Construindo Felappi: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
Felappi

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o duo Felappi, do Rio de Janeiro.

Nirvana“In Bloom”
Victor Cumplido: Lembro de ouvir essa música repetidamente no máximo em um discman no Natal da família, devia ter uns 11 anos.

Paulinho da Viola“Os 5 Companheiros”
Victor Cumplido: Foi a música que me fez começar a estudar bandolim e passar uma época escutando basicamente choro.

Charley Patton – “The Prayer of Death”
Victor Cumplido: Me vejo no barco seguindo para a margem oposta, um remo de duas mãos, remando na água tranquila da morte.

Miles Davis“On the Corner/New York Girl/Thinkin One Thing and Doin Another/Vote for Miles”
Victor Cumplido: Vote for Miles! Me sugou pro jazz.

Binário“Contrapartida”
Victor Cumplido: Ia todo domingo assistir esses caras tocarem, gosto de quase todos os outros projetos dos integrantes.

Portishead“Humming”
Victor Cumplido: Bruxaria forte!

Adoniran Barbosa“Vide Verso Meu Endereço”
Victor Cumplido: Essa música me lacrimeja, choro por dentro.

Cat Power“Colors and the Kids”
Victor Cumplido: Esse disco todo parece que você está dentro dele, um convite de alguém para se sentar na sala, olhar a janela…

Luiz Gonzaga“Súplica Cearense”
Victor Cumplido: Luiz Gonzaga é gigante, tal qual o Nordeste e seus ramos.

Mozart“Rex Tremendae Majestatis”
Victor Cumplido: É uma das músicas em que sempre fico arrepiado na mesma parte, de uma gravação específica.

Tom Waits“God Away From Business”
Fela Montparnasse: Amo a forma rústica que o Tom Waits trabalho o vocal dele nessa música. A impressão que eu tenho é que ele perdeu a voz com o passar dos anos, e tentou adaptar o timbre dele à sua nova realidade artistica. Talvez essa seja a canção mais percussiva que o Waits produziu, por causa desse timbre errático.

Pin Ups“Loneliness”
Fela Montparnasse: Talvez seja a canção mais cosmopolita que eu ja tenha ouvido. Quando eu era adolescente, e morava em Niterói, o mais próximo da cidade grande que eu cheguei até então, foi ouvindo esse álbum. Eu realizei o meu sonho platônico, de me tornar um cidadão do mundo, ouvindo esse álbum.

Jair Naves“Araguari”
Fela Montparnasse: O Jair Naves vem de um background bem pesado e errático. O cara começou a carreira como músico do Okotô, que foi uma das bandas mais pesadas de SP. Achei justo ele se submeter a
gravar uma música “rancheira”, meio caipira, pra expressar a saudade. Acho que essa canção é sobre envelhecer.

Can“Vitamin C”
Fela Montparnasse: uma das canções mais modernas que eu já ouvi. Pra mim, essa canção tem o refrão dos mais sinceros: “Ei você, você está perdendo a sua vitamina”;

De Leve“Pra Bombar no seu Estéreo”
Fela Montparnasse: Essa canção é um verdadeiro suicidio comercial. Em apenas 3 minutos, o De Leve consegue detonar o Djavan, DJ Patife, Max de Castro, Sandy, KLB, e proclama: Carlinhos Brown manda mal e o Zeca Baleiro é presepeito; Não sei se concordo com ele, porém, começar o primeiro disco da carreira, já tacando merda no ventilador dessa forma…

Suicide“Ghost Rider”
Fela Montparnasse: Eu poderia morar nessa música. Não tem guitarra, nem bateria, e mesmo assim, consegue expressar uma violência inclassificável. Conhecia essa canção quando me separei de minha primeira esposa. Belo trauma, né não?!

Cibelle “Lightworks”
Fela Montparnasse: Outra artista cosmopolita. Acho incrível a forma em que a Cibelle trabalha a voz dela nessa versão, tem muito de Gal Costa aí, mas tem muito de artista que mete o pé na estrada, caçando vivência.

Serge Gainsbourg“New York U.S.A.”
Fela Montparnasse: Gainsbourg é meu herói musical e esse som remete a Babatunde Olatunji (sim, ele chupou o disco inteiro do Babatunde), porém é esse cinismo que me interessa do Gainsbourg.

Walter Franco“Feito Gente”
Fela Montparnasse: Mais hip-hop do que hip-hop. É sério, eu acho essa canção, uma grande música de rap psicodélico, composto em 1970 e blau.

Arrigo Barnabé“Clara Crocodilo”
Fela Montparnasse: A única vez que eu chorei assistindo a um show na minha vida. Nunca vou entender como o Arrigo teve essa iluminação (e visivelmente, nem ele)…

T-Shirtaholic – Luiz Gonzaga + B.B. King, Iggy and the Stooges e CBGB’s

Read More

Imagine só uma jam entre o mestre Luiz Gonzaga e o mestre B.B. King? Isso pode estar acontecendo nesse exato momento em alguma dimensão que nunca conheceremos. Você pode estampar essa inusitada parceria no peito.800_camiseta-cosmopolitan-jam_2

Quanto? R$ 52,90
Onde comprar? http://www.otorso.com/produto-1861-camiseta+cosmopolitan+jam
Onde tem mais disso? O Torso


A piadinha de Iggy and the Stooges com The Three Stooges, conhecidos por aqui como Os Três Patetas. Imaginem só a junção caótica que seria Moe, Larry, Curly e Iggy?450xN

Quanto? R$ 65,90
Onde comprar? http://www.siamese.com.br/pd-1e5124-iggy-and-the-stooges-preta-masculina.html?ct=&p=1&s=1
Onde tem mais disso? Siamese T-Shirts


Uma ilustração no esquema Rat Fink criada pelo Chico Félix para estampar a camiseta em homenagem ao CBGB’s d’As Baratas. Uma bela homenagem.CBGB_M-500x700

Quanto? R$ 49,90
Onde comprar? http://asbaratas.com.br/loja/index.php?route=product/category&path=20
Onde tem mais disso? As Baratas

De onde Criolo tirou a melodia de “subirusdoistiozin”? Clara Nunes!

Criolo estourou em 2011. Seu disco “Nó Na Orelha” o levou ao topo da preferência de muita gente, que começou a taxá-lo de gênio e daí pra cima. Chico Buarque cantou sua versão para “Cálice”, Caetano Veloso cantou “Não Existe Amor em SP” e o cara fez show com Milton Nascimento. Entrou no grande escalão da MPB. Mas sua ligação com a MPB não pára no que aconteceu depois do disco. Aliás, ela está presente no disco, também.

“Subirudoitiozin” é um rap suingado e cheio de ginga e uma das músicas mais “anima-pista” do disco de Criolo.

A melodia que gruda na cabeça veio diretamente da grande Clara Nunes, em sua versão de “Sabiá”, clássico de Luiz Gonzaga. Os “paparapapá” que você ficou cantarolando por horas vieram da música de 1971. Dá psiu você também: