Virais no Facebook, Color Killer mostram que o punk rock ainda mexe com o coração da “geração Z”

Virais no Facebook, Color Killer mostram que o punk rock ainda mexe com o coração da “geração Z”

13 de março de 2019 0 Por João Pedro Ramos

Um dia desses, o Facebook me presenteou com um daqueles posts perdidos com um vídeo de um quarteto de moleques com cabelos coloridos tocando punk rock. Tive que parar e prestar atenção. A música era parte do disco “Generation Z”, e a banda era o Color Killer, formada por Lincoln (9 anos, guitarra e vocal), Nate (12 anos, baixo e vocal), Matt (11 anos, bateria) e Dylan (12 anos, guitarra). Com muito punch, presença de palco e energia, a banda da “geração Z” já abriu para bandas como The Queers, Mighty Mighty Bosstones e foi a banda mais nova a tocar na icônica Vans Warped Tour, no ano passado.

A segunda música que escreveram, “Down With Winter“, teve um milhão de visualizações no Facebook em uma semana, e Billie Joe Armstrong do Green Day compartilhou um vídeo deles fazendo uma cover, o que rendeu ainda mais reconhecimento para o quarteto de crianças punks. Hoje em dia, o Color Killer está com um documentário em processo de edição em parceria com a Inbound Filmes e com um Kickstarter.

– Como a banda começou? Como vocês se conheceram?

Lincoln, Nate e Dylan e começaram a banda por diversão para um show de talentos do Ensino Médio. Dylan era o baterista na época. Matt assistiu ao show de talentos e seu pai foi atrás de falar com a banda, que parou depois desse show. Lincoln tinha alguns shows solo marcados e então decidimos tentar fazê-los como uma banda. Dylan não estava disponível, então Matt tocou bateria. Após o primeiro, começamos a receber ofertas para muitos shows e, eventualmente, Dylan voltou como a ser o segundo guitarrista.

– Como surgiu o nome Color Killer?

Nós apenas sentamos juntos e fomos juntando palavras até chegarmos a algo que gostássemos. Pesquisamos no Google e descobrimos que “Color Killer” era algo nas antigas televisões e é por isso que temos uma televisão no nosso logotipo.

– Me contem mais sobre as músicas que vocês lançaram até agora!

Nosso primeiro álbum, “Generation Z”, saiu em julho do ano passado. Antes disso, a segunda música que escrevemos, “Down With Winter”, recebeu mais de um milhão de visualizações no Facebook em menos de duas semanas. Nós lançamos um cover de “Nuttin For Christmas” em dezembro, que conta com participação do Dicky Barrett do Mighty Mighty Bosstones e acabamos de lançar um single para nossa música “California” algumas semanas atrás.

– Quais bandas vocês diriam que inspiram seu som?

No começo, era provavelmente o Green Day e o Blink 182, mas ouvimos muita música diferente agora. Bandas como The Prozacs, Teenage Bottlerocket, MxPx e The Queers.

– Eu vi pessoas chamando você de “o futuro do rock” e “o próximo Green Day”. Como vocês se sentem sobre isso?

Já existe uma banda chamada Green Day. Nós somos o Color Killer.

Color Killer

– Como está sendo fazer turnê? Eu ouvi dizer que vocês tocaram em lugares incríveis!

Nós realmente não fizemos uma turnê. Nós tocamos cerca de 50 shows no ano passado. Nós tocamos na Vans Warped Tour, na 924 Gilman Street, na Califórnia e no House of Blues, em Boston.

– Como as pessoas respondem quando veem uma banda tão jovem destruindo no palco?

Eu não sei. Eles parecem curtir. É divertido ver pessoas cantando nossas músicas. As pessoas sempre pedem autógrafos e mal sabemos como escrever nossos nomes.

– Vocês estão trabalhando em um EP ou álbum?

Temos várias músicas que não gravamos e estamos trabalhando em mais. Nós decidiremos quando estamos prontos para registrar o que fizemos. Esperamos gravar durante as férias de verão.

– Como é o seu processo de composição? Quais são suas inspirações em fazer uma música?

Temos algumas pessoas que nos ajudam a escrever músicas. O Jay do The Prozacs e o Walter do After The Blackout nos ajudam com nossas músicas. Às vezes nós gravamos a música por conta própria e enviamos para eles para ajudar com as letras e às vezes temos uma ideia do que queremos sobre a música e eles ajudam com a música e as letras. Muitas das músicas são sobre coisas em nossas vidas. “Michael Doesn’t Like Me” é sobre um bully da na nossa rua. “Toothless Wonder” é sobre Lincoln perder todos os dentes no ano passado, o que tornou difícil de cantar. “Spiders” é de uma história que Nate escreveu sobre estar com medo que as aranhas vão dominar nosso planeta.

– Vocês planejam fazer uma turnê mundial?

Esperamos que algum dia!

– Quais são os próximos passos da banda?

Escrever mais músicas e fazer mais shows!

– Recomendem bandas e artistas independentes que chamaram sua atenção ultimamente!

Algumas bandas que temos ouvido ultimamente são The Prozacs, Marko and the Bruisers, The Apers, Teenage Bottlerocket, Circus Trees, The Mighty Mighty Bosstones, Less Than Jake e MxPx.