Construindo LuvBugs: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o duo LuvBugs, do Rio de Janeiro, formado por Paloma Vasconcellos (bateria) e Rodrigo Pastore (guitarra e voz) Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

Bikini Kill“Girl Soldier”
Paloma: Definitivamente, a Tobi Vail é uma grande baterista/musicista e a minha maior influência Riot Grrrl na LuvBugs e na vida. “Guess you didn’t notice. Why we were dying. I guess you didn’t give a fuck. After all, only women were dying”.

Breeders“No Aloha” (“Last Splash”, 1993).
Rodrigo: Melodia vocal açucarada mergulhada em guitarras distorcidas em amps valvulados, isso é praticamente a base de 80% dos sons da LuvBugs.

Babes In Toyland“Hello” (“Nemesisters”, 1995).
Paloma: Riot Grrrl até a alma, “Hello” introduz esse belo disco de punk rock, dessa banda linda que tenho como grande influência de que as mulheres podem sim fazer rock. Lori Barbero é uma grande referência de baterista.

Nirvana“School” (“Bleach”, 1989).
Rodrigo: Um dos riffs mais contagiantes da história do rock and roll, tem uns 3 riffs da LuvBugs que nasceram daí, Coração Vermelho, Verde Zen e algum outro que não estou lembrando.

Sonic Youth“Becuz” (“Washing Machine”, 1995).
Paloma: O timbre dessa guitarra e seu riff repetitivo somado ao essencial vocal da excêntrica Kim Gordon tornam essa introdução do “Washing Machine” algo que sempre está presente na minha mente.

Wavves“No Hope Kids” (“Wavves”, 2009).
Rodrigo: Um amigo voltou daquele cruzeiro do Weezer uma vez com um vinil do Wavves e disse que queria me mostrar um som de uma banda que ele tinha conhecido os caras na piscina do cruzeiro. Logo que ouvi me liguei que era o som que eu queria fazer e “No Hope Kids” é um punk rock de garagem perfeito, ouvi até entrar no sangue.
Influência nas composições e nas mixagens dos discos, esse som tem uma mix lo-fi referência pra mim.

Nirvana“Dumb” (“In Utero”, 1993).
Paloma: A simplicidade dessa letra consegue demonstrar toda a complexidade da vida em um perfeito paradoxo existencial. “I’m not like them but I can pretend”. As composições da LuvBugs são assim, mais simples possíveis.

Freud And The Suicidal Vampires “It’s Hard To Write A Good Song In 5 Minutes (When You’re So Difficult To Describe)”
Rodrigo: Outro som referência de mix lo-fi. Riff alucinante com uma guitarrinha fazendo um solo de tema. Daí eu percebi que o álbum “Dias em Lo-Fi” poderia ter isso também, som de duas guitarras e não apenas uma como nos outros, até que a gente tem se virado bem ao vivo.

Velvet Underground“Venus in Furs” (“The Velvet Underground and Nico”, 1967).
Paloma: Impactante até a alma, impossível não se afetar com a experiência que essa música passa. “I could sleep for a thousand years. A thousand dreams that would awake me. Different colors made of tears”.

Ronnie Von“Imagem” (“A Máquina Voadora”, 1970).
Rodrigo: Esse som escutei tanto em determinada época da minha vida, que sempre quando escuto novamente reencontro meu jeito de escrever as músicas da LuvBugs e até meu jeito de pensar sobre a vida. Outro dia um amigo me falou em alguma semelhança em alguma melodia de voz minha ou jeito de cantar e eu acabei dando
razão a ele.

John Frusciante“Look On” (“Inside Of Emptiness”, 2004).
Paloma: O John é surreal. Essa música, (e esse disco) é cativante do início ao fim. Melodia, letra e guitarra lindas e totalmente inspiradoras. “When I thought life was terrible, things were going fine… A paper and a pencil are the
best friends I’ve got. Look on”.

Dinosaur Jr“Drawerings” (“Where You Been”, 1993).
Rodrigo: Outro dia eu li “J.esus Mascis é meu pastor e nada me faltará”. Amém.

L7“One More Thing” (“Bricks Are Heavy”, 1992).
Paloma: Esse grunge anos 90 de melodia e guitarra arrastada é perfeito e uma das minhas maiores influências também.

Elliott Smith“Coast To Coast” (“From a Basement on the Hill”, 2004).
Rodrigo: Considero de alguma forma Elliott Smith uma grande influência pro “Dias em Lo-Fi”, sempre o escutei mas até então não considerava muito essa influência à LuvBugs. Nesse álbum a gente acabou deixando umas camadas um pouco mais tristes que nos anteriores e “Coast To Coast” foi grande referência pra canções como por
exemplo “Ela Sabe o que é Certo”, claro que não é uma cópia, assim como todas as influências, a gente acaba fazendo do nosso jeito.

My Bloody Valentine“Only Shallow“ (“Loveless”, 1991).
Paloma: Vocal calmo e delicado mas ao mesmo tempo forte e intenso. É uma das principais influências shoegaze da LuvBugs.

Elastica“Stutter” (“Elastica”, 1995).
Rodrigo: Composição contagiante, batida dançante, “ritmo de acadimia”, fuzz rasgando o refrão, vocal cantarolado, cabelo no rosto, ufa, tudo que eu preciso nessa vida. E tento levar pra LuvBugs.

Oasis“Live Forever” (“Definitely Maybe”, 1994).
Paloma: Oasis é uma banda que apesar de controversa é inspiradora e me influencia na hora de compôr, mesmo que inconscientemente. “Maybe I just want to fly. I want to live. I don’t want to die”.

Lou Reed“Hangin’ Round” (“Transformer”, 1972).
Rodrigo: Lou Reed fez as melhores canções que ouvi na minha vida, ele é a maior referência musical, pode crer. Inventou tudo que eu ouço hoje e se alguma banda do mundo não tem nenhuma influência do Lou ou Velvet Underground eu nem preciso escutar. Essa canção em especial, o jeito dele cantarolar a melodia ao mesmo tempo
que descreve a cena é mágico.

Courtney Barnett“Nobody Really Cares If You Don’t Go To The Party” (“Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit”, 2015).
Paloma: Essa música fala de situações que são reais na vida das pessoas e traduz perfeitamente boa parte do meu cotidiano. É assim com a maioria das composições dessa australiana que veio pra ficar e conquistou o coração da LuvBugs. “I wanna go out but I wanna stay home”.

Titãs“Taxidermia” (“Titanomaquia”, 1993)
Rodrigo: “Se eu tivesse seus olhos não seria famoso, eu não quero ser útil, quero ser utilizado, inutilizado, inutilizado”. Acho que foi meu primeiro contato com poesia dentro do rock’n roll. Esse som é referência pra qualquer coisa que eu faça.

Construindo Sereno: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
Sereno

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos a banda carioca Sereno, que recentemente lançou o EP Adivinhar o Futuro das Estrelas” pela Violeta Records.

Wavves x Cloud Nothings“No Life For Me” (“No Life For Me”, 2015)
Vinícius: A Sereno é uma banda de irmãos, então já era meio que a hora de a gente se juntar e criar algo. Começamos a falar disso por causa de umas fotos que o Nathan Williams tirou das gravações do disco do Wavves com o Cloud Nothings. Eles gravaram tudo em casa e em um esquema simples. Então, foi meio que “se eles fizeram, a gente consegue também”.

American Football“Honestly?” (“American Football”, 1999)
Victor: Os dedilhados do American Football marcaram o jeito que compomos, mas “Honestly?” é uma música bem diferente do resto desse álbum. Eles substituíram o refrão por uma parte instrumental com guitarras distorcidas e o baixo praticamente fazendo um drone. Mostra como conseguiam compor em formatos diferentes sem perder a identidade da banda.

Vivian Girls“Light In Your Eyes” (“Share The Joy”, 2011)
Vinícius: Algumas das letras de “Adivinhar o Futuro das Estrelas” têm influências diretas das Vivian Girls, especialmente a música “Se Tudo Der Errado”. Acabou que a Cassie Ramone, que era a líder das Vivian Girls, desenhou uma estampa de camiseta para a Sereno. Emocionou demais ter alguém tão importante para a gente criando algo especial para a banda.

