Construindo And The Night Never Came: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
Construindo And The Night Never Came

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos a banda And The Night Never Came, que indica suas 20 canções indispensáveis. Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

Chelsea Wolfe“Carrion Flowers”
A Chelsea Wolfe é pra mim um dos artistas ativos mais criativos e interessantes. Essa faixa abre talvez o seu disco mais pesado – “Abyss”. Já começa com um soco na cara com esse baixo que parece os gemidos do próprio satanás. Aliás, o mais interessante dessa música é que todos os sons que se ouve vem de guitarra, bateria, baixo e voz, mas ao mesmo tempo ela soa quase eletrônica de tão meticulosamente esculpidos que são os timbres. Isso é muito importante pra mim porque tento ao máximo fugir de sons muito reconhecíveis, timbre é um dos pilares do que acredito ser o meu som.

Chelsea Wolfe“Feral Love”
Outra dessa diva gótica. O synth que abre essa música tem um timbre (de novo!) inconfundível – qualquer nota tocada nesse synth vai remeter a essa música de tão icônico. Mas acho que o grande charme dessa faixa está na bateria incessante, levemente distorcida, numa cadência incômoda que me deixa sem ar até a música acabar. Esse tipo de incômodo capaz de fazer tudo que é externo aos meus fones sumir pela duração da música é um fenômeno que aprecio muito e tento resgatar a mesma tensão no meu som.

Russian Circles“Xavii”
Talvez seja uma blasfêmia dizer que uma música de menos de 10 minutos é uma das melhores do post rock, mas pra mim é isso mesmo. Um arranjo de guitarra simples, mas muito efetivo, com um reverb que encaixa como uma luva, o synth que entra como apenas uma textura extra mais adiante na música parece ter sido destinado a estar nessa música. Post rock é uma das minhas grandes influências, mas às vezes sinto que certos clichês (como o crescendo, seguido de um estouro) acaba desgastando o gênero. Essa música é um perfeito exemplo de um post rock que soube usar sua melancolia sem se render a essas artimanhas, apesar eu mesmo me ver caindo neles de vez em quando!

Have a Nice Life“Hunter”
Outra banda interessantíssima da atualidade. Quando eu descobri Have a Nice Life, eu senti que pude pela primeira vez visualizar o som que eu queria buscar no “Wolves of Ill Omen”. “Hunter” é uma grande saga – sua letra evoca um ambiente mitológico que me leva com ela, além de conter um “entreguismo do espírito” em trechos como “you can eat my flesh and bones, leave nothing that is needed” que é muito caro a mim, pessoalmente – elemento este que aparece também na minha talvez banda preferida que vai aparecer na lista logo, logo. Atenção especial para a guitarra que soa quase como um synth e para a bateria que alterna nos compassos entre o hi-hat e a caixa – e miraculosamente consegue fazer as duas peças da bateria ter um impacto igualmente forte.

Have a Nice Life“Cropsey”
Outra deles. O sample de voz que inicia a faixa me marcou muito, não tem uma vez que ouço sem repetir as palavras com a boca junto, quase como uma oração. Mas a grande estrela é a bateria, tão processada que somente se sente seu impacto e é difícil definir exatamente o que está acontecendo – mas não é preciso entender, só sentir mesmo. Cada vez mais camadas de distorção são adicionados a este eterno loop de bateria, até que a música se mova como uma só onda sonora resultando em algo que só o Have a Nice Life seria capaz de fazer. Esse foi um desafio que encontrei enquanto compunha o “Wolves of Ill Omen”, um desafio que tentei tornar um ponto forte do álbum – loops que se mantém eficazes por minutos.

Have a Nice Life“A Quick One Before The Eternal One Devours Connecticut”
A última deles, juro! De novo, o tema aqui é repetição, mas dessa vez o mais hipnótico que se pode chegar. Eu costumo dizer que ouvir essa música gera o mesmo sentimento que eu imagino um suicida tendo, uma paz em saber que tudo vai acabar, que chega como um golpe e dura poucos segundos até que o gatilho seja apertado. Nem preciso dizer que é uma música que me afeta muito. Dark, pois é… mas assim que é bom! haha

Portishead“Machine Gun”
O que acontece quando uma das melhores bandas do mundo vai full industrial? Essa belezinha aqui. Um show de timbres e sons irreconhecíveis (lembra do que eu falei antes sobre isso?) onde todos os sons tem a força de uma percussão, como um golpe no peito. E pra acabar, como se já não tivesse perfeita, no final entra aquele synth lindo. Uma música que eu não mudaria nada, uma referência industrial pra mim mesmo que a banda não tenha se aventurado por esse som em nenhum outro momento da discografia.

The Body“Hail to Thee, Everlasting Pain”
Quando eu penso em “música pesada” eu penso nisso aqui. Uma música nada convencional que me prende até o fim com seu intrigante universo sombrio. Com uma progressão bem bizarra, essa música consegue ser extremamente sombria sem recorrer a nenhum caminho fácil pra chegar nesse resultado. Assim como muitas outras nessa lista, um exemplo de música que consegue tirar qualquer um do seu estado natural – ninguém sai dessa a mesma pessoa de antes.

Nine Inch Nails“The Great Below”
Essa aqui é a famosa, a minha “talvez banda preferida”! Eu sou completamente obcecado por Trent Reznor e Nine Inch Nails dos anos 90. NIN tem o poder de me fazer ouvir algo que eu posso jurar que veio de mim mesmo, mesmo que eu nem tivesse sido nascido quando certos álbuns foram concebidos, ou seja, NIN perfeitamente captura minha alma. Todo a auto destruição, o entreguismo, a raiva e a melancolia que formam quem eu sou. Essa faixa eu especial está aqui por conta das suas ricas texturas, de um dos melhores arranjos de bateria que já ouvi e por conta do significado pessoal que eu tiro da letra, uma história que pode ou não ser verídica (defendo com dentes que é), mas que sinto que faz parte de mim, talvez um orgulhinho de ter desvendado a letra mais bonita já escrita na história da música. Pra mim, claro! Se eu tivesse escrito qualquer verso dessa música, eu poderia morrer em paz.

Nine Inch Nails“Reptile”
Faixa do meu álbum favorito de todos os tempos, “The Downward Spiral”. O sentimento de ser seu coração destruído e sua cabeça desgraçada por alguém é devastador e muito mais complexo do que um simples ódio pelo outro – é muito mais um ódio por si próprio. Isso fica muito claro na performance dessa música no Woodstock de 94 – talvez minha performance ao vivo favorita de todos os tempos. Me vejo em cada passo que Trent toma naquele palco, em cada grito, em cada gesto. De forma semelhante a “The Great Below”, se eu fizer uma performance como aquela algum dia na minha vida, posso morrer em paz. Mas uma performance tão boa só pode vir de uma música muito boa, e esse é definitivamente o caso.

Sneaker Pimps“Grazes”
Consider o trip hop um fenômeno musical inesperado – uma junção de tendências que encaixam de forma única. Essa faixa de Sneaker Pimps é, pra mim, um exemplo de trip hop bem utilizado. O solo atrapalhado revela uma fragilidade que combina muito bem com uma das vozes mais intrigantes e doces da música, a de Chris Corner. Mas acho que essa música não seria metade do que é se não fosse pelo sample de voz que aparece logo no começo, onde se pode ouvir os sutis cortes e manipulações feitos na gravação original que trazem uma ótica completamente diferente se aquela melodia tivesse presente na gravação original emitida somente com a voz humana. Um som que me traz arrepios logo no primeiro segundo da faixa!

Radiohead“Everything In It’s Right Place”
Provavelmente a banda de longa data mais surpreendente, consistente e dedicada que eu já conheci. Em cada álbum se pode perceber uma nova fase musical na vida dos membros, o que sempre resulta em discos incríveis como “Kid A”. Essa música foi um choque quando ouvi pela primeira vez, já que ouvi a discografia em ordem cronológica – “onde estão as guitarras?” “Por que a voz dele soa tão estranha?” e outras são perguntas que eu me fiz muitas vezes ouvindo e reouvindo esse disco até entendê-lo. E fico feliz que eventualmente o tenha feito, pois é definitivamente um dos melhores discos da história! Cada faixa um experimento diferente – que funciona. Daria pra dizer que por causa desse disco eu me tornei o viciado em música que sou hoje.

Joy Division“Atmosphere”
Um clássico gótico que estava na minha mente o tempo inteiro enquanto compunha “Don’t Lose Your Mind, Sweetheart”. O jeito que o synth grave encaixa com a bateria evoca um sentimento tão único que eu não pude deixar de referenciar, talvez quase plagiar, na minha música mencionada. A responsável por me fazer amar tanto os tons de uma bateria e buscar sempre incluí-los de alguma forma.

Title Fight“Head in the Ceiling Fan”
Eu amo o contraste entre melancolia e explosão e essa música faz exatamente isso. Esse contraste ficou implícito em todo o álbum, mas é possível fazer uma ligação direta – com as guitarras de “Nimble” tentei conseguir um efeito quase onipresente que sinto que essa faixa consegue obter.

Fever Ray“If I Had a Heart”
O disco de onde essa vem estava na minha cabeça o tempo todo enquanto compunha “A Present Foreseen”. Os vocais graves icônicos de Fever Ray estão presentes nessa faixa, assim como uma tentativa de fazer uma música completamente sintética. Por onde anda Fever Ray? Queremos mais discos!

Low“(That’s How You Sing) Amazing Grace”
Eu confesso – tenho um ponto fraco por caixas de bateria que parecem um soco no meu ouvido. “Amazing Grace” do Low tem um dos timbres mais interessantes de caixa que já ouvi, e não é só isso – colocada numa música calma, soturna! Esse contraste esteve muito em minha mente conforme eu escolhia os timbres de percussão que acabaram no meu álbum.

Sinoia Caves“Sentionauts”
Da trilha sonora de um dos meus filmes favoritos, “Sentionauts” é um exemplo de sintetizadores retrô sendo usados pra criar algo referenciante e moderno ao mesmo tempo – e eu adoro isso. Se alguém me dissesse que essa trilha sonora veio de uma máquina do tempo que veio dos anos 80 (2080, no caso) eu acreditaria. Outra faixa que é possível traçar um paralelo direto – “Beyond Touch” veio do meu amor por esse disco.

The Soft Moon“Black”
“Darkwave” é um gênero difícil de definir. Muitas vezes acaba passando por goth rock, post punk, new wave… mas o que vem a minha cabeça é isso aqui. Esse synth quase witch house com essa percussão que mais parece uma marcha é assustador, mas ao mesmo tempo me transporta pra algum clube noturno onde eu me perguntaria “será que posso sentar em posição fetal aqui no meio da pista?”. Enfim, uma sonoridade muito difícil de encontrar por aí e que me representa muito!

Sleep Party People“I’m Not Human At All”
Outra música que se apresenta como uma saga, progredindo por vários estágios e conseguindo sucesso em todos eles. Dos tempos de ouro do Sleep Party People, essa música me marcou principalmente na performance que fizeram dela na Copenhagen Sessions de 2010. Aquela guitarra simples, seguindo apenas os acordes da música funciona como uma cereja no bolo. Foi a primeira vez que vi percussão eletrônica sendo incorporada manualmente ao vivo e me deixou muito curioso pra tentar isso, mas ainda não tive oportunidade. Enfim, um grande exemplo de como construir uma música e manter ela interessante do começo ao fim.

Slowdive“Souvlaki Space Station”
Pra fechar a lista não poderia faltar a melhor música de um dos melhores discos da história. Eu realmente acredito que essa música nasceu de um momento em que todos os planetas se alinharam e todos os átomos do universo estavam no lugar certo – um fenômeno simplesmente. Uma música irreproduzível, cada segundo dela é exatamente o que deveria ser e jamais vai ser de novo – até me faz acreditar quando dizem que ela foi gravada em um take, depois de dezenas e dezenas de tentativas. “Mas o que faz dessa música tão especial?”. Aí que está – não sei. Acho que ela tem a própria alma e ela conversa comigo quando a ouço. De qualquer forma, não tem como deixar passar sem comentar o belíssimo uso de delay nas guitarras e baterias que me evocam um cenário espacial como o título sugere (e pela música “My God, It’s Full of Stars!” acho que fica claro que eu tenho uma relação muito forte com o espaço). Essa música é uma experiência que deve ser sentida por todo mundo pelo menos uma vez antes de morrer, é indescritível.

Construindo O Apátrida: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
O Apátrida

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o quarteto paulistano O Apátrida, que indica suas 20 canções indispensáveis. A banda é formada por Santiago Laranjeira (voz/teclado), Dija Dijones (guitarra/backing vocal), Luciano Portela (baixo) e Bruno Duarte (bateria) e está trabalhando em seu primeiro disco.

Sisters Of Mercy“Amphetamine Logic”
Poderíamos dizer que é praticamente impossível para uma banda de pós-punk, gótico, coldwave, darkwave, deathrock ou qualquer gênero ou subgênero musical do tipo não ser influenciada por Andrew Eldritch, Doktor Avalanche (a bateria eletrônica mais famosa do rock) e companhia. Nós não fugimos da regra.

Fellini“História do Fogo”
O “Adeus de Fellini” é um disco de valor sacro no nosso acervo de influências. Além de toda a musicalidade presente no disco, tem um fator muito positivo de ser um disco de pós-punk que só faria sentido cantado em português da maneira como ele foi feito. Como temos uma forte influência literária, era importante ter este tipo de trabalho como referência na hora de produzir nosso trabalho.

Joy Division“Disorder”
Podemos dizer que Joy Division está no mesmo panteão de referências do Sisters Of Mercy: como ouvir “Unknown Pleasures” e “Closer” e não tê-los como discos relevantes na vida? No começo da banda, tocávamos esta música. No entanto, ela tem um caráter tão valioso que resolvemos parar de tocá-la, pois parecia um pecado imperdoável executá-la. É, literalmente, uma canção intocável para nós.

Mercenárias“Inimigo”
Facilmente, uma das bandas brasileiras dos anos 80 e, ao nosso ver, ainda muito subestimada, por mais que sua importância histórica seja reconhecida por muitas das bandas atuantes por aí hoje em dia. Pouco depois que começamos a tocar juntos, fomos todos a um show delas, em um ritual de agradecimento.

The Smiths“Handsome Devil”
Tanto quanto o lirismo das letras de Morrissey, quanto às linhas de baixo de Andy Rourke, a técnica de guitarra que Johnny Marr empregou nas guitarras das canções dos Smiths é uma referência definitiva na hora em que compomos. Os temas, os arpejos e as harmonias inspiradíssimas fazem muito a nossa cabeça.

Magazine“Motorcade”
Também gostamos do Magazine brasileiro (descanse em paz, Kid!), porém o Magazine que é referência para gente é este aqui. Howard Devoto precisava de fato sair do Buzzcocks para nos brindar com este trabalho primoroso. Esta é uma das favoritas por conta da maneira como a banda se diverte com o andamento da música, assim como com os solos tortos e fora da escala da guitarra. Tocar com banda é isso: se divertir, mesmo em um contexto aparentemente sombrio.

Killing Joke “European Super Estate”
Killing Joke é uma das bandas mais fascinantes surgidas nas últimas 4 décadas: seus discos dos anos 80 são pedras fundamentais do pós-punk; mantiveram sua relevância quando migraram para o industrial e flertaram com o metal; retornaram nos anos 2010 com sua formação original, lançando discos excelentes; e o Jaz Coleman continua desaparecendo e aparecendo no deserto, escrevendo ótimas letras e fazendo shows insanos. Um exemplo a ser seguido.

Echo And The Bunnymen “Villiers Terrace”
Falar-se em pós-punk e letras de forte inspiração literária e não citar os homens-coelho é demonstrar pouco conhecimento de causa. Em um mundo ideal, “Crocodiles”, “Heaven Up Here”, “Porcupine” e “Ocean Rain” seriam mais ouvidos do que Cid Moreira fazendo locução de salmos.

Depeche Mode“A Question Of Time”
Certo dia, o Santiago chegou e disse: “eu quero uma música para dançar”. Para ele, nossas músicas não permitiriam este tipo de coisa. No mesmo dia, conversávamos sobre como Depeche Mode é bom e tal… E ficamos com esta música na cabeça, pensando, como seria bom ter uma música como esta em um repertório. Esperamos poder estar neste show, cantando junto com o Dave Gahan. E dançando muito, obviamente.

Gang Of Four“I Love A Man In Uniform”
Nós até tentamos fazer algo dançante inspirados no Depeche Mode, mas nosso fanatismo por Asylum Party (que não está nessa lista por não ter música no Spotify) e outras obscuridades não nos permite algo neste nível. É nessas horas que Gang Of Four acaba soando como a referência ideal de algo para se tocar numa pista de dança. Não sabemos se as pessoas dançam ouvindo-os, mas aqui se dança.

Christian Death“Romeo Distress”
A bíblia do deathrock, “Only Theatre Of Pain”, é disco de alta rotação na nossa discoteca básica. Junto com “Pure Joy In My Heart”, do Asylum Party, e “Disorder”, do Joy Division, “Romeo Distress” era uma das músicas que escolhemos para tocar nos primeiros ensaios para nos entrosarmos. Destas três, paramos de tocar apenas “Disorder”, por motivos já declarados. Agora esta é uma daquelas que é sempre bom poder tocar.

The Cleaners From Venus“Only A Shadow”
Pérola perdida dos anos 80 que aqueles mais antenados que acompanham esta atual geração de bandas revivalistas dos anos 80, sobretudo as bandas da Captured Tracks, já devem ter redescoberto. Mac DeMarco e uma galera de bandas como DIIV, Beach Fossils e Wild Nothing até formaram um grupo, o Shitfather, só para tocar este e outros tesouros desconhecidos dos anos 80.

Finis Africae“Armadilha”
Para alguns, é apenas mais uma banda de um hit só dos anos 80. Para nós, é uma das melhores bandas da geração de Brasília que sucedeu aquela turma que todo mundo conhece (Legião Urbana, Capital Inicial, Paralamas do Sucesso, etc.). Infelizmente, lançaram apenas um full-length, em 1987. Quem puder, ouça-o.

R.E.M.“Feeling Gravitys Pull”
Para 50% da banda, Santiago (vocal/teclado) e Dija (guitarra/backing vocal), R.E.M. é um item essencial no conjunto de influências d’O Apátrida. Tanto que eles até têm um projeto paralelo, onde tocam principalmente músicas da fase pré-Green do quarteto americano do estado da Geórgia.

Holograms“Meditations”
Junto com os americanos do Protomartyr, os suecos do Holograms é destas bandas gringas mais atuais de pós-punk que nós mais ouvimos. Tanto é que, no começo da banda, nós tínhamos incluído “Meditations” numa playlist que usamos como referência para o que tínhamos em mente para constituir uma sonoridade para nossa banda.

The Cure“All I Want”
Seria um tremendo sacrilégio não ter uma música do The Cure nesta lista. No entanto, escolher algo da famosa “trilogia gótica” (“Pornography”, “Disintegration” e “Bloodflowers”) poderia ser um tanto óbvio numa playlist como esta. Por isso, escolhemos uma faixa do “Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me”, um disco que muito fã de primeira hora não entende e que os fãs mais ardorosos colocam um pouco de lado. Ambos deveriam rever seus conceitos sobre este disco.

Fields Of The Nephilim“Slow Kill”
O roteiro para quem conhece esta banda inglesa costuma ser o seguinte: você conheceu o Sisters Of Mercy e adorou; então o Fields Of The Nephilim é a banda que te indicam como a mais apropriada para este momento trevoso da sua vida. De fato, até é o vocal é muito parecido com o do Andrew Eldritch, um cara que já tem um estilo bem particular de cantar, mas não devemos tirar os méritos destes alunos tão aplicados da escola gótica.

She Past Away “Asimilasyon”
Este duo turco é mais uma banda que bebe e muito da fonte inesgotável de referências típicas do pós-punk e do gótico que é o Sisters Of Mercy. No entanto, o She Past Away cumpre bem também a tarefa de revisitar a coldwave francesa e outras obscuridades dos anos 80. O fato de cantarem em sua língua nativa dá ainda um charme especial às canções.

