Coletivo SÊLA reforça a força e a luta da mulher no mundo da música e da arte

Coletivo SÊLA reforça a força e a luta da mulher no mundo da música e da arte

8 de março de 2017 0 Por João Pedro Ramos

Um levante feminino no mundo da música está em andamento e a tendência é ficar cada vez maior e mais forte. E isso é ótimo! A SÊLA, coletivo que busca uma aliança entre mulheres no meio musical, já deu origem a um festival em fevereiro com a participação de Tiê, As Bahias e a Cozinha Mineira, Tássia Reis, Luana Hansen e muitas outras, e em breve ganharão outros projetos, além de um palco no Dia da Música.

Composto pela cantora Camila Garófalo, as publicitárias Laíza Negrão e Fernanda Malaco, as produtoras culturais Marina Coelho e Cris Rangel, a jornalista Flora Miguel, a produtora musical Érica e a designer Fernanda Martinez, a SÊLA pretende tirar a mulher do eterno pedestal de “musa” na música e mostrar que elas também são instrumentistas, compositoras, iluminadoras, produtoras, técnicas de som, diretoras e mais. “Somos subestimadas e questionadas a todo momento”, explica Camila.

Conversei com Camila, Flora e Laíza sobre a SÊLA, o Dia Internacional da Mulher e a mulher no mundo da música:

– Hoje é o Dia Internacional da Mulher. Como esta data fala com vocês do SÊLA?

Flora: O Dia da Mulher é hoje bem apropriado pelo sistema, funcionando quase como uma válvula de escape para as mulheres serem “agraciadas” (e pra vender) durante um dia enquanto nos demais sofrem opressões cotidianas. Voltando para as origens da data, ela é um marco de liderança e organização feminina que terminou em feminicídio (em 8 de março de 1857 operárias de Nova Iorque organizaram uma greve e foram silenciadas com um incêndio dentro da fábrica onde estavam, culminando na morte de cerca de 130 mulheres). Então o 8 de março deve lembrar, principalmente, que nós estamos aqui, existimos e exigimos nosso direito à vida, a condições dignas de trabalho, à liberdade de ir e vir e à voz ativa.

– Como vocês veem o ainda presente machismo no mundo da música?

Flora: O mercado da música ainda é, como todos os demais, extremamente machista. Existe nele uma característica estrutural também que é a de que homens são culturalmente mais incentivadora a tocar um instrumento, a sacar de música. Então, essa balança não está equilibrada. Soma-se a isso estigmas como o de que a mulher na música é cantora, intérprete. A mulher na música é o que ela quiser, onde ela quiser estar. Temos que parar de aceitar os papéis pré concebidos a nos. E estar atentas ao assédio, que também está bem presente nesse meio.

– E este pensamento está diretamente ligado à criação da SÊLA, correto?

Flora: Correto. O desejo de união que fomentou a SÊLA vem do cansaço desse papel pré concebido para a mulher – no nosso caso a mulher da música, que é nosso motor e modo de viver. Enxergamos também que com a união as mulheres se fortalecem e atingem mais “em cheio” seus objetivos. Isso, em um mercado extremamente masculino, é transformador.

– Vocês têm percebido um levante das mulheres na música em se afirmar? Eu tenho notado que estão rolando muitas atitudes como a de vocês, com a PWR Records, o zine Distúrbio Feminino, muitas bandas de minas surgindo por aí e se posicionando…

Flora: Temos percebido sim e esse levante é real. O fortalecimento do movimento feminista tem impulsionado maior visibilidade para as mulheres em diversas aéreas. Na música isso está bem explícito, talvez porque não raras vezes arte e militância se encontrem. Movimentos como PWR Records, Distúrbio Feminino e Girls Rock Camp reforçam a ideia de que a união das mulheres na área musical gera resultados fantásticos.

– Como mudar esta mentalidade da indústria musical que tira as mulheres de cena, como podemos ver nas escalações de grandes festivais como o Lollapalooza e o Rock In Rio, que escalam um número ridículo de artistas femininas?

Flora: Infelizmente, ainda não é tarefa fácil fazer o discurso feminino ser ouvido pelos homens (que estão no controle da indústria musical). Então é preciso falar bem alto, fazer pressão mesmo. E acima de tudo entender que nós realmente somos a mudança que queremos alcançar e que o poder da transformação está nas nossas mãos. Nós não precisamos mostrar que somos talentosas e por isso merecemos um espaço que é dos homens: temos que exigir um espaço que é nosso por direito.

Camila: É preciso ocupar os palcos e os bastidores. Mulheres no microfone, na guitarra, bateria, Baixo, mesa de som, roadie, luz, câmera e ação.

– E quais são os próximos planos da SÊLA? Tem mais festivais marcados? Eventos?

Camila: Próximos passos para a SÊLA é continuar alimentando parcerias com outras mulheres. Teremos um palco SÊLA no Dia da Música em parceria com a Katia e a Mariângela da Associação Cultural Santa Cecília. Isso é precioso pra nós, unir forças. Ou seja, antes de fazer um novo festival SÊLA queremos entrar em contato com outros projetos que tem o mesmo objetivo que o nosso: exaltar as mulheres em todos os aspectos. Além disso estamos nos estruturando pra futuramente conseguirmos agenciar cantoras e artistas.

– Recomendem bandas e artistas para as pessoas ouvirem nesse dia 8 de março. E não só hoje, lógico.

Camila: Luana Hansen e todos seus raps, “Flor de Mulher” principalmente. Iara Renno com “Mama”, MC Sofia com “Menina Pretinha”, Paula Cavalciuk com “O Poderoso Café”, Karina Buhr com “Eu Sou um Monstro”. “Vaca Profana” da Gal Costa.

Flora: “Four Women”, da Nina Simone, “Laura” da Marina Melo, “Intuição”, da Papisa, “Rebel Girl”, do Bikini Kill, “As De Cem”, da Brisa Flow, “Mother Nature”, da In Venus, “Man Down” da Rihanna, Tulipa Ruiz, “Prumo” e Malli, com “La Nave Va”.

Laíza: Elza Soares com “Mulher do Fim do Mundo”, “100% Feminista”, “Bonecas Pretas” da Larissa Luz, “AfroFuturo” da Ellen Oléria, “Todas as Mulheres do Mundo” da Rita Lee, “Desapegada” da Tássia Reis tem que ter!

Flora: vamos colocar uma da Camila também? “Camarim”. Daí acho que fechou bonito!

Criamos uma playlist com as sugestões do pessoal da SÊLA. Ouve aí: