5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Wlad Cruz, diretor de “Uma Nova Onda de Liberdade – A História do Madame Satã”

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Wlad Cruz, diretor de “Uma Nova Onda de Liberdade – A História do Madame Satã”

4 de dezembro de 2015 0 Por João Pedro Ramos

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, o convidado é Wlad Cruz, diretor de “Uma Nova Onda de Liberdade – A História do Madame Satã”, documentário sobre a lendária casa paulistana, DJ, produtor e editor do site Zona Punk.

Carl Barât and the Jackals“Glory Days”

“Quem? Projeto de Carl Barât do The Libertines que lançou apenas um EP em 2015. Por que? É uma música que um Mick Jones poderia ter composto na fase “Combat Rock” do The Clash, por exemplo. Esquecida em um EP que quase ninguém ouviu, é uma das grandes de 2015″.

Hey Hello! “How I Survived The Punk Wars”

“Quem? Hey Hello! é um dos projetos paralelos do Ginger, frontman do The Wildhearts. Por que? É uma das músicas com a letra mais sincera que se tem notícia. Sabe aquele papinho de ‘o que você pode dizer pra quem está começando?’. A letra é essa resposta perfeita – para banda, mas você pode (e deve) aplicar para outras áreas. Um guia atemporal para viver no tal rock. ‘Ask lots of questions, don’t eat the bullshit'”.

Noi!se“How We Made It Through”

“Quem? Banda street punk/Oi! americana da nova geração. Por que? No meio desse hype sob o rótulo de street punk, o Noi!se se destaca pelas suas melodias noventistas e as boas letras. Esta é das melhores, e serve tanto para fãs de Oi! quanto para quem curte punk rock 90’s a lá Face To Face ou Rancid. Lançada em 2014 no disco “The Scars We Hide’“.

Refused“Dawkins’ Christ”

“Quem? A reformada banda sueca de hardcore avant garde. Por que? Depois de lançar uma obra-prima, o ‘The Shape Of Punk To Come’, o grupo acabou e retorna agora quase duas décadas depois com um disco, que se não é genial como seu antecessor, ainda é algo relevante. O primeiro single é esta faixa, musicalmente criativa e com uma letra bruta que enfrenta todo tipo de absolutismo em frases como ‘No absolution, no alibis  / Just belief and doubt and then we die / We furnish the void with our attempts at lives / I got · Judas’ Heart · Nietzsche’s soul · Dawkins’ cock In a god-shaped hole'”

Gala Monstro“Diabólica”

“Quem? O Gala Monstro foi uma banda de curta duração comandada pelo Zé (Holly TREE / Name The Band). Por que? Foi uma banda que passou batido, e não tinha muito rótulo. Fazia dub, ska, groove, funk, punk, tudo meio junto com uma porção de ótimos refrões. Surgiu numa época de entressafra, onde o Cine e o Restart estavam dando as cartas no pop e no underground seus subprodutos eram a regra. Acho justo o resgate, ainda mais sendo algo nacional, onde o reconhecimento tardio já é praxe. Um belo projeto que por vezes deve ser relembrado”.