Vamos falar de música francesa? Hoje é dia de conhecer a surpresa francófona Brigitte!

Vamos falar de música francesa? Hoje é dia de conhecer a surpresa francófona Brigitte!

3 de agosto de 2018 0 Por Melissa Marian

Vamos falar de música francesa? Hoje é dia de Brigitte.
.
Brigitte é um duo francês composto por Sylvie Hoarau e Aurélie Saada que eu descobri por acaso e tive uma das melhores surpresas francófonas da vida. Apesar de gostar muito da língua francesa e de tê-la estudado durante vários anos, quando me alguém mencionava “música francesa” eu só conseguia pensar em alguma cafonice, com um cantor de boina vermelha e bigode tocando uma musiquinha bem chata. Acho que peguei esse ranço pela maneira como fui apresentada a musica francesa, principalmente nos cursos que fiz, cantando “Voyage Voyage” e “La danse des Canards” até enjoar.

Vinte anos se passaram desde então, foi quando eu comecei a frequentar os festivais de filme francês e daí veio o interesse pela música também. E fuçando no YouTube e Deezer, dei de cara com essa beleza de duo.
O primeiro single que eu ouvi foi “Ma Benz”, que na verdade é um cover de um grupo de hip-hop francês chamado Suprême NTM. Esse é um dos casos em que o cover fica muito melhor que o original.

Aí depois dessa lindeza me embebedei loucamente no primeiro álbum, “Et vous, tu m’aimes?”, lançado em 2011. Em seguida, vieram mais quatro álbuns, respectivamente: “Encore” (2012), que tem vários covers legais de artistas tão diversos quanto Metronomy e George Michael; “A bouche que veux-tu” (2014), que tem como faixa de abertura a excelente “L’échapée belle”, que tem um clipe incrível, todo feito em animação e uma pegada bem disco, que é uma das marcas registradas da banda; aliás eu arriscaria dizer que Brigitte é uma ótima opção pra se tocar em festas – alô DJs, #ficadica!

CURIOSIDADE: Este álbum ficou conhecido como “gêmeas”, pois o duo usava roupas, maquiagem e perucas iguais para ficarem parecidas em shows e clipes.

Em 2015 foi lançada uma coletânea de sucessos com as meninas cantando com uma orquestra ao fundo. O pop disco deu lugar a violinos, no álbum intitulado “1 chef d’orchestre, 12 cordes, 3 cuivres et une flûte”. Agora vamos ao quinto e ultimo álbum, “Nues” que foi lançado no final de 2017. Bem heterogêneo, mas ainda pop e dançante. Escolhi a faixa “Paris”, não apenas por ser minha preferida, mas porque tem algo no refrão que me lembra “Lose Yourself to Dance” do Daft Punk. O mesmo se repete na faixa “Sauver Ma Peau”. Poderia ter um dedo do Nile Rodgers nesse álbum, mas não tem. Inclusive fico imaginando a bomba que seria um encontro dessa galera. Quem sabe um dia.

E depois dessa, tem como não se interessar por musica francesa? Me aguardem, logo logo tem mais!