Audiometria: o que andará fazendo Rebecca Black, cantora do hit torto “Friday”, de 2011?

Audiometria: o que andará fazendo Rebecca Black, cantora do hit torto “Friday”, de 2011?

24 de agosto de 2017 0 Por João Pedro Ramos

Audiometria, por João Pedro Ramos

Em 2011 você com certeza ouviu o inesperado e bizarro hit “Friday”, cantado pela adolescente Rebecca Black. Escrito e produzido por Clarence Jey e Patrice Wilson, foi a estreia de Black no mundo da música, com uma letra infantiloide, voz desafinada, instrumental pop generico e capenga e o acompanhamento de um clipe que ficou para a história do Youtube por seu fator trash. Em 2011 o clipe alcançou a marca de video com mais “dislikes” no Youtube, mas todo esse ódio foi o que transformou a vida da jovem. Afinal, se o negócio era tão ruim assim, estava pronto para virar meme! Deu no que deu: a música tocou pra cacete, ganhou versões cantadas por Jimmy Fallon, Richard Cheese, Todd Rundgren, Justin Bieber e o elenco de Glee, a moça apareceu no clipe de ˜T.G.I.F.” da Katy Perry… Mas por onde anda Rebecca Black pós-“Friday”?

No Audiometria de hoje decidi ir atrás da obra da californiana. Procurei por um álbum pra ouvir, mas como a moça é da nova geração, como Jonathan, ela lança apenas singles. Afinal, discos estão muito ultrapassados, e além disso acho que ninguém suportaria mais de 5 minutos de algo como “Friday”. Mas não vou me precipitar, afinal, não sei nada sobre o resto da obra de Rebecca.

Em 2011 mesmo saiu “Person Of Interest”, onde a voz da garota está BEM melhor. Sim, eu usei Caps Lock, mas é uma diferença enorme depois de “Friday”. Até a música e sua guitarrinha funkeada funcionam. Tá, não é nenhuma obra-prima, mas pensando que essa é a sucessora da música mais “descurtida” do Youtube, está ótimo!

Em 2012, Rebecca lançaria “Sing It”, que começa com uns “woo-ooo” que mostram que essa é uma música com a pegada Avril Lavigne de ser. Sim, essa música passaria por uma da canadense facilmente. Pop rock com palminhas, letra bobinha (lógico que não é o tati-bitate de “Friday”, mas é bem simples). Funciona, até.

“In Your Words”, do mesmo ano, é bem noventista e devo dizer que é a melhor até agora… Balada com violão, a voz dela novamente BEM melhor e uma composição que poderia facilmente tocar nas rádios FM se tivesse a indústria da música apoiando. Sério. Sim, também parece um pouco com Avril Lavigne com um pouca de inspiração de cantoras noventistas como Sheryl Crow, Meredith Brooks e etc, mas funciona bem. Essa aqui funciona de verdade.

Obviamente tivemos um som chamado “Saturday”. A parceria com Dave Days saiu em 2013 e parece muito mais com algo da Ke$ha na época. A voz da moça está bem melhor, não sei se por treinamento ou pelo exagero de autotune. A letra continua bobinha, mas claro que nada tão ruim quanto “Friday”. No clipe, aparecem imagens do que seria o dia seguinte à “Friday”, com o cliché de pessoas jogadas pela casa, aquela coisa meio American Pie de ser. Até que a ressaca de sexta termina e o sábado começa com uma nova balada que conta até com uma cover de Miley Cyrus. Ah, assim como ela não queria que a sexta-feira terminasse, na letra ela também não quer que o sábado chegue ao fim. Rebecca, pare de se apegar tanto aos dias!

E já que tivemos uma Miley Cyrus no clipe de “Saturday”, porque não gravar covers da loirinha filha de Billy Ray? Em 2013 Black começou a investir em covers pra mostrar que sabia cantar e tentar apagar a imagem de voz de taquara com autotune que “Friday” deixou. Ela gravou versões para “We Can’t Stop” e “Wrecking Ball”. Em 2016 finalmente tivemos uma nova música autoral de Rebecca: “The Great Divide” começa com um pianinho mezzo-Linkin Park, mezzo-Evanescence. A voz da californiana continua em evolução e nessa música está bem boa. Até aqueles agudões ela manda, não deixando nada a dever para Demi Lovato. Aliás, essa música lembra bastante o trabalho da ex-Disney. A mocinha que ama as sextas-feiras está evoluindo! Essa música ganhou um remix e o remix ganhou clipe:

Daí chegamos em “Scars To Your Beautiful”, que mostra que a cantora já está bem perto do que as cantoras pop estouradas na Billboard fazem. Sério, essa música podia ser facilmente algo da Ariana Grande, Selena Gomez e etc, desde a voz até o instrumental. A baladinha “Baby It’s Cold Outside”, dueto com Max Ehrich, também mostra que a menina do “Friday” ficou mesmo pra trás.

Este ano saiu o single “If We Were A Song” e em agosto tivemos “Foolish”, que lembra um pouco as obras de Major Lazer e o disco do Justin Bieber que todo mundo amou, “Purpose”. Como acontece com muitas cantoras pop, Black entrou na fase “sexy” e no clipe já está mais confiante, entrando na piscina de topless e etc. A música poderia muito bem ser um sucesso nas pistas de dança, tudo depende dos DJs tocarem…

Essa é a história musical de Rebecca Black. Eu sinceramente achei que ia ouvir mais coisas como “Friday”, mas aparentemente a moça tá cada vez mais crescendo musicalmente. Só falta ser reconhecida e fazer mais barulho por aí. Infelizmente, o povo só compartilha as coisas pra zoar, como foi com o primeiro clipe da moça… Enfim. Boa sorte para Rebecca Black e lembrem-se: amanhã é sexta-feira!