Construindo Personas: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos a banda Personas, que recentemente lançou seu disco “Vazio”.

“Na composição do Vazio eu tinha uma grande carga de bandas gringas como inspiração, mas ultimamente tenho descoberto várias bandas nacionais que fazem o tipo de som que a gente gosta de ouvir, de fazer, de colar no rolê pra assistir e de aprender com elas, e particularmente, ver essa cena acontecer me faz sentir que estamos no caminho certo e tem algo pra gente aí”, diz Rodrigo Cerqueira, baixista e vocalista da banda.

Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

João Capecce – guitarrista

Green Day“Jesus Of Suburbia”
Provavelmente a referência mais clichê das pessoas que cresceram nos anos 2000, mas Green Day é uma das minhas bandas preferidas desde que me conheço por gente, e acho justo dizer que foi quando assisti “Bullet In A Bible” que percebi que eu queria criar uma banda e tocar por aí.

Basement“Promise Everything”
Basement foi uma das bandas que mais nos inspirou enquanto estávamos compondo as músicas do “Vazio”, tanto a energia das músicas quanto a honestidade quase brutal foram algumas das coisas que tentamos trazer para o EP.

Movements“Kept”
Movements é uma banda que bebe da mesma fonte que o Basement, um emo mais atual, com letras extremamente honestas e músicas que sempre atingem quem tá ouvindo de uma forma quase dolorosa. Recentemente lançaram seu primeiro álbum, o “Feel Something”, que foi o que mais ouvi no ano passado.

Hateen“Quem Já Perdeu Um Sonho Aqui”
Curiosamente, nunca fui de ouvir Hateen quando eles realmente faziam sucesso, mas tenho ouvido bastante ultimamente, principalmente o último álbum, mas “Quem Já Perdeu Um Sonho Aqui” é provavelmente uma das mais clássicas, e inclusive tocamos ela algumas vezes nos primeiros shows que fizemos com o “Vazio”.

My Chemical Romance“Welcome To The Black Parade”
Em algum momento dessa lista eu teria que colocar as bandas emos de 2000, que foram as que formaram meu gosto musical e ainda ouço todo dia. Fiquei em dúvida se colocava Simple Plan ou Blink-182 ou Good Charlotte, mas My Chemical Romance é uma que nunca me canso de ouvir e parece que sempre faz eu me sentir da mesma forma que me senti da primeira vez que ouvi.

SOX“Los Angeles”
SOX é uma banda aqui de São José dos Campos (uma das melhores, diga-se de passagem), e apesar de não serem influência direto em nosso som, foram os caras que nos trouxeram para os rolês, nos ajudaram desde o começo e sempre estão na correria junto com a gente.

menores atos“Doisazero”
Admito ter demorado pra gostar de menores atos, mas teve uma vez que eu tava no carro do Digão indo pro ensaio e essa música tava tocando e percebi o quanto era bom. Animalia é provavelmente uma das melhores coisas que saiu no Brasil no últimos anos. Sem contar que o Cyro faz com uma guitarra só o que muita banda por aí não consegue fazer com três, é uma aula pra qualquer power trio por aí.

Brvnks“Don’t”
Brvnks é uma das minhas bandas preferidas que saiu ultimamente, a voz da Bruna é maravilhosa, as letras são sempre bem relacionáveis e o instrumental bem simples mas grudento. Acho que gosto bastante dessa em especial pois escrevo bastante sobre amores (passados, platônicos e não correspondidos), e acho que essa música é o hino definitivo do amor não correspondido.

eliminadorzinho“Das Vezes Que Conversamos na Cama e Acabamos Dormindo”
Fui ouvir essa música pela primeira vez pra ver a linda referência de Pokémon que tem no meio dela, mas acabei me apaixonando por todo o resto que tá rolando. Existe alguma coisa nela, talvez a combinação de tudo, que faz o mundo parar por 6 minutos e instaura um sentimento de esperança gigantesco em mim, é algo realmente mágico.

Citizen“The Night I Drove Alone”
Para o bem ou para o mal, todas nossas letras acabam sendo triste, mesmo que tenha por traz um instrumental animado. Citizen é uma aula de como escrever música triste que chega a doer fisicamente quase. Essa música parece que foi feita cirurgicamente pra você receber todas as palavras Mat como um soco na cara.

Rodrigo Cerqueira – baixista e vocalista

Diego Xavier“4 Casas”
Esse som, apesar de novo, é a cara do emo dos anos noventa. E saber que esse som é daqui do Vale do Paraíba me dá um certo orgulho de ver que as bandas daqui tem uma veia na música triste, sincera e muito boa.

Cap’n Jazz“Oh Messy Life”
Falando em emo dos anos noventa, Cap’n Jazz é uma grande referência sem sombra de dúvida. Em especial essa música, onde a letra e o instrumental casam muito bem, trazendo uma atmosfera única pra música, que sempre tentamos trazer para a nossa música.

Modern Baseball“Just Another Face”
Às vezes fica até difícil de falar sobre algumas músicas, e esse som é um desses. Essa mexe com os sentimentos, assim como todas as outras do Modern Baseball, os caras não erram nunca. Com toda certeza é uma banda que observamos e aprendemos muito.

Basement“Canada Square”
A primeira vez que ouvi esse som foi um choque, porque foi uma das primeiras músicas que realmente parei pra escutar e ler a letra junto e só consegui pensar “mano, é por isso que quero fazer música”. Ela é um soco no queixo, você consegue sentir tudo que o Andrew fala na música.

Title Fight“27”
A gente sempre tem os altos e baixos na vida, e quando eu ouvi essa música eu tava em um dos momentos ruins, e eu não queria mais estar. Ela meio que me ajudou a relembrar tudo que passei e perceber que merdas acontecem, mas que tava na hora de tocar o baile e seguir em frente.

Raça“Super Ação”
Com certeza é a música que mais tem inspirado no processo de composição, não só do “Vazio”, mas principalmente nas novas. Eu acho absurdo a maneira como eles conseguem transformar as ideias em música e deixar a gente com um gostinho de que a única forma de encontrar sentido na vida é fazendo e tocando música.

gorduratrans“vcnvqnd”
Mano, esses caras são absurdos, por mim eu teria colocado todas as músicas dos caras aqui. Os caras que me apresentaram o shoegaze, que é um negócio muito foda. O som dos caras é uma coisa caseira, feita só por dois caras e mesmo assim transmite o que muita música superproduzida não consegue dizer.

Def“Sobremesa”
Cara, banda perfeita. Me ajudou muito a pensar em músicas mais “bonitinhas” em nosso processo de composição. Os caras tem métrica muito boa, a voz da Deb é muito suave e gostosa de ouvir, e esse tipo de som é o que a gente tá tentando trazer pras músicas mais calmas, algo mais delicado e bom de ouvir.

Polara“Boate”
Esses caras são a representação do rock barulhento e confuso, o típico adolescente inconformado com a vida e com amor e sofrendo por paixões não correspondidas. Quando eu conheci esse som eu só pensei “caralho, esse é o tipo de som que eu quero fazer”. As composições são muito fodas, sem contar que os caras são loucos no palco, que foi o que me chamou atenção e me fez perceber que esse barulho tinha muito a dizer no fundo.

Terno Rei“Criança”
Essa banda tá em outro patamar, outro nível, é o tipo de banda que você pensa “porra, os caras chegaram lá”. Letras muito elaboradas, um instrumental simples mas que diz muito. Ouvir esses caras é um aprendizado tanto musical quanto de vivência, as ideias deles são muito parecidas com as minhas, e acho que esse é o mais doido da música, você poder transmitir suas ideias e ter gente que se encontra e se reconhece nessas ideias.

Do emo ao shoegaze, segundo EP do Eliminadorzinho, “Aniquiladorzinho”, é um resgate de influências perdidas

Read More

Muitas vezes sinto falta de músicas que falem comigo de maneira genuína, que não falem sobre uma realidade colorida distópica ou sobre positividades inalcançáveis. Sinto falta do que eu sentia quando descobri Violins e Ludovic na adolescência, que em bom português, traduziam tudo o que eu sentia mais do que muitas bandas gringas de post-hardcore, shoegaze e punk da época. O Eliminadorzinho foi uma das bandas mais sinceras que descobri de uns tempos pra cá, junto com outras do tal “rock triste”, um alívio para quem se sente perdido em meio a tanta obrigação de ser feliz o tempo todo. Ontem a banda lançou o segundo EP, Aniquiladorzinho”, corri para escutar e foi incrível ver um material tão intenso.

A faixa de abertura “Você Acha” não deixa dúvidas da forte influência de Ludovic, que vai desde o instrumental até a lírica. Chega a ser quase uma homenagem à banda que, pelo menos para mim, é uma das mais significativas do cenário nacional. Ludovic provavelmente deve sentir orgulho ao ver os frutos que deixou crescer em bandas como Eliminadorzinho. A mesma influência continua em “Borrão”, que também bebe do pós-punk, lembrando as canções dessa fase de Inocentes e Cólera em alguns momentos.

“Desculpa, parte 2” traz memória ao emo cru e verdadeiro, sem vergonha de se assumir como tal. Essa faixa é um marco no EP que mostra influências do Eliminadorzinho que vão além do shoegaze já mostrado no EP anterior, referências que lembram Mineral, Cap´n Jazz, Sunny Real Estate, tudo direto da fonte dos anos 90. Depois do termo “emo” ter se tornado um palavrão, é bom ver bandas que resgatam essa essência com coragem para mostrar que isso faz parte do que chamamos de “rock triste” sim. Sem meios-termos. Esse resgate de referências perdidas por muitos foi o ponto alto de Aniquiladorzinho.

“Fora de Ar” é dessas músicas que dá vontade de escutar dentro de casa, no quarto, com alguns comprimidos e álcool do lado. Também dá vontade de mandar pra alguém, confesso que eu mesma quase mandei. As palavras intensas seguidas de um instrumental contínuo e denso fazem dessa música uma experiência incrível para quem se propõe a ouvir com o coração aberto.

A conexão entre instrumental e lírica em Aniquiladorzinho é muito coerente e complementar, as composições feitas de maneira simples, sem palavras muito rebuscadas mas com muita intensidade trazem sinceridade para cada música, dá pra sentir cada palavra, dá para processar e digerir.
Como já mencionado, o shoegaze ainda é muito presente, impossível não pensar em Pinback e Slowdive em vários momentos e como a própria banda diz, a influência de Dinosaur Jr também é perceptível.

Terminei de escutar o EP com vontade de ouvir mais. Espero que o mar de boas referências que Aniquiladorzinho trouxe de forma corajosa e contra a maré de quase tudo que vemos por aí, inspire muitas bandas e artistas a seguir falando de sentimentos, conflitos, tristeza e tudo que ainda pode soar incômodo.

O EP foi mixado e masterizado por Rubens Adati, no Inhamestúdio.

Voz, violão e guitarra: Gabriel Eliott Garcia
Baixo e vocal de apoio: João Pedro Haddad
Bateria e vocal de apoio: Tiago Schützer

Anoquiladorzinho está totalmente disponível nas plataformas virtuais da banda e no Spotify:

 

 

RockALT #15 – Garage Fuzz, Leonardo Panço, eliminadorzinho, The Kooks e The Horrors

Read More
RockALT

RockALT, por Helder Sampedro

A Coluna RockALT volta após um breve hiato: meu irmão Jaison e eu fizemos uma pequena viagem por terras estadunidenses e não conseguimos preparar nada para a coluna durante nossa ausência de Terras Brasilis. Ainda naquele clima de desfazer as malas minha postagem de hoje será mais curta e objetiva, separei alguns sons que embalaram a minha viagem e me ajudaram a passar o tempo nos aeroportos e estações de trem por onde passei.

Garage Fuzz“When No One is Around”
É sempre bom falar daqueles que estão na estrada há décadas e pavimentaram o caminho para tantas outros no cenário nacional. O Garage Fuzz certamente é uma das bandas mais influentes do país, tendo nascido na efervescência do início dos anos 90, época incomparável para o underground brasileiro, e estando na ativa até hoje. A extensa discografia dos santistas é sempre merecedora de uma atenção maior. Fica aqui a minha provocação pra você que é fã de rock alternativo, há quanto tempo você não escuta Garage Fuzz? A hora é agora!

Leonardo Panço“Desorgulho”
Falando em underground brasileiro e de mais um grande nome dos anos 90, Leonardo Panço é ex-integrante da banda carioca de hardcore Jason. Leonardo é uma figura muito interessante pois não só fez parte de uma banda que rodou o mundo mas também por ser um artista que não se limita apenas à música, seus trabalhos autorais mesclam sua música com os livros que escreve e com suas fotografias, como no recente “Superfícies”, de 2016. Sempre bom acompanhar a caminhada e a obra de nomes importantes e pratas da casa como o Panço.

eliminadorzinho“das vezes que conversamos na cama e acabamos dormindo”
Nós do RockALT sempre comentamos sobre a ampla variedade de gêneros que temos no cenário underground nacional e os paulistanos do eliminadorzinho são exemplos de uma cena que reflete o lado mais sensível e contemplativo do rock, ao menos em suas letras. Influenciados pelo gorduratrans, que por sua vez se inspiraram no Ludovic, o trio de “rock triste jovem”, como diz sua bio no Facebook, mostra em seu EP ‘nada mais restará’ a barulheira característica do noise caseiro e letras que nos fazem lembrar como nosso cotidiano pode ser pesado e cansativo às vezes. A música tem essa mania de refletir o mundo no qual vivemos, certamente eliminadorzinho poderia ser a trilha sonora da nossa sociedade atualmente.

The Kooks“Be Who You Are”
Talvez mais conhecidos pela música “Naive”, os britânicos do The Kooks são um exemplo de banda que atingiu um certo sucesso comercial mas não emplacaram tantos hits quanto outras bandas do mesmo movimento. A banda é muito mais eclética do que a maioria imagina e seus trabalhos passeiam pelo rock, britpop, e até reggae e ska. Em turnê comemorativa de 10 anos a banda lançou material novo, uma ótima oportunidade para ouvir mais e conhecer melhor o trabalho dos rapazes de Brighton.

The Horrors“Still Life”
Mais uma música que ficou na minha cabeça embalando a minha viagem e assim como o The Kooks, o The Horrors surgiu durante o revival pós-punk que ocorreu na Inglaterra durante os anos 2000. Mas as similaridades com seus conterrâneos acabam por aí, o som do The Horrors é mais conciso em suas influências e abrange estilos mais similares como garage rock, punk, goth rock, shoegaze além do já mencionado post-punk revival. Aclamados pela crítica, os quarto LPs da banda mereciam ser ouvidos por um público muito mais do que o inicialmente alcançado na ocasião de seus lançamentos. Vale a pena dar uma garimpada na obra deles.

Curtiu a coluna? Então não deixe de escutar o programa do RockALT toda a quinta-feira às 21h na www.planetmusicbrasil.com.br, seguir a playlist da coluna no Spotify: https://goo.gl/lXZ69x e confira nossos mais de 100 programas disponíveis no link: www.mixcloud.com/rockalt/