GIRLI traz pop “esquisito” e influenciado por punk rock em “Odd One Out”

GIRLI traz pop “esquisito” e influenciado por punk rock em “Odd One Out”

5 de setembro de 2019 0 Por João Pedro Ramos

Quando Milly Toomey tinha 16 anos, sua banda terminou e ela ficou meio sem rumo. Porém, sua atitude punk rock falou mais alto: tingiu seu cabelo de rosa, criou um novo nome, GIRLI, e começou a fazer shows improvisando sobre batidas tiradas do Soundcloud. Um selo sacou o talento da menina e pelos próximos 2 anos ela lançou diversos singles e fez shows por todo o Reino Unido, acompanhada de sua amiga DJ Kitty. Estes 2 anos acabaram por desenvolver em GIRLI um misto de ansiedade e depressão, além do abuso de substâncias e, claro, algumas novas músicas. Com estes problemas relativamente superados por meio de terapia, em 2017 lançou seu primeiro EP, “Hot Mess”, seguido no começo deste ano por seu primeiro disco completo, “Odd One Out”.

Influenciada por nomes como M.I.A., Hannah Diamonds, Charli XCX, pop dos anos 90, Kate Bush, Cyndi Lauper e Madonna, GIRLI se inspirou na experiência de ser “a esquisita” da escola para compor muitos dos sons de “Odd One Out”. “Nem todo mundo vai aceitar você ser diferente, e tudo bem. Você que tem que se aceitar, isso é o que importa”, conta no fanzine disponível em seu site oficial. “Acho que o mais bonito de ser uma estranha é que você acha outros estranhos que te veem pelo quão bonita e especial você é, e você pode mudar o mundo porque traz algo diferente para ele”, explica.

– Me conta mais sobre este seu primeiro trabalho, “Odd One Out”.

“Odd One Out” é como meu diário dos últimos 2 anos transformado em músicas. São 9 canções sobre a montanha russa de emoções que você tem quando é jovem e diferente.

– Você se considera uma estranha (“odd one out”)?

Sim. Sempre me senti diferente, quando era criança, no colegial, na indústria musical… Tipo, eu nunca me encaixei no padrão. Mas eu acho que o mais bonito de ser uma estranha é que você acha outros estranhos que te veem pelo quão bonita e especial você é, e você pode mudar o mundo porque traz algo diferente para ele.

– Sua música mistura muitos estilos, como pop e punk. Como você definiria sua música para alguém que nunca ouviu?

Alternative Punky Pop Music com limão.

GIRLI

– Como começou sua carreira musical?

Comecei a escrever letras e cantar algumas melodias em um pequeno caderno quando tinha tipo 8 anos de idade. Então comecei uma banda quando tinha 15, onde eu tocava guitarra e cantava. Quando a banda acabou, eu tinha 16 e comecei a fazer um monte de shows sozinha e tocando músicas original que eu fiz no meu quarto ou com amigos. Foi aí que eu criei o nome GIRLI, e ficou.

– Quais as suas maiores inspirações musicais?

Gwen Stefani, Cindi Lauper, Kate Bush, Madonna, Lily Allen, Robyn, Blondie…. A lista é infinita! Sou inspirada por tantas.

– No seu site podemos ver que tem um zine com aquele visual punk de fanzine dos anos 70. Como a cultura punk influencia você?

Eu gosto da postura “foda-se” e do negócio do Faça Você Mesmo que rolava e ainda rola. Fazer suas coisas sozinho e fazer do seu jeito e ser bagunçado e sem desculpas, imediatamente me chama atenção como atitude.

– E como você vê a cena da música pop hoje em dia?

Eu acho que tem muita música pop muito chata que soa exatamente como tudo que já foi feito e não faz nenhuma declaração. E também tem muitos artistas legais e interessantes na música pop que estão tentando criar sons novos e excitantes e dizer algo. É meio 50/50.

– Pode me contar um pouco mais sobre os clipes que já lançou para suas músicas?

Acho que o visual e como você conta uma história por meio de vídeo é quase tão importante quanto a música! Todas minhas inspirações musicais também me influenciaram visualmente. Eu quero que todos meus clipes canalizem essa atitude de “não-estou-nem-aí”, e que sejam diferentes e chamem a atenção. Assistir filmes me inspira muito a fazer música, então ter os dois juntos é igualmente importante para mim como artista.

– Quais seus próximos passos?

Vou estar lançando muito mais música, muito mais clipes, e vou começar a fazer meus primeiros shows internacionais e levar minha música para outros países fora do Reino Unido pela primeira vez. Estou muito animada!

– Recomende bandas que chamaram sua atenção nos últimos tempos, especialmente se forem independentes!

Minha amiga Berry faz uma música incrível. Ela é FODA. Dêem uma olhada nela! @berrytheartist