“Discriminado”, novo EP do Triturador: em 2017, o resgate do thrash em português

“Discriminado”, novo EP do Triturador: em 2017, o resgate do thrash em português

6 de setembro de 2017 0 Por Wendell Pivetta

Lançado em 2017, o EP “Discriminado” da banda Triturador mostra um resgate do thrash metal feito em português. Com cinco faixas, o disco mostra também um pouco de influências do crossover, que podem ser percebidas em diversos trechos das músicas como a faixa-título. Fundada em 2015, a banda santamariense de thrash metal declara toda a sua paixão pelo gênero nesta nova produção, que claramente possui várias influências de grandes nomes do thrash, ao mesmo tempo em que tenta procurar seu próprio espaço no rock gaúcho.

Começando pela a primeira faixa do EP, a música instrumental “Holocausto”, a banda pretende deixar bem claro a que veio. A música começa com uma parede de percussão e vai encorpando logo quando os riffs de guitarra se juntam à bateria, aumentando cada vez mais o ritmo e se tornando bastante imponente. A segunda faixa, “Discriminado”, possui basicamente a mesma estrutura inicial com uso de bateria em sua introdução e crescendo com guitarra e baixo. Somos apresentados a uma composição que destaca problemas sociais observáveis cotidianamente em nossa realidade, mostrando assim a temática que permeia todas as faixas do EP.

A verdade é que a banda, na maior parte do tempo, consegue imprimir sua identidade nesse novo trabalho, criando sua própria estrutura de harmonia instrumental e se mantendo coerente a ela. As letras das músicas também fazem a diferença: os compositores em nenhum momento aparentam estarem querendo pisar em ovos ou serem eufemísticos em suas poesias, com seus pensamentos e visões de mundo bastante claras e audíveis nas canções, transparecendo toda a energia do trabalho e também do thrash metal que a Triturador representa.

Um olhar mais atento revela um pequeno problema: a voz não muito grave de seu vocalista Gabriel causa certo estranhamento para os meus ouvidos para o gênero. A sensação de que falta “força” na voz se torna evidente no decorrer do EP. Vale ressaltar que o vocalista não é um mau cantor, sua articulação e boa pronúncia das palavras não permite que algo assim seja dito. O que está em jogo é a característica de sua voz, que a priori não aparenta ser a mais adequada e comum no cenário thrash.

“Discriminado” é um bom EP, que traça uma linha característica de trabalho e a segue do início ao fim. Apesar de certos estranhamentos causados pelo vocal, a banda está longe de afastar seu público por pequenos defeitos. Para os fãs de thrash, tanto a banda quanto o novo trabalho se tornam um grande achado, pois depois de curtir quase tudo do novo EP, confesso que se instalou em mim um gostinho de “quero mais”.