Construindo Personas: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos a banda Personas, que recentemente lançou seu disco “Vazio”.

“Na composição do Vazio eu tinha uma grande carga de bandas gringas como inspiração, mas ultimamente tenho descoberto várias bandas nacionais que fazem o tipo de som que a gente gosta de ouvir, de fazer, de colar no rolê pra assistir e de aprender com elas, e particularmente, ver essa cena acontecer me faz sentir que estamos no caminho certo e tem algo pra gente aí”, diz Rodrigo Cerqueira, baixista e vocalista da banda.

Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

João Capecce – guitarrista

Green Day“Jesus Of Suburbia”
Provavelmente a referência mais clichê das pessoas que cresceram nos anos 2000, mas Green Day é uma das minhas bandas preferidas desde que me conheço por gente, e acho justo dizer que foi quando assisti “Bullet In A Bible” que percebi que eu queria criar uma banda e tocar por aí.

Basement“Promise Everything”
Basement foi uma das bandas que mais nos inspirou enquanto estávamos compondo as músicas do “Vazio”, tanto a energia das músicas quanto a honestidade quase brutal foram algumas das coisas que tentamos trazer para o EP.

Movements“Kept”
Movements é uma banda que bebe da mesma fonte que o Basement, um emo mais atual, com letras extremamente honestas e músicas que sempre atingem quem tá ouvindo de uma forma quase dolorosa. Recentemente lançaram seu primeiro álbum, o “Feel Something”, que foi o que mais ouvi no ano passado.

Hateen“Quem Já Perdeu Um Sonho Aqui”
Curiosamente, nunca fui de ouvir Hateen quando eles realmente faziam sucesso, mas tenho ouvido bastante ultimamente, principalmente o último álbum, mas “Quem Já Perdeu Um Sonho Aqui” é provavelmente uma das mais clássicas, e inclusive tocamos ela algumas vezes nos primeiros shows que fizemos com o “Vazio”.

My Chemical Romance“Welcome To The Black Parade”
Em algum momento dessa lista eu teria que colocar as bandas emos de 2000, que foram as que formaram meu gosto musical e ainda ouço todo dia. Fiquei em dúvida se colocava Simple Plan ou Blink-182 ou Good Charlotte, mas My Chemical Romance é uma que nunca me canso de ouvir e parece que sempre faz eu me sentir da mesma forma que me senti da primeira vez que ouvi.

SOX“Los Angeles”
SOX é uma banda aqui de São José dos Campos (uma das melhores, diga-se de passagem), e apesar de não serem influência direto em nosso som, foram os caras que nos trouxeram para os rolês, nos ajudaram desde o começo e sempre estão na correria junto com a gente.

menores atos“Doisazero”
Admito ter demorado pra gostar de menores atos, mas teve uma vez que eu tava no carro do Digão indo pro ensaio e essa música tava tocando e percebi o quanto era bom. Animalia é provavelmente uma das melhores coisas que saiu no Brasil no últimos anos. Sem contar que o Cyro faz com uma guitarra só o que muita banda por aí não consegue fazer com três, é uma aula pra qualquer power trio por aí.

Brvnks“Don’t”
Brvnks é uma das minhas bandas preferidas que saiu ultimamente, a voz da Bruna é maravilhosa, as letras são sempre bem relacionáveis e o instrumental bem simples mas grudento. Acho que gosto bastante dessa em especial pois escrevo bastante sobre amores (passados, platônicos e não correspondidos), e acho que essa música é o hino definitivo do amor não correspondido.

eliminadorzinho“Das Vezes Que Conversamos na Cama e Acabamos Dormindo”
Fui ouvir essa música pela primeira vez pra ver a linda referência de Pokémon que tem no meio dela, mas acabei me apaixonando por todo o resto que tá rolando. Existe alguma coisa nela, talvez a combinação de tudo, que faz o mundo parar por 6 minutos e instaura um sentimento de esperança gigantesco em mim, é algo realmente mágico.

Citizen“The Night I Drove Alone”
Para o bem ou para o mal, todas nossas letras acabam sendo triste, mesmo que tenha por traz um instrumental animado. Citizen é uma aula de como escrever música triste que chega a doer fisicamente quase. Essa música parece que foi feita cirurgicamente pra você receber todas as palavras Mat como um soco na cara.

Rodrigo Cerqueira – baixista e vocalista

Diego Xavier“4 Casas”
Esse som, apesar de novo, é a cara do emo dos anos noventa. E saber que esse som é daqui do Vale do Paraíba me dá um certo orgulho de ver que as bandas daqui tem uma veia na música triste, sincera e muito boa.

Cap’n Jazz“Oh Messy Life”
Falando em emo dos anos noventa, Cap’n Jazz é uma grande referência sem sombra de dúvida. Em especial essa música, onde a letra e o instrumental casam muito bem, trazendo uma atmosfera única pra música, que sempre tentamos trazer para a nossa música.

Modern Baseball“Just Another Face”
Às vezes fica até difícil de falar sobre algumas músicas, e esse som é um desses. Essa mexe com os sentimentos, assim como todas as outras do Modern Baseball, os caras não erram nunca. Com toda certeza é uma banda que observamos e aprendemos muito.

Basement“Canada Square”
A primeira vez que ouvi esse som foi um choque, porque foi uma das primeiras músicas que realmente parei pra escutar e ler a letra junto e só consegui pensar “mano, é por isso que quero fazer música”. Ela é um soco no queixo, você consegue sentir tudo que o Andrew fala na música.

Title Fight“27”
A gente sempre tem os altos e baixos na vida, e quando eu ouvi essa música eu tava em um dos momentos ruins, e eu não queria mais estar. Ela meio que me ajudou a relembrar tudo que passei e perceber que merdas acontecem, mas que tava na hora de tocar o baile e seguir em frente.

Raça“Super Ação”
Com certeza é a música que mais tem inspirado no processo de composição, não só do “Vazio”, mas principalmente nas novas. Eu acho absurdo a maneira como eles conseguem transformar as ideias em música e deixar a gente com um gostinho de que a única forma de encontrar sentido na vida é fazendo e tocando música.

gorduratrans“vcnvqnd”
Mano, esses caras são absurdos, por mim eu teria colocado todas as músicas dos caras aqui. Os caras que me apresentaram o shoegaze, que é um negócio muito foda. O som dos caras é uma coisa caseira, feita só por dois caras e mesmo assim transmite o que muita música superproduzida não consegue dizer.

Def“Sobremesa”
Cara, banda perfeita. Me ajudou muito a pensar em músicas mais “bonitinhas” em nosso processo de composição. Os caras tem métrica muito boa, a voz da Deb é muito suave e gostosa de ouvir, e esse tipo de som é o que a gente tá tentando trazer pras músicas mais calmas, algo mais delicado e bom de ouvir.

Polara“Boate”
Esses caras são a representação do rock barulhento e confuso, o típico adolescente inconformado com a vida e com amor e sofrendo por paixões não correspondidas. Quando eu conheci esse som eu só pensei “caralho, esse é o tipo de som que eu quero fazer”. As composições são muito fodas, sem contar que os caras são loucos no palco, que foi o que me chamou atenção e me fez perceber que esse barulho tinha muito a dizer no fundo.

Terno Rei“Criança”
Essa banda tá em outro patamar, outro nível, é o tipo de banda que você pensa “porra, os caras chegaram lá”. Letras muito elaboradas, um instrumental simples mas que diz muito. Ouvir esses caras é um aprendizado tanto musical quanto de vivência, as ideias deles são muito parecidas com as minhas, e acho que esse é o mais doido da música, você poder transmitir suas ideias e ter gente que se encontra e se reconhece nessas ideias.

Um ode ao rock triste em tempos de pós-psicodelia

Read More
Fotografia de @ciaospiriti

Vivemos na geração da pós-psicodelia, com muitas cores, brilhos, canções felizes e lisérgicas. Falamos muito sobre uma liberdade em tons de Woodstock, onde questões sociais são abordadas superficialmente para não estragar a boa onda, os conflitos internos se resolvem momentaneamente com um drink bacana e todos os problemas aparentemente se resolvem com um discurso alto astral. Encarar a própria humanidade fica cada vez mais impossível.

Em meio à composições que falam de uma realidade quase distópica e carregadas de uma positividade inalcançável, ainda existe quem canta tudo que ninguém quer ouvir, existe quem fala dos desconfortos e conflitos insuportáveis da existência. Essa ascendência de bandas com temática crua e realista, em paralelo à onda tropical e colorida, mostra que falar sobre tristeza é um ato de resistência, um grito de quem não aguenta mais uma realidade florida que não pertence.

Estamos sufocados na obrigatoriedade de sermos felizes o tempo todo, cercados de feeds simétricos com pessoas festivas em fotos descoladas, os eventos têm cada vez mais glitter e nem sempre isso representa nosso estado de espírito. Nos sentimos desconfortáveis ao falar sobre nossas angústias por medo de ser taxados de “onda negra” ou “pessoa tóxica”. No meio dessa demanda por perfeição, sentir tristeza, dor, ou qualquer tipo de sentimento negativo soa completamente errado, mas a realidade é que todos sentimos as piores angústias e, encará-las frente é a melhor forma de enfrentá-las, encarar com música, é parte de uma cura.

Na geração em que vivemos, existe tanta alusão à uma positividade utópica na música, que as vezes tenho dúvidas sobre o quanto as pessoas estão dispostas a escrever com profundidade, a encarar suas dificuldades de forma realista e se curar através do auto-conhecimento. Parece que todo mundo quer se anestesiar de maneira psicodélica em uma ilusão de realidade que não faz parte. Mas isso não é um problema, fugir do mundo real é necessário para sobreviver, mas em que ponto essa fuga virou uma constante?

Quando eu estava saindo da adolescência, conheci Violins. Estava me reconhecendo ideologicamente, com uma depressão que mal entendia e conflituosa com todas as minhas crenças pessoais, escutei o álbum Redenção dos Corpos” e chorei bastante, aquilo traduzia tudo que eu sentia e não conseguia expressar, todo meu sufoco ficou mais poético e menos insuportável. Eu lia as letras da banda por horas como se fosse um livro, isso me ajudou a entender que eu não era anormal, que se aqueles caras conseguiram transformar aqueles conflitos em algo tão bonito, eu também poderia.

Violins, em 2005

Para quem teve o punk como escola, falar de ódio, tristeza e decadência social não é novidade. O punk ensina como peneirar todo o “caos mental geral”, transformar a “rebeldia contida” em luta e fazer uma “canção para esquecer”.

Bandas gringas com ar de tristeza sempre foram mais populares, a MTV trouxe o shoegaze à tona no Brasil e o grunge explodiu nos anos 90, mas nem todo mundo tem o privilégio ser ser bilíngue. Nos anos 2000, o idioma morto, ou o bom português do Ludovic, trouxe composições mergulhadas em conflitos e melancolia, somado à essência do punk. Cada música do Ludovic é um expurgo. As letras de Jair Naves falam de uma forma tão crua sobre sentimentos e decadências que, nos ouvidos de quem não está acostumado a encarar as próprias fragilidades, pode soar incômodo. As performances ao vivo da banda são um momento de alívio para quem se sente deslocado em meio às demandas sociais de perfeição, muitos desses deslocados são os que, hoje, deram continuidade à toda essa chama depois de quase uma década da última ascensão do rock triste no Brasil.

Ludovic, em 2005

Bandas como Gorduratrans, Lupe de Lupe, El Toro Fuerte, Enema Noise e Raça trazem novamente essa temática na contramão da onda “good vibes” que assola a cena musical. Selos e coletivos como Geração Perdida e Bichano Records ajudaram a dar espaço e visibilidade para esses artistas que ainda são controversos para muitos.
Talvez, todo esse renascimento de bandas e músicos aparentemente “tristes” no Brasil, reflete que o superficial não fala mais por nós, que estamos cansados de esconder nosso lado mais obscuro por medo das reações sociais, que a trivialidade musical já não preenche. Não é porque somos o país do carnaval que precisamos estar sempre em festa e conformismo. Mergulhar a fundo e sem medo em composições que falam do ser humano com genuinidade, sem máscaras e sem glamour, pode significar uma nova etapa para a música brasileira.
Aos poucos, estamos aprendendo a lidar com nossos demônios de forma poética. Assumir as próprias fraquezas é resistir.

Fiz uma playlist para o Spotify do Crush Em Hi-Fi para embalar a melhor bad vibe possível, só com bandas nacionais do tal “rock triste”. Segue a playlist e o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify, pegue a sua bebida, cigarros, cartelas de remédios ou água com gás e dá o play.

Construindo Weird Fingers: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More
Weird Fingers

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o Weird Fingers, projeto do garoto paranaense Raad Ferreira, que com 15 anos e muito tempo livre já lançou dois discos em 2017 e está pra lançar seu terceiro nesse mesmo ano, intitulado “Ciclos”. Todos seguem uma identidade lo-fi e noise. “Eu sou meio que péssimo tentando escolher essas coisas, 20 é um número pequeno ainda e vou me sentir meio mal deixando gente de fora, mas tá tudo bem! (Risos)”

Xiu Xiu“I Luv The Valley OH!”
“Essa é minha favorita de todas nesse mundo, e olha que é difícil pra eu sair nomeando assim! Tudo sobre ela me fascina, instrumentais desconexos e caóticos que se de alguma forma se encaixam tão bem! As variações entre músicas agressivas e calmas, a voz dolorida e assombrosa do Jaimie… Ah, as performances ao vivo também são de cair o queixo!”

Fábio de Carvalho“Paz Imensa”
“Era impossível não citá-lo nessa lista. Foi um dos primeiros artistas que me trouxeram inspiração para começar a gravar tudo sozinho. O cara é um dos melhores compositores nacionais dessa geração e com certeza um dos artistas mais importantes que eu escuto e espero escutar pelo resto da minha vida”.

Have A Nice Life“Burial Society”
“Pô, eu me amarro demais na atmosfera que eles conseguem criar, na forma como suas palavras, às vezes difíceis de se compreender conseguem penetrar tão fundo. Amo demais os sons sujos e marcantes!”

Sonic Youth“100%”
“Outra que tá no meu top 3 bandas favoritas. Sério, não tem como não amar Sonic Youth e todo mundo sabe. Eu até faço referência ao álbum “Daydream Nation” na letra de uma música minha!”

Sigur Rós“Gobbledigook”
“Essa fecha meu top 3 bandas inspiradoras demais que eu amo e nunca saem da minha cabeça! Tudo bem que meu som não lembra tanto assim, mas eu me inspiro bastante na parte dos vocais, que me deram muita mais coragem pra soltar minha voz do jeito que ela é”.

Theuzitz“Sinédoque, SP”
“Lembro quando eu fui ouvir o “Peso das Coisas” pela primeira vez e tava achando meio “bleh” no começo, e me arrependi uns 15 segundos depois quando começou aquela barulheira muito doida da primeira faixa. Inspirei muito nele pra começar a gravar coisas mais acústicas”.

Neutral Milk Hotel“In The Aeroplane Over The Sea”
“Simplesmente genial! Também me influenciou muito mesmo pra começar a compor mais coisas acústicas e deixar de lado à sujeira”.

Elvis Depressedly“Thou Shall Not Murder” 
“É meio besta na verdade, mas é um dos meus favoritos nessa pegada “bedroom pop”. Eu pego bastante do vocal do Matthew, e também foi um dos grupos que me inspirou mais à trabalhar com sintetizadores”.

Message to Bears“Farewell, Stars”
“A atmosfera, ambiência, uma coisa etérea assim. Esse projeto solo do multi-instrumentista Jerome Alexander, é sensacional, daquelas músicas que tu chora ouvindo, sem nem mesmo ter letra alguma. Eu comecei a aprender dedilhados e afins por causa desse projeto na verdade!”

Bon Iver“Flume”
“Eu comecei à ouvir recentemente, e fiquei tão encantado que passei bastante coisa dele pra esse meu último disco. (que foi mais folk que roquinho). também me trouxe mais confiança na minha própria forma de cantar”.

Lupe de Lupe“Eu Já Venci” 
“Essa é “aquela”. A que bate forte mesmo. Acho que além de influenciar muito na minha sujeira sonora, me trouxe também confiança pra cantar mais do meu próprio jeito!”

Flying Saucer Attack“Wish”
“Minha banda favorita de ~shoegaze~, nas minhas primeiras músicas (queime meus brinquedos/caraca bicho) eu tava ouvindo muito essa banda, e não vou mentir, tive que fazer alguma coisa meio parecidinha! A diferença é que o som deles é 190000x melhor”.

Spencer Radcliffe“Mermaid”
“Acho que é um dos produtores popzinho lo-fi mais subestimados. As melodias do “Looking In” me marcaram de um jeito sensacional”.

Slows Down“The Way Down Leerin”
“Daquelas bandas obscuras que tu acha aleatoriamente e se apega demais! Acho que tudo que for meio esquisito avant não sei que lá me pega de um jeito bom demais e eu acabo transmitindo pras minhas próprias músicas”.

Jason Anderson, Wolf Colonel“That’s My Life”
“É uma espécie de junção de dois projetos do mesmo artista, só tem um disco e é uma coisa linda demais, eu amo como se alterna entre vários gêneros diferentes nas faixas! “that’s my life” é uma música que bate forte demais. Aliás a gravação é genial”.

gorduratrans“você não sabe quantas horas eu passei olhando pra você”
“Me deram aquela força de vontade inicial pra começar a gravar tudo sozinho e me fizeram gostar cada vez mais de barulheira, daquelas de derreter a mente”.

Teen Suicide“we found two dead swans and filled their bodies with flowers”
“Poxa, muito por causa deles eu não tive medo de gravar as coisas com os recursos que eu tinha e fazer algo muito bonito, é uma banda que eu ouvi demais em momentos difíceis também, e quando tô por um momento difícil é quando componho, então já viu. (Risos)”

Beat Happening“Cast A Shadow”
“Acho que o mesmo caso de vários já citados acima, envolvendo a forma de produção principalmente, sem contar que os caras fazendo realmente tudo sozinhos e se divertindo demais, sem se importar com o que iam pensar te enche de emoção.

Gregory And The Hawk “Oats We Sow” 
“Uma das maiores influências do “ciclos”. Vocais lindos demais, letras lindas demais, instrumental simples e cativante, não tem como não amar!”

Daniel Johnston“True Love Will Find You In The End”
“Um dos artistas que eu escuto ate doer os ouvidos. me influenciou demais tanto na forma de produzir e na parte das artes, que eu faço todas sozinho com desenhos bem minimalistas”.

RockALT #18 – BBGG, Far From Alaska, gorduratrans e Sheer Mag

Read More

RockALT, por Jaison Sampedro

Caros leitores do Crush em Hi-Fi, me perdoem mas essa semana me atolei de trabalho e tive pouco tempo para me dedicar a está querida coluna semanal. Porém, não é porque eu tive pouco tempo que eu deixei de pesquisar algumas coisas ali e acolá. Sábado passado foi Dia da Música e teve tanta atração legal que não deu nem pra contar nos dedos. Teve Ludovic, BRVNKS, Miêta, Macaco Bong, Sky Down e muitos outros. Nosso querido apresentador do RockALT, o queridíssimo Helder Sampedro quase perdeu a voz e mal consegui gravar o programa dessa semana. Mas vamos ao que interessa! Essa semana eu quero recomendar 4 bandas para vocês começando com:

BBGG
O grupo formado por Ale Labelle (voz e guitarra), Dani Buarque (voz e guitarra), Joan Bedin (baixo) e Mairena (bateria), lançou um clipe novo na semana passada chamado “Caixa de Comentários” que foi dirigido pela própria banda. Por favor, não banque o cuzão e assista, preste atenção na letra você vai me entender.

Far From Alaska
O pessoal do Rio Grande do Norte está com a corda toda! Tocaram na edição francesa do Download Festival, gravaram o seu novo disco nos Estados Unidos e na semana passada mostraram um pouco do que está por vir com a musica “Cobra” do álbum “Unlikely” que será lançado provavelmente nos próximos meses.

gorduratrans
A cena autoral está passando por uma efervescência incrível. A prova disso é que a banda carioca de noise rock/shoegaze formada por Felipe Aguiar (guitarra e voz) e Luiz Felipe Marinho (bateria e voz) também lançou material semana passada. Ao escutar o álbum “paroxismos” eu fico pensando: como é que eu vou conseguir acompanhar tanta banda foda lançando disco quase que toda semana?

Sheer Mag
Acho que não é a primeira vez que eu falo dessa banda, mas não vá pensar que eu estou repetindo banda porque eu estou sem tempo. Não meu amigo, a razão de voltar a falar da querida banda punk da Filadélfia é que eles vão lançar o seu primeiro álbum no dia 14 de julho! E já tem duas musicas disponíveis pra ouvir no bandcamp do grupo, que são “Need to Feel Your Love” e “Just Can’t Get Enough”. Gosto demais dessa banda e mal vejo a hora de escutar esse disco na integra.

Curtiu a coluna? Então não deixe de escutar o programa do RockALT toda a quinta-feira às 21h na www.planetmusicbrasil.com.br, seguir a playlist da coluna no Spotify: https://goo.gl/lXZ69x e confira nossos mais de 100 programas disponíveis no link: www.mixcloud.com/rockalt/

RockALT #3 – Facas Voadoras, Old Books Room, gorduratrans, Zebra Zebra e Walverdes

Read More
RockALT 3

RockALT, por Helder Sampedro

Facas Voadoras
Com o visual inspirado em filmes de terror dos anos 50 e filmes B dos 70, o trio de Campo Grande, Mato Grosso do Sul criou um som energético que mistura a classe de Johnny Cash e a velocidade do Motörhead. Letra e música que abordam temas comuns em uma noitada com os amigos e combinam perfeitamente com a animação que esse cenário proporciona. Mais uma prova da qualidade e variedade que a cena nacional proporciona para aqueles que estão interessados em descobrir. Destaque para o recém lançado clipe de ‘Creatures in the Night’.

Old Books Room
Coloque amigos para escutar algumas músicas do Old Books Room, agora pergunte a eles de onde eles acham que a banda veio. Aposte o que você quiser pois ninguém vai imaginar que eles são de Fortaleza, Ceará! A banda tem um som altamente cativante e que se equipara a grandes nomes do rock alternativo mundial. Podiam ser de Chicago, Berlim, Nova Iorque, Canadá ou de onde mais você possa imaginar, mas são aqui de casa e você está perdendo tempo se ainda não ouviu o álbum ‘Songs About Days’.

gorduratrans
Mais uma banda que desafia sua posição geográfica. Se não fossem as letras em português seria fácil imaginar que a banda vem de algum canto frio e cinza mundo a fora. A dupla carioca lançou o excelente EP ‘repertório infindável de dolorosas piadas’ e mostra um noise/shoegaze que te prende desde o primeiro acorde, seja pela sonoridade viciante ou pelas inspiradas letras fáceis de se identificar se você é fã do gênero. Aguardo ansioso o retorno dos garotos fluminenses enquanto ouço o EP pela enésima vez.

Zebra Zebra
Como é bom ouvir rock de qualidade em português! O Zebra Zebra manda muito bem nas letras de suas músicas sempre com partes iguais de sarcasmo, bom humor e agressividade. O som da banda é difícil de rotular, rock alternativo com uma mistura de punk, pitadas de pop rock e talvez até MPB! Destaquei o single ‘Regra, Sermão e Temaki’ que além de um ótimo nome é uma boa prévia do que é a banda, recomendo também o EP ‘Agora é Que São Elas’.

Walverdes
Muito mais do que apenas uma banda de “rock gaúcho”, os experientes Walverdes não se preocuparam com barreira geográficas ou de estilo em seus quase 25 anos de estrada. A banda já lançou muitos LPs, fitas cassette (sim, o bom e velho K7), e ano passado o excelente EP ‘Repuxo’ que tem ocupado as caixas de som do meu velho notebook nas últimas semanas. As influências da banda são muitas e vão desde Nirvana a Bob Marley passando por The Who e Stooges, separei o clipe mais recente da banda, ‘É Muita Gente’ para vocês curtirem.

Escolha seu show e aproveite o Dia da Música (18/06) em São Paulo com muito som!

Read More
Dia-da-Música-2016

Neste sábado (18 de junho) acontece o Dia da Música, e é claro que vai rolar um monte de eventos e atrações aqui em São Paulo para homenagear a data. É só escolher qual combina mais você (ou ir em vários, porque não) e aproveitar!

Local: Parque Villa Lobos

A segunda edição do Festival BB Seguridade de Blues e Jazz contará a partir das 11h com apresentações de Orleans Street Jazz Band, O Bando, Orquestra Voadora, B4 Jazz Quartet, Toninho Horta, Steve Guyguer (part. Flávio Guimarães), Marco Lobo Quinteto com David Liebman e Maria Gadú (part. Tony Gordon). A entrada é gratuita.

Local: Neu Club
Rua Dona Germaine Burchard, 421, São Paulo

As bandas Terno Rei (SP), Meneio (SP) e The Shorts (PR) se apresentam na casa que sempre conta com bandas autorais antes de suas festas, no Esquenta. A entrada é gratuita.

Local: Funhouse
Rua Bela Cintra, 567, 01415-000 São Paulo

A festa Houdini contará com shows das bandas Kid Foguete e Moblins à partir das 21h!

Local: Largo do Paissandu
Lrg. do Paissandu, 01034-010 São Paulo

O Palco Test trará shows de cinco bandas ao ar livre, em frente à Galeria do Rock: as paulistas Projeto Trator, Fear of the Future, Autoboneco, Subcut e a paranaense Vermes do Limbo.

Local: Praça Vitor Civita
Rua Sumidouro, 580, 05428-070 São Paulo

O Rock Ex Machina e o Tendal Independente fecham parceria para levar pras ruas o som das bandas independentes. Shows de Bufalo, Z13 Duo, Giallos e O Grande Ogro.

Local: Razzmatazz
Rua Wisard, 271, 05434-080 São Paulo

Shows de Bike, The Cigarrettes, Lava Divers, Gorduratrans, Poltergat e The Soundscapes mostrando que a cena independente continua viva e forte para o povo da Vila Madalena.

Local: Passagem Literária da Consolação

Com entrada grátis, a Passagem Literária da Consolação recebe a partir das 16h shows de Continental Combo, Os Radiophonicos, Os Estilhaços e Os Skywalkers.

Virada Virtual

Para quem não quer ou não pode sair de casa, o dia da música também terá a terceira edição da Virada Virtual, festival online gratuito com 24 horas de música ao vivo sem parar! Shows para todos os gostos, tudo com muita qualidade. Anota aí: Di Melo, MSário, Samba da Valdineia com Trio Gato com Fome, Paula Sanches e Paulinho Timor, Tupiniquin, Cavalleria, Verônica Decide Morrer, Fino do Rap, Lobotomia, Freetools, TopsyTurvy, Mano Ble, Meneio, Luiza Meiodavila, Falso Coral, A Bandallera, Eristhal e Rafael Castro, Luque Barros, Juliana Perdigão e os Kurva, Leptospirose, Muzzarelas, Lineker, Indaiz, Rico Dalasam e Filpo Ribeiro e a Feira do Rolo.

Tem mais? CLARO que tem mais. Para saber de TODOS os shows que rolam neste dia (dentro e fora de São Paulo), é só conferir no mapa do site oficial da data:

http://www.diadamusica.com.br/festival/mapa