Construindo Falso Coral: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o disco “Delta”

Read More

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos a banda Falso CoralBela Moschkovich (vocal), Bemti (vocal e viola caipira), Pedro Lauletta (bateria), Guilherme Giacomini (sintetizadores) e Henrique Vital (baixo) escolheram 20 faixas que inspiraram as 10 faixas inéditas que estarão no disco “Delta”, que sai no segundo semestre.

Em 2016 a banda Falso Coral lançou o EP “Folia” onde apresentava pela primeira vez a mistura característica da banda: rock alternativo, viola caipira, sintetizadores e vocais duetados. Depois de dois anos rodando com o EP, a banda está pronta pra colocar no mundo o primeiro álbum, que se chama “Delta” e está sendo produzido por André Whoong (que também produziu o álbum “Gaya” de Tiê). Pra viabilizar o disco a banda abriu uma campanha no Benfeitoria, com várias recompensas,  precisando atingir a meta até o final de junho. Para contribuir com a produção e lançamento do disco, acesse agora: http://benfeitoria.com/falsocoral.

Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

Castello Branco“Necessidade”
Bemti: Melodia incrível e produção impecável. Tudo com um senso de grandeza e simplicidade misturados que fazem o Castello Branco ser um dos grandes artistas da “nova geração”. O Falso Coral começou fazendo músicas em inglês e eu só comecei a compor mais em português do que inglês porque eu me reafundei em clássicos como Clube da Esquina e discos como o “Serviço” do Castello Branco e de outras pessoas dessa mesma geração lá pelos idos de 2014/2015.

Joan Baez“It’s All Over Now, Baby Blue”
Bela: Essa canção (que é do Bob Dylan) interpretada pela Joan Baez é linda demais! Os dois são uma inspiração enorme para mim, mas a Joan é especialmente nos vocais.

Florence + The Machine“Delilah” 
Bela: A Florence é outra referência de voz que eu uso muito. Ela alterna com frequência entre uma voz potente e agudos muito bem colocados, coisa que com a música do Falso Coral eu gosto de fazer também. As linhas de backing vocals também são um material de estudo interessantíssimo!

Guillemots“Made-up Love Song #43”
Bemti: Guillemots era uma banda mestre em mesclar nostalgia com melodias épicas. “Made-up Love Song #43” não fez eles estourarem à toa, é toda a fórmula deles resumida em 3 minutos e meio de euforia e cores. Quem prestar atenção no nosso disco vai ouvir uma influência direta dessa música e de toda a vibe Guillemots em pelo menos 2 faixas.

Chico Buarque“Até o Fim”
Bemti: “Faísca” é uma música que estará no disco “Delta” e é a que mais se aproxima do meu trabalho solo. É a que tem a linha de viola mais complexa e um ritmo extraído da catira, que é uma dança bem típica que eu via quando eu era criança em Minas Gerais. Ela tem uma vibe “música brasileira atemporal”. O André Whoong, produtor do disco, disse que pra ele lembrou muito Maurício Pereira. Pra mim ela é uma nuvem de tudo de brasileiro que eu ouço desde criança. Pensando na lista eu lembrei de “Até o Fim” que é um meio samba, com piano, triângulo etc e uma cadência melódica super divertida e elegante ao mesmo tempo com a qual eu consigo traçar paralelos com “Faísca”. Também vale mencionar como influência todo o trabalho do violeiro Ivan Vilela, principalmente as parcerias dele com o extraordinário pianista Benjamim Taubkin (sério, escutem).

Vandaveer“A Mighty Leviathan of Old”
Bela: Vandaveer é uma das minhas bandas favoritas e uma enorme referência de um folk contemporâneo que ainda tem um pé no caipira – ainda que nesse caso seja o caipira norte-americano. Essa música, de um disco de 2009, é uma das mais memoráveis deles,  me assombrou desde o dia que eu escutei pela primeira vez e com certeza influencia muito do meu estilo de composição. O refrão sem letra e as harmonias vocais são duas coisas que aparecem no Delta.

A Fine Frenzy“Come On, Come Out”
Bemti: De toda a geração de bandas indie com vocais femininos, A Fine Frenzy (projeto da Alison Sudol, que hoje em dia está milionária como uma das protagonistas de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”) é uma das melhores pra mim. Com um refinamento extraordinário pra composições e sem medo de soar “soft” demais. O primeiro disco dela, “One Cell in the Sea”, é uma obra-prima de pop alternativo e abre com essa maravilha de música que é “Come On, Come Out”.

Editors“Push Your Head Towards the Air”
Bemti: Quando eu comecei a compor “A Heart for Rent” (uma das duas músicas em inglês que vão estar no disco e a mais antiga de todas), ela tinha uma linha vocal saída diretamente dessa música. Depois entreguei a melodia pra Bela e ela compôs uma letra com uma linha completamente diferente por cima, foi a primeira música que a gente compôs junto. Mas a música ainda continua com essa atmosfera grave que eu amo no Editors e que sempre aparece nas coisas que eu componho aqui e ali.

Fiona Apple“Every Single Night”
Bela: Quando essa música saiu, depois de tanto tempo sem nenhum álbum da Fiona, meu coração explodiu um pouco! O estilo de escrita confessional dela me influencia muito e isso passa, sem dúvidas, pras composições minhas que foram para o “Delta”. Além disso, tentei trazer um pouco da referência dela com a voz meio falada misturada ao canto, que eu adoro.

Björk“Wanderlust”
Bemti: Eu sou louco por melodias grandiosas. Ainda quero fazer mil coisas orquestradas que nem muita coisa que a Björk faz. Enquanto essa hora não chega, dá pra ouvir bastante dessas linhas vocais e melodias “larger than life” ao longo do “Delta”. Nessa hora ajuda ter uma banda com 5 pessoas onde as 5 pessoas não se seguram pra pesar a mão na intensidade.

Violeta Parra“Gracias a La Vida”
Bela: Cresci ouvindo música latinoamericana em casa e volta e meia isso aparece em alguma música. Com certeza, faz parte do DNA de “Delta” e dá para ouvir a referência em uma das faixas inéditas que vamos lançar! Essa canção linda, na versão da Violeta Parra, me comove demais.

Mew – “Am I Wry? No”
Bemti: Mew é a minha banda favorita do universo. Tudo que eu faço vai ter algum traço de Mew invariavelmente. É difícil escolher uma música mas acho que quando eu fiz “Waltz of the Great” (a outra música em inglês do disco) eu provavelmente estava tentando fazer uma versão caipira de “Am I Wry? No” que é indie do começo dos anos 2000 mas com uma nostalgia deliciosa pelo shoegaze e rockzinhos alternativos dos anos 90 em geral.

Keane“Bedshaped”
Bemti: Keane é a minha segunda banda favorita do universo e também é difícil escolher só uma música. Mas pra mim “Bedshaped” é uma explosão de melodia e melancolia que me “contaminou” pra sempre desde a primeira vez que eu a ouvi. Keane é muito inspirado por Beatles e eu sempre reconheço algumas “Beatlezices” que eu componho onde na verdade eu estava me espelhando no Keane. É o caso especialmente de uma das músicas do disco que se chama “A Hora Chega”.

Kings of Leon“Knocked Up”
Henrique: Escolhi essa faixa porque o baixo da música é basicamente tônica e oitava a música toda, e é algo que eu acho bem característico das minhas linhas. As linhas que o Jared Followill usa nas músicas da banda são sempre muito simples, mas igualmente eficientes e poderosas. Acho que, modestamente, minhas linhas são parecidas neste sentido!

Disasterpeace“Home” (Trilha sonora de Fez)
Guilherme: O Disasterpeace é um dos mais conhecidos e admirados compositores de trilha de games atualmente e me influencia bastante nas minhas composições de synth.

Fleetwood Mac “Dreams”
Pedro: O “Rumours” do Fleetwood Mac um dos meus discos preferidos, e eu acho que um dos pontos altos dele é a sonoridade e a timbragem que os instrumentos tem. Nessa música tudo soa bonito e nada está fora do lugar, é uma aula de arranjo. Eu queria um som de bateria parecido com o do Mick Fleetwood pro nosso disco, e acho que conseguimos!

Midlake“The Old and the Young”
Pedro: Eu descobri essa banda por acaso e é uma das que eu mais ouvi nos últimos dois anos, e acho o som deles muito próximo do nosso. Consigo ouvir a voz do Bemti e da Bela nessa música.

O Terço “Queimada” 
Pedro: Resposta pra pergunta “Como colocar viola num disco de rock?”.

Beatles“Strawberry Fields Forever”
Pedro: Enquanto a gente ensaiava a minha canção preferida do “Delta”, a sonoridade dessa música sempre me vinha à mente. E bom, Beatles é sempre uma influência né?

Pearl Jam“Given to Fly”
Pedro: No “Delta” eu uso bastante os tons da bateria pra fazer grooves, e em uma música em particular eu quis ir na onda dessa, que é a minha preferida do Pearl Jam (e olha que não é fácil pra um pisciano fazer esse tipo de escolha). Além disso, uma das músicas no disco é minha e eu fiz ela numa época que eu estava ouvindo o Into the Wild todo dia, e foi uma influência muito marcante.

6 músicas que falam, mesmo que disfarçadamente, sobre brochadas e impotência

Read More

Todo mundo sabe que MUITAS letras de música falam sobre todos os tipos de sexo possíveis e imagináveis, seja de forma explícita ou nas entrelinhas. Como esse assunto é tão comum no mundo da música, permeando letras de praticamente todos os estilos musicais, é claro que as tentativas mal sucedidas de transar também seriam relatadas mais cedo ou mais tarde. Pois bem: o Crush em Hi-Fi reuniu 6 das melhores canções relatando brochadas, impotência e afins. Lá vai:

The Strokes“Last Nite”

Quando me falaram que o primeiro hit arrebatador dos Strokes falava de uma noite mal-sucedida… Mas pensando bem e analisando a letra, faz todo o sentido. Se essa análise estiver correta, o eu lírico da música ainda fica bem indignado que ninguém entende sua tristeza e consequente dificuldade em transar. “People they don’t understand/ Girlfriends, they can’t understand/ Your grandsons, they won’t understand /On top of this, I’ll never gonna understand”.

Momentos brochantes:
“Last night, she said
“Oh, Baby, I feel so down
See it turns me off
When I feel left out”

Arctic Monkeys“My Propeller”

Só de chamar o próprio pinto de “hélice” já fica parecendo que Alex Turner estava mesmo era afim de fazer um pintocóptero, não de transar. Mas enfim: na música que fala escancaradamente sobre a maria mole que o membro do moço virou. Não dá pra deixar de notar que ele coloca a culpa na moça, aparentemente. Tsc tsc… “If you can summon the strength tow me/ I can’t hold down the urgency/ You’ve got to make your descent slowly/ And oil up those sticky keys”.

Momentos brochantes:
“My propeller won’t spin and I can’t get it started on my own
When are you arriving?”

Art Brut“Rusted Guns of Milan”


  • As armas enferrujadas de Milão se referem, sim, a uma piroca que não está lá funcionando muito bem. Nesse caso, a letra mostra todo o desespero do rapaz em questão em tentar fazer o pimpolho ficar ereto, com a repetição “I know I can” e várias tentativas de retomar a paudurice, mas depois termina em mil desculpas e o medo do ocorrido se espalhar. “I’m sorry, I’m so sorry, can I get you a cup of coffee? Don’t tell your friends, don’t tell your friends, I promise it won’t ever happen again”. Calma, cara.

Momentos brochantes:
“It doesn’t mean that I don’t love you, one more try with me above you. 
It’s got nothing to do with anything I’ve had to drink.
It’s more to do with the way I think”.

Dead Kennedys“Too Drunk To Fuck” 

Aqui o Jello Biafra já especifica exatamente qual o motivo de seus problemas penianos: encheu a cara como se não houvesse amanhã. E até uma diarreia no final ele fala que rolou. Eca.

Momentos brochantes:

  • “Too drunk to fuck
    Too drunk to fuck
    Too drunk to fuck”

Kings Of Leon“Soft”

Bem, o nome da música é “mole” e ele fala que adoraria participar da festinha, mas tá molenga. Precisa dizer mais?

Momentos brochantes:

“I’d pop myself in your body
I’d come into your party
But I’m soft”

Elastica“Stutter”

Finalmente uma na visão de uma mulher. Infelizmente, ela fica o tempo todo achando que a culpa é dela. Pelo menos ela fica de boa, fala que tá tudo bem e que não vai espalhar a empreitada que falhou por aí. “Well it isn’t a problem / Nothing we can’t keep between the sheets / Tell me you’re mine love / And I will not wait for other bedtime treats”.

Momentos brochantes:

“Is it something you lack when I’m flat on my back?
Is it something that I can do for you?
It’s always something you hate or it’s something you ate
Tell me is it the way that I touch you?”

Thrills and The Chase lança seu novo clipe, “Jesus Is a Woman”, com apresentação em pub de SP

10687110_766712390034058_5869468404561213695_n

O Thrills & The Chase é um respiro de ar puro (ou sujo, se você preferir) no rock independente nacional. O quinteto apresenta um som cru e dançante, com riffs que grudam na memória e uma bateria especialmente hipnótica. Com dois EPs lançados (“Introducing Thrills (And The Chase)”“Women, Fire and Dangerous Things”), a banda é figurinha carimbada nas boas casas que ainda recebem bandas autorais de rock na noite paulistana.

Formada por Calvin Kilivitz, Louis Daher, Guilherme Di Lascio, Zé Menezes e Cláudio Guidugli, a banda existe desde 2010 e lança amanhã seu segundo clipe, “Jesus Is A Woman”, em apresentação no pub Gillian’s Inn, em São Paulo. Conversei um pouco com o vocalista Calvin Kilivitz e o batera Zé Menezes sobre a banda, sua trajetória, a apresentação de amanhã e a importância do videoclipe hoje em dia:

Quando a banda se formou?
Calvin: Eu e o Louis (guitarra) tocamos juntos desde 2001. Tivemos 3 ou 4 bandas diferentes e tocamos com vários músicos diferentes, inclusive o Zé, que está no Thrills desde o final de 2010, quando fundamos a banda. Nessa época nosso baixista era um cara que hoje atende por Lance Lynx. O Guilherme substituiu ele em 2011 e no ano passado, viramos um quinteto com a entrada do Claudio.

De onde veio o nome Thrills and The Chase?
Calvin: O nome é uma corruptela de uma expressão em inglês, “it’s the thrill of the chase”, cuja tradução literal seria “é a emoção da perseguição”. Soa meio besta, eu sei, mas tem a ver com a sabedoria popular de que às vezes perseguir um objetivo é mais excitante do que atingi-lo.

Dito isso, o nome não tem nenhum significado em especial. Escolhemos esse porque soa legal e invoca aquele cliché de bandas que nomeiam um integrante principal e sua gangue (Paul McCartney & The Wings, Bruce Springsteen & The E Street Band, Josie & The Pussycats, Ronaldo & Os Impedidos, etc.), sem precisar eleger um de nós como membro principal.

Como vocês definem o som da banda?
Calvin: Essa é sempre uma pergunta difícil, mas a julgar pelo que andamos compondo, eu diria que somos “21st Century Motown Rock”. Não tenho certeza que essa definição pode ser levada a sério.

Quais são as maiores influências musicais de vocês?
Calvin: Além de várias bandas de rock (que é nosso estilo por definição), buscamos inspiração em blues, jazz, motown, pop, folk, eletrônico… soa meio vago, mas acreditamos que ser eclético é essencial para qualquer músico. Em qualquer faculdade, um especialista precisa de uma base de conhecimentos gerais daquela área, não teria porque ser diferente com música. Uma banda que só ouve ou só bebe de um gênero ou subgênero está condenada a ser pastiche de seja lá qual for sua influência, não acha? Então eu poderia fazer uma lista exaustiva que vai ter de Adele até The Zutons, passando por Helloween.

1004825_582025051836127_1479453604_n
Quais os maiores desafios de ser uma banda nova de rock no Brasil?
Calvin: Lidar com o fato de que já faz tempo que o rock não está no topo da cadeia alimentar da música popular. Das 100 músicas mais tocadas nas rádios brasileiras em 2014, de rock só tinha o Skank. E o som deles (que eu acho sensacional, diga-se de passagem) é muito mais maleável, muito menos caricato que o da maioria das bandas. O público daqui não tem uma cultura de descobrir bandas novas, acho que ainda faz-se necessária uma certa curadoria, mas mesmo esses canais já não tem a força de antigamente. O rock aqui não é música popular, a não ser que você considere as bandas que estão no mainstream, que vem de outra época, outro paradigma de indústria.

Existe espaço para uma cena rock no Brasil? O estilo pode voltar a dominar as paradas?
Calvin: A cena rock existe, ela só não tem o alcance (ou a presença) que nós gostaríamos. Os motivos disso são uma discussão longa que daria um outro artigo, até. Quanto à segunda pergunta, duvido muito. Não sei nem se isso é necessário.

O que vocês acham da ascenção do chamado “indie rock”?
Calvin: Quanto ao indie, bem… entendo por indie rock as bandas que surgiram na virada do século e que não se encaixavam automaticamente em um dos subgêneros que já existiam. Nunca entendi muito bem a necessidade de separar essas bandas do resto do gênero, a não ser um certo conservadorismo por parte dos fãs mais antigos. A real é que bandas como The Strokes, The Killers, Kings of Leon, Franz Ferdinand e etc. não só trouxeram um pouco de ar fresco mantiveram um estilo musical meio caducante presente na vida de muita gente que era nova demais pra ouvir Guns N’ Roses e Nirvana na época em que eles eram novidade. Ou no mínimo, impediram que as pistas de dança das festas rock atuais não soassem como uma coletânea da Som Livre. Algumas dessas bandas são sensacionais (Franz Ferdinand é a minha predileta), e outras são chatas que dói, mesmo. Mas isso é verdade em qualquer gênero, né?

10849918_809039975801299_4874931469533138500_n
O pop domina as paradas internacionais, o sertanejo as nacionais. Onde está o rock?
Calvin: O rock está por aí, onde sempre esteve. Mas como eu disse antes, já não é o estilo que domina o mainstream. E isso é natural, tem a ver com a passagem do tempo, com a evolução tecnológica… há 40 anos atrás não era possível fazer música eletrônica, por exemplo.

Também pesa o fato de que todo movimento cultural que é de certa maneira rebelde (ou anti estabilishment) cedo ou tarde se dilui, ou perde relevância, ou é cooptado mesmo. Há 60 anos atrás o Elvis dançando era considerado obsceno. Hoje você tem a Nicki Minaj.

Isso não é necessariamente ruim. O mundo muda, a cultura muda, e o rock ainda tem espaço. O quão limitado (ou segmentado) é o alcance de uma banda nova depende de vários fatores – com quem a sua música ressoa, ou então o quão criativo você é. Hoje vejo muita gente, bem nova até, inconformada com o fato de que o rock já não tem mais a relevância de 20, 30, 40 anos atrás e repudiando o que se faz de novo por aí – como falei agora a pouco, ironia das ironias, o rock virou um estilo conservador.

Quais bandas dividiram palco com vocês e merecem ser ouvidas?
Calvin: Não posso responder pela banda toda, mas que eu ouço direto e recomendaria sem pensar duas vezes são o Martiataka, o Psicotropicais e o Pousatigres. Nunca toquei junto do Star 61, mas também adoro o trabalho deles.

10687135_768092553229375_3380695490575507949_n
Se vocês pudessem fazer QUALQUER cover, qual seria?
Calvin: De novo, não posso responder pela banda toda, mas eu adoraria fechar um show com “That’s Life”, do Frank Sinatra.

