Conheça o Los Vinagres, power trio de “rock vulcânico” de Isla de La Palma

Conheça o Los Vinagres, power trio de “rock vulcânico” de Isla de La Palma

12 de janeiro de 2016 0 Por João Pedro Ramos

Los Vinagres definem seu som como “rock vulcânico”, uma mistura de punk rock, garage e muito de suas raízes musicais vindas diretamente das Ilhas Canárias. Abel (vocal e guitarra) e Robert (bateria) são amigos de longa data, tocando juntos há mais de 10 anos em mais de 15 diferentes projetos musicais. A banda, que também conta com Sergio no baixo, começou se chamando The Vinegars e vencendo em 2012 o Saporocko Youth Music, uma ótima vitrine para grupos emergentes de La Palma. Em setembro de 2015, a banda lançou seu seu single “Aqui No Hay Playa”, com duas faixas que demonstram toda a energia crua e cheia de força do power trio: “Aqui No Hay Playa” e “El Canto de La Morena”, pérolas que merecem entrar em sua playlist.

Conversei com a banda sobre sua carreira, influências, planos para 2016 e a cena rock na Espanha:

– Como a banda começou?

Nosso início foi como o da maioria das bandas, os amigos se juntam para tocar porque têm afinidade musical e continuam até hoje. Nós (Abel e Robert) estamos tocando juntos desde os 15 anos de idade e tivemos algumas bandas juntos, como a Cuarto Chico. Enquanto isso, Ser tinha um grupo chamado Kabaret. Em 2014, nos juntamos em Madrid e viramos os Vinagres de hoje.

– Me falem um pouco mais sobre “El Canto De La Morena” e “Aqui No Hay Playa”.

Embora ele é separado em dois, “Aqui No Hay Playa” e “El Canto de La Morena” saíram da mesma gravação. A letra, música, títulos e arte expressam nossas raízes, porque em tudo isso nos referimos às Ilhas Canárias. Além disso, temos um carinho especial pelas duas, uma vez que foram gravadas e mixadas por nós mesmos em nosso estúdio.

– Quais são suas principais influências musicais?

De canto gregoriano a Taylor Swift. Não somos nada “quadrados” musicalmente falando.

Como é a cena rock de La Palma?

Está indo bem, por ser uma ilha pequena e ter muitas bandas boas, como por exemplo: Avernessus, Ojalá Muchá, Lady Barbuda, Killing PeteVrandán, entre outras. Somos uma ilha muito musical.

Los Vinagres

– O que levou a banda a mudar de The Vinegars para Los Vinagres e abandonar o inglês?

Porque dissemos a nós mesmos: se não sabemos falar em inglês, porque vamos cantar nessa língua? Além disso, nos demos conta de que cantando em nosso idioma sentíamos muito mais o que dizíamos.

– Os países de língua latina apostam mais no rock independente?

A verdade é que não temos ideia … O que sabemos é que ouvimos o mesmo na Espanha que o México, Argentina e Chile. Coisa que nós amamos.

– Qual foi o melhor lugar onde vocês já tocaram?

No Festival Monkey Week, em Puerto de Santa María (Cádiz). Tivemos uma resposta muito boa do público e no final, é isso que buscamos como banda.

– Como vocês definem o som da banda?

Nós chamamos de rock vulcânico, que é uma mistura de punk, rock de toda a vida, música latina e muito de nossa raiz canária.

Los Vinagres

– Como você descreveria um show do Los Vinagres?

Meia hora em que tem que se dar tudo, tanto o público quanto a gente. Recomendamos que o público leve capacete e joelheiras, como em uma construção.

– Quais são os próximos passos dos Los Vinagres?

Estamos começando a trabalhar em novas músicas e marcando lugares para shows. Em breve anunciaremos muitas novidades.

– Recomendem algumas bandas e artistas (especialmente se forem independentes) que chamaram sua atenção nos últimos tempos!

Los Bengala, Guadalupe Plata, Perro o Virgen, entre muitas outras.