Ucraniana MaHa Rocks segue os passos de seus ídolos em suas músicas raivosas

Ucraniana MaHa Rocks segue os passos de seus ídolos em suas músicas raivosas

6 de setembro de 2017 0 Por João Pedro Ramos
Mary Dovgopoliuk cresceu em uma família que trabalhava com arte, onde absorveu um amor pela música desde que se entendia por gente. Quando ouviu rock pela primeira vez, sua vida mudou: aquele estilo que tocava seu coração. A ucraniana decidiu que era aquilo que faria, começou a tocar guitarra com 14 anos e nunca mais parou. Em 2011, lançou seu primeiro disco, “In My Mind”, já com o nome MaHa Rocks. Algumas músicas do álbum chegaram a aparecer no Top 100 da NBTRadio de Berlim, aparecendo na lista novamente em 2015, e ela foi finalista da competição “Hottest New Artist” da ASCAP em 2012.
Em 2014, MaHa lançou novas versões de suas músicas “Deep Trip” e “In Mind” e suas colaborações com o compositor Kevin Nevel “I Am A Ukrainian” e “The Same Old Thing”. Em novembro de 2015 foi lançado o clipe de “I Am Ukrainian”, com imagens relacionadas ao terrorismo, guerras e agressão militar, ganhando o prêmio de Melhor Clipe Pop pela Akademia Music Awards em 2016 e conseguindo mais de 80 mil visualizações no Youtube. “Eu escolho o tema de uma música primeiro e normalmente é algo que realmente me incomoda”, conta, evidenciando que não devemos esperar por canções de amor nos seus planos.

– Como você começou sua carreira?

Eu fiz aulas de guitarra na escola quando tinha 14 anos e realmente me apaixonei pela música. Eu tocava muito e fui guitarrista solo na minha primeira banda. Mas depois que eu escrevi minha primeira música, “Corner”, descobri que isso é o que eu quero fazer na minha vida e resolvi fazê-lo profissionalmente.

– Então o Maha Rocks é um trabalho solo ou uma banda?

Um trabalho solo.

– Então porque o nome Maha Rocks?

Porque Maha é meu apelido desde minha adolescência e “rocks”… Bom, isso é o que eu amo fazer, sabe, tocar rock. Quando escrevo letras, elas sempre são bem puxadas pro rock e muito expressivas. A segunda definição do nome “MaHA Rocks” é “Saint Rocks” – é o meu conceito de vida, o que significa que é importante seguir seus sonhos e ir atrás deles não importa o quão difíceis eles pareçam ser. Escalando!

– Quem são suas principais influências musicais? Bandas, artistas, amigos, filmes, livros…

Todos que me fizeram sentir a música: Slash, Zakk Wylde, John 5, Eric Clapton, AC/DC, Black Sabbath, Robert Plant, Metallica, Joan Jett, Bonnie Rait, Nickelback, Incubus, Rob Zombie, KoRn, Five Finger Death Punch, HIM, The 69 Eyes, Stone Sour, Limp Bizkit, Dommin, Bullet for My Valentine, e muitos mais. Filmes? Talvez a série “Nashville”.

Maha Rocks

Maha Rocks

– Me conta mais sobre o material que você lançou até agora.

Lancei meu álbum de estréia, chamado ‘In My Mind’. Foi gravado na Ucrânia, na minha cidade natal. Tem 12 canções e tem riffs de guitarra fortes misturados com otimismo e esperança nas letras. Duas músicas desse álbum, ‘Deep Trip’ e ‘In Mind’, têm novas versões, que foram regravadas em estúdios profissionais de Nova York e Dubai. Além disso, quando estudei no Berklee College of Music, colaborei com compositores e lançamos as músicas “I Am Ukrainian” e “The Same Old Thing”. Tenho clipes para as músicas de ‘In Mind’, ‘The Same Old Thing’ e “I Am Ukrainian”.

– Como você definiria a cena musical independente em seu país?

Eu vejo algumas mudanças na cena musical independente ucraniana. Por exemplo, agora estou participando de um concurso que tem como objetivo encontrar os melhores artistas ucranianos independentes e dar-lhes público e a oportunidade de serem ouvidos. É a primeira vez que esse concurso é realizado. Então, acho que é uma jogada positiva.

– Quais bandas e artistas ucranianos você acha que o mundo inteiro deveria ouvir?

MaHA Rocks, claro (risos).

– Ei, aí não vale! (Risos) Por favor, outros exemplos!

Ok, talvez Onuka. O mundo inteiro a viu quando este ano no Eurovision que foi realizado na Ucrânia. Sua música é EDM.

– Como é o seu processo de composição?

Eu escolho o tema de uma música primeiro e normalmente é algo que realmente me incomoda. Então eu escrevo letra e música, gravo um rascunho e trabalho nisso. Uso guitarra acústica e piano para compor.

– Então você costuma usar suas músicas para se expressar sobre o que te incomoda?

Certo.

– Então não devemos esperar uma música de amor de você, certo?

Absolutamente certo!

– Se você pudesse trabalhar com qualquer pessoa do mundo da música, quem seria?

Rick Barker, Dave Kusek, Tom Jackson, Zakk Wylde

– Você está atualmente trabalhando em músicas novas?

Sim. Estou trabalhando em novas músicas que eu gostaria de gravar totalmente no meu controle, tocando todas as partes da guitarra, percussão e misturando/dominando tudo na produção. É uma nova experiência e quero ter mais tempo para experimentar.

– Recomende bandas e artistas independentes que chamaram sua atenção ultimamente!

Eu acho que o último é Matt Jordan. Orianthy e Jared James Nicols também.