Construindo Loyal Gun: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Construindo Loyal Gun: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

11 de julho de 2017 0 Por João Pedro Ramos

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o Loyal Gun, de São Paulo, que conta com Raffa Ap, no baixo, Bruno Duarte (Herod, Penhasco, O Apátrida e Attöm Dë) na bateria, Dija Dijones (O Apátrida, Penhasco, Odair José) na guitarra e voz e André Luiz (Fita e ex-Ronca) na guitarra.

Hum“Stars”
Hum é uma das maiores pérolas perdidas dos anos 90, sobretudo por conta de seus dois últimos discos, o sublime “You’d Prefere An Astronaut” e o irretocável “Downward Is Heavenward”. Talvez se dissermos que o som seja a mais perfeita simbiose entre Smashing Pumpkins e Sunny Day Real Estate não estaríamos mentindo. Se isso for algo difícil de acreditar, mais difícil para nós é acreditar que alguém não tenha ido ouvir Hum depois dessa referência. Nem que seja para nos desmentir.

Hüsker Dü“Chartered Trips”
“Zen Arcade” é, literalmente, uma grande viagem. A ideia é a seguinte: você é um jovem que se revolta (“Something I Learned Today”, “Broken Home, Broken Heart”, “Never Talking To You Again”) e, exatamente na quarta faixa, “Chartered Trips”, você, tomado por frustrações e esperanças, resolve pegar um ônibus e ir embora para um lugar onde você possa encontrar o seu verdadeiro eu e deixe de ser refém da opressão da qual acreditava ser vítima. Porém, a viagem é longa e ainda há muito para viver e aprender. Pode parecer algo muito ambicioso de se contar em um álbum, mas nada melhor do que a imaginação de quem está do lado de cá do falante para que grandes histórias sejam contadas.

The Posies“Solar Sister”
A melhor e mais nostálgica combinação que pode haver para nos levar de volta aos anos 90 é a de guitarras, cheias de feedback e distorção, poluindo belos acordes abertos que servem de sustentação para uma acachapante melodia vocal. E isso, Jon Auer e Ken Stringfellow (que também foi durante muito tempo músico de apoio do R.E.M.) fizeram com uma facilidade impressionante. E ainda continuam cometendo este tipo de canção até hoje, mal dá para acreditar nisso.

Swervedriver“Son Of A Mustang Ford”
Bandas de shoegaze como Ride, My Bloody Valentine, Catherine Wheel, Moose, Venus Beads e muitas outras são importantes na criação das nossas músicas, mas, talvez, a maior referência do estilo para nós seja o Swervedriver. Os acordes e riffs que saem da Jazzmaster de Adam Franklin saem dos discos e ficam permanentemente ressoando em nossos cerebelos, isso explica, por exemplo, alguns de nossos movimentos desengonçados no palco.

Dinosaur Jr.“Out There”
Faixa de abertura do antológico “Where You Been”. J. Mascis é uma referência tão forte para o Loyal Gun que cada um dos dois guitarristas possuíam uma Jazzmaster signature dele antes mesmo de se conhecerem. Não é por causa disso que algum deles venha a ter a destreza com instrumento que o inspirador do modelo tem, mas, sem dúvida alguma, fazem muitas coisas inspiradas no jeito de tocar deste guitarrista tão icônico e influente para os fãs de rock alternativo.

Thin Lizzy“For Those Who Love To Live”
Pode parecer estranho uma banda como esta na lista, mas a verdade é que com a primeira formação com 2 guitarristas (exatamente a que gravou este disco, o “Fighting”), o Thin Lizzy popularizou a ideia de se ter mais de um guitarrista solo numa banda. A ideia se popularizou e é possível notar como isso foi aplicado através dos tempos, de Iron Maiden a Hellacopters, de Judas Priest a A Wilhelm Scream. Adotamos isto ao nosso modo e buscamos aperfeiçoar algumas coisas de guitarra, como pensar em temas com melodias que nos soem interessantes e acordes que fujam um pouco do trivial.

Beezewax“Sign Of Relief”
Esta é uma banda norueguesa dos anos 90 com muita influência de Dinosaur Jr., Hüsker Dü e boa parte dos grupos dos anos 80 e 90 que militaram em favor das guitarras barulhentas e das melodias vocais cativantes. Tiveram um disco produzido pelo Ken Stringfellow (do Posies), para sermos mais precisos o segundo, o ótimo “South Of Boredom”, e seu vocalista, Kenneth Ishak, já esteve no Brasil por 2 vezes. Aliás, precisamos agradecer pelo disco de vinil que ele autografou e deu de presente: obrigado, Kenneth!

Placebo“Burger Queen”
Belíssima balada que encerra oficialmente (considerando que tem uma faixa escondida depois dela chamada “Evil Dildo”) um dos discos favoritos da casa, “Without You I’m Nothing”. O curioso sobre esta música é que, ao contrário do que o título pode expressar, não é sobre uma “rainha do hambúrguer”: é uma expressão para “gay que vive em Luxemburgo”, país onde o líder da banda, Brian Molko, morou na adolescência. No fim, é uma música sobre estar no lugar errado, na hora errada. Letras costumam ser uma preocupação comum para toda e qualquer banda, no entanto, é fascinante o número de formas que você pode empregar para dizer alguma coisa, expressar um sentimento ou contar uma história.

Buffalo Tom“Your Stripes”
Toda a banda tem um sonho, um tanto pueril de certa forma, de lançar discos bem produzidos, arrebanhar fãs, fazer turnês e tocar com seus ídolos. Se fossemos protagonistas de uma história assim, com certeza uma das bandas com a qual gostaríamos de tocar seria o Buffalo Tom, uma das nossas principais influências durante a fase da banda na qual éramos um trio. Uma informação interessante e que faz com que seja possível interligar uma referência em outra desta lista é que o Buffalo Tom, no início da carreira, foi produzido pelo J. Mascis, do Dinosaur Jr., o que rendeu ao trio de Boston o apelido de “Dinosaur Jr. Jr.”.

Superdrag“Do The Vampire”
Em alguns shows que fizemos algumas pessoas, fãs de rock alternativo como nós, costumam apontar 2 bandas como referências latentes nas nossas canções. Uma é o Placebo e a outra é este quarteto do Tennessee. De fato, as canções escritas por John Davis (seja no Superdrag, no Lees Of Memory, solo ou no Epic Ditch – onde toca com Nick Raskulinecz, produtor de bandas como Deftones, Mastodon, Rush e Foo Fighters, só para citar algumas) fazem muito a nossa cabeça, por mais que ele tenha tido uma estranha e inusitada fase que resultou em um disco inteiro dedicado a Jesus Cristo.

Sunny Day Real Estate“Guitar And Video Games”
Assumidamente, uma das nossas maiores influências nos primórdios da banda. Esta é uma das mais bonitas canções dos anos 90. Ela tem uma harmonia que traz uma certa melancolia, mas unida à uma sensibilidade impressionante e a performance vocal de Jeremy Enigk vai revelando uma intensidade no decorrer da música que acreditamos ser quase impossível não se render a tanta entrega e emoção na interpretação. A grande lição que fica aqui é a de que se a canção que você estiver tocando não tem a sua verdade como artista, pode desistir disso e ir fazer outra coisa.

Weezer“I Just Threw Out The Love Of My Dreams”
É bem difícil uma banda formada a partir dos anos 2000 que se dedique a tocar rock alternativo dos anos 90 não ser influenciada por Weezer. Esta é a única canção do Weezer com uma mulher no vocal principal, neste caso, a Rachel Haden (.that dog, Rentals, etc.). No começo do Loyal Gun, a ideia era ter uma vocalista e esta canção era uma das referências para a banda naqueles dias. Havia uma pessoa para tomar o posto, mas semanas antes de confirmarmos o primeiro ensaio com a primeira formação da banda, ela se mudou para a Alemanha. Ou seja, a banda mal começou e já tomou um 7 x 1.

Pin Ups“You Shouldn’t Go Away”
Já que o Spotify ainda não nos dá o prazer de poder ouvir Killing Chainsaw, Shed, Valv e outras bandas importantes que nos mostraram que era possível ter uma banda brasileira cantando em inglês, fazer trabalhos relevantes e ter um público, ainda que bem seleto, nada mais justo do que representar esta ideia e este ideal no Pin Ups. Acreditamos que cantar em outra língua é uma opção que toda e qualquer banda pode usar a seu favor e não há nisso razão para categorizá-la como uma banda menor e/ou desprezível. Para ilustrar isso, vale a pena mencionar que durante as gravações de “Dinner And Breakfast”, do The Hexx, os integrantes de Loyal Gun, Sky Down e Twinpine(s) que aparecem no vídeo estavam na verdade tocando esta música do Pin Ups. A ousadia de cantar em inglês prosperou e alcançou outras gerações.

Hateen“Mr. Oldman”
Ainda que o hardcore, assim como seus congêneres, não seja um estilo presente e/ou perceptível em nossas composições, bandas como Garage Fuzz, Street Bulldogs e Hateen foram importantes em nossa concepção sonora, pois, no começo dos anos 2000, há entre nós quem acompanhasse a fervilhante movimentação de bandas que levavam adolescentes a lotar as dependências do Hangar 110 todos os finais de semana naquele período, reforçando a ideia já perpetrada por Pin Ups, Second Come, Mickey Junkies, Killing Chainsaw, Dash, brincando de deus, Madeixas, Dead Billies, Úteros Em Fúria, Pinheads, Muzzarelas e tantas outras de que, se nós quiséssemos, inglês seria coisa nossa.

Superchunk“Cast Iron”
Patrimônio do rock alternativo dos anos 90, o Superchunk também é um exemplo mostrando um caminho, árduo mas possível, para quem não atende às exigências de mercado e nem quer atender, ao fundar seu próprio selo (a Merge Records) e lançar quase todos os seus discos do jeito que queria através dele. Obviamente, nossa realidade de país subdesenvolvido é diferente e é preciso compreender bem isso, mas sejamos honestos: se é praticamente certo que o rock não vai pagar nossas contas, porque então não tomar as rédeas de tudo e fazer o que der na telha do jeito que conseguimos lidar? Ganhar algum dinheiro é importante para pelo menos uma banda se custear, mas a prioridade tem que ser a música e o prazer que ela proporciona. Para ganhar dinheiro, o melhor é se dedicar paralelamente a outra coisa mesmo e conciliar na medida do possível.

Nada Surf“No Quick Fix”
Pode parecer uma receita um tanto cliché, mas ainda nos fascina esta tentativa de pegar uns 4 ou 5 acordes de guitarra, colocá-los em um compasso simples e tentar balbuciar uma boa melodia vocal para acompanha-los, enquanto se procura palavras que soem interessantes o suficiente para a ocasião. O Nada Surf é das bandas que investem no método e eles costumam se sair bem na esmagadora maioria das vezes.

Heatmiser“Christian Brothers”
Banda que teve Elliott Smith como vocalista. Tanto que a versão mais conhecida desta música é a que está presente em seu disco solo autointitulado, lançado em 1995. A versão solo (que apesar de ser gravada depois, foi lançada antes que a versão do Heatmiser) é tocada ao violão, acompanhada por uma discreta e contida bateria. É interessante ver como no formato com banda a canção muda e isso tem muito a ver com muitas canções que fizemos, pois elas muitas vezes partem de uma ideia feita ao violão e depois se tornam outras quando desenvolvidas com a banda toda.

Teenage Fanclub“Can’t Feel My Soul”
Powerpop é uma das grandes influências da banda, pois, na nossa concepção, um dos caminhos possíveis de se desbravar para se fazer uma boa canção é aquele no qual, entre um riff, um lick ou um acorde aberto cheio de overdrive, um baixo pulsante e uma bateria marcando bem o ritmo, você encontra uma melodia vocal que você, ao ouvir, também sente vontade de cantar. O Teenage Fanclub é um patrimônio do estilo que sabe muito bem como percorrer esta rota.

Wipers“Mystery”
Em um determinado período da banda, durante uma das diversas transições decorrentes de mudanças na formação, decidimos que escolheríamos algumas músicas que gostávamos para tocar em um ou outro show. Esta foi uma delas. Sua curta duração gerava uma dúvida sobre o que era melhor: improvisar e alongá-la ou apenas tocá-la inteira várias vezes seguidas. Acabamos optando pela segunda possibilidade. Mas é tão divertido tocar esta canção que, na verdade, tanto faz.

Nirvana“Sappy”
Foram os b-sides do Nirvana os responsáveis por mostrar uma outra faceta da banda (alguns deles, inclusive, são versões de canções do Wipers) e hoje, passados todos estes anos do furacão grunge e numa era na qual chega-se a falar sobre um revival do estilo, estes b-sides ainda se mostram preciosos. O que se extrai daí é a importância de se insistir procurando uma melhor disposição de acordes, uma linha de baixo mais interessante, uma melodia vocal mais cativante, pois, por mais que você não vá incluí-la em um álbum ou no seu repertório, é importante ter a convicção de que você fez o seu melhor e, mesmo que você consiga se superar em outras ocasiões em outras canções, em um dado momento o valor do que foi deixado para trás se fará perceptível de alguma maneira.