Construindo Warmest Winter: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
Warmest Winter

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o quarteto paulistano Warmest Winter, que indica suas 20 canções indispensáveis.

Bloodhail“Have a Nice Life”
Denny Visser: Uma ambiência pesada com praticamente todos os instrumentos distorcidos e vocal profundo.

Galaxie 500“Temperature’s Rising”
Denny Visser: Simples com poucas variações de acorde mas envolvente e com uma melodia que prende na música.

Wild Nothing – “Shadow”
Denny Visser: Instrumentos mais cleans com vocal suave e batida baladinha. Mistura dos synths com efeitos de guitarra clean.

empire! empire! (I was a lonely state) – “The Loneliness Inside Me is a Place”
Denny Visser: O título e a letra da música são os maiores atrativos mais as particularidades da banda com bateria e guitarras com tempo quebrado.

Quiet“This Will Destroy You”
Denny Visser: A mistura de uma calmaria com um peso e agitação, uso do delay e bateria quebrando o tempo.

Siouxsie and the Banshees“Israel”
Luiz Badia: Música hipnótica onde baixo e guitarra banhados em flanger me influenciaram bastante. A bateria segue em expressivas variações e a voz da Siouxsie, sem ter uma grande potência, é minha cantora predileta. A letra sobre frio e desolação criam um universo mágico e sombrio.

Bauhaus“She’s in Parties”
Luiz Badia: Uma banda maravilhosa, cheia de energia agressiva e bela. Seu riff realizado pelo baixo e guitarra me encanta por revelar que bandas podem criar ótimos arranjos quando equilibram as forças de dois instrumentos em vez de enaltecer apenas a guitarra com instrumento principal.

The Cure“Charlotte Sometimes”
Luiz Badia: Robert Smith perambula pela sua melancólica atmosfera com ajuda de teclados chorosos e etéreos

Joy Division“Atmosphere”
Luiz Badia: Triste epílogo de Ian Curtis em seu derradeiro adeus… A bateria e o vocal são marcantes para a Warmest Winter

Interpol“Obstacle 1”
Luiz Badia: A banda resgata o som da primeira geração da cold wave, e esse hit inicial me chamou a atenção quando saiu, Carlos Dengler é uma baixista fantástico, simples e marcante.

Bob Dylan“Idiot Wind”
Tiago D. Dias: O “Blood on the Tracks” talvez seja o disco mais confessional do Dylan, e “Idiot Wind” talvez seja sua canção mais dolorida. A narrativa com quase 8 minutos de duração, na qual diferentes cenas são descritas, demonstra uma miríade de sentimentos do autor em relação a um relacionamento desfeito.

Cartola“O Mundo é um Moinho”
Tiago D. Dias: Nossos sonhos são sempre mesquinhos. E poucos são os que sobrevivem. Cartola sabia dessa triste verdade e escreveu sobre ela de maneira incrivelmente bela. Que a música tenha sido escrita para sua filha, torna tudo ainda mais poético.

Leonard Cohen“Chelsea Hotel #2”
Tiago D. Dias: A história do encontro fugaz entre o escritor/cantor canadense e Janis Joplin nos rendeu uma de suas músicas mais belas. Ambos partiram. Joplin nos anos 70 e Cohen ano passado. E mesmo assim, feios ou não, nós temos a música.

Tom Waits“Martha”
Tiago D. Dias: Martha é uma canção que é ao mesmo tempo datada em suas referências (ligações interurbanas), ela também é extremamente atual. Todos temos aquele relacionamento que não deu certo e sobre o qual nós sempre nos perguntaremos o que teria sido…

The National“Pink Rabbits”
Tiago D. Dias: The National talvez seja a banda que melhor resuma, em suas letras, o dilema entre se acomodar na mediocridade e falhar espetacularmente ao tentar algo acima disso. E “Pink Rabbits” não foge disso. Somos todos uma versão de TV de alguém de coração perdido.

Cream“We’re Going Wrong”
Daniel Vellutini: A primeira vez que eu parei pra ouvir Cream, o som já me virou a cabeça do avesso. A liberdade jazzística com que o Ginger Baker toca me pegou pelo calcanhar. Mudou minha ideia de bateria de rock. Em “We’re Going Wrong” dá pra perceber a importância da dinâmica numa música. Aprendi muito ouvindo esse disco e não canso de ouvir.

Jimi Hendrix“She’s So Fine”
Daniel Vellutini: Eu demorei a entender porque todo mundo falava tanto de Jimi Hendrix. Mas foi com esse álbum (“Axis: Bold as Love”) que aprendi a gostar muito. Aqui tem canções lindas e experimentações de sons que também não canso de ouvir. Mas uma coisa que as pessoas costumam esquecer é da importância da cozinha da Jimi Hendrix Experience. Em “She’s So Fine”, composta pelo baixista Noel Redding, ele e o baterista Mitch Mitchell mostram toda sua potência e carregam a música. Bom pra cacete.

Lô Borges“Trem de Doido”
Daniel Vellutini: Clube da Esquina é uma das coisas mais lindas que já aconteceu. Tem uma certa inocência, ao mesmo tempo que há temas tão complexos trabalhados nas composições de Milton, Lô e cia limitada que dava pra ficar dias falando sobre. Escolhi “Trem de Doido” pra essa lista porque é uma música que demorou um pouco a me pegar, sabe-se lá por quê, mas quando “bateu” pegou em cheio. Acho que é talvez o grande rock do disco. Esse fuzz e essas viradas de bateria sempre me pegam.

Blondie“Heart of Glass”
Daniel Vellutini: Cresci ouvindo rock oitentista, muito baseado na New Wave. E acho que Blondie é uma das bandas da segunda metade dos anos 70 que pavimentou o caminho pra todo o pop-rock dos anos seguintes. A levada dançante e umas quebrinhas de tempo aqui e ali de “Heart of Glass” dão uma aula de consistência sem ser quadradona. E a música toda soa absurdamente atual, mesmo quase 40 anos depois.

Supergrass“Sun Hits The Sky”
Daniel Vellutini: Supergrass é dessas bandas que eu quero saber o que eu tava fazendo que não ouvi antes. Os caras sabiam fazer bons riffs, letras interessantes e alternar entre momentos de segurar o groove e de sentar a mão em tudo. Tenho ouvido muito recentemente e acabo levando muito disso pros ensaios da banda.

T-Shirtaholic: Bowie, Doors e Hendrix

Read More

Ziggy Stardust nunca morre, mesmo que David Bowie queira. O superstar continua vivinho da Silva com o Spiders From Mars enquanto o disco continuar por aí. Ah, e em camisetas, é lógico, já que a imagem do Bowie é uma ótima estampa:

450xN (1)

Quanto? R$ 49,90
Onde comprar? http://www.siamese.com.br/pd-dd0b7-ziggy-preta-feminina.html
Onde tem mais disso? Siamese Shirts


 

O grupo capitaneado por Jim Morrison em uma camiseta que foge das estampas silk screen que você já tá cansado de ver com a cara do Mr. Mojo Risin’ na mesma pose de sempre.
450xN

Quanto? R$ 39,99
Onde comprar? http://www.obskull.com.br/pd-22bde2-camiseta-doors.html
Onde tem mais disso? Obskull


O Jimi Hendrix Experience sorrindo ao ver duas garotas de topless vindo em sua direção. Uma imagem que merece uma camiseta (e que seu chefe vai censurar tanto quanto a capa de “Electric Ladyland”):

Hendrix jimi_e_as_tetas

Quanto? R$ 59,00
Onde comprar? http://www.vandal.com.br/products/43922-jimi-hendrix-and-girls
Onde tem mais disso? Vandal

 

E se aquele disco clássico virasse um livro? O designer gráfico Christopher Gowans mostra em “The Record Books”

Read More

E se você pudesse ler os quadrinhos “Master of Puppets“, ou o livro “Brothers In Arms”, ou até a grande obra literária “The Dark Side of the Moon”? Foi isso que o designer gráfico Christopher Gowans imaginou, criando diversas capas para livros, revistas e publicações inspiradas em grandes clássicos da música em seu projeto “The Record Books”. Mesmo as capas mais icônicas, como “Abbey Road” foram “transformadas” para parecerem com capas de best sellers pelo artista.

O mais legal é que ele evita seguir o que você espera se já é conhecedor das obras. “Are You Experienced?”, do Jimi Hendrix Experience, vira um livro empresarial dos mais coxinhas, por exemplo. Já “How To Dismantle An Atomic Bomb”, do U2, vira uma apostila e “Horses”, da Patti Smith, um almanaque infantil sobre cavalos. Ah, em cada “livro” existe a sinopse ou uma pequena descrição de onde ele teria sido encontrado. Dá uma olhada no projeto:

"Arquivo encontrado em um tribunal recentemente em desuso na fronteira francesa/italiana perto de Ventimiglia. Ele estava sendo usado, aparentemente, para parar uma mesa de cozinha de balanço"
“Arquivo encontrado em um tribunal recentemente em desuso na fronteira francesa/italiana perto de Ventimiglia. Ele estava sendo usado, aparentemente, para aparar uma mesa de cozinha que estava balançando”
O trajeto de glória na autobiografia de Bruce Springsteen Reginald Grayson. A história de sua ascensão da miséria até o bronze nos Jogos Olímpicos de 1932 em Los Angeles e... bem, é um livro bastante chato."
O trajeto de glória na autobiografia de Bruce Springsteen Reginald Grayson. A história de sua ascensão da miséria até o bronze nos Jogos Olímpicos de 1932 em Los Angeles e… bem, é um livro bastante chato.”
"O polêmico pensador radical dos 60s Kenton 'Sonic' Youth fala sobre a recusa de abraçar a maré de filosofias da Costa Oeste em seu país natal, Papua Nova Guiné."
“O polêmico pensador radical dos 60s Kenton ‘Sonic’ Youth fala sobre a recusa de abraçar a maré de filosofias da Costa Oeste em seu país natal, Papua Nova Guiné.”
"Livro de referência completas e claras para crianças a respeito de todas as coisas sobre eqüinos. Infelizmente, muitas das ilustrações foram desfiguradas por rabiscos e desenhos infantis."
“Livro de referência completas e claras para crianças a respeito de todas as coisas sobre eqüinos. Infelizmente, muitas das ilustrações foram desfiguradas por rabiscos e desenhos infantis.”
"A história de duas irmãs católicas crescendo em uma Grã-Bretanha em transição do pós-guerra. Adivinhem? Ela não termina bem."
“A história de duas irmãs católicas crescendo em uma Grã-Bretanha em transição do pós-guerra. Adivinhem? Ela não termina bem.”
"O carismático whizkid de Harvard, Hendrix tem aqui uma bíblia de auto-ajuda. Um spin-off de seu reality show de sucesso fenomenal  'The Experience'."
“O carismático whizkid de Harvard, Hendrix tem aqui uma bíblia de auto-ajuda. Um spin-off de seu reality show de sucesso fenomenal ‘The Experience’.”
"Thriller rápido de 1958: um condutor sequestra um trem de metrô de Nova York para se vingar de seu rival e ameaçar a vida de sua ex-amante. As últimas 30 páginas estão faltando. Não sei se ela sobrevive."
“Thriller rápido de 1958: um condutor sequestra um trem de metrô de Nova York para se vingar de seu rival e ameaçar a vida de sua ex-amante. As últimas 30 páginas estão faltando. Não sei se ela sobrevive.”
Mais um thriller sangrendo do prolífico Jackson. Neste stalkerfest implacável, detetive particular Dwight Blackman persegue o assassino "Shamone" pela 3ª vez. Irá o psicopata escapar pelos dedos do detetive mais uma vez?"
Mais um thriller sangrendo do prolífico Jackson. Neste stalkerfest implacável, detetive particular Dwight Blackman persegue o assassino “Shamone” pela 3ª vez. Irá o psicopata escapar pelos dedos do detetive mais uma vez?”
"Um pequeno volume de encantamentos ocultistas. Nenhum deles funciona, no entanto."
“Um pequeno volume de encantamentos ocultistas. Nenhum deles funciona, no entanto.”
"Quando uma forma de chuva ácida, causada por um cometa em Urano, parece impedir o crescimento de todos os seres vivos na Terra, a própria existência da humanidade está no fio da navalha. Quando um grupo de pigmeus perceber que o pêssego é a única planta não afetada, eles encontraram uma nova sociedade, com o caroço de pêssego como a sua moeda."
“Quando uma forma de chuva ácida, causada por um cometa em Urano, parece impedir o crescimento de todos os seres vivos na Terra, a própria existência da humanidade está no fio da navalha. Quando um grupo de pigmeus perceber que o pêssego é a única planta não afetada, eles encontraram uma nova sociedade, com o caroço de pêssego como a sua moeda.”
"Mistério de assassinato. O detetive agorafóbico dinamarquês, Jörnn Angstmar, investiga uma série de mortes por veneno em um clube de  palavras cruzadas de Copenhagen."
“Mistério de assassinato. O detetive agorafóbico dinamarquês, Jörnn Angstmar, investiga uma série de mortes por veneno em um clube de palavras cruzadas de Copenhagen.”
"Destinado a crianças com idades entre 8-12, esta encantadora série americana seguiu Rosa em suas aventuras idiossincráticas de coelho. Em Surfer Rosa, ela consegue criar um novo truque que envolve o uso de sua cauda como leme. Outros livros da série mostram a coelhinha em dança de salão e mesmo sendo uma veterinária!"