Kafka “Gregor”
O nome da banda e da música escolhida deixam bem clara a importância da referência: o Luciano Portela (baixo) é escritor (lançou “Carolina Foi Para o Bar Exibir Seus Lindos Pés” em 2014 e agora, em 2017, está lançando seu primeiro romance, “Tudo Que Afeta O Movimento”) e a ideia de formar a banda partiu dele. Daí a simbiose presente entre literatura e música que representa a banda. Kafka, a banda, apesar de não ter emplacado ao menos um grande hit como seus contemporâneos do Finis Africae, tem em “Musikanervosa” uma estreia marcante e influente para nós.

Cocteau Twins“Cicely” 
Das bandas mais instigantes dos anos 80. Os climas ímpares, a sonoridade etérea e até a métrica das letras feitas com as palavras inventadas por Elizabeth Fraser são fascinantes e servem de referência e lição: para fazer música, não é necessária seguir regras ou receitas, basta exteriorizar o que tem em mente e colocar sentimento nisso para que ela tenha significado para você; ter significado para mais alguém é mera consequência.

Construindo Warmest Winter: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
Warmest Winter

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o quarteto paulistano Warmest Winter, que indica suas 20 canções indispensáveis.

Bloodhail“Have a Nice Life”
Denny Visser: Uma ambiência pesada com praticamente todos os instrumentos distorcidos e vocal profundo.

Galaxie 500“Temperature’s Rising”
Denny Visser: Simples com poucas variações de acorde mas envolvente e com uma melodia que prende na música.

Wild Nothing – “Shadow”
Denny Visser: Instrumentos mais cleans com vocal suave e batida baladinha. Mistura dos synths com efeitos de guitarra clean.

empire! empire! (I was a lonely state) – “The Loneliness Inside Me is a Place”
Denny Visser: O título e a letra da música são os maiores atrativos mais as particularidades da banda com bateria e guitarras com tempo quebrado.

Quiet“This Will Destroy You”
Denny Visser: A mistura de uma calmaria com um peso e agitação, uso do delay e bateria quebrando o tempo.

Siouxsie and the Banshees“Israel”
Luiz Badia: Música hipnótica onde baixo e guitarra banhados em flanger me influenciaram bastante. A bateria segue em expressivas variações e a voz da Siouxsie, sem ter uma grande potência, é minha cantora predileta. A letra sobre frio e desolação criam um universo mágico e sombrio.

Bauhaus“She’s in Parties”
Luiz Badia: Uma banda maravilhosa, cheia de energia agressiva e bela. Seu riff realizado pelo baixo e guitarra me encanta por revelar que bandas podem criar ótimos arranjos quando equilibram as forças de dois instrumentos em vez de enaltecer apenas a guitarra com instrumento principal.

The Cure“Charlotte Sometimes”
Luiz Badia: Robert Smith perambula pela sua melancólica atmosfera com ajuda de teclados chorosos e etéreos

Joy Division“Atmosphere”
Luiz Badia: Triste epílogo de Ian Curtis em seu derradeiro adeus… A bateria e o vocal são marcantes para a Warmest Winter

Interpol“Obstacle 1”
Luiz Badia: A banda resgata o som da primeira geração da cold wave, e esse hit inicial me chamou a atenção quando saiu, Carlos Dengler é uma baixista fantástico, simples e marcante.

Bob Dylan“Idiot Wind”
Tiago D. Dias: O “Blood on the Tracks” talvez seja o disco mais confessional do Dylan, e “Idiot Wind” talvez seja sua canção mais dolorida. A narrativa com quase 8 minutos de duração, na qual diferentes cenas são descritas, demonstra uma miríade de sentimentos do autor em relação a um relacionamento desfeito.

Cartola“O Mundo é um Moinho”
Tiago D. Dias: Nossos sonhos são sempre mesquinhos. E poucos são os que sobrevivem. Cartola sabia dessa triste verdade e escreveu sobre ela de maneira incrivelmente bela. Que a música tenha sido escrita para sua filha, torna tudo ainda mais poético.

Leonard Cohen“Chelsea Hotel #2”
Tiago D. Dias: A história do encontro fugaz entre o escritor/cantor canadense e Janis Joplin nos rendeu uma de suas músicas mais belas. Ambos partiram. Joplin nos anos 70 e Cohen ano passado. E mesmo assim, feios ou não, nós temos a música.

