O trio texano Purple agita com punk rock festeiro cheio de pitadas de pop em seu disco “409”

O trio texano Purple agita com punk rock festeiro cheio de pitadas de pop em seu disco “409”

24 de julho de 2015 0 Por João Pedro Ramos

Quando se pensa em Texas, as imagens que aparecem primeiro na cabeça são de rednecks bigodudos e conservadores com o sotaque cockney característico. É exatamente o contrário do que você vê no Purple, trio que junta punk, rock alternativo e pop em um caldeirão cheio de riffs e gritos que valem a pena ser ouvidos.

Formado por Taylor Busby (guitarra/vocal), Hanna Brewer (bateria/vocal) e Joe “Prankster” Cannariato (baixo), o Purple tem um disco na bagagem: “409”, lançado no final de 2014 pela Play It Against Sam Records. “Todas as faixas são bastante diferentes”, contam. “Nós amamos todos os gêneros de música: country, reggae, rap, hip hop, etc. Queremos adicionar um pouco de tudo à nossa música”, disse o guitarrista.

Conversei com Taylor sobre a carreira da banda, o estilo musical, a utilização da internet como meio de divulgação e o amor do trio por festas:

– Como a banda começou?

Bem, eu tocava em uma banda de reggae e a antiga banda da Hanna abriu para nós. Nós dois gostamos do jeito que estávamos tocando e decidimos tocar juntos. O resto é história.

– Por que “Purple”?

Nós apenas queríamos um nome simples. Algo que as pessoas podiam se lembrar. Não há realmente nenhum significado por trás dele!

– Você define o seu som no Facebook como “punk / rock / stuff”. Pode me ajudar a explicar o que seriam essas “stuff”?

(Risos) Bem, a nossa música é bem “all over the place”. Especialmente o novo material. Nós amamos todos os gêneros de música: country, reggae, rap, hip hop, etc. Queremos adicionar um pouco de tudo à nossa música. Portanto, acaba sendo apenas um monte de “coisas” às vezes.

– Quais são as suas principais influências musicais?

Red Hot Chili Peppers é uma das maiores. Ty Segall, UGK, Alton Ellis, The Mars Volta, The Pixies, Yeah Yeah Yeahs.

O trio texano Purple

– Conte um pouco sobre as coisas que você já lançaram até agora.

Todo o material que temos foi escrito em um período de 4 anos. Eu ouça agora e acaba soando meio estranho. Eu era muito diferente naquela época. Porém, essas músicas ainda são muito divertidas de tocar. Muito delas são rock cheio de energia com um pouco de pop granulado em cima.

– Você acredita que o Youtube e a internet em geral ajudam a promover novas bandas e ajudar a divulgá-las em todo o mundo?

É o veículo de hoje para fazer com que uma banda seja conhecida. Em uma época já foi a MTV e a VH1, quando eles realmente passavam clipes, além das lojas de discos. Mas esse material está lentamente desaparecendo… A internet é a única maneira agora e eu acho que é ótimo.

– A banda fala muito sobre festas, baladas e “party hard”. Como isso influencia o som do Purple?

A maioria de nosso material é cheio de energia e quando tocamos ao vivo é como uma grande festa. Nós só queremos que as pessoas se divirtam e não se preocupem com o que os outros pensam. Você só tem uma vida para viver, então viva ao máximo!

– Se vocês pudessem fazer QUALQUER cover, qual seria?

Provavelmente “Sir Psycho Sexy”, do Red Hot Chili Peppers.

O trio texano Purple

– Onde vocês gostariam de ver sua carreira musical em 10 anos?

Nós apenas queremos construir uma grande base de fãs e poder tocar em todo o mundo!

– Vocês estão trabalhando em músicas novas? Quando poderemos ouvir?

Oh sim!! Mas é um segredo, por enquanto.

– Recomende algumas bandas novas que chamaram sua atenção ultimamente.

Leopold and His Fiction, uma fantástica banda de Austin. Ouçam!

– Quando veremos o Purple aqui no Brasil curtindo algumas caipirinhas?

Cara, queremos muuuuuuuuuuito! Isso vai acontecer, eventualmente!

O trio texano Purple