de 2020 0 Por João Pedro Ramos

Você pode conhecer Theo Charbel por suas diversas facetas musicais em muitos projetos dos quais fez parte, como SixKicks, Florcadáver, Gali Galó, God Is In The Radio, entre tantos outros. Agora, você vai conhecer mais uma das várias direções da matogrossense: em “House Number 1”, o som aponta para um lado mais eletrônico e etéreo, chegando acompanhado por um clipe gravado pela própria artista em um compilado de imagens registradas durante turnês no Brasil, Uruguai e Argentina.

A música foi feita na quarentena usando o app Garage Band no celular, usando beats e synths como farol para guiar a composição. “Tenho a ideia de lançar um EP seguindo a linha dessa música, já que estou produzindo mais coisas que podem ser lidas como ‘eletrônico'”, conta Theo.

– Conta mais sobre o single novo!

Theo: Então. “House Number 1” é uma experimentação que aconteceu no começo da quarentena quando baixei o aplicativo Garage Band para celular, tudo foi feito por ele. A música difere dos trabalhos que venho fazendo até então, tendo uma pegada mais eletrônica, que é um lado que sempre quis explorar.

  • Você já passou por diversos projetos musicais e cada um mostra uma de suas facetas. Como foi fazer esse trabalho de forma solo?

Theo: Meu projeto solo começou lá em 2013 quando lancei meu primeiro álbum que se chama “Flow”, ele tem 9 musicas que produzi e toquei todos os instrumentos, depois disso lancei mais alguns singles esporádicos e agora estou explorando esse jeito mais descontraído de produzir, já que acabo fazendo tudo no celular. Acaba sendo um processo mais divertido, fico compondo ritmos que eu gostaria de dançar ou que imagino meus amigos dançando, me concentrando mais na estrutura e timbres do que técnicas de gravação em si.

  • Como foi essa evolução musical desde seu primeiro trabalho? Imagino que tenha mudado bastante, ainda mais tendo passado por tantos projetos durante.

Theo: Acho que a evolução acontece sempre que a gente está disposto a mostrar as nossas coisas para o mundo e colher os desdobramentos que elas proporcionam. Então o que acaba mudando são as experiências, bagagem, referências e visões que tive ao longo dos anos tocando, viajando, compondo, conhecendo gente, inclusive o clipe é um convite para realizarmos essa viagem juntos. Mas a vontade de produzir, de executar uma ideia, de criar e mostrar é sempre a mesma. A curiosidade para saber os frutos que essas criações geram também.

Auto-retrato de Theo
  • Como você definiria o seu som atualmente?

Theo: Atualmente eu estou compondo várias coisas que são muito diferentes umas das outras, soltei os videos de “Todos os Animais” e “Sonhei” no YouTube/Instagram que são canções em português feitas no violão com um ar de nova MPB. Depois pego o celular e abro várias camadas de sintetizadores o que me inspira muito a compor beats e algo mais chill/eletro disco, daí fica difícil conciliar tudo (risos). Posso dizer que estou numa fase experimental tentando organizar todas essas ideias .

  • Quem você citaria como inspiração atualmente?

Theo: Tenho escutado muito o album “The Now Now” do Gorillaz, Solange, Willow Smith, o “Remind Me Tomorrow” da Sharon Van Etten carregado de synths e bateria eletrônica, sempre tem umas antigueras nas minhas playlists também tipo Donna Summer, Quincy Jones, Al Green, que me influenciam muito no jeito de cantar.

  • Esse som fará parte de algum EP ou álbum ou a ideia é lançar singles mesmo?

Theo: Tenho a ideia de lançar um EP seguindo a linha dessa música, já que estou produzindo mais coisas que podem ser lidas como “eletrônico”. Acho que seria bom pra poder amarrar esse pensamento ou essa fase de uma forma mais expressiva na minha discografia, mas também penso que ficar colocando muitas metas e organizações em um processo que é totalmente experimental pode acabar minando um pouco da criatividade, então estou deixando em aberto pra ver no que vai dar.

  • Voltando ao clipe, como foi a realização dele? As gravações são todas suas?

Theo: São arquivos meus que fui fazendo nesses últimos 2 anos de turnês e estradas, tem varias montanhas das estradas de MG, mar de Paraty RJ, por do sol em algum lugar da Argentina, balsa no Rio da Prata de Montevidéu para Buenos Aires… Muitas paisagens e experiências que nunca vou esquecer. Sempre quis fazer um clipe de estrada então muitas das imagens realmente foram gravadas pensando em algum dia serem usadas. A montagem foi feita tentando criar a conexão do movimento da música com o movimento das imagens, também achei que seria melhor não aparecer muitos vestígios de pessoas nos espaços, assimilar mais a natureza ao redor.