Tom Waits“Martha”
Tiago D. Dias: Martha é uma canção que é ao mesmo tempo datada em suas referências (ligações interurbanas), ela também é extremamente atual. Todos temos aquele relacionamento que não deu certo e sobre o qual nós sempre nos perguntaremos o que teria sido…

The National“Pink Rabbits”
Tiago D. Dias: The National talvez seja a banda que melhor resuma, em suas letras, o dilema entre se acomodar na mediocridade e falhar espetacularmente ao tentar algo acima disso. E “Pink Rabbits” não foge disso. Somos todos uma versão de TV de alguém de coração perdido.

Cream“We’re Going Wrong”
Daniel Vellutini: A primeira vez que eu parei pra ouvir Cream, o som já me virou a cabeça do avesso. A liberdade jazzística com que o Ginger Baker toca me pegou pelo calcanhar. Mudou minha ideia de bateria de rock. Em “We’re Going Wrong” dá pra perceber a importância da dinâmica numa música. Aprendi muito ouvindo esse disco e não canso de ouvir.

Jimi Hendrix“She’s So Fine”
Daniel Vellutini: Eu demorei a entender porque todo mundo falava tanto de Jimi Hendrix. Mas foi com esse álbum (“Axis: Bold as Love”) que aprendi a gostar muito. Aqui tem canções lindas e experimentações de sons que também não canso de ouvir. Mas uma coisa que as pessoas costumam esquecer é da importância da cozinha da Jimi Hendrix Experience. Em “She’s So Fine”, composta pelo baixista Noel Redding, ele e o baterista Mitch Mitchell mostram toda sua potência e carregam a música. Bom pra cacete.

Lô Borges“Trem de Doido”
Daniel Vellutini: Clube da Esquina é uma das coisas mais lindas que já aconteceu. Tem uma certa inocência, ao mesmo tempo que há temas tão complexos trabalhados nas composições de Milton, Lô e cia limitada que dava pra ficar dias falando sobre. Escolhi “Trem de Doido” pra essa lista porque é uma música que demorou um pouco a me pegar, sabe-se lá por quê, mas quando “bateu” pegou em cheio. Acho que é talvez o grande rock do disco. Esse fuzz e essas viradas de bateria sempre me pegam.

Blondie“Heart of Glass”
Daniel Vellutini: Cresci ouvindo rock oitentista, muito baseado na New Wave. E acho que Blondie é uma das bandas da segunda metade dos anos 70 que pavimentou o caminho pra todo o pop-rock dos anos seguintes. A levada dançante e umas quebrinhas de tempo aqui e ali de “Heart of Glass” dão uma aula de consistência sem ser quadradona. E a música toda soa absurdamente atual, mesmo quase 40 anos depois.

Supergrass“Sun Hits The Sky”
Daniel Vellutini: Supergrass é dessas bandas que eu quero saber o que eu tava fazendo que não ouvi antes. Os caras sabiam fazer bons riffs, letras interessantes e alternar entre momentos de segurar o groove e de sentar a mão em tudo. Tenho ouvido muito recentemente e acabo levando muito disso pros ensaios da banda.

Com influências de pós-punk e rock alternativo, Pure prepara novo EP com letras em português

Read More
Pure

Com influências que vão do pós-punk ao rock alternativo dos anos 90, os paulistanos do Pure estão na ativa há relativamente pouco tempo (desde 2014), mas já fazem barulho na cena independente. Formado por Bela Fern (vocal), Icaro Scagliusi (guitarra), Fernando Freire (baixo), Ricardo Shalom (bateria) e Mauro Chevis (teclados), o grupo luta para manter o rock vivo e tomar de volta o lugar que hoje é dominado por bandas covers na noite paulistana.

