Garimpo Sonoro #10 – ISCA: 5 amostras de como o Ska te pesca com facilidade

Garimpo Sonoro #10 – ISCA: 5 amostras de como o Ska te pesca com facilidade

28 de janeiro de 2016 0 Por Pedroluts

Estou em uma semana nostálgica. Talvez seja pelo começo do ano; talvez por ciclos naturais da vida; ou seja porque achei uma pasta com fotos do Orkut que eu salvei antes da morte da rede social. O fato é que uma coisa levou a outra e eu relembrei da época em que jogava video-game. Nunca fui um bom ~gamer~, tanto por falta de habilidade, quanto falta de devoção. Mas alguns jogos me fisgaram: Need For Speed, Road Rage e Tony Hawk’s Pro Skater.

Este último, além de ser um divertido jogo de manobras e missões voltadas ao mundo do skate, também trazia uma trilha sonora com coisas bem bacanudas. Daí me lembrei de uma, Goldfinger, que abriu a mente para o tema da semana: SKA!

Ao contrário do que muita gente imagina, o Ska é antecessor do Reggae. Primeiro surgiu o ritmo mais animado e rápido, com a guitarra fazendo os acordes no contratempo. O reggae é uma releitura, com uma abordagem mais vagarosa, criando uma névoa sonora propícia a muitas atividades recreativas.

A seleção abaixo não é pela importância de cada banda, mas uma mescla de coisas mais clássicas a coisas mais famosas que eu fui lembrando ao longo dessa viagem que começou com um jogo de Playstation (sim, o primeiro!).

Voodoo Glow Skulls – “Shoot The Moon”: no disco, a voz da introdução é nada mais, nada menos, do que um trecho de Up In Smoke, da dupla maconheira Cheech & Chong. O Voodoo Glow Skulls fazendo um ska-core agressivo e divertido ao mesmo tempo. Ótimo para dar aquela acordada no meio da tarde de trabalho.

Toots & The Maytals – “Monkey Man”: não, essa música não era da Amy Winehouse. Este grupo jamaicano surgiu nos anos 60, quando o ska começava a esquentas as pistas do país. Ao ouvir, é fácil entender a razão do sucesso. Impossível ficar parado.

Sublime – “Wrong Way”: Aaaah, os anos 90. MTV, clipes divertidos, tardes ociosas… Tão sublime (RÁ!). Quem nunca ouviu “Santeria”, do Sublime?

Skuba – “Não Existe Mulher Feia”: no final dos anos 90, o Brasil produziu uma safra de bandas do estilo com trocadilhos no nome. Skuba, Skamoondongos e Skabong. Skuba foi uma das mais famosas, numa época em que a MTV era um ponto de referência. Assim, uma música divertida com um clipe criativo era uma ótima receita.

The Mighty Might Bosstones – “The Impression that I Get”: ouvindo essa música me vem à cabeça as coletâneas em CD da 89FM. Comprava sempre que as via – um garimpo analógico, apesar de já ser na era do CD.

Lembra de mais algum ska bacanudo? Divida com a gente!