Músicas que você nunca desconfiou que eram apenas versões em português… mas são!

Músicas que você nunca desconfiou que eram apenas versões em português… mas são!

22 de março de 2015 33 Por João Pedro Ramos

Pois é. Depois que fiz aquele post mostrando músicas que você não sabia que eram covers (algumas surpreendem até ao maior fã de música, como “Hey Joe”), continuei pesquisando. Ainda tenho algumas para publicar, mas este garimpo levou a uma nova ótica: não apenas covers, mas versões em outras línguas. E daí comecei a encontrar diversas músicas brasileiras que achei que era originais e na verdade são apenas versões.

Listei 20 das mais surpreendentes canções em português que eu realmente achei que fossem originais, mas são versões de músicas em espanhol, inglês, italiano, sueco e até RUSSO! Aposto que você também não sabia de algumas dessas:

– “Qualquer Jeito (Não Está Sendo Fácil), de Kátia (a cega) é versão de “It Should Have Been Easy”, de Bob McDill

https://www.youtube.com/watch?v=LSkg2hUIqec

Pra começar com o pé na porta, o sucesso “Qualquer Jeito”, também conhecida como “Não Está Sendo Fácil”, é uma versão de “It Should Have Been Easy”, do americano Bob McDill. Pra melhorar: a versão em português foi feita por Roberto Carlos e Erasmo Carlos especialmente para Kátia!

– “Não Se Vá”, de Jane e Herondy, é versão de “Du Gehst Fort”, de Adam & Eve

Essa aqui é praticamente uma versão brasileira literal do vídeo, se você reparar. O casal, as expressões, tudo.

– “Quatro Semanas de Amor”, de Luan e Vanessa, é versão de “Sealed With a Kiss”, de Peter Udell e Gary Geld

A dupla fez uma música que dominou o mundo. “Sealed With a Kiss” recebeu diversas covers desde seu primeiro lançamento, em 1960, pelos The Four Voices. São mais de 20 versões, entre elas a de Luan e Vanessa, que fez muito sucesso no Brasil, em 1990.

– “Eva”, do Rádio Táxi, é versão de “Eva”, de Umberto Tozzi

A pequena Eva do Rádio Táxi, que depois foi regravada com grande sucesso pela Banda Eva de Ivete Sangalo… bem, a pequena Eva é uma ragazza italiana escrita por Umberto Tozzi em 1982!

– “Lobo Mau”, de Roberto Carlos, é versão de “The Wanderer, de Dion and The Belmonts

https://www.youtube.com/watch?v=hVzU–Qp5fE

Tá, grande parte das músicas da chamada Jovem Guarda eram versões de músicas internacionais, especialmente do rock inglês que despontava no começo dos anos 60. “Lobo Mau”, no caso, é uma versão de “The Wanderer”.

– “Meu Sangue Ferve Por Você”, de Sidney Magal, é versão de “Oh Cuanto Te Amo”, de Sabu

Lembra desse clipe em que Sidney Magal canta um de seus maiores sucessos e está a cara de Paul Stanley nos anos 80? Então, o grande sucesso de Magal não é dele. É uma versão do argentino Sabu.

– “Charlie Brown”, de Benito di Paula, é versão de “Charlie Brown”, de Birgitta Wollgård & Salut

https://www.youtube.com/watch?v=zsx9wKH6L7Y

Quem diria que o amigo Charlie Brown de Benito di Paula e seu sambão jóia vinha direto da Suécia, hein? Birgitta Wollgård & Salut falaram do dono do Snoopy em 1972 em uma versão mais ~animadinha~ que a do bigodudo brasileiro. (*correção: o amigo Ricardo Schott me avisou que a versão original é do Benito, e os suecos que fizeram uma versão. Então nesse caso é ao contrário!)

– “Vou de Táxi”, da Angélica, é versão de “Joe Le Taxi”, de Vanessa Paradis

Pela janela do quarto, Angélica ouvia a buzina de Vanessa Paradis, que gravou “Joe Le Táxi” em francês em 1987. Aliás, a original fala do taxista Joe, que trabalha pelas ruas de Paris. Ah, e é incrível ver como encaixaram o “cê sabe” na versão da loira do Clube da Criança.

– “Catedral”, de Zélia Duncan, é versão de “Cathedral Song”, de Tanita Tikaram

https://www.youtube.com/watch?v=1KQTo4XwocM

“Cathedral Song”, de Tanita Tikaram, saiu em 1989 e ganhou uma versão de muito sucesso feita por Zélia Duncan em 1994. Ah, e um álbum solo de Renato Russo unia ele cantando “Cathedral Song” com a versão de Duncan.

– “A Dor Desse Amor”, do KLB, é versão de “A Puro Dolor”, de Son By Four

Ah, vai dizer que você achava que o “vida, devolva minhas fantasias” do KLB era criação deles próprios? Ah, vá. A música é uma versão da boy band que não fez lá muito sucesso Son By Four.

– “O Amor e Poder”, de Rosana, é versão de “The Power Of Love”, de Jennifer Rush

https://www.youtube.com/watch?v=FiDBrhHa1xU

A música que embalada o personagem Reginaldo da novela Fogo no Rabo da TV Pirata não é de Rosana. Pois é. Mas posso dizer? A versão brasileira é muito mais legal que a original de Jennifer Rush.

– “Quem de Nós Dois”, de Ana Carolina, é versão de “La Mia Storia Tra Le Dita”, de Gianluca Grignani

Cada vez que Ana Carolina foge, ela se aproxima mais de Gianluca Grignani, o autor italiano gatinho de “La Mia Storia Tra Le Dita”, que inspirou “Quem de Nós Dois”, um dos maiores sucessos da cantora.

– “Bem Que Se Quis”, de Marisa Monte, é versão de “E Po’ Che Fa”, de Pino Daniele

Eita, Itália! É de lá que vem um dos primeiros e maiores sucessos de Marisa Monte, que pegou a original de Pino Daniele, desacelerou e deixou com um embalo mais lento…

– “Fascinação”, de Elis Regina, é versão de “Fascination”, de Fermo Dante Marchetti

https://www.youtube.com/watch?v=k4flroOyPYI

Eu não imaginaria que essa incrível música de Elis Regina não era originalmente cantada por ela. Pois é, essa vem diretamente de 1904, quando era uma valsa sem letra criada por Fermo Dante Marchetti. A letra veio em 1905 por  Maurice de Féraudy, e a versão em inglês em por Dick Manning.

– “Ela Não Está Aqui”, do KLB, é versão de “I’d Love You To Want Me”, de Lobo

KLB de novo? Sim, KLB de novo. Kiko, Leandro e Bruno tiraram “Ela Não Está Aqui” de “I’d Love You To Want Me” de Lobo, que tem um penteado bem bacana.

– “Trac Trac”, dos Paralamas do Sucesso, é versão de “Track Track”, de Fito Paéz

Os Paralamas gravaram uma versão de seu amigo argentino Fito Paéz em 1991, no disco “Os Grãos”.

– “Chorando Se Foi”, do Kaoma, é versão de “Llorando Se Fue”, dos Kjarkas

https://www.youtube.com/watch?v=mT4T5GyGqRQ

Sim, a música que foi o grande sucesso da moda da lambada no Brasil e no mundo é uma versão. A versão dos Kjarkas não tem muito a ver com o que o Kaoma fez, sendo bem enraizada na Bolívia, terra natal da banda.

– “Borbulhas de Amor”, de Fagner, é versão de “Burbujas de Amor”, de Juan Luis Guerra

https://www.youtube.com/watch?v=d0D3Y4MQBbI

O bolerão de Fagner passando a noite em claro dentro de ti é uma versão de Juan Luis Guerra. Meio parecidona, se formos ver, quase uma tradução literal, fora um “ai ai ai ai ai ai ai” que a original tinha e Fagner tesourou.

– “Ritmo de Festa”, de Sílvio Santos, é versão de “Ritmo de La Noche”, do The Sacados

As listas de covers e versões sempre vão terminar com Sílvio Santos? Não sei. Mas, novamente, Senor Abravanel aparece com seu maior hit nos anos 90, uma versão da banda de dance music The Sacados (hehehe), de 1990.