“Fazemos por puro amor ao rock. Ruim com ele desse jeito, pior sem ele. Não dá pra levar a vida sem, independente se estiver aqui, Londres ou no Iêmen”, disse Icaro em entrevista ao blog de Luiz Cesar Pimentel no R7. “Não vale a pena ser músico no Brasil do ponto de vista financeiro, mas isso é o que temos pra oferecer, nossa verdade. Se vale a pena ou não, você que me diz”, completou Bela. Conversei com Icaro sobre a carreira da banda, a cena independente brasileira, a proliferação das bandas cover na cena e o novo EP do grupo, a ser lançado em breve:

– Como a banda começou?
A banda surgiu no estúdio de um nosso amigo, tínhamos a ideia de gravar algumas músicas, acabamos nos empolgando e fizemos o disco todo.

– De onde surgiu o nome Pure?
O nome Pure vem de uma musica da Siouxsie, que é uma grande influencia pra banda e a Isabela, nossa cantora.

Pure

 

– Quais são suas principais influências musicais?
Muitas , mas basicamente todas vem do rock. De bandas clássicas como The Who, Led, Stones, bandas do pós-punk como Siouxsie, Joy Division e os “alternativas” como Pixies e Smashing Pumpkins.

– Como é o processo de composição?
Geralmente tenho riffs e mando pra Isabela e ela completa com as melodias e letra. Mas às vezes pode ser diferente, às vezes eu venho com uma melodia pré definida e ela muda a harmonia…

Pure

 

– Se pudessem fazer QUALQUER cover, qual seria?
Fizemos quatro mas gravamos apenas duas. “The Message” do Grandmaster Flash ,“Waiting for the Sirens Call” do New Order, “Personal Jesus” do Depeche Mode e “Queen Bitch” do David Bowie.

– Quais são as maiores dificuldades de ser uma artista independente?
Todas! Entrar nas rádios é muito difícil se você não tem na mão um produtor filiado a uma grande gravadora. Internet é bom mas muito disperso. Tem poucas casas de shows de bandas com musicas próprias, isso acabou acostumando o publico que já não quer mais ouvir coisas novas. Sem falar na grana que é zero e você tem pagar tudo

– Existem espaços suficientes para bandas autorais hoje em dia no Brasil? O que vocês acham da proliferação de bandas covers?
Muito poucos lugares, mas não é o suficiente e você não consegue viver disso, tirando algumas poucas. É por isso que muitos entram nesse universo das bandas cover, as pessoas precisam pagar as contas e acabam indo pra esse lado porque preferem tocar do que arrumar um emprego normal. E como disse antes, a maioria das casas noturnas querem que toque cover porque é o que as pessoas conhecem. Não existe interesse de divulgar nada, apenas agitar a noite. É uma bola de neve…

– Qual a sua opinião sobre a música pop que está nas paradas hoje em dia?
Um horror. A música parece que não é mais feita por músicos!

– Quais são os próximos passos do Pure?
Vamos gravar um EP até o fim do ano, alguma coisa em português também.

– Indiquem algumas bandas e artistas novos que vocês adoram. Se possível, independentes!
Gosto dos meninos do Racons!

Ouça o disco “Control” completo aqui:

T-Shirtaholic: “Bichos Escrotos”, “MJ Division” e “Thug Life”

Read More

A primeira camiseta de hoje é sobre a única música do clássico “Cabeça Dinossauro”, dos Titãs, que foi censurada e não podia ser reproduzida em rádios e TV. Se você não sacou a relação entre as imagens da camiseta e a música… poxa, ouve de novo. Você precisa. Agora.
bichosQuanto? R$ 65,00
Como comprar? http://www.soundandvision.com.br/produtos/bichos-escrotos
Onde tem mais disso? Sound and Vision

Esta camiseta mostra o jovem Michael Jackson na época do Jackson 5 como um fã de Joy Division. Ou um grande frequentador do Tumblr, sei lá.

Michael_branca_02

Michael_branca_01

Quanto? R$ 69,90
Onde comprar? http://www.sejafolk.com/mj-division/p
Onde tem mais disso? Seja Folk

Justin Bieber fez o que quase todas crianças prodígio da música fazem: virou um bad boy a la Axl Rose e tá quebrando tudo que encontra por aí. Fizeram uma camiseta em homenagem às peripécias do cantor de “Baby”.

big-bieber40 big-bieber80

Quanto? R$ 69
Como comprar? http://www.korova.com.br/top-sellers-korova/regatabieber.html
Onde tem mais disso? Korova