“Weird Al” Yankovic e 11 medleys de polka que contam a história do pop internacional

Read More
Weird Al Yankovic
Weird Al Yankovic

“Weird Al” Yankovic é mundialmente conhecido por criar paródias incríveis, como “Eat It” (de “Beat It”, Michael Jackson), “Like a Surgeon” (“Like a Virgin”, Madonna), “White and Nerdy” (“Ridin'”, de Chamillionaire) e até “Smells Like Nirvana”,  versão do maior hit do Nirvana, “Smells Like Teen Spirit”. Segundo Kurt Cobain, a banda só reparou que estava no topo quando viu que Al havia feito uma paródia de sua música, e autorizaram sem pensar duas vezes.

Mas o talento de Al não pára por aí. Além de exímio parodiador, ele também é perito no acordeom, especialmente tocando polkas. E é lógico que ele não ia deixar essa habilidade de lado: em seus discos, Yankovic sempre traz pelo menos uma polka, normalmente um medley que reúne diversos sucessos do momento no ritmo dançante que faz qualquer velhinho americano relembrar dos velhos tempos e sair dançando. Coloque seu vestido de bolinhas, seu sapato de dança e viaje agora pelos hits que o comediante transformou em polka:

“Polkas on 45” do disco “In 3-D” (1984)

“Polkas on 45” é o primeiro medley de polka lançado por “Weird Al”. Foi lançado em seu segundo disco, “In 3-D”, e junto com “The Hot Rocks Polka”, faz versões polka de músicas populares dos anos 60 e 70 e não só de hits contemporâneos da época, o que virou regra nos próximos álbuns. O nome da música brinca com a banda Stars on 45, que lançava discos de medleys muito populares.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Jocko Homo”, Devo
“Smoke on the Water”, Deep Purple
“Sex (I’m A…)”, Berlin
“Hey Jude”, The Beatles
“L.A. Woman”, The Doors
“In-A-Gadda-Da-Vida”, Iron Butterfly
“Hey Joe”, Jimi Hendrix
“Burning Down the House”, Talking Heads
“Hot Blooded”, Foreigner
“Bubbles in the Wine”, Bob Calame
“Every Breath You Take”, The Police
“Should I Stay or Should I Go”, The Clash
“Jumpin’ Jack Flash”, The Rolling Stones
“My Generation”, The Who

“Hooked on Polkas”, do disco “Dare to Be Stupid” (1985)

“Hooked on Polkas” aparece no terceiro disco de “Weird Al”, “Dare to Be Stupid”, sendo lançada como single no Japão. O título do medley é uma referência ao disco de 1981 “Hooked On Classics”, que trazia versões disco para canções da música clássica.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“State of Shock”, The Jacksons and Mick Jagger
“Sharp Dressed Man”, ZZ Top
“What’s Love Got to Do with It”, Tina Turner
“Method of Modern Love”, Hall & Oates
“Owner of a Lonely Heart”, Yes
“We’re Not Gonna Take It”, Twisted Sister
“99 Luftballons”, Nena
“Footloose”, Kenny Loggins
“The Reflex”, Duran Duran
“Bang Your Head (Metal Health)”, Quiet Riot
“Relax”, Frankie Goes to Hollywood

“Polka Party!”, do disco “Polka Party!” (1986)

“Polka Party!” faz parte do quarto disco de “Weird Al”, “Polka Party!”. O medley conta com sucessos do meio dos anos 80 com o acordeom de Yankovic pegando fogo. Mesmo baladas como “Say You, Say Me” ganham ritmo.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Sledgehammer”, Peter Gabriel
“Sussudio”, Phil Collins
“Party All the Time”, Eddie Murphy
“Say You, Say Me”, Lionel Richie
“Freeway of Love”, Aretha Franklin
“What You Need”, INXS
“Harlem Shuffle”, The Rolling Stones
“Venus”, Bananarama
“Nasty”, Janet Jackson
“Rock Me Amadeus”, Falco
“Shout”, Tears for Fears
“Papa Don’t Preach”, Madonna

“The Hot Rocks Polka”, do disco “UHF” (1989)

A quarta polka é um medley um pouco diferente dos outros, lançado no disco (e filme) “UHF”. Todas as músicas desta polka são dos Rolling Stones, e o título se refere a “Hot Rocks 1964-1971”, um disco greatest hits da banda.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“It’s Only Rock ‘n Roll (But I Like It)”
“Brown Sugar”
“You Can’t Always Get What You Want”
“Honky Tonk Women”
“Under My Thumb”
“Ruby Tuesday”
“Miss You”
“Sympathy for the Devil”
“Get Off of My Cloud”
“Shattered”
“Let’s Spend the Night Together”
“(I Can’t Get No) Satisfaction”

“Polka Your Eyes Out”, do disco “Off the Deep End” (1992)

“Polka Your Eyes Out” é a quinta polka de Yankovic, lançada em seu primeiro disco nos anos 90, “Off the Deep End”. Aqui, rock alternativo, rock farofa e música eletrônica do começo dos 90s se misturam no ritmo dançante do balancê americano:

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Cradle of Love”, Billy Idol
“Tom’s Diner”, DNA featuring Suzanne Vega
“Love Shack”, The B-52’s
“Pump Up the Jam”, Technotronic
“Losing My Religion”, R.E.M.
“Unbelievable”, EMF
“Do Me!”, Bell Biv DeVoe
“Enter Sandman”, Metallica
“The Humpty Dance”, Digital Underground
“Cherry Pie”, Warrant
“Miss You Much”, Janet Jackson
“I Touch Myself”, Divinyls
“Dr. Feelgood”, Mötley Crüe
“Ice Ice Baby”, Vanilla Ice

“Bohemian Polka”, do disco “Alapalooza” (1993)

“Bohemian Polka” foge à regra: não é um medley, e sim uma versão polka completamente dedicada ao clássico “Bohemian Rhapsody”, o grande clássico do Queen.

“The Alternative Polka”, do disco “Bad Hair Day” (1996)

“The Alternative Polka” aparece no disco “Bad Hair Day”, de 1996, e consiste principalmente de músicas de rock alternativo, estilo que estava em alta no meio dos anos 90. Originalmente, a música continha um trecho de “Buddy Holly”, do Weezer, entre “Bullet With Butterfly Wings” e “My Friends”. Porém, Rivers Cuomo decidiu que não queria no último minuto, fazendo Al ter que editar a canção no último minuto. Mas não rolou briga: a banda aparece nos agradecimentos do disco e o Weezer deixou Al incluir o hit “Beverly Hills” na polka do disco “Straight Outta Lynwood”. A versão completa dessa polka (com Weezer e tudo) apareceu em 2009, em um tweet de Weird Al.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Loser”, Beck
“Sex Type Thing”, Stone Temple Pilots
“All I Wanna Do”, Sheryl Crow
“Closer”, Nine Inch Nails
“Bang and Blame”, R.E.M.
“You Oughta Know”, Alanis Morissette
“Bullet with Butterfly Wings”, The Smashing Pumpkins
“My Friends”, Red Hot Chili Peppers
“I’ll Stick Around”, Foo Fighters
“Black Hole Sun”, Soundgarden
“Basket Case”, Green Day

“Polka Power!”, do disco “Running With Scissors” (1999)

“Polka Power!” aparece no disco de 1999 “Running with Scissors”. O título, é claro, faz referência ao “girl power” do quinteto inglês Spice Girls, que abrem a música com seu mega-hit “Wannabe”.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Wannabe”, Spice Girls
“Flagpole Sitta”, Harvey Danger
“Ghetto Supastar (That Is What You Are)”, Pras featuring Ol’ Dirty Bastard and Maya
“Everybody (Backstreet’s Back)”, Backstreet Boys
“Walkin’ on the Sun”, Smash Mouth
“Intergalactic”, Beastie Boys
“Tubthumping”, Chumbawamba
“Ray of Light”, Madonna
“Push”, Matchbox Twenty
“Semi-Charmed Life”, Third Eye Blind
“The Dope Show”, Marilyn Manson
“MMMBop”, Hanson
“Sex and Candy”, Marcy Playground
“Closing Time”, Semisonic

“Angry White Boy Polka”, do disco “Poodle Hat” (2003)

No começo dos anos 2000, o rock voltou às paradas de sucesso com bandas “indie” como Strokes e a avalanche do new metal. Todos muito cheio de gritos e revolta, daí o nome dessa polka de Al.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Last Resort”, Papa Roach
“Chop Suey!”, System of a Down
“Get Free”, The Vines
“Hate to Say I Told You So”, The Hives
“Fell in Love with a Girl”, The White Stripes
“Last Nite”, The Strokes
“Down with the Sickness”, Disturbed
“Renegades of Funk”, Rage Against the Machine
“My Way”, Limp Bizkit
“Outside”, Staind
“Bawitdaba”, Kid Rock
“Youth of the Nation”, P.O.D.
“The Real Slim Shady”, Eminem

“Polkarama!”, do disco “Straight Outta Lynwood” (2006)

“Polkarama!”, do disco “Straight Outta Lynwood”, mostra um pouco do panorama musical do meio da década de 2000. Com rock, indie e já demonstrando o peso do rap nos próximos anos, o medley originalmente continha um trecho de “Photograph”, do Nickelback, com permissão da banda. Contudo, Yankovic não conseguiu encaixar a música e acabou cortando. O agradecimento ao Nickelback continuou no encarte do álbum.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Let’s Get It Started”, The Black Eyed Peas
“Take Me Out”, Franz Ferdinand
“Beverly Hills”, Weezer
“Speed of Sound”, Coldplay
“Float On”, Modest Mouse
“Feel Good Inc.”, Gorillaz featuring De La Soul
“Don’t Cha”, Pussycat Dolls featuring Busta Rhymes
“Somebody Told Me”, The Killers
“Slither”, Velvet Revolver
“Candy Shop”, 50 Cent featuring Olivia
“Drop It Like It’s Hot”, Snoop Dogg featuring Pharrell
“Pon de Replay”, Rihanna
“Gold Digger”, Kanye West featuring Jamie Foxx

“Polka Face”, do disco “Alpocalypse” (2011)

“Polka Face” foi tocada pela primeira vez em 2010, em shows, e em 2011 foi lançada no disco “Alpocalypse”. O medley consiste em músicas dance-pop, hip hop e R&B. O título é uma óbvia brincadeira com “Poker Face”, grande sucesso de Lady Gaga que abre a polka.

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Poker Face”, Lady Gaga
“Womanizer”, Britney Spears
“Right Round”, Flo Rida ft. Ke$ha
“Day ‘n’ Nite”, Kid Cudi
“Need You Now”, Lady Antebellum
“Baby”, Justin Bieber ft. Ludacris
“So What”, Pink
“I Kissed a Girl”, Katy Perry
“Fireflies”, Owl City
“Blame It”, Jamie Foxx ft. T-Pain
“Replay”, Iyaz
“Down”, Jay Sean ft. Lil Wayne
“Break Your Heart”, Taio Cruz ft. Ludacris
“Tik Tok”, Ke$ha

“Now That’s What I Call Polka!”, do disco “Mandatory Fun” (2014)

“Now That’s What I Call Polka!” é a mais recente polka do Weird Al. O título é uma brincadeira com as coletâneas “Now That’s What I Call Music!”. Faz parte do último disco de Al, “Mandatory Fun”. Será que com a queda da indústria fonográfica teremos mais polkas, talvez lançadas diretamente na internet?

As seguintes músicas fazem parte do medley:
“Wrecking Ball”, Miley Cyrus
“Pumped Up Kicks”, Foster the People
“Best Song Ever”, One Direction
“Gangnam Style”, Psy
“Call Me Maybe”, Carly Rae Jepsen
“Scream & Shout”, will.i.am feat. Britney Spears
“Somebody That I Used to Know”, Gotye feat. Kimbra
“Timber”, Pitbull feat. Kesha
“Sexy and I Know It”, LMFAO
“Thrift Shop”, Macklemore & Ryan Lewis feat. Wanz
“Get Lucky”, Daft Punk feat. Pharrell Williams

10 dos piores exemplos de que o machismo correu solto (e ainda corre) nas letras de rap

Read More

d12-proof-deshaun-holton-8965314-800-600

Tem um momento no stand-up de 2004 “Never Scared”, de Chris Rock, em que ele diz que adora rap, mas não dá pra defender o estilo. Motivo: suas letras. Ele cita “Get Low”, de Lil Jon (“To the window / To the wall / To the sweat drop down my balls”) e como “é difícil defender letras como ‘I got hoes in different area codes’” e que às vezes até garotas dançam raps com letras cheias de misoginia.

Será que ele está exagerando? Se você assiste e pensa “ah, não existem letras tão pesadas como o ‘blind the bitch’ que ele brinca ali no final, vai”, acho melhor repensar. Existe coisa até pior e mais violenta que isso. Duvida? Vou dar 10 exemplos de letras machistas e misóginas do rap, mas isso é só a ponta do iceberg. Existe muito mais rodando por aí, e não só no rap: no funk, no rock, no sertanejo e em todos os estilos musicais, infelizmente, a coisa ainda tá feia.

“Fique esperto com o mundo e atento com tudo e com nada / Mulheres só querem/preferem o que as favorecem / Dinheiro e posse, te esquecem se não os tiverem”Racionais MC’s

Em “Mulheres Vulgares”, os Racionais MC’s começam dizendo que vivemos em uma sociedade feminista que considera todo mundo machista. Sério? Temos outros exemplos, como “Em Qual Mentira Vou Acreditar”, do disco “Sobrevivendo no Inferno”, de 1997, com o verso “Que mina cabulosa, olha só que conversa: Que tinha bronca de neguinho de salão / Que a maioria é maloqueiro e ladrão / Aí não, mano! Foi por pouco / Eu já tava pensando em capotar no soco”

“Slut, you think I won’t choke no whore / Til the vocal cords don’t work in her throat no more?!”Eminem

http://www.youtube.com/watch?v=lkMs2YI8x68

Ah, Eminem. Dava pra fazer um post só com os vários versos violentos, homofóbicos e misóginos do loirinho, que normalmente diz que “é brincadeira”. Como no final de “Kill You”, que contém o verso acima. Ou na faixa “Kim”, que é basicamente um diálogo em que ele espanca e mata sua ex-mulher com uma batida de Led Zeppelin sampleada ao fundo, algo como um rap torture porn.

“Bitches ain’t shit but hoes and tricks / Lick on these nuts and suck the dick.”Snoop Dogg

O verso de Snoop em “Bitches Ain’t Shit” mostra o quanto a mulher era valorizada no rap americano na época do lançamento de “The Chronic” do Dr. Dre.

“My little sister’s birthday / She’ll remember me / For a gift I had ten of my boys take her virginity.”Bizarre

www.youtube.com/watch?v=9Tin7x8OPho

Este nojento verso de Bizarre está presente em “Amytiville”, música do (adivinhem?) Eminem. O cara se orgulha de levar dez caras para estuprar sua irmã virgem, um “presente” do irmão. Isso é música que se faça, cara?

“Put Molly all in her champagne, she ain’t even know it / I took her home and I enjoyed that, she ain’t even know it.”Rick Ross

A tática que Bill Cosby supostamente usou para estuprar diversas mulheres aparece aqui na música de Rick Ross “You Don’t Even Know It”. Nojentíssimo.

“Parece que parou comigo pra me atazanar/ Me dá vontade de pegar uma arma e…/ Cala a boca! Eu tô pensando em fazer igual o goleiro Bruno / Falar que tu viajou e te mandar pra outro mundo”Shawlin

Sério que o Shawlin do Quinto Andar se comparou ao goleiro Bruno em um rap que fala sobre como ele tem raiva de “mulher chata”? Sim, a música “A Raiva” é toda sobre isso, mas este verso é de assustar qualquer um.

“E tu vem, meu coração parte e grita assim / ‘arrasa biscate!’ / Merece era uma surra, de espada de São Jorge”Emicida

Emicida é declaradamente contra o machismo, mas entrou em uma polêmica com a música “Trepadeira”, que contém o verso acima. “O tema do machismo no rap é importantíssimo e deve ser debatido e combatido, assim como na sociedade como um todo. Gostaria de lembrar que já colocamos o dedo nessa ferida ao criar “Rua Augusta”, saindo do lugar-comum da mulher como “vadia/produto/objeto”, e humanizando a imagem de uma prostituta. Muito respeito a todas as feministas (principalmente as que me xingaram pouco)”, disse ele, em resposta à polêmica.

“I fuckin’ hate you; I’ll take your drawers down and rape you / While Dr. Dre videotapes you…”D12

O D12, que conta com Eminem e Bizarre, já citados acima, novamente mostra que para eles estupro é algo comum e sem importância. Ou não é isso que esse trecho de “Fight Music” demonstra?

“Rape a pregnant bitch and tell my friends I had a threesome.”Tyler, the Creator

Tyler, The Creator é conhecido por seus “raps ofensivos”. O verso acima é uma “piada” com estupro de grávidas que aparece na música “Tron Cat”.

“And if you got a daughter older than 15, I’mma rape her/Take her on the living room floor, right there in front of you/Then ask you seriously, what you wanna do?”DMX

DMX pega pesadíssimo na letra de “X Is Coming”, ameaçando estuprar a filha de alguém na frente dos pais, caso ela tenha mais de 15 anos. Estupro, pedofilia e violência em apenas uma frase. Dá pra acreditar?

O incrível sample funky que criou o hit “My Name Is”, do Eminem

Não vou entrar no mérito das besteiras que Eminem fala o tempo todo. Afinal, a carreira de Marshal Matters foi sempre pautada pelas pancadas (algumas boas, outras horríveis) que ele desfere em tudo e em todos com seu codinome Slim Shady.

A ideia aqui é falar do incrível sample que ele (na verdade, o produtor do disco) escolheu para o single que fez ele estourar em todo o mundo “My Name Is”. A música ~engraçadinha~ do rapper de cabelo descolorido saiu em 1999 e mostrou ao mundo a verborragia de Slim Shady enquanto ele proclamava seu nome.

A cadenciada base da canção veio de Labi Siffre, com “I Got The…”. Aos 2:31 da música, o ritmo muda e o funk entra em cena com uma batida que foi feita sob medida para ser sampleada.

Aliás, a batida é tão prontinha pro sample que já foi usada também por Primal Scream (“Kill All Hippies”), Jay Z (“Streets Iz Watching”), Wu Tang Clan (“Can It Be All So Simple”) e muitos outros.

Bárbara Sweet prepara seu primeiro disco e combate machismo com improviso

Read More
Bárbara Sweet

Bárbara Sweet tem 28 anos, sendo que 11 foram passados rimando. Seja na rua, com coletivos ou em eventos de rap, Sweet reforça a presença feminina no mundo do rap, combatendo o machismo presente nas rimas de alguns rappers de forma inteligente durante suas participações em batalhas de MCs.

O vídeo que revelou Sweet para o mundo, em que ela destrói dois MCs em uma batalha de freestyle na Santa Cruz, mostra que, quando as ofensas comuns do evento se transformam em injúrias machistas, a MC desfere fatalitys muito bem inseridos. Quando Pasquim diz que “homem sofre mais violência doméstica que mulher, isso é estatística” e “foda-se as feministas”, Sweet vira Hulk. Ou melhor, Mulher Hulk.

“É mulher que sofre violência doméstica, é mulher que sofre violência estética, é mulher que sofre violência do dia-a-dia. Você é branco e hétero, não sabe qual que é a da minoria”

Como você entrou no mundo do rap?

Como MC comecei em 2003, rimando na rua mesmo. Em 2005 me juntei ao coletivo Ponta Pronta de Belo Horizonte junto com a MC Paula Ituassu. Aí, criamos o Controversas. Neste ano, fizemos uma festa regular, a H2 Grrls, só com atrações femininas do rap.

Você acha que o rap ainda é um meio machista?

Bastante, e homofóbico e lesbofóbico também. Mas tenho visto mudanças significativas. Vejo a chegada de mais mulheres com um discurso forte, mesmo que não seja “feminista”, de comportamento. Outros MCs também estão se posicionando como gays, como o Rico Dasalam. Vejo um crescimento de debates sobre isso no movimento, além de mais minas nas batalhas, que sempre foi meu sonho.

10636249_324687184389795_5534881309993338861_n

O quanto você acha que os vídeos das batalhas no Youtube onde o machismo é combatido são responsáveis pelo aumento do número de mulheres no rap e esta mudança de atitude no meio?

Acho que ajuda, sim. Na real eu não vejo. Pelos comentários e porque eu odeio me ver no vídeo, mesmo os que eu ganhei. Acho desconfortável. Mas sei que alguns tem mais de 100 mil plays e sei que muitas minas veem como um incentivo ter essa referência. Eu mesma vi muito vídeo da Negra Re, da Stefanie e até da Flora batalhando antes de pôr a cara…

Você está trabalhando só com improviso e batalhas ou vem um disco por aí?

Na verdade tô dando um tempo nas batalhas e dedicando ao meu disco, que deve sair até o meio do ano. Já tenho alguns sons gravados no http://soundcloud.com/ba-Sweet

O nome do disco é D.O.C.E. – Dose Ostensiva de Caligrafia Explícita, é meu primeiro disco e eu tô no processo de pré produção, separando as letras, escolhendo os beats e parcerias.

10007444_10152322537766581_8365911793666705235_n-652x652

Quais são suas principais referências musicais?

Bom, a Dina Di foi a mina que eu ouvi primeiro no rap, então ela é muito relevante pra mim. Me inspiro muito na Lurdez da Luz, na Kat Dahlia, Akua Naru, Apani, Dynasty… São várias.

Shaw MC tem em seu novo EP a frase “me dá vontade de fazer igual o goleiro Bruno / Falar que tu viajou e te mandar pra outro mundo”, Maomé da Cone Crew Diretoria postou que “mulher tem que aprender a ser mulher dentro de casa” e Eminem ameaça Iggy Azalea de estupro na faixa “Vegas” (“Larga essa merda, Iggy. Você não vai querer soprar o apito de estupro comigo. Grita! Eu adoro”). O que você acha deste tipo de expressão no rap?

Bom, o Eminem sempre foi assim, eu admiro muito a capacidade de flow, métrica e rima dele, mas não me identifico com a mensagem, então não é uma artista que eu consumo mais. Digo o mesmo sobre a Cone. Respeito os caras pelo corre deles, mas também não tenho nenhum link com aquilo que é dito. O Shaw eu sempre fui fã, desde o Quinto Andar e achei a mix tape muito boa e bem produzida, mas me decepcionei como fã ao ouvir essa faixa que banaliza tanto o feminicidio. Menos um no meu play. Quero articular com outras MCs pra que possamos fazer uns sons satirizando isso. Acho que a melhor forma de informar e expressar é essa. É uma ideia em construção que já tá em andamento, se tudo virar mesmo, logo mais tem essa aí.

Tipo uma mixtape só de minas?

Sim, pensei em uns 2 sons Inicialmente, mas se fluir, queremos fazer com mais minas e mais sons.

Ouça “Depende”, de Bárbara Sweet:

Bota a mão no joelho, dá uma abaixadinha

maxresdefault

Aqui no Brasil, músicas sobre o traseiro feminino foram uma explosão nos anos 90 e continuam em alta até hoje, principalmente com o funk carioca. E nos EUA, a bunda também está em alta hoje em dia, com Nicki Minaj e Jennifer Lopez fazendo canções mostrando todo seu amor pelos glúteos.

O canal do Youtube WatchMojo.com fez uma lista com as 10 melhores músicas sobre a bunda criadas lá nos States, o que mostra que a bundinha não é um fenômeno tão atual lá fora, já que desde a disco music já estavam sacudindo a mesma na pista de dança. Ah, e só rolam músicas internacionais na lista, ou seja: deixa de fora clássicos made in Brazil como “Dança da Bundinha”. Se bem que essa é hours concours, certo?