“Destinado a crianças com idades entre 8-12, esta encantadora série americana seguiu Rosa em suas aventuras idiossincráticas de coelho. Em Surfer Rosa, ela consegue criar um novo truque que envolve o uso de sua cauda como leme. Outros livros da série mostram a coelhinha em dança de salão e mesmo sendo uma veterinária!”
"Manual de instruções para uma marca obscura de computador pessoal. Ligeiramente amarelada, mas completamente sem uso, como a máquina em si, que nunca funcionou. Na verdade, ao abrir-lo para consertá-lo, verificou-se que não têm partes de trabalho de qualquer tipo. Na verdade, continha um tijolo."
“Manual de instruções para uma marca obscura de computador pessoal. Ligeiramente amarelada, mas completamente sem uso, como a máquina em si, que nunca funcionou. Na verdade, ao abrir-lo para consertá-lo, verificou-se que não têm partes de trabalho de qualquer tipo. Na verdade, continha um tijolo.”
"Thriller policial no submundo de Birmingham. O enredo gira em torno de uma quantidade de Quaaludes escondidos em caramelos roubado. E strippers."
“Thriller policial no submundo de Birmingham. O enredo gira em torno de uma quantidade de Quaaludes escondidos em caramelos roubado. E strippers.”
"Dois livros do escritor de crime popular e prolífico May Mercury. Originalmente escritas na década de 1930, essas reedições foram impressas no final dos anos 60. O mordomo não é o culpado em nenhuma das histórias, aliás."
“Dois livros do escritor de crime popular e prolífico May Mercury. Originalmente escritas na década de 1930, essas reedições foram impressas no final dos anos 60. O mordomo não é o culpado em nenhuma das histórias, aliás.”
"Whodunnit sangrento feito por um autor prolífico francês do pano cuja predileção por gore obrigou-o a escrever sob um pseudônimo para que seus leitores - e, na verdade, seus superiores - perdessem a fé nele."
“Whodunnit sangrento feito por um autor prolífico francês do pano cuja predileção por gore obrigou-o a escrever sob um pseudônimo para que seus leitores – e, na verdade, seus superiores – perdessem a fé nele.”
"Manual científico alternativo dos anos 60. Professor californiano Floyd alcançou enorme sucesso com este estudo da influência da Lua sobre o ciclo menstrual. Na verdade, ele foi capaz de fundar sua própria faculdade, especializado no estudo de fertilidade das mulheres. A faculdade não existe mais. Ela foi fechada em 1972, tendo sido arrasada por uma multidão de maridos irritados."
“Manual científico alternativo dos anos 60. Professor californiano Floyd alcançou enorme sucesso com este estudo da influência da Lua sobre o ciclo menstrual. Na verdade, ele foi capaz de fundar sua própria faculdade, especializado no estudo de fertilidade das mulheres. A faculdade não existe mais. Ela foi fechada em 1972, tendo sido arrasada por uma multidão de maridos irritados.”
"Novela sedutora sobre a amizade entre um magnata da imprensa e um rapaz órfão que ele conhece enquanto engraxa seus sapatos. Não o magnata, o rapaz. O rapaz estava engraxando seus sapatos. Os sapatos do magnata. Não seus próprios sapatos, isso não faria sentido. O rapaz estava engraxando os sapatos do magnata. E ele fez amizade com ele. O magnata. Fez amizade com o menino, o rapaz."
“Novela sedutora sobre a amizade entre um magnata da imprensa e um rapaz órfão que ele conhece enquanto engraxa seus sapatos. Não o magnata, o rapaz. O rapaz estava engraxando seus sapatos. Os sapatos do magnata. Não seus próprios sapatos, isso não faria sentido. O rapaz estava engraxando os sapatos do magnata. E ele fez amizade com ele. O magnata. Fez amizade com o menino, o rapaz.”
"Terceira edição de título de curta duração da Elektra Comics. Mesmo para um gênero de fantasia, as histórias eram vistos como exageradas pelo público."
“Terceira edição de título de curta duração da Elektra Comics. Mesmo para um gênero de fantasia, as histórias eram vistos como exageradas pelo público.”
"Spin-off baseado no programa de TV de mesmo nome, onde concorrentes que têm de decidir se mentem sobre suas recentes atividades diárias, sem saber se eles tinham realmente estado sob observação secreta. Hilariante. O livro conta com a participação do mascote do programa, "Ozzy CC ', a câmera de segurança de circuito fechado."
“Spin-off baseado no programa de TV de mesmo nome, onde concorrentes que têm de decidir se mentem sobre suas recentes atividades diárias, sem saber se eles tinham realmente estado sob observação secreta. Hilariante. O livro conta com a participação do mascote do programa, “Ozzy CC ‘, a câmera de segurança de circuito fechado.”

Veja mais livros (ou discos) do artista aqui: http://ceegworld.com/the-record-books/

T-Shirtaholic: “Hendrix”, “Music Festival” e “Tonight, Tonight”

Read More

A primeira camiseta de hoje ilustra um dos maiores guitar heros de todos os tempos (senão O guitar hero por definição): a marca Verso fez uma bela ilustração mostrando Jimi Hendrix em toda sua glória como um super-herói das seis cordas. Em chamas, como ele bem canta em “Fire”.

1estampa34Quanto? R$ 39,90
Onde comprar? https://www.useverso.com/camiseta/55/camiseta-hendrix
Onde tem mais disso? Verso

Foi no Lollapalooza? Vai no Monsters Of Rock? Mal pode esperar pelo Rock In Rio? Já foi ao Wacken? Tá superafim de ir num SXSW? You couldn’t wait for the summer and the Warped Tour? Bom, esta camiseta é pra você:

MusicFestival pdtimg_2760065bQuanto? R$ 69,93
Onde comprar? http://www.originalmusicshirt.com/i-want-to-live-in-a-music-festival-forever.htm
Onde tem mais disso? Original Music Shirt

Se você é fã da banda de Billy (desculpa, William) Corgan e principalmente de um dos melhores clipes de todos os tempos, encontrou a camiseta ideal pra você. Aposto que em 1997 você estava grudado na Mtv pra gravar o clipe de “Tonight, Tonight” em VHS. É, velhos tempos sem Youtube, né…

tonight-tonight_cam_estampa_ec tonight-tonight_cam_masc_foto_ecQuanto? R$ 69,00
Onde comprar? http://www.elcabriton.com/tonight-tonight-camiseta-classica-masculina-branca.html
Onde tem mais disso? El Cabriton

10 músicas que você nunca desconfiou que eram covers… mas são!

Ah, as covers. Eu poderia fazer inúmeros posts (e provavelmente irei) sobre essa arte secular de tocar músicas compostas por outras pessoas. Alguns são incríveis, outros, estragam obras primas. Alguns apenas copiam o que já foi feito, enquanto outras criam uma canção completamente nova.

Hoje listarei algumas músicas que fizeram muito sucesso e que pouca gente sabem que na verdade são covers ou versões. Boas covers e versões? Sim, mas ainda assim, derivadas de uma canção original que merece reconhecimento. Certo?

– “I Will Always Love You”, da Whitney Houston, na verdade é da… Dolly Parton!

