Se derretendo com Richard Cheese e o Lounge Against the Machine

Imagine Frank Sinatra, Dean Martin ou Tony Bennett cantando algo como… “Gin & Juice”, do Snoop Dogg. Ou “Nookie”, do Limp Bizkit. Conseguiu pensar em tal esquisitice? Não precisa. Conheça o estranho mundo de Richard Cheese e sua banda Lounge Against The Machine.

rc-subwaysign-medium

A banda é formada por Bobby Ricotta, no piano e arranjos, Gordon Brie no baixo, Frank Feta na bateria e nosso querido Ricardo Queijo nos vocais, palmas e assobios. O único membro fixo é o próprio Richard Cheese (o comediante Mark Jonathan Davis). O nome vem de “cheesy”, ou, numa tradução literal, “brega”, “cafona”.

Nos álbuns da banda, versões “fraque” de coisas como Slipknot, Nirvana, Blink-182, System Of A Down… ou seja, versões swingin’ Las Vegas de rock, rap e pop. Dê uma olhada no vídeo da versão de Dick para “People = Shit”, uma das porradas mais violentas dos 9 mascarados do Slipknot. Atenção ao “Here we go again, motherfucker”.

Se você assistiu o remake de Madrugada dos Mortos, ouviu a versão Las Vegas lounge de “Down With The Sickness”, do Disturbed. Ótima para festas de gala, aliás. Ah, sim: a banda aceita convites para tocar em casamentos. Inclusive tocou no casamento do baterista Travis Barker (Blink-182, +44). Alguém mais se habilita?

Dê uma olhada no estilo, sensualidade vocal e garbo de Richard Cheese, uma ótima maneira de introduzir o mundo da música pesada para seus pais e avós.

(post publicado originalmente no blog Contraversão)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *