Construindo The Scuba Divers: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Construindo The Scuba Divers: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

23 de janeiro de 2018 0 Por João Pedro Ramos

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos a banda de Santos The Scuba Divers, que indica suas 20 canções indispensáveis. Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

Daniel Teles (Guitarrista e Vocalista)

Coheed and Cambria“Time Consumer”
Não consigo parar de ouvir os discos deles desde que conheci a banda há pouco mais de um ano atrás e isso obviamente exerceu influência no meu jeito de tocar e cantar. Abri meus ouvidos para o universo do emo e post hardcore, me levando a escutar outras bandas que agora são inspiração para mim como o Tricot e o Tosite Ling Sigure. A faixa “Weather Repport”, que ainda não foi gravada mas sempre marca presença nos sets ao vivo, é o exemplo mais claro dessa influÍncia emo na banda.

A Flock Of Seagulls“Modern Love Is Automatic”
Representando minha veia new wave, incluo a faixa de abertura do disco homônimo de uma das bandas mais injustiçadas dos anos 80. Os timbres espaciais e melodias marcantes de Paul Reynold exerceram significante influência no meu jeito de tocar guitarra. Troque o sintetizador da faixa por barulho e você terá algo próximo de “Snowflake”.

The Smiths“Still Ill”
Essa é uma banda que eu tenho certeza que se eu não incluisse qualquer um dos outros integrantes poderia o ter feito. Forte influência nas guitarras limpas, linhas de baixo, vocais, letras. O The Smiths está cravado no DNA da banda, por mais que nossos trabalhos mais recentes tenham se distanciado um pouco da influência britânica muito presente no debut, Johnny Marr me ensinou que uma guitarra limpa fazendo acordes de jazz pode ser muito mais empolgante que solos de guitarra.

Sonic Youth“Chapel Hill”
Antes de qualquer influência musical, a postura de palco, o barulho, o senso de liberdade que a banda transmite ao vivo e nos clipes foi fundalmente pra formação da nossa própria ideologia como banda. As primeiras vezes que escutei Sonic Youth eu não entendi nada pra ser bem sincero, mas algo neles me chamou atenção e eu continuava voltando pra escutar mais. Existe algo belo em ver uma banda dando tudo de si e se divertindo no processo. Eu só espero isso de todo show da Scuba: terminar o show exausto porém feliz em estar ali naquele palco tocando pra 5 ou 5 mil pessoas. E “Chapel Hill” é muito foda por sinal!

Rush“Afterimage”
Alex Lifeson é outro dos meus guitarristas preferidos e eu precisava incluir algo do Rush. Sou apaixonado por rock/metal progressivo, mas a maioria das bandas está longe demais do nosso som para existir uma influência que não seja algo pontual ou conceitual. Mas aí você tem o Rush oitentista, uma mistura perfeita do drama e intensidade post punk com a musicalidade do rock progressivo. O que mais eu posso dizer? Rush é uma das combinações mais inacreditáveis de músicos talentosos dentro de uma única banda.

Maurício Teles (Baixista e Vocalista)

The Smiths“Hand In Glove”
Eu poderia escolher uma cacetada de músicas do Smiths, mas essa com certeza foi a que mais me marcou de primeira. O vocal de Morrissey é dramático e inspirado e eu sempre tento trazer um pouco disso nas canções da Scuba. Além disso, qualquer coisa que o Andy Rourke faz no baixo me deixa pirado.

Iron Maiden“Purgatory”
Iron Maiden foi o principal responsável na minha vida por eu me interessar realmente por música. A velocidade, a agressividade, é tudo bem intenso. Steve Harris sempre me inspirou para que eu tocasse baixo da forma mais energética possÌvel e nessa track ele demonstra exatamente isso.

Placebo“Every You Every Me”
Brian Molko tem um timbre sensual quase feminino e isso sempre foi um atrativo pra mim. Ao mesmo tempo que é leve, é profundo. Eu busco sempre experimentar na forma como irei cantar e esse estilo mais “foda-se”, menos preocupado com técnica, é algo que eu gosto de implementar em algumas músicas da Scuba.

U2“Sunday Bloody Sunday”
A voz de Bono Vox sempre me impressionou. Desde criança eu tento reproduzir a emoção e a força que ele passa com seus refrões. Quem sabe um dia eu chego lá (risos).

Tears For Fears“The Working Hour”
Se algum dia alguém sentir o que eu sinto ao ouvir esta música com alguma música da Scuba eu já posso morrer feliz.

Gabriel Ramacciotti (Baterista)

Sufjan Stevens“Come On! Feel The Illinoise!: The World’s Columbian Exposition / Carl Sandburg Visits Me In A Dream”
Uma música de enorme exercício de criatividade. Seu resultado sonoro é brilhante não só pelo seu ritmo em 5/4, mas também por sua instrumentação e arranjo sensacionais.

XTC“Senses Working Overtime”
Outra música que ouvi muito quando comecei a estudar música. Apesar de ser uma música simples, Andy Partridge (vocalista e compositor) consegue criar um arranjo típico de um new wave, porém tendo um resultado carismático e estonteante.

Weezer“No Other One”
“Pinkerton” é de longe o melhor álbum do Weezer (polêmica). Poderia colocar todas as tracks do álbum porém essa em especial me traz lembranças de quando comecei a tocar bateria, em meados de 2013, e como nunca conseguia tocar o começo da música.

American Football“Never Meant”
Apesar de sua temática não fazer jus à sua propriedade sonora. Os timbres de guitarra e pureza sonora tornam a música mais atrativa, fazendo-a fluir bem. As viradas e levadas de bateria são pontos importantes que absorvi, inclusive tocando o começo em alguns ensaios (risos).

Dave Matthews Band“The Stone”
Uma das poucas músicas que cultivo desde quando comecei a estudar música. As linhas melódicas e o groove da bateria são pontos que aprecio na música.

Iury Cascaes (Guitarrista e Vocalista)

Nirvana“Lithium”
Essa música eu escolho porque sem ela não existiria muito bem um Iury compositor, um Iury que trabalha em termos de música, um Iury numa banda. Já ouvi várias vezes que o Nirvana é uma daquelas bandas que fazem as pessoas criarem bandas, e atesto a veracidade desse rumor: a “Lithium” é a música deles que eu mais gosto, e facilmente a música mais importante da minha vida. A voz rasgada e ao mesmo tempo bela do Cobain, a bateria simples e poderosa do Grohl, o baixo na faixa do Krist – tudo isso junto com a letra genial, que retrata a indecisão de uma mente convulsiva, me atinge com um espanto musical absurdo que sempre acompanha a minha escuta desse som: “In a daze, I’ve found God” (deslumbrado, encontrei Deus) É simplesmente surreal! Se não fosse Cobain, eu não teria criado o gosto por dizer as coisas em formato de poesia, de música.

Tool“Eulogy”
Se o Nirvana me é a banda mais importante no sentido de que me introduziram ao barato de compor e se expressar, o Tool me é a banda mais foda e única do planeta porque através deles eu conheci uma expressão musical não só exatamente auditiva, mas integral, considerando a arte uma secreção que tem que vazar por todos os poros e de todas as maneiras possíveis: os caras do Tool tocam em tempos quebrados, têm uns clipes visual mente surreais, montam palcos incríveis, gigantes, com configurações que nunca são óbvias; o Maynard se veste com umas roupas bizarras, já tendo tocado até de lingerie – porra! Até o site dos caras foi artisticamente pensado! O Tool me trouxe essa coisa totalidade, da coerência de estilo, do alargamento das fronteiras da unidade estética, de uma integração artística entre tudo aquilo que diz respeito a uma banda. Eu poderia ficar falando horas do Tool – mas pra encurtar eu digo algo dessa música especÍfica: que vocal do caralho! Inspirador!

George Harrison“My Sweet Lord”
Se o Tool me ensinou isso da unidade, o George vem me ensinando (pois comecei a ouvi-lo recentemente) da preocupação de grandeza que tem que ter o artista na hora da composição, da escrita. Com preocupação de grandeza quero dizer uma preocupação de que o tema abordado pela música não seja raso, mas profundo; uma preocupação de que aquilo de que diz a música fale ao mesmo tempo de tudo, do infinito, e humildemente. Devemos botar tudo de nós em nossas composições – e botando tudo de nós, botamos tudo do mundo todo… O dever de dialogar com a seriedade da falta de fundo que é a existência. “My Sweet Lord” é uma música gospel hippie… Um hino àquilo que, por diversos motivos chamamos Deus, é independente de seu nome maior que nós e misterioso. Além do mais, estes violões estão entre os acordes mais pesados que já ouvi. E não é só nessa música, mas sim no CD todo! O George é foda, lendário, iluminado.

The Doors“The End”
Esse som do The Doors é épico demais. Talvez seja daí que vem meu gosto por músicas grandes e meio hipnóticas. Hoje conheço algumas coisas do Krautrock que muito me agradam mas o The Doors, que conheço já há muito, foi a primeira coisa psicodélica que eu pus na minha mente, e a coisa mais dionisíaca que eu já escutei. O Jim Morrison é um animal maluco. A “The End” me chama atenção porque quando você ouve ela parece que você tá chapado de LSD… Não precisa nem dropar! Possível sentir a loucura em cada acorde, subindo, subindo, ficando cada vez mais pesada. Essa porra é um ritual de índio, cara! A influência que tem em mim é justo essa duração estendida em que, por causa da batida e do acorde, você fica estendido, em transe. Ultimamente tenho buscado essa impressão com minhas composições.

Rancore“Mãe”
O Rancore é uma das bandas brasileiras que mais admiro. Os caras tem um som que eu não vi em outro lugar. Como o Tool, os julgo bem únicos. Mas o que amo do Rancore mesmo são os seus shows. Fui em um no Bujas no começo de 2017 ou final de 2016 (não me lembro) que era o último de sua turnê de despedida. Imagina? Eu nunca senti algo tão incrível: todo mundo ali se massacrando, agindo feito uma massa enfeitiçada por música, se debatendo, botando tudo o que fosse possível para fora, largando a goela ela mesma jogada no chão, em meio ao vapor que era o conjunto de todos os suores daquela galera. As paredes escorriam, o calor era imenso. E a energia era descomunal. Naqueles momentos me dei conta de que eu gostaria de fazer shows daqueles, antológicos, imperdíveis, memoráveis. Nessa música específica há a importância das guitarras do Candinho – me é uma inspiração o jeito que ele toca -, das letras e da voz do Teco, forte e cristalina. Vale conferir o clipe, que é muito bom!