Rangones: a primeira paródia/homenagem aos Ramones com gosto de rango

Rangones - Rock To Eat

Veio de Brusque, Santa Catarina, a ideia de juntar duas paixões mundiais: o quarteto de punk novaiorquino Ramones e comida, muita comida. Os Rangones juntam os pais do punk rock com declarações de amor à gastronomia, indo do mais simples hot dog à receitas estrambólicas como uma esfiha de estrogonofe, tudo pelo bem da paródia punk rocker. Formada em 2013 por Pio (vocal),  Lucas Rhuan (guitarra), Renan (bateria) e Conrado (baixo), a banda lançou em 2014 “Rock To Eat”, com 6 paródias dos Ramones e 5 canções autorais com a temática culinária glutona.

Conversei um pouco com o vocalista Pio sobre o álbum, as paródias e o que Marky e CJ Ramone acharam da “homenagem”:

– Ramones e comida. Quem teve a ideia dessa combinação tão interessante?

Bom… a ideia me ocorreu em 2013. Estava no trabalho ouvindo Ramones, e sempre tem aquele período da tarde que bate aquela fome e a vontade de comer algo. Foi quando pensei: é hora de “Bater um Rango”, e em voz alta falei: “É, vou lá bater um Rangones”. Daí veio o clique na hora. Rango, Rangones, e se as músicas do Ramones falassem sobre comida? Na hora esbocei “Viciado em Sanduíche” (“Rockaway Beach”) e fui comer pensando na ideia. Quando voltei tinha a letra praticamente pronta. Liguei para um amigo e comentei a ideia, ele curtiu bastante. Esse amigo é Demian Moritz da Casulo Discos, parceiro de longa data, e ele decidiu apoiar e levar o projeto para frente. Conversamos com o Davi Pacote para ele produzir o disco e fomos para Porto Alegre gravá-lo. Como já havia tocado em uma outra banda de Punk Rock (Cummings) onde já falava sobre comida na maioria das letras, não teve muito segredo. A ideia inicial era fazer apenas paródias, mas no meio do caminho decidimos incluir também as músicas autorais. No início era apenas um projeto, mas depois que colocamos na internet, veio a necessidade de montar uma banda. E foi assim nasceu o Rangones.

– Suas paródias são ótimas e usam bastante da fonética das originais. Quem as compõe?

Todas as letras são escritas por mim. Algumas das que estarão no próximo disco já contam com algumas contribuições. Mas no geral, em sua grande maioria, são letras minhas. A ideia é se aproximar ao máximo das versões originais, não apenas no som, mas através da fonética, como foi colocado nesta pergunta. Podemos citar como exemplo: “Perhaps they’ll die, oh yeah” que foi modificado para “Pepsi diet, oh yeah”, em “Judy is a Punk” (“Judy Faz Seu Lanche”). Se escreve diferente, mas a pronúncia é bem parecida! (risos)

– Como é a recepção dos fãs dos Ramones?

Está sendo além do esperado. Quando lançamos na internet várias pessoas começaram a compartilhar e divulgar o trabalho. Em pouco mais de um mês tivemos que comprar a versão paga do Soundcloud porque já tinha estourado a cota de downloads gratuitos. Atualmente já são mais de 30 mil plays e mais de 3 mil downloads. Um número muito bom, sem contar os plays no Youtube e no PalcoMp3. Houve criticas na maioria positivas. Todo mundo entende que é algo para se divertir e dar risada. Não é de hoje que se fazem paródias e projetos desse tipo. Claro que volta e meia recebemos algum comentário de alguém xingando e falando mal, mas isto é normal , até porque é um direito de cada um gostar ou não.

– Como vocês definiriam seu som?

Ramones, Punk Rock, Comida e Diversão! É um som pra dar risada, pra ouvir no churrasco, pra mandar para aquele amigo que é fã de Ramones, etc… Esse também é o espírito que buscamos passar em nossos shows. Diversão, essa seria a palavra!

– O Marky Ramone chegou a lançar um molho de macarrão. Sabem se ele já sabe do trabalho dos Rangones?

Olha, acredito que o Marky não tenha conhecimento, mas o CJ já está sabendo! (risos) Ano passado estava em Porto Alegre – RS gravando com a minha outra banda (Morenas Azuis), e fomos ao show no último show da tour. Depois do show nos encontramos com mais alguns amigos no hotel onde ele estava, e ficamos lá conversando, comendo pizza e tomando cerveja. Na ocasião comentei do projeto, mas ainda não tínhamos o CD físico. Mostrei apenas a capa. Esse ano fui novamente no show, desta vez em Florianópolis – SC, e pude entregar o CD diretamente nas mãos dele. No dia 27/10, ele esteve ao vivo no Programa Showlivre, eu enviei uma pergunta sobre o Rangones. (risos) Foi demais ver a expressão dele ao vivo e o fato de acharem engraçado. Pra quem quiser ver o vídeo é só acessar aqui: https://www.facebook.com/RangonesRock/videos/847770608671459/

– Este esquema de música pop + comida é algo que o “Weird Al” Yankovic fez em “Eat It”, “Fat” e tantas outras. Vocês se inspiraram nele?

Não. Eu já escrevo letras sobre comida há mais de 15 anos, antes entrar no ensino médio. Depois veio a minha primeira banda e continuei escrevendo sobre comida (risos). Claro, depois tomei conhecimento do trabalho do “Weird Al” Yankovic, que é muito bom também. Mas acredito que a inspiração é consequência das letras que já escrevia.

– Vocês também trabalham em músicas próprias? Elas também são sobre comida?

Sim, temos músicas autorais também. Algumas delas são regravações da antiga Cummings. Com exceção de uma música que está no CD, todas as demais falam sobre comida, ou estão relacionadas com o tema. O “Rock to Eat”, lançado em 2014, tem 11 faixas, onde 6 delas são paródias e 5 são autorais.

– Vem mais paródia gastronômica dos Ramones por aí?

Com certeza (risos). Digamos que o próximo disco já está pronto, só falta se organizar financeiramente para gravar. Quem sabe agora em 2016. As versões já estão todas prontas, já temos outras autorais também. Inclusive já tocamos muitas dessas músicas nos shows.

– Vocês viram que o participante Fernando da segunda temporada Masterchef Brasil estava sempre com uma camiseta dos Ramones? Às vezes é uma boa mostrar o som pra ele, hein…

Algumas pessoas haviam comentado comigo sobre isso já. Sobre o cara do programa com a camiseta do Ramones. Depois que enviasse as perguntas e desse a sugestão, mandei o link via Twitter, ele curtiu e começou a seguir o perfil. Mas não respondeu nada. Ao menos agora sabe da existência (risos).

– Recomendem algumas bandas e artistas que chamaram sua atenção nos últimos tempos.

Olha, são tantas bandas que a lista ficaria enorme. Eu indicaria aqui a minha outra banda, o Morenas Azuis, que também é aqui de Brusque – SC. Também temos outras bandas legais como a Etílicos e Sedentos, Claviceps Purpúrea, As Palavras Queimam, Ruínas de Sabe, todas essas aqui de Brusque. Como a minha praia é o punk rock e sou muito vidrado no estilo, gostaria de indicar 3 bandas que conheci recentemente, e que lançaram discos em 2015. O pessoal da Antiga Roll, de Maus – AM, o pessoal da Aknator que é de Farroupilha – RS, e Leandro en Solitario de Buenos Aires, Argentina. Pra quem é fã do Punk Rock Ramônico, precisa conhecer essas três últimas.

– Para quem quiser conhecer a banda, quais os endereços e links de contato?

Estamos no facebook: www.facebook.com/RangonesRock
No Instagram: www.instagram.com/rangonesrock ou @rangonesrock
No Soundcloud: www.soundcloud.com/rangonesrock
No PalcoMp3: www.palcomp3.com/rangonesrock
No Youtube: www.youtube.com/RangonesRock
E-mail: [email protected]

– Você gostaria de deixar algum último recado? O espaço está aberto.

Primeiramente gostaria de agradecer ao Crush em Hi-Fi pelo espaço e pela oportunidade de divulgar o trabalho. Agradecer também ao Demian da Casulo Discos que é praticamente um irmão e parceiro do projeto desde o começo. E claro aos meus parceiros de banda: Lucas Rhuan (guitarra), Renan (bateria) e Conrado (baixo). No mais, eu diria para todos: faça o que você tem vontade de fazer. Nem tudo pode esperar! Então faça! Do seu jeito, e da forma que puder, sem se importar aonde isso irá te levar. Faça com o coração e com a alma. Divirta-se! É isso. Obrigado.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *