Espanhóis da Perro apostam em humor nonsense a la Monty Python e influências de krautrock e indie

Espanhóis da Perro apostam em humor nonsense a la Monty Python e influências de krautrock e indie

13 de abril de 2016 1 Por João Pedro Ramos

A pequena cidade de Barrio Independiente del Secano, em Murcia, na Espanha, é o lar do Perro, formado por quatro amigos que se inspiram em krautrock, indie dos anos 80 e 90 e piadas nonsense. O nome antigo da banda, La Vida de Brian, atesta esta preferência pelo humor. Após uma bela participação no SXSW deste ano, Guillermo (Voz, baixo, guitarra), Adrián (Voz, baixo, guitarra), Fran (Bateria, percussão) e Aarón (Bateria, percussão) já pensam no próximo disco, sucessor de “Estudias, Navajas”, lançado no final do ano passado.

Conversei com a banda espanhola sobre sua carreira, o nome canino, a cena rocker da Espanha e as redes sociais na vida das bandas independentes:

– Como a banda começou?
Alguns de nós estávamos em outra banda chamada La Vida de Brian e começamos a tocar outras coisas para nos divertirmos, então quando a outra banda se separou, Aaron, Adrián e Guille começaram a levar o Perro mais a sério. Nosso primeiro show como Perro foi em 2011. No primeiro, como um trio. Em seguida, em 2012, Aaron foi para o Brasil trabalhar em um cruzeiro, então Fran entrou na banda, aí Aaron voltou e desde 2013 temos 2 bateristas na formação.

– Por que esse nome, Perro?
O nome da banda é completamente absurdo, nós usamos uma sensação surrealista de humor em nossas músicas e também no nome da banda. Mas acho que também porque somos barulhentos, irritantes e bonitos como um pequeno cão (em espanhol, “perro”).

– Quais as suas maiores influências musicais?
Nós temos gostos musicais diferentes, mas há duas grandes influências em nossa música; de um lado, o krautrock alemão: Kraftwerk, Neu!, Can… Do outro lado, o indie rock americano do final dos anos 80 e o indie dos anos 90, como Fugazi, Dinosaur Jr, Ride… Mas a principal influência na nossa música são nossos amigos.

– Conte mais sobre “Singles Brasileñas”, seu primeiro disco com a formação atual, de 2013.
Era uma espécie de coletânea com os maiores sucessos em nossas demos que regravamos e foi distribuído com o jornal local em nossa cidade, Murcia, buscando apoiar as novas bandas independentes aqui.

Perro

– Então veio “Tiene Bacalao, Tiene Melodia”. Como rolou esse álbum?
Este álbum foi criado durante dois anos e por isso tem um monte de diferentes influências da música que estávamos habituados a ouvir em cada época. Nós gravamos sem selo ou gravadora, mas quando estávamos terminando isso encontramos o selo Miel de Moscas. Eles nos ajudaram muito com o lançamento do álbum.

– Finalmente, temos “Estudias, Navajas”, o seu mais recente lançamento. Como foi o processo para esse álbum?
Para este álbum a maneira de compor foi a mesma de sempre (fazendo tudo tão natural e fresco como podemos fazer, algo meio “let it out”), mas em menos tempo do que o álbum anterior. Este álbum é mais poderoso e feito para desfrutar ao vivo, mas de certa forma tem menos variedade que o anterior.

– Como as redes sociais contribuem (ou atrapalham) as bandas independentes?
É tão evidente que as redes sociais ajudam todas bandas independentes, porque é mais fácil de ser ouvido. Mas também é mais dificil para se destacar entre todas estas muitas bandas.

– Como está a cena de rock em Espanha? Você pode recomendar algumas bandas que devemos prestar atenção?
Somos sortudos aqui, porque há tantas bandas independentes com um monte de diferentes influências. Algumas de nossas bandas favoritas da Espanha são Rosvita, Srasrsra, El Estudiante Larry, Schwarz, Mott, Pony Bravo, Za!, Betunizer, Disco Las Palmeras!, Juventud Juche

Perro

– Quais são os próximos passos da Perro, em 2016?
Vamos manter a amizade, curtir os shows e começar a ir pensando sobre o próximo álbum.

– Recomendem bandas e artistas que chamaram sua atenção ultimamente (especialmente se forem independentes!)
Mind Spiders, Mort Garson, Octopus Project, Diola e Guerilla Toss.

Ouça “Estudias, Navajas”, “Singles Brasileñas” e “Tiene Bacalao, Tiene Melodia” no Spotify: