Sobre “Gita” (1974), de Raul Seixas – Uma análise faixa-faixa

Sobre “Gita” (1974), de Raul Seixas – Uma análise faixa-faixa

22 de dezembro de 2017 0 Por Pedro Vivas

“Gita” é o segundo álbum de Raul Seixas em carreira solo e o segundo da parceria com Paulo Coelho. O disco conta com 33 minutos de rock’n roll mesclado com serestas, baladas românticas e várias músicas altamente radiofônicas, principalmente no passado, mas também atualmente. O lado A do disco trata de canções com a criticidade característica do Raulzito (sutil no auge da repressão militar) mesclada com canções de amor que se tornaram clássicos até os dias atuais. O lado B do disco vem com as prováveis respostas de Raul pras suas perguntas mentais e concretas, um lado mais esotérico, mais propositivo, quem sabe.

“Gita” foi também o disco que trouxe Raul Seixas, Paulo Coelho e suas esposas de volta do exílio (exílio este que rende histórias interessantíssimas, como o suposto encontro com John Lennon) nos Estados Unidos. O regime supostamente temia que a Sociedade Alternativa fosse uma “organização revolucionária”. Com o sucesso do disco, os milicos tiveram de trazer os quatro de volta.

Capa do disco

O álbum começa com “Super-Heróis”.

Talvez tudo o que a gente não precise hoje é de “super-heróis”: os heróis da falsa moral, da babaquice e da caretice. Em 1974, Raul Seixas  já chamava atenção para isso, chamando “Dom Paulete” (Paulo Coelho) para um passeio pelo que aparentemente são as ruas de São Paulo, em um “feriado decretado” numa segunda-feira. Ironiza os heróis de um Brasil que se iludiu no milagre econômico, que se encerrava naquele momento. O Rei “Quelé”, Silvio Santos, Fittipaldi – todos são “celebrados” na música que abre o lado A do disco.

Na segunda faixa do lado A, “Medo da Chuva” – um clássico sobre a separação. A perda do “medo da chuva”, a “aprendizagem do segredo da vida” “vendo as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar”. Uma entre várias músicas de Raul que se mantém radiofônicas até os dias de hoje. Indispensável.

Na terceira faixa, uma provável queridinha cult dos fãs – “As aventuras de Raul Seixas na cidade de Thor” – que conta também com versão interessante de Zé Ramalho (no álbum dedicado inteiramente a Raul). Frases de efeito e críticas fortes numa declamação ritmada embalada pelo ritmo da guitarra.

A arapuca está armada
E não adianta de fora protestar
Quando se quer entrar
Num buraco de rato
De rato você tem que transar

Segue-se a ela “Água Viva” – uma música sobre uma fonte de águas caudalosas, noites e segredos. Loucura boa de Raulzito. Confesso que não é uma de minhas favoritas. Chega então “Moleque Maravilhoso”, em que Raul e Paulo tratam de molecagem. Seria real ou metafórica? Quem sabe…Fato é que o moleque rende uma música curtinha e interessante. Boa faixa.

Pra encerrar o lado A, “Sessão das 10”, uma espécie de “seresta” que demonstra a versatilidade das composições e das músicas de Raul Santos Seixas. Outro “clássico Cult”. Em 71 essa música já havia aparecido na voz de Edy Star, no folclórico disco da “Sociedade da Grã Ordem Kavernista” (onde se fazem presentes também o próprio Raulzito, Sérgio Sampaio e Miriam Batucada). Uma faixa que destoa do disco como um todo e que é excelente, divertidíssima. Uma tragédia, no bom sentido, com o trágico incêndio do cinema de Ipanema.

Ao chegar do interior                                                                                                                                        Inocente puro e besta                                                                                                                                                  Fui morar em Ipanema                                                                                                                                                Ver teatro e ver cinema                                                                                                                                              Era a minha distração…                                                                                                                                                Foi numa sessão das 10, que você me apareceu… 

Foto do fundo do disco

Chega então o lado B do disco. O lado mais esotérico, mais propositivo, talvez, de Gita. O lado B começa com a música que qualquer pessoa provavelmente conhece. Os gritos de “Viva a Sociedade Alternativa!” são reconhecidos por praticamente qualquer um. “Faz o que tu queres pois é tudo da lei”, afirma, parafraseando e dialogando com preceitos ocultistas à maneira brasileira. Até “esperar papai Noel” é possível em toda a maluquice bela de Raul, Paulo Coelho e da sociedade esotérica associada a figura mítica de Aleister Crowley – comum ao ideário de muitos dos roqueiros e artistas influentes do século XX. “Sociedade Alternativa” é fo**!

Segue-se “Trem das Sete”, outro clássico que ainda toca nas rádios, mesmo nos dias de hoje. A ideia do bem e do mal associados e se complementando na passagem da vida para a morte, da vida terrena  até o desconhecido como passageiro de um trem. Muito louco e muito inspirador. Não é a toa que termina com um sonoro “Amém!”. Há um diálogo com a religião e a fé muito forte, apesar de Raul nunca ter sido beato. Outra faixa indispensável.

Pois o trem está chegando

Tá chegando na estação

É o trem das sete horas

É o último do sertão

Após “Trem das 7”, “S.O.S”. Outra música bastante conhecida e de diálogo com o desconhecido, mesmo que de maneira “revoltada”, querendo seguir com um moço de um disco voador. O moço, entretanto, é um plágio sem vergonha de “Mr. Spaceman” (The Byrds): prática muito comum à época (Ouvi em algum lugar que Raulzito tratava o plágio como uma espécie de “vingança” contra os que metaforicamente e na prática “tinham tudo”, todos os recursos de países potência, mas não tenho certeza disso). Também se especula plágio em “Gita” e “Loteria da Babilônia”, mais a frente. O plágio, que nesse caso é certo, rende uma boa música, felizmente ou infelizmente.

“Prelúdio” é a 4° faixa do lado B e é aquela velha história de que “sonho que se sonha junto é realidade” – confesso que não tenho muito saco pra essa música, mas também é tradicional do universo raulsseixista. Precisa ser respeitada. A próxima faixa depois do que é na minha opinião “meia bomba”, é a excelente “Loteria da Babilônia” (que como foi dito, também tem plágio especulado) em versão ao vivo. No meu caso, toda vez canto junto desde a introdução até o final. Porrada. Vi por aí que também dialoga com Aleister Crowley, mas não tenho certeza dessa informação…é bem possível quando se vê “reescrita de livro dos séculos passados”, “verdades a serem declaradas”, “teoremas da vida” e todo o panorama do disco.

“Gita” enfim, fecha o excelente disco, sendo provavelmente a mais famosa dentre todas do álbum. É um diálogo com o livro sagrado do hinduísmo “Bhagavad Gita”, bem como com as respectivas divindades Hindu. Talvez uma das grandes virtudes de Raul Seixas tenha sido sua capacidade de levar pro povo humilde do país filosofia dissolvida e mesclada em suas músicas. Impossível não gostar. Gita fecha o álbum de maneira excepcional e que confirma a altíssima qualidade desse disco repleto de sucessos. Com um único plágio ou com múltiplos plágios; com folclore ou com realidade, com esoterismo ou concretudes, o fato é que “Gita” é um dos melhores álbuns da obra de Raul Santos Seixas e é indispensável pra qualquer um que queira se aprofundar no legado do roqueiro baiano ou da “linha evolutiva da música popular brasileira”, mesmo que não tendo sido nunca do interesse do autor.

Links adicionais

Sobre o suposto encontro com John Lennon:

Sobre Gita:

Sobre os plágios:

http://rollingstone.uol.com.br/noticia/coincidencias-de-raul-seixas-quando-inspiracao-beira-o-plagio/