Modest Mouse“Trailer Trash” (“The Lonesome Crowded West”, 1997)
Victor: Falando em letras, acho que a forma de escrever do Isaac Brock, misturando situações reais com ficção, é uma influência clara nas letras da Sereno. Nessa música, ele fala sobre viver uma infância difícil, morando em trailers e lidando com problemas na escola.

Jay Reatard“My Shadow” (“Blood Visions”, 2006)
Vinícius: Aquele documentário póstumo, “Better Than Something”, mostra muito a preocupação do Jay em botar as ideias em prática, registrar o que está acontecendo no momento e seguir em frente, mesmo que não seja nas condições mais ideais. Fico triste quando lembro das bandas legais que vimos ao vivo e não deixaram nada registrado…. Esse senso de urgência do Jay guia a maneira como seguimos com a Sereno e a Violeta Discos.

Julia Brown“Library” (“to be close to you”, 2013)
Victor: “Library” é uma obra prima do lo-fi. O arranjo conta com vários elementos diferentes no que poderia ser só mais uma música com bateria-baixo-guitarra. E também serve para mostrar como a gravação pode contribuir para a atmosfera da música. A regravação do EP “Library B/W I Wanna be a Witch”, mais hi-fi, não captura tão bem a essência da música como a original faz.

Melt“Rewind” (“Riffer”, 2016)
Vinícius: O Dylan White soltou as primeiras demos do Melt no mesmo período em que compomos as músicas do “Adivinhar o Futuro das Estrelas”. Ele também é adepto do lo-fi e do it yourself, então é um disco que a gente não só gosta, mas se espelha também. Altas guitarras.

My Vitriol“Always: Your Way” (“Finelines”, 2001)
Victor: O mais legal do My Vitriol é como souberam incorporar o shoegaze no som deles sem soarem totalmente genéricos, mesmo que fosse um elemento fundamental nas músicas. Nessa música dá para perceber isso, há as guitarras cheias de delay e reverb nos versos, mas um refrão que nenhuma banda de shoegaze faria.

DIIV“Bent (Roi’s Song)” (“Is The Is Are”, 2016)
Vinícius: Normalmente associam o DIIV ao shoegaze, mas a maneira como eles empilham cada elemento no arranjo das músicas tem muito de krautrock, especialmente do Neu! Os licks de guitarra são lindos e a ideia de gravar em mid-fi é algo que vai de encontro com o que queremos fazer.

Supercar“Automatic Wing” (“Three Out Change!!!”, 1998)
Victor: Se fosse feita por alguma banda ocidental, essa poderia ser só mais uma baladinha de indie rock dos anos 90. Porém, o interessante são os elementos claramente tirados do rock japonês que o Supercar incorpora na mistura, como as linhas de voz doces e letras que sempre têm um tom mais poético e folk, e lembram mais um filme do que uma música.

lostage“手紙 [Tegami]” (“P.S. I Miss You”, 2004)
Victor: O lostage faz tudo nessa música. Viradas de bateria dignas de air drum, riffs com pausas dramáticas, build-ups para o refrão, vocais quase gritados e um arranjo de guitarras bem típico do rock japonês. “Tegami” é um exemplo de como uma banda pode soar tão interessante tanto individualmente quanto em grupo num contexto emo.

SHAZNA“Kokoro” (“10th Melty Life”, 2007)
Vinícius: É engraçado quando apontam algum detalhe de uma música nossa com muita convicção de que aquilo foi influência da banda emo americana “x” ou do indie rock “y”, mas, para nós dois, tem mais a ver com um lado-b do Asian Kung Fu Generation ou uma baladinha do SHAZNA como essa.

Dinosaur Jr.“The Lung” (“You’re Living All Over Me”, 1987)
Vinícius: O Dino é uma daquelas bandas fundamentais, que a gente quer saber detalhes de como os discos foram gravados e aprender as músicas nota por nota. De certo modo, eles são como o Experience do Jimi Hendrix, as pessoas só falam do J Mascis, mas o Murph e o Lou Barlow são tão fundamentais quanto para o som. Sempre estamos discutindo uns detalhes, como o timbre de baixo do Lou ou como ele toca as linhas sempre no final do braço (risos)…

The Smashing Pumpkins“Mayonaise” (“Siamese Dream”, 1993)
Victor: “Mayonaise” é a epítome das baladinhas do Smashing Pumpkins, tanto que o Billy Corgan nunca fez melhor depois. Um muro de guitarras com fuzz, progressões de acorde simples e uma linha de voz cativante. O careca pode ser um mala hoje em dia, mas houve um tempo em que era uma máquina de boas músicas, e a influência da banda é inquestionável.

hide“FLAME” (“PSYENCE”, 1996)
Vinícius: Passei boa parte da adolescência aprendendo as guitarras do hide, então o DNA dele sempre vai se infiltrar nas nossas músicas. Mesmo quase 20 anos após a morte dele, ainda aparecem informações que nunca soubemos antes e os discos revelam algum colorido que não havíamos notado. Ele ainda é o maior de todos.

Built to Spill“Some” (“Untethered Moon”, 2015)
Victor: Nessa música dá para perceber claramente todas as grandes influências do Doug Martsch: Dinosaur Jr., Neil Young, Pavement e classic rock. Mas, ao mesmo tempo, é um som muito particular e com vários clichês sendo utilizados de uma forma que não soam nada manjados. Os solos de guitarra, as transições verso calmo–refrão barulhento e trechos instrumentais maiores que o resto da música.

Weezer“The World Has Turned And Left Me Here” (“Blue Album”, 1994)
Victor: Essa é uma das músicas que te faz eternamente associar uma progressão de acordes a uma banda, como se pertencesse a ela, de tão marcante que é. Ainda tem todo o arranjo: o riff do violão, o solo de guitarra, o final com a mesma frase sendo repetida várias vezes etc. O tipo de coisa que realmente te inspira a fazer um arranjo legal para sua música.

Jim O’ Rourke “Therefore, I Am” (“Insignificance”, 2001)
Vinícius: Também poderia escolher alguma música do “Halfway to a Threeway” ou “Bad Timing”, porque o Jim é uma inspiração constante, mas ouvimos muito o “Insignificance” durante as gravações do EP. O coração até pulsa junto naquele trecho quase aos dois minutos que a música engasga e começa a crescer hahaha.

Toby Fox“Undertale” (“Undertale Soudtrack”, 2015)
Victor: Utilizar os sons de jogos antigos de Super Nintendo e Playstation sem pretensão de soar retrô ou chiptune é algo que poucos fazem hoje, mas que sempre achamos muito legal. O Toby Fox é um dos caras que faz isso muito bem e ainda incorpora samples de jogos como Chrono Trigger e Final Fantasy VI.

Steep Leans“Nightmare City” (“Grips On Heat”, 2015)
Vinícius: É o segundo lançamento da Ghost Ramp na lista, que é uma grande referência para como nós operamos a Violeta Discos. Fora isso, as letras e os arranjos do Jeffrey Gray Somers têm esse tom de nostalgia que tentamos passar nas nossas músicas. Mil guitarras maneiras também, né? Não tem como não gostar.

Conheça os mais estranhos produtos de merchandising de bandas e artistas

Read More
Weezer Snuggle

Esse post podia muito bem ser somente sobre o Kiss e seus mirabolantes produtos com a cara de Gene Simmons e Paul Stanley, que incluem desde camisinhas até um caixão pra você passar sua estadia no além-túmulo curtindo rock and roll a noite toda. Mas não: não é só a trupe mascarada que cria peças de merchandising que vão muito além das camisetas pretas e canecas. Confira outras bandas e artistas que criaram produtos bizarros (e alguns até bem interessantes, pra falar a verdade):

O molho de churrasco sangrento do GWAR

GWAR BBQ sauceO GWAR sempre foi uma banda de galhofa e o molho deles segue a linha. Afinal, quem não quer um molho “sangrento” com o nome da banda que usa codinomes bizarros e encena abortos “de zoeira” no palco? Além de já ter tido uma vocalista, Vulvatron, que jorrava sangue de seus gigantes peitos falsos que faziam parte de sua fantasia de palco. Podia ser molho de churrasco, quem sabe os fãs não curtiriam?

As calcinhas (não usadas) de Katy Perry

Calcinha da Katy Perry

 

Como diz aquele velho forró de duplo sentido, não é nada disso que você está pensando: não são as calcinhas usadas pela Katy Perry, e sim calcinhas com a marca Katy Perry e seu primeiro álbum de sucesso, “One Of The Boys”.

A cerveja contra o sistema do Ratos de Porão

Cerveja Crucificados Pelo Sistema

Dado Dolabella diria que este produto é coisa de quem “traiu o movimento punk, véio”, mas ninguém deve levar nada do que sai da boca de Dado Dolabella à sério (em nenhuma circunstância). Só não deixa de ser cômico uma cerveja ser vendida com o nome “Crucificados Pelo Sistema”, mas quem somos nós pra julgar essa Red Ale punk?

O dichavador do Wavves

Dichavador do Wavves

 

Pra você que quer fumar uma substância lo-fi com mais harmonia, um dichavador bandeiroso do Wavves pra deixar seus hábitos fumetas mais modernosos.

O shortinho Carla Perez do Mastodon

Shortinho do Mastodon

 

Um singelo shortinho que remete ao clipe de “The Motherload” e seu twerking. A singela inscrição que fica no derriére diz tudo: ASSTODON.

O cobertor de churrasqueira do AC/DC

AC/DC churrasqueiraPara não deixar sua potente churrasqueira ao relento tomando sereno, que tal algo do AC/DC para cobrí-la? Bon Scott aprovaria isso, provavelmente. Ah, a churrasqueira não está incluída no produto!

O aromatizador de automóveis do OK Go

Aromatizador OK Go

Muitos artistas como Shakira, Britney Spears e Beyoncé têm perfumes (e 90% deles são da Jequiti). Mas alguém pensa no cheirinho de novo do seu carro? O OK Go pensa! Escolha entre Andy (canela), Damian (“cheirinho de carro novo”), Dan (eucalipto), and Tim (abacaxi) e enfie-se no trânsito com o nariz mais contente!

O… er… “limpador de esperma” do Tenacious D

Tenacious D esperma

 

Bom, o Tenacious D foi mais longe. Em vez de lançar uma camiseta ou algo do tipo, a dupla de Jack Black e Kyle Gass preferiu lançar uma bela toalhinha para limpar a sujeirada que você faz assistindo vídeos pornográficos na internet. Útil e ainda tem um pequeno unicórnio.

Camisinhas “Achtung Baby” do U2

Camisinha U2

Bono Vox e sua turma não querem que você pegue alguma doencinha por aí enquanto pratica o amor livre com a galera. Mas é melhor não usar a da foto: como você pode ver, ela venceu em 1992, provavelmente.

O cobertorzinho fofo do Weezer

Weezer Snuggle

Quem melhor que o Weezer pra lançar um fofo cobertor com bracinhos pra facilitar sua vida no inverno? Só a banda do Rivers Cuomo conseguiria ter um merchandising desse tipo e continuar sendo a banda que é.

Os anéis de vagina da Grimes

Grimes pussy

 

Calma, calma: os anéis da Grimes vão nos dedos, mesmo. Só que eles são no fofo formato de uma pequena bucetinha. Em várias cores.

O sabonete do Racounteurs

Sabonete Racounteus

Porque diabos uma banda lançaria um sabonete? Bom, o rótulo mesmo diz: “c’mon, people, you know we all gotta keep it clean”.

O kit de costura dos White Stripes

Costura White Stripes

 

Bom, Jack White não começou sua linha de produtos estranhos relacionados à seus projetos no The Racounteurs. Afinal, qual outra banda teria a audácia de lançar um kit de costura e ainda conseguir ser cool depois disso? Os White Stripes, é lógico!

O suéter fofo de Natal do Slayer

Slayer suéter

 

Que tal agradar sua avó e colocar um belo suéter na próxima reunião de família? Para manter sua alma tr00, use esta bela blusa do Slayer, pra mostrar que mesmo agradando a vovó você continua headbanger.

O kit de dildos do Ramnstein

Ramnstein dildos

 

Sim, os alemães do Ramnstein foram ao limite: depois do clipe pornô de “Pussy” (com cena de gozada e tudo), eles lançaram um kit de dildos. E não é só isso: cada piroca foi moldada de acordo com o membro de um dos membros da banda. O kit ainda acompanha algemas e gel lubrificante.