Quais são os próximos passos do Thrills and The Chase?
Calvin: Estamos compondo um álbum que será lançado (a princípio, de forma independente) até o final de 2015. Nesse meio tempo, além do videoclipe novo, temos mais algumas faixas do projeto The Naked Sessions pra lançar. Talvez lancemos um EP com todas essas faixas.

Vocês estão prestes a lançar o clipe para “Jesus Is A Woman”.
Calvin: Esse é o primeiro clipe da banda em 3 anos. Foi dirigido pela Roberta Fabruzzi e assim como o primeiro (“Damsel In Distress”), o vídeo é menos focado na banda e mais numa estrela convidada. No caso de “Jesus”, temos uma pole dancer (Deborah Rizzo). O resultado final ficou muito bonito e estamos orgulhosos de participarmos de um clipe diferente do básico (colocar a banda tocando e fazendo pose), considerando os recursos um tanto limitados. Pole dancing ainda é uma arte/esporte um tanto estigmatizado em meios mais conservadores. Eu diria até que hoje em dia uma pole dancer é mais rock & roll do que muita banda de rock, se é que você me entende.

Vai rolar um evento de lançamento, certo?
Calvin: Dia 13 de fevereiro nós faremos um show aqui em São Paulo/SP, no Gillan’s Inn. O projeto se chama Ponto Pro Rock e é capitaneado pelo nosso amigo Ricardo Lopes. Dividiremos o palco com as bandas Chains e Slot e no meio do nosso show, o clipe será exibido, antes até de ir pro YouTube. Prometemos um show divertido pra quem quiser aparecer por lá.

Qual a importância da gravação de um clipe agora que a Mtv Brasil perdeu as forças?
Calvin: Maior do que nunca, graças ao YouTube. A MTV, brasileira ou internacional, nunca foi um lugar pra revelar novos talentos que já não tivessem sido descobertos por selos que possuam capital pra tentar forçar a entrada de alguém no mainstream. Sim, pelo menos a MTV Brasil na era Abril passava algumas bandas independentes (e o Midnight Sisters, banda minha e do Louis antes do Thrills, conseguiu até colocar um clipe por lá), mas isso não serviu de trampolim para nós e duvido muito que tenha servido para outras bandas.

A real é que não existe aparição em canal de TV, reality show ou programa de auditório que cause uma ascenção meteórica na carreira de um artista se isso não for parte de um esforço coordenado de marketing que envolve diversos canais de mídia que só são acessíveis com muita grana. Isso é outra realidade, uma que bandas como a nossa não vivem e na maioria absoluta dos casos, nunca vão viver. Não que eu esteja repudiando o mainstream – adoraria fazer parte do mesmo.

Hoje felizmente existe vida fora do mainstream. É possível ter uma carreira sem depender dos meios de comunicação de massa. A internet (e o YouTube em especial) estão aí pra isso. A competição ainda é acirrada (maior, até) porque com essa democratização (qualquer um pode gravar um vídeo e mostrar pro mundo, não há curadoria ou barreira entre você e o público) a oferta aumentou exponencialmente enquanto a demanda, nem tanto. Há um excesso de opções, excesso de bandas, pra não dizer uma cacofonia.

Mas isso não deve impedir ninguém de tentar. O negócio é manter uma perspectiva realista das coisas – do jeito que a indústria vai provavelmente não haverá outra banda que lote estádios durante décadas a fio. Mas o público está lá – jogar o jogo e merecer a atenção desse pessoal é parte disso.

Quais bandas novas que só vocês conhecem acham que todo mundo deveria estar ouvindo?
Zé: As últimas “safras” de bandas independentes têm me chamado atenção, coisa que não acontecia há alguns anos. Três em especial me chamam mais a atenção: Grindhouse Hotel, Faca Preta e Mundo Alto.

10436277_844709958900967_5017600568842333629_n

Thrills & The Chase, Slot e Chains
Gillans ‘ Inn English Rock Bar – 23h
Rua Marquês de Itu, 284 Vila Buarque, São Paulo

Ouça os EPs do Thrills and The Chase completos aqui: