Cantora e instrumentista Larissa Baq prepara o seu primeiro álbum solo, “Voa”

Cantora e instrumentista Larissa Baq prepara o seu primeiro álbum solo, “Voa”

9 de outubro de 2015 0 Por João Pedro Ramos

A multi-instrumentista, cantora e compositora Larissa Baq acaba de voltar de uma turnê pelo Uruguai e Argentina e já começou a  trabalhar em seu primeiro CD, “Voa“, que contará com a produção da própria artista e do austríaco Michael Ruzitschka. Além disso, Baq também se desdobra em outros projetos: o “dePerto“, que reúne artistas brasileiros e internacionais em formato acústico. A estreia aconteceu em 2014, com o cantor e compositor Pedro Altério, integrante do grupo 5 a seco; O “Improvisoul“, espetáculo de improviso musical em formato de trio com formações diferentes a cada edição; E o “Compositoras Existem!“, exaltando a música de compositoras de diversas nacionalidades e tempos.

Em 2012, a cantora foi convidada a fazer parte da programação do Brazilian Day Barcelona/Espanha, onde apresentou o show de seu EP “iR“. Já tocou em Londres, Paris, Lisboa, Porto e Barcelona. Em turnê pela América do Sul, lotou casas de shows pelo circuito da música independente em Buenos Aires, La Plata e Montevideo. Além de se apresentar por todo o Brasil, é claro. “O plano de fazer a América do Sul inteira existe”, ela explica. 

Conversei com ela sobre sua carreira, o disco que vem por aí e o incentivo à novos cantores e compositores que a TV e as rádios (não) oferecem:

– Você está em turnê pela América do Sul inteira, é isso? 🙂
Estive pelo sul do Brasil, Uruguay e Argentina! Mas o plano de fazer a América do Sul inteira existe (risos). Adoraria, mas exigiria muito tempo de estrada, coisa que não tá rolando por agora, ficar muito tempo fora e tal.
– Quando você começou sua carreira?

Comecei estudar guitarra com 12 mas minha carreira como musicista profissional, com 18, como percussionista. Minha carreira como cantautora foi um pouco mais tarde, aos 22, mais ou menos. Abracei a guitarra e não soltei mais.

– Quais são suas principais influências musicais?

De tudo. Odeio me limitar, ouvir uma coisa só, até mesmo trabalhos com os quais não me identifico me influenciam, sabe? Ouço de Chet Baker e Bach à Siba e Ed Sheeran. 🙂
– Me fale um pouco sobre o material que você já lançou.
Lancei um EP em 2012, o qual rodou um bocado bem, alguns singles em 2013 e 2014 e agora to preparando meu primeiro álbum à vera. 😀
Larissa Baq
– O que você acha dos famosos reality shows musicais?
Acho que cumprem bem o papel deles, de entreter. Existem pessoas muito boas envolvidas neles, existem pessoas fantásticas participando deles. Acho eles divertidos, as vezes assisto e torço, numa relax.
– O que você acha da música pop que atinge o topo das paradas hoje em dia no Brasil?
Eu acho que se tem tanta gente ouvindo essa música, isso move tantas pessoas, merece atenção. E se faz bem pra essas pessoas, dou total apoio pra existir, seja sertanejo, seja forró, seja pagode, pop, MPB ou o que for. Sou à favor da música fazendo bem pra gente toda.

– Se você pudesse dividir o palco com qualquer artista ou banda, quem seria?
Annie Clark!
– Quais são as principais dificuldades e vantagens de ser uma artista independente?
Cara, eu sou bem feliz sendo independente, não acredito nas vantagens que uma gravadora poderia me trazer hoje, sabe? Fazer na independência e fazer como eu quero, seguir meus feelings e estar cercada de pessoas que acredito é maravilhoso. Claro, financeiramente é difícil, mas nada impossível. Tô fazendo metade do meu disco com apoio feito à partir de financiamento coletivo e agradeço muito às pessoas que acreditaram em mim e me ajudaram nessa. O lance é buscar formas de fazer, estar em movimento e somar com quem está na mesma sintonia.
Larissa Baq
– Você acha que as rádios e TV dão espaço para novos artistas?
No Brasil, não. A não ser que você tenha um Q.I. fodástico, seja filho de alguém ou teve a sorte de os caras irem com a sua cara (risos). As rádios continuam tocando o Acústico MTV do Capital (nada contra, mas já tem 15 anos (risos)), enquanto isso, centenas de artistas independentes estão produzindo músicas fantásticas aqui fora, no mundo real. Estive na Argentina recentemente, rolaram muitas entrevistas e a maioria em rádios, achei do caralho! As pessoas ouvem rádios e as rádios são democráticas: todo mundo toca. Se não nesse ou naquele programa, com certeza vai ter algum que vai receber teu som. Outro mundo.  Isso faz com que façamos nosso caminho sem eles, sem TV, sem rádio. E com internet tudo ficou possível, né? Nada de se lamentar que as Tvs e rádios não nos dão bola, bora somar e fazer barulho. 🙂
– Quais bandas e artistas (de preferência independentes!) têm feito a sua cabeça?
Boogarins, Macaco Bong, o disco novo do Dani Black tá fantástico, Sandyalê, o novo do Black Alien é um soco no estômago, Bixiga 70, Inky, Francisco el Hombre, Valbe Trio, Le Blanc, Juana Molina, etc. Tem muita gente incrível por aí, nosso tempo é de seres criativos em plena expansão.