A canção de 1974 de Dolly Parton ganhou uma versão cheia de sentimento por Whitney Houston em 1992, para a trilha sonora de “O Guarda Costas”. A música, que foi lançada originalmente no disco “Jolene”, de Parton, se tornou um dos singles mais vendidos de todos os tempos na voz de Houston. Ah, e tocou pra caramba em todo lugar: rádios, TV, novelas, festas, casamentos…

– “Marvin”, dos Titãs, na verdade é uma versão de… “Patches”, de General Johnson e Ron Dunbar!

Um dos maiores hits dos Titãs na voz de Nando Reis (e tocada tanto pela banda quanto pelo cantor em seus shows hoje em dia) é uma versão quase literal de “Patches”, composta por General Johnson e Ron Dunbar e que fez muito sucesso na voz do guitarrista cego Clarence Carter, que a gravou em 1970 e que levou o Grammy de melhor canção R&B em 1971.

– “Torn”, da Natalie Imbruglia, na verdade é de uma banda chamada… Ednaswap!

Sim, o hit arrasa-quarteirão da australiana Natalie Imbruglia não é dela, e sim uma versão do segundo single da banda Ednaswap, lançado em 1995. A versão de Natalie foi indicada ao Grammy de melhor música pop.

– “Hey Joe”, clássico de Jimi Hendrix, na verdade é uma cover de… The Leaves!

Por essa você não esperava, né? Pois é, um dos maiores clássicos de Hendrix na verdade é uma música do The Leaves. A autoria da música, na verdade, é nebulosa, mas a primeira gravação é a do The Leaves, em 1965, quando obteve pouco sucesso. Já com Hendrix…

– “If I Were a Boy”, da Beyoncé, na verdade é cover de…BC Jean!

http://www.youtube.com/watch?v=EdjtO4iKU-A

Não, essa música não é originária do disco “I Am… Sasha Fierce”. BC Jean é o nome da autora original, que , aliás, ajudou a produzir a versão de Beyoncé em 2008.

– “Girls Just Wanna Have Fun”, da Cindy Lauper, é uma versão de… Robert Hazard!

É, nem o arrasa-quarteirão que veio a se tornar o maior hit de Cindy Lauper é original. A versão de “Girls Just Wanna Have Fun” catapultou Cindy ao estrelato, mas quem criou a música foi Robert Hazard, em 1979. Ah, a versão de Hazard nunca foi lançada oficialmente.

– “Tainted Love”, do Soft Cell, nada mais é do que uma cover de… Gloria Jones!

Sim, também existe a versão do Marylin Manson, que a criançada de hoje em dia conhece mais do que o clássico do Soft Cell. Bem, mas nem a versão Soft Cell de 1981 era original: quem criou “Tainted Love” foi Gloria Jones, que a lançou em 1964, como B-Side de “My Bad Boy’s Comin’ Home.”

– “I Love Rock and Roll”, da Joan Jett & The Heartbreakers, é cover de… Arrows!

A música que simboliza o rock’n’roll dos anos 80 e foi coverizada por milhões de pessoas (incluindo aí até Britney Spears) não é de Joan Jett. A versão original é da banda inglesa Arrows, que lançou a canção em 1975. Joan Jett viu a banda durante sua passagem pela Inglaterra e resolveu regravar a música. Acertou na mosca!

– “Don’t Cha”, das Pussycat Dolls, é uma versão de… Tori Alamaze!

A música na real foi escrita por Cee-Lo Green e Busta Rhymes para Tori Alamaze, ex-backing vocal do Outkast. A música foi lançada e tudo, mas ela resolveu sair da gravadora dos caras (“diferenças criativas” e coisas do tipo) e a música foi pras Pussycat Dolls. E deu muito certo.

– A música do Show de Calouros do Sílvio Santos na verdade é cover de… “Those Were The Days!”

Sim sim, a música que apresentava todos os jurados do Show de Calouros (Pedro de Lara, Sônia Lima, Sérgio Mallandro, Wagner Montes, Flor e… bom, são tantos. Ah, a nostalgia) era apenas uma cover de “Those Were The Days”, que foi lançada por Mary Hopkin em 1968. A música nada mais é que uma versão em inglês para a música russa “Dorogoi dlinnoyu”. Ah, e a versão dos Leningrad Cowboys é incrível: