5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Rafael Chioccarello, do Hits Perdidos

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Rafael Chioccarello, do Hits Perdidos

12 de agosto de 2016 0 Por João Pedro Ramos

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje o convidado é Rafael Chioccarello, do Hits Perdidos, Anchor Mixtapes e muitos outros projetos, além de meu braço direito (e às vezes esquerdo) no projeto do tributo aos Titãs “O Pulso Ainda Pulsa” (que você pode ouvir aqui).

Beat Beat Beat“Living In The Future” (2006)

“Conheci praticamente por acidente essa banda. Eu tinha uma comunidade no Orkut chamada “Pub Rock” onde no auge dos meus 15 anos, eu que já era frequentador e um dos moderadores do Fórum MP3 Punk Hardcore (que depois virou Suicídio Social), publicava meus queridos uploads no Rapidshare/Megaupload. Pois é, estamos velhos. Certo dia, um cara me pediu se eu podia arranjar este (até então novo) lançamento deste grupo de surf/punk/garagem/power pop/77. Dei risada com tanto rótulo que o cara usou para explicar a banda. Um tal de Beat Beat Beat. Depois que ouvi, eu simplesmente pirei. Acabou que por aí eu conheci uma imensidão de bandas australianas totalmente inspiradas em grupos como Stooges, The Cramps, Beach Boys e os locais Fun Things. Segue uma cover desse disco então”.

Big Star“Radio City” (1974)

“Não vou negar, conheci eles através do “#1” (1972), que disco amigos. Daqueles que você se tiver num dia ruim, cai no choro. Depois um amigo meu de Bauru/SP, Bruno Marise – que de vez em quando escreve para o Guitar Talks – me falou que eles tinham outros dois discos incríveis. Dei uma chance para ambos: “Radio City” (1974) e “Third/Sister Lovers” (1978). Cara, se você pega para ver o documentário deles “Nothing Can Hurt Me” (2012), você termina e fica mal. Dias sem acreditar no mundo e no “azar” de ter tudo para dar certo, mas de uma hora para a outra ver seu mundo e planos desabarem. A Ardent Records, que era o selo que eles faziam parte, basicamente decretou falência nas vésperas deles lançarem um disco. O fim de uma banda pequena em ascensão em Memphis estava consumado. Desse disco eu destaco as canções “O My Soul”, “Back Of a Car”, “Way Out West”, “September Girls” (que o Replacements faz até cover) e “I’m In Love With A Girl”.

The Death Set“Мишка Presents Artificially Sweetened” (2010)

“Essa aqui quem gosta de “música estranha” vai se amarrar. E eu fui conhecer eles exatamente por uma mixtape MALUCA que cara, você acha no Soulseek, eu acredito (não tem no Youtube). É meio que um DJ set que mistura punk, oldies, hip hop, new wave, hardcore e música de desenho animado. Tudo isso num remix incrível que quando você vê a mixtape de 43 músicas cheia de samples “dementes”, termina. Para ter uma ideia do que rola nessa bagunça: Zombies, Japanther, XXXChange, Notorious B. I. G., Jackson 5, The B-52s, Descendents, Los Pico Pico (sim, os latinos), Angry Samons, Sonic Youth, Beastie Boys, Aphex Twin, Cap’N’Jazz, Dan Deacon, Pee Wee Herman, M.I.A., Fugazi, Devo, Breeders, Bad Brains, Buju Banton, Jay Reatard, Crystal Fighters, Black Eyes e Cerebral Ballzy. Coisa fina!”

The Exploding Hearts“Guitar Romantic” (2003)

“Talvez o meu disco favorito. Já ouvia todas as influências deles anteriormente como New York Dolls, The Undertones, Buzzcocks, The Clash, The Real Kids – que quase entrou nesta lista – Nerves, The Jam, Nick Lowe, The Boys e The Only Ones. Apaixonado eu fiquei quando terminou o disco e eu quis colocar para tocar mais umas 15 vezes naquela tarde. Eu estava hipnotizado, era tudo que eu queria ver ao vivo. Detalhe: conheci a banda em 2007 e claro que a banda ia acabar em 2003 após um fatídico acidente com a van durante uma tour. Se não me engano apenas um cara sobreviveu. A maioria tinha entre 21 e 23 anos. Triste demais, era o disco do ANO de Portland dentro do nicho. Eventualmente fizeram um tributo a essa pérola em 2013, que foi ao ar pelo site da Dirtnap Records que fez uma série de versões com bandas influenciadas por eles. Recomendo ouvir inteiro (um milhão de vezes seguidas). Preste atenção nas faixas “Modern Kicks”, “Throwaway Style”, “I’m Pretender” e a minha favorita “Sleeping Aides And Razor Blades”.

The Replacements“Tim” (1985)

“Não é o melhor disco dos Replacements, porém é inesquecível na discografia da banda, pois além de ter sido produzido pelo Tommy Ramone – e ter sido lançado por uma major (Sire) – contém hits chicletudos como “Kiss Me On The Bus”, “Bastards Of Young” – e seu videoclipe Anti-MTV – “Swingin Party”, que até a Lorde recentemente se meteu a fazer uma versão. Tem também a irônica e genial “Left Of The Dial” (hino das college radios), a balada romântica “Can’t Hardly Wait” e a música perfeita para enterro – que toca até em How I Met Your Mother“Here Comes A Regular”. É a minha banda predileta a anos. Vale a pena ver o documentário, baixar o genial e punk “Sorry Ma, Forgot To Take Of The Trash” (1981) que tem “I Hate Music”, que não é coincidência o disco do Superchunk ter o mesmo nome. Além do “Please To Meet Me” (1987) que é um divisor de águas na carreira dos heróis de Mineapólis. PS: Eu amo o disco “Don’t Tell a Soul” (1989) e defendo ele mesmo a banda ter praticamente acabado e ser basicamente um disco “tretado” com mais de 15 músicos. Alguns considerarem praticamente um disco solo do Peter Westerberg“.

https://www.youtube.com/watch?v=xvbEyU-GrQs

Bonus Track:

Frontkick“The Cause OF The Rebel” (2007)

“Eu sou neto de espanhóis, então para mim ter curiosidade pela música do país sempre foi algo explorar. Eskorbuto, Ska-P, La Polla Records, Oi! The Arrase, Código Neurótico (tenho um LP tributo que o Frontkick participou) foram bandas que me marcaram. E bem em 2007 eu estava completamente obcecado por Street Punk. Através de um STALK (isso mesmo Stalking!) de profile de uma galera que eu julgava ter bom gosto musical vi uma comunidade com poucos membros do Frontkick e baixei o “Guitars And Crime” (2002) e já me vi cantarolando pela casa “Perdido”, “A Tu Manera” e “So What?”. Aquelas guitarradas e junção de punk com uma guitarra tão bem trabalhada fez eu querer ir atrás de mais discos. Lembro de gostar do “Underground Stories” (2004), mas curtir mesmo o “The Cause Of The Rebel” (2007). Este que tem canções chicletudas como “Dead’Uns”, “Dressed For Success”, “Like Father, Like Son” e “Back For More”. Em 2012 eles lançaram esse clipe prometendo um novo disco – com a banda praticamente toda reformulada (só faltou o vocalista) – e soltaram esse clipe. Estou esperando o disco até hoje! PS: Nunca achei disco para comprar, se alguém que ler isso quiser me dar de presente eu agradeço e muito!”