Globelamp tira de seu diário um som que transita entre a psicodelia, o rock e o pop “trevoso”

Globelamp

O som expressivo e etéreo de Elizabeth Le Fey e seu Globelamp caminha entre a psicodelia de Syd Barett e o pop sombrio de Lana Del Rey. A cantora e compositora, que antes participava dos shows do Foxygen, faz músicas que remetem a um clima cinzento e outonal, com influências que vão de Grace Slick a Stevie Nicks.

Com “The Orange Glow”, seu mais recente disco, ela cunha seu estilo que transita entre o rock, o shoegaze, o pop e até o grunge. Além deste álbum, lançado em 2016 pela Wichita Records, Elizabeth já lançou “Star Dust” (2014), “Covers Album” (2014), com versões de gente como Beatles, Velvet Underground, Blondie, Lana Del Rey, David Bowie e Elliott Smith, e sua estreia, “Globelamp EP”, de 2011. No momento ela trabalha em novas músicas, sempre baseadas em suas experiências pessoais e seu inseparável diário.

Conversei um pouco com ela sobre sua carreira como Globelamp:

– Como a banda começou?
Começou como um projeto solo no meu quarto com meu violão e meu diário.

– E como surgiu o nome Globelamp?
Foi inspirado por um capítulo do livro “Witch Baby”, da Francesca Lia Block, chamado “Globe Lamp”.

– Quais são suas principais influências musicais?
Ainda é difícil identificar artistas individuais! Eu amo tanta música. Devendra Banhart, Nico, Joni Mitchell, Kimya Dawson, Cat Stevens

– Me conta mais sobre o material que você lançou até agora!
Primeiro eu lancei um EP em 2011. Regravei algumas dessas músicas como “Crocodile” e “Crystal” para o meu primeiro álbum completo, “Star Dust”. Meu álbum mais recente, “The Orange Glow”, foi lançado em todo o mundo pela Wichita Recordings em 2016. É a primeira vez que eu tenho um vinil gravado com a minha música!

– Como você se sente sobre a cena independente hoje em dia?
Sem comentários.

– Como é o seu processo de composição?
Escrevo muito no meu diário e de lá eu pego idéias para as letras!

– Você está trabalhando em novo material?
Sim, eu já escrevi o próximo álbum … Eu só preciso começar a gravá-lo!

– Quais são os próximos passos da banda?
Bem, eu toco sozinha, então acho que o próximo passo para a minha banda é encontrar membros da banda!

– Recomende bandas (especialmente se forem independentes) que chamou sua atenção ultimamente!
Acho que os mais jovens deveriam procurar artistas dos anos 90 como Tracy Chapman, Belly e Alanis Morissette!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *