5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Jéssica Mar, do A Menina Que Colecionava Discos

Read More
Jéssica Mar, do A Menina Que Colecionava Discos
Jéssica Mar, do A Menina Que Colecionava Discos

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, a convidada é Jéssica Mar, do A Menina Que Colecionava Discos.  “Muito difícil listar apenas 5 pérolas, mas estão ai, escolhidas com muito carinho e cuidado. Bandas do cenário alternativo, que fogem do convencional e que mereceriam toda a admiração”.

  • Switchblade Symphony – “Clown”
    “Banda de new wave formada em Los Angeles. A música combina sons orquestrados com graves sintetizadores e vocais etéreos para criar uma união de música clássica e rock gótico. A banda acabou em 1999. Essa música – que é a que eu mais gosto delas – ficou um pouco mais conhecido por estar na trilha sonora do filme ‘Wicked’“.

  • Bella Morte“Cristina”
    Bella Morte é uma banda criada em 1996 em Charlottesville, Virgínia que tem um som mais gótico com influências de metalpunkdarkwavedeath rock e industrial.  o nome foi escolhido para “sugerir que a beleza pode ser encontrada na tragédia”, que é um tema que ocorre em todos os álbuns da banda. Essa foi a primeira música da banda que eu ouvi. Estava começando a curtir um som mais underground e comecei a ler em portais de cultura gótica sobre as bandas do estilo e conheci Bella Morte. É uma das bandas que eu mais amo”.

Emilie Autumn“Misery Loves Company”
“O estilo musical de Autumn foi descrito por ela como “Fairy Pop”, “Fantasy Rock” ou “Victoriandustrial”. É influenciada pelo glam rock – de peças de teatroromances e história, particularmente a era vitoriana. Performando com suas dançarinas femininas The Bloody Crumpets, Autumn incorpora elementos da música clássicacabarémúsica eletrônica e o burlesco. Ficou mais conhecida por ter a música “Dead Is The New Alive” e “Misery Loves Company” na trilha sonora do filme ‘Jogos Mortais IV’

Green Carnation“Sweet Leaf”
“É uma banda norueguesa de metal progressivo art rock formada em 1990. Com performances pra lá de inspiradas na voz de Kjetil Nordhus (às vezes chega a lembrar entonações do Bono Vox, quando ouvi pela primeira vez essa música, eu jurava que era com participação do Bono Vox), arranjos ricos e criativos, sem ficar numa exibição inútil de técnica – muito pelo contrário, o que sobra aqui é feeling. Uma curiosidade: Eles tem uma música que dura um pouco mais que 60 minutos, chama-se Light Of Day, Day Of Darkness”. Vale apena ouvir, um metal bem suave e gosto de ouvir”.

Horrorpops“Julia”
“Por último mas não menos importante, um dos estilos que eu sou apaixonada: psychobilly. uma mistura de rockabilly dos anos 50 e punk ( essa banda coloca com um pouco de new wave). Horrorpops nasceu Dinamarca, Sua música mais famosa, se chama “Girl in a Cage” do álbum “Hell Yeah!” de 2004, e tem uma pegada bem forte de ska. Não deixem de conferir também um cover que eles fizeram da famosa “Rebel Yell” do Billy Idol“.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Elio Sant’Anna, d’Os Garotos de Liverpool

Read More
Elio Sant'Anna
Elio Sant'Anna, do Garotos de Liverpool

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, o convidado é Elio Sant’Anna, do site Os Garotos de Liverpool.

“Fui convidado pelo João Pedro Ramos a participar do 5 Pérolas Musicais, onde cito algumas músicas que (quase) ninguém conhece, mas que deveria ser mais divulgada pela mídia, afim de atingir um público maior. Tentando fugir um pouco de clássicos que se passaram despercebidos, bandas novas (nacionais ou internacionais) passaram por aqui”.

The Strypes“Get Into It”
The Strypes é uma banda totalmente influenciada pelo blues, além de terem o apelido de “netos dos Beatles”, não só pela época que são, mas pela idade dos membros, que variam entre 18 e 20 anos de idade. Na época que eu entrevistei a banda, em 2015, eles trouxeram riffs não presentes na versão de estúdio, num clipe que apresentava somente a banda, num estúdio e com uma música que resume bem o estilo da banda. Falando sério, vocês dariam uma idade tão baixa para alguém que faz uma sonzeira dessas?”

FingerFingerrr“Eu Só Ganho”

“Com um disco de estúdio lançado, ‘MAR’, o duo FingerFingerrr mostra que não é necessário ter uma banda completa para fazer um som de qualidade. ‘Eu Só Ganho’ é uma música com praticamente duas frases, mas encaixam perfeitamente no mundo atual, onde nós só ganhamos e no final não temos nada”.

Doris Encrenqueira“Fazer O Quê? (Eu Gosto)”

“Estreando no final do semestre passado, os gaúchos da Doris Encrenqueira trazem um rock’and’roll sem pudor, sem dó, sem frescura (de acordo com eles mesmos) e em português para os nossos ouvidos. Riffs e solos naturais, unidos a uma cozinha (baixo e bateria), tão pesada quanto uma voadora no peito (palavras de Lúcio Brancato). O disco, que não tem nem um mês de vida, traz encarte com as letras das dez músicas e um pôster da banda e o videoclipe do single vocês conferem abaixo!”

Truckfighters“Calm Before the Storm”

“Se vocês gostam de stoner rock, músicas longas e regadas a muito instrumental, o som que precisam ouvir é desses suecos. Tive acesso ao último disco deles, do ano passado, dois meses antes de ser lançado. O “V” começa com uma música que pode ser levada no pé da letra, sendo cantada de forma devagar, num ritmo relaxante, que não chega nem perto do stoner rock da banda, com riffs que poderiam se encaixar perfeitamente no projeto The Fireman (McCartney/Youth). Mas como eu estava falando, toda a calmaria (Calm) é executada antes (before) da revolução musical que acontece dentro da própria faixa que a transforma numa tempestade (Storm), regada com riffs marcantes, batidas desconcertantes, num clipe que mescla as cenas entre sequências normais, reversas e que vocês podem assistir abaixo”:

Bratislava“Enterro”

‘Fogo’ foi mais um dos discos que tive acesso antes do lançamento, fazendo uma resenha faixa-a-faixa. “Enterro” é uma música escolhida para abrir o disco lançado mês passado.Sintetizadores e solos de guitarra, mostram a música mais rockeira do disco, que foi inspirada na tragédia de Mariana, maior desastre ambiental da história do Brasil. É uma reflexão sobre perdas e despedidas que aconteceram, fisicamente ou da natureza, de um modo não agendado. No meu modo de ver, ela também fala de enterro, no sentido de fingir que morreu algo do passado e deixar pra trás, sem uma despedida. A música tem participação Gustavo Bertoni (Scalene)”.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por João Perreka, da João Perreka e os Alambiques

Read More
João Perreka
João Perreka

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, o convidado é João Perreka, líder da banda João Perreka e os Alambiques.

RPW“Pule ou Empurre”
“Vamos começar pelas origens. Em 1996, o garoto aqui vivia com skate de baixo do braço e colava nos bailes de rap e nas festas de pichador, onde rolava o som alucinante do grupo RPW formado em São Paulo, pelo trio Rúbia, DJ Paul e W-Yo e botava geral pra bater cabeça. Foi nesta época, que criei os primeiros vínculos com a galera de outras quebradas e conheci muito grupo de rap”.

Mental Abstrato“Jazzeira”
“Tai uma banda que até esses dias não conhecia, mas hoje é uma das minhas preferidas, pois uma galera me falava para ouvir e tive a honra de sacar a primeira vez ao vivo. O som do Mental Abstrato é difícil de descrever, pois faz um jazz, porém caminha por vários, seguimentos musicais (vários mesmo!), e cada instrumentista vai mandando tua onda boa no som”.

Marsa“Vermelhos”
Marsa é uma banda que todos precisam ouvir vindo da nova geração musical pernambucana que tanto aprecio desde os tempos de Chico Science e Fred 04. Thiago Martins, linha de frente da Marsa, tem uma voz sensacional que transcende com a sensibilidade do som da banda”.

Edgar“Te Dei Amor e Catuaba”
“Musico místico, criador de letras, figurinos, documentários e instrumentos fantásticos e cada dia que passa evolui no que faz, e nos presenteia ainda mais com seu som inovador”.

Samuca e a Selva“Madurar”
“Uma trupe genial de músicos fora de série, destaque pro swing e carisma do vocalista Samuca e para som pra lá de animado. O show deles é uma grande festa, e dificilmente quem ouve fica parado”.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Paula Puga, do Toca a Cena

Read More
Paula Puga, do Toca a Cena
Paula Puga, do Toca a Cena

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, a convidada é Paula Puga, do Toca a Cena. “Faz exatamente 11 anos que circulo no cenário independente e encontrei muitas pérolas ao longo do percurso. Muitas dessas preciosidades são minhas referências musicais hoje e listarei algumas delas”.

Pessoal da Nasa“Topless”
“Quando ouvi Pessoal da Nasa a primeira vez, fiquei pasma! Mas depois que ouvi “Topless”…fiquei mais pasma ainda! A letra é divertida, a linha de voz diferenciada….incrivelmente criativa!”

Blind Horse“Soul Locomotive”
“Nas correrias da vida, conheci o trabalho da Blind Horse. A vibe setentista com stoner é de deixar arrepiado! Guitarras repletas de distorções, gaita, vocais melódicos e rasgados… Uma combinação porreta!”

The Baggios“Brutown”
“Conheci o trabalho através da indicação de vários amigos e também do produtor musical deles, Felipe Rodarte. Os pontos que mais me chamam a atenção nesta música é a textura sonora e os solos da guitarra. Uma verdadeira pérola! P.S.: Se tiver rolando show deles perto de você, assista! É simplesmente muito foda. Entrei em transe enquanto assistia o show”.

menores atos“Mar Aberto”
“Essa é uma das minhas bandas preferidas! Se eu pudesse definir essa música em uma palavra, seria intensa. O clima dessa música é denso, a letra também….sem contar que a sonoridade é linda!

Carne Doce“Artemísia”
“Uma das melhores descobertas nessa vida de Toca a Cena! A música tem uma pegada diferente, densa, longa introdução, letra intensa e densa. Deu para perceber que gosto de músicas intensas (risos). E a voz da Salma Jô é lindissima. Um arremate perfeito. P.s.: O clipe tem uma fotografia lindíssima!”

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Ricardo Ferreira, produtor e músico da Old Books Room

Read More
Ricardo Ferreira, da Old Books Room
Ricardo Ferreira, da Old Books Room

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, o convidado é Ricardo Ferreira, produtor e músico da Old Books Room, de Fortaleza, que está em São Paulo e toca neste domingo no Pico do Macaco.

Giant Drag“Slayer”
“Sabe aquele quando você quer montar uma banda, mas não quer contar com várias pessoas porque o desgaste é muito grande, além de você ter que dividir o cachê em mais pessoas. O Giant Drag vestiu essa camisa muito bem, o duo de New York City foi uma dos meus vícios desconhecidos por todos que mostrei um dia. Acho que a banda não existe mais, mas a música “Slayer” ficou pra contar como essa história foi boa”.

Sleep Party People “I’m Not Human At All”
“Quatro caras vestidos completamente de preto com exceção de máscaras de coelho. Muito noise, batidas de samples eletrônicas, efeito na voz incompreensível. Sleep Party People define muito bem o quanto o bizarro quando se der uma chance. “I’m Not Human At All” e uma canção bem sombria, com um dedilhado que escutaria por horas, e somente algumas frases, entre elas se destacando logicamente “Eu não sou mais humano”. Escuta, apenas escuta!”

Stuck In The Sound“Let’s Go”
Stuck in The Sound é uma banda francesa que vem crescendo muito, mas por incrível que pareça bem desconhecida, e seria incrível que mais gente conhecesse esse som. Bem, não dá pra descrever pro a música viaja por várias vertentes, desde o post hardcore, indie, grunge e por aí vai, mas esse caminho é construído com muito chorus e uma voz bem marcante. O clipe e a música “Let’s Go” me fizeram literalmente ficar travado nesse som por dias a fio”.

Julian Plenti“Girl On the Sporting News”
Interpol é uma das maiores bandas de todos os tempos na minha humilde opinião. Mas devido às contradições do destino, ninguém valorizou muito (pelo menos como eu acho merecido) o primeiro trabalho solo do Paul Banks. Muitos disseram que era apenas uma derivação de Interpol, pena pra essa galera que não conseguiram enxergar a beleza e a diferença presente nesse trabalho. Fica a ânsia angustiante de fazer com que vocês sintam essa pérola, “Girl On The Sporting News”. Como o próprio Banks falou, o CD contém músicas antigas, antes do Interpol, e são um pouco mais simples, mas em boa parte das vezes ser menos é mais, e a mescla de violão e instrumentos clássicos vai fazer você viajar”.

Soviet Soviet“Ecstasy”
“O power trio italiano me ganhou com a música “Ecstasy”, às vezes a gente não sabe como chega a conhecer esses sons, mas felizmente acontece. Logo, não teve jeito, o um baixo ligado no tremolo, uma guitarra altamente reverberizada e delayzada, uma voz ultra estranha, e uma bateria ultra-acelerada e frenética me mostraram como tempo músicas incríveis em cada esquina desse Mundo”.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Cint Murphy, do In Venus

Read More
Cint Murphy, do In Venus
Cint Murphy, do In Venus

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, a convidada é Cint Murphy, vocalista da banda In Venus, que lançou recentemente seu disco “Ruína” e se apresenta na segunda edição da festa Contramão Gig no dia 12 de julho (quarta)!

Peeling“Leisure Life”
“O Peeling é uma banda de Toronto que surgiu a partir de uma outra banda muito foda, o Mexican Slang. É uma das bandas que mais tem tudo que a mamacita gosta: muito fuzz e efeitinho de voz”.

SNEAKS“X.T.Y.”
Quando eu ouvi SNEAKS a primeira vez eu fiquei chocada e a única coisa que ecoava na minha cabeça era ”WTF VÉI! QUE BUCETA É ISSO?”. As músicas criadas pela Eva Moolchan são de uma simplicidade absurda, rápidas, objetivas e que as vezes parecem slogan. A levada me lembrou muito Le Tigre.

Keluar“Surface”
Keluar é a banda “mais recente” da Alison Lewis, ex vocalista da Linea Aspera. O mais recente está entre aspas por que não sei se a banda continua em atividade. O ultimo material que eles lançaram foi em 2015 e o ultimo post no caralivro foi em maio de 2016. Tomara que eles não tenham parada e COME TO BRAZIL, VÉI.

Christian Death“Romeo’s Distress”

MELHOR MÚSICA TRISTE PRA DANÇAR COM A PAREDE NA BALADA PARTE 1. Deathrock é vida né galera? Segundo os Americanos que sempre são competitivos como tal, o Christian Death é a resposta dos USA ao movimento gótico europeu que tinha despontado bandas como Siouxsie and the Banshees e Bauhaus.
Alguns fatos muito curiosos sobre a banda: †† Rozz Williams, o cara que criou o Christian Death era um cara bem loucão, foi responsável pela estética musical, pelo visu de todo mundo e pela temática anti religiosa da banda. Ele praticamente criou estereótipo do que é considerado um gótico ~tradicional~ hoje em dia. †† Outro fato interessante é que o nome de Rozz não era Rozz, era Roger Alan Painter. O nome Rozz Williams foi tirado de uma lápide. †† Em 81, Rikk Agnew (ele mesmo, do Social Distortion) entrou pro Christian Death e ele e Rozz criaram aquele que na minha opinião é o melhor album da carreira da banda, “Only Theatre of Pain”. Logo depois eles acabaram com a banda. †† em 85, Rozz se juntou à Valor Kand e Gitane Demone e decidem voltar com o Christian Death e começa uma série de tretas, dentre elas a separação da banda, o retorno com de duas bandas com o mesmo nome, sendo que uma delas, a que Valor deu continuidade, tava numa pegada death metal. Em 1998 Rozz se suicidou por que cansou dessa palha assada. Pra mim, tirando a morte do Rozz e o fato do Valor ser um cuzão, o resto não importa, o importante é que a banda é foda, e essa música é uma obra prima!

Malaria!“Geld/Money”
MELHOR MÚSICA TRISTE PRA DANÇAR COM A PAREDE NA BALADA PARTE 2. Malária é uma banda de post-punk formada em 81, em Berlim, só com minas na formação ❤. O vocal da Bettina Köster é inconfundível, raivoso e profundo, que entra na vibe dos synths e te arrepia. Não precisa dizer muita coisa depois disso né? São referência e me influenciam totalmente.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Letty, do Letty and the Goos

Read More
Letty
Letty

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, a convidada é Letty, vocalista, guitarrista e líder do power trio Letty and the Goos;

Globelamp“Breathing Ritual”

“Descobri esse projeto acidentalmente no Instagram. Já gostei do visual colorido-algodão doce e me surpreendi com a sonoridade. Tô cada vez mais encantada. É um folk moderno com uma pitada de Jefferson Airplane. Um lo-fi no meio da floresta com uma fada cantando. Dá pra entender do que eu falo assistindo a esse clipe”.

J.D. King“Midnight Rendezvous”

“Eu amo esse contraste do J.D.: é como uma junção de Strokes com T.Rex, um indie nostálgico e delicioso. Essa atmosfera analógica do clipe me pegou nos primeiros segundos. E o mais brilhante é que os sons em geral (mais antigos) não seguem essa linha, eles puxam pro Neil Young, bem caipirão com guitarra com slide!”

Healthy Junkies“Witches Of Lust”

“Não sei nem o que dizer sobre essa música. Punk cavernoso, corrido feito Fu Manchu, contrastando com a voz doce de ares dos séculos passados – acho que essa combinação é perfeita pra resultar nesse som macabro. O único problema é que ele só tem 2 minutos e 20″.

Tyler Bryant & The Shakedown“Loaded Dice & Buried Money”

“Eu amo tudo nessa banda. O som anos 90 com uns oitavadores modernosos, ritmos pesadamente marcados somado a esse vocal versátil. Dizem que é indie. Eu acho que tá mais pra um stoner com as escalas do Black Sabbath“.

NUNCA“Dragged By Silence”

“Pra não dizer que faltou uma nacional, aí vai! Uma das poucas bandas desse estilo que ouço, gosto e consigo acompanhar, porque o barulho é estrategicamente pensado. As variações rítmicas e melódicas me obrigam a dizer que o som da banda não se parece com nenhuma outra coisa que eu já tenha ouvido. Cada uma das músicas é uma viagem única e sem volta. E os meninos são do interior de São Paulo e estão ativos! O primeiro clipe deles vai ser gravado na próxima semana”.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Mirella Fonzar, editora do Universo Retrô

Read More
Mirella Fonzar, do Universo Retrô
Mirella Fonzar, do Universo Retrô

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, a convidada é Mirella Fonzar, editora do Universo Retrô! “PS: Todos os sons são retrô, porém atuais”, frisou ela.

Pokey Lafarge“Close The Door”

Gênero: Country Blues e Western Swing

“Conheci Pokey Lafarge por acaso, vendo o line-up de um festival que eu tinha interesse em ir nos Estados Unidos. Então, tive a oportunidade de vê-los ao vivo no Muddy Roots 2014 e confesso que viciei. Adoro essa roupagem de jazz/swing dos anos 20, com letras ácidas super contemporâneas, e uns toques de blues/hillbilly. Atualmente, a banda pertence à gravadora Third Man Records, de Jack White, e anda fazendo bastante sucesso nos EUA, mas ainda não chegou aqui no Brasil. Vale a pena conferir “Close The Door”, uma crítica super interessante sobre o sistema de saúde americano!”

Omar Romero “Have A Ball”

Gênero: Rockabilly

“Há quem chame o Omar Romero de Elvis Presley latino. Não sei se dá pra comparar, pois acredito que os dois, apesar de fazerem rockabilly, têm pegadas bem diferentes. O Omar faz parte atualmente da gravadora Wild Records, especializada em Rockabilly e Rock ‘n Roll 50’s, e como a maioria dos contratados, ele é descendente de mexicanos e vive em Los Angeles. Ele é um dos responsáveis atualmente por ressaltar a presença latina nesse gênero que nasceu com os brancos americanos, porém dando aquela apimentada que eu, particularmente, adoro. É um som mais rápido e diria até mais selvagem que o rockabilly tradicional. Dá vontade de sair dançando!”

Jai Malano“Shuck’n’Jive”

Gênero: Rhythm and Blues

“Conheci a Jai também bem por acaso. Rolou um show dela no The Orleans, aqui em São Paulo, e uns amigos meus me chamaram para ir, pois sabiam que ela faz sucesso entre o pessoal do retrô. Ela é americana, negra e tem aquela voz poderosa que te arrepia a alma e te faz querer sair pulando. Ela canta Rhythm and Blues tradicional dos anos 50 e até hoje eu não consigo entender por que tem tão pouco material disponível pra se ouvir online, tanto no youtube quanto em plataformas de streaming musical. Foi um show inesquecível; ela é uma artista que eu realmente gostaria que tivesse mais visibilidade do que tem hoje. Portanto, mundo, ouça Jai, agora!”

Lance Lipinsky & The Lovers“So Real”

Gênero: 50’s & 60’s inpired

“Sabe aquelas bandas que são amor à primeira vista? Pois foi isso que aconteceu com Lance Lipinsky & the Lovers. Eles me seguiam no Instagram e costumavam curtir minhas postagens, já que compartilhamos o amor pelo retrô. Então, resolvi stalkear a banda. O som deles é tão variado que fica difícil colocar um rótulo de gênero. Esse som, por exemplo, que escolhi abaixo – “So Real” – te transporta pra uma Era em que reinavam Elvis Presley e Roy Orbison com suas “love songs” ricas em detalhes e super trabalhadas; são vários instrumentos clássicos, como arpa e violino, backing vocals femininos maravilhosos, além do piano, voz e toda produção impecável de Lance. Vale ressaltar que ele fez o Jerry Lee Lewis no musical “Million Dollar Quartet””.

Kitty, Daisy and Lewis“I’m Coming Home”

Gênero: Música retrô de modo geral

“Tá aí a verdadeira família Dó-Ré-Mi. Os irmãos britânicos Kitty, Daisy & Lewis, que cantam e tocam instrumentos variados (muito bem, por sinal), montaram uma banda nos anos 2000 com seus pais Graeme Durham (guitarra) e Ingrid Weiss (baixo). Eles são realmente incríveis, principalmente pra quem não curte rotular a música e gosta de experimentações. Eles tocam de blues, folk e rockabilly a funk, swing, ska e soul. Mas, infelizmente, apesar da banda já ter mais de 15 anos, ainda são pouco conhecidos na América do Sul. Quem sabe se a gente divulgar mais eles não venham se apresentar no Brasil? #Sonho!”

Bônus

Nick Curran “Kill My Baby”

Gênero: Rock ‘n Roll e Rhythm and Blues

“Como eu não ser brincar de ser concisa, tive que trazer a cereja do bolo pra finalizar: Nick Curran. Infelizmente ele faleceu em 2012 (super jovem), mas deixou uma obra incrível pra quem curte Rock ‘n Roll. Ao ouvir pela primeira vez, parece que você volta nos tempos áureos de Little Richard e os poderosos vocais de Rhythm and Blues (apesar de ser branco), mas com um som forte e moderno que não deixaria uma pista de dança parada nunca. Se você curte a garageira do Sonics e sons dos anos 40 e 50, com certeza vai amar Nick Curran”.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Vina, do Huey e Sounds Like Us

Read More
Vina, do Sounds Like Us
Vina, do Sounds Like Us e da banda Huey

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje o convidado é Vina, do blog Sounds Like Us e também da banda Huey.

TRAITRS“Youth Cults”

“Pós punk dos bons vindo do Canadá, cheio de camadas e aquele flerte climático com a pura nata do que nos anos 80 a gente chamava de gótico. Eu e a Amanda gostamos muito da banda e colocamos eles no Sounds Like Us em um especial sobre o “novo” pós punk. O primeiro disco do Traitrs, “Rites and Rituals”, foi pra mim, junto com “Rheia”, do Oathbreaker, um dos melhores discos de 2016. Dentro dele a intensa e empolgante “Youth Cults” foi também uma das grandes músicas daquele ano”.

G.L.O.S.S.“Trans Day of Revenge”

“Músicas curtas, raivosas e de uma honestidade contagiante. Contagiante porque são letras cantadas por quem realmente sentiu na pele o que expurga pela garganta. O G.L.O.S.S., ou Girls Living Outside Society’s Shit, vem de Washington e no ano passado eles lançaram “Trans Day of Revenge”, um EP calcado em um punk/hardcore atuante na defesa das causas trans-feministas. O EP traz cinco músicas em pouco mais de sete minutos de pura objetividade, violência sonora e de um discurso importantíssimo hoje e sempre”.

Mannveira“Von Er Eitur”

“Black metal vindo da Islândia, terra que de uns anos pra cá vem revelando ótimas bandas. Como boa parte dos nomes mais recentes, o Mannveira bebe um pouco na fonte do black metal francês edificado por bandas como Deathspell Omega e Blut Aus Nord. Mas é raso prender a banda somente a essas referências. A música que eles oferecem é um pouco mais fria, rústica e sem os contratempos dos franceses. Até hoje o Mannveira só gravou um EP, “Von Er Eitur”, e um split, mas no ano passado soltaram uma música inédita muito boa. É com certeza uma das bandas que eu mais tenho escutado nos últimos tempos”.

The Pessimists“O Plano”

“Quando eu ouvi a primeira vez foi “porra, isso é legal pra c*#@!”. Pegou em cheio. Logo de cara a Amanda já disse que em algumas partes lembravam um pouco a força do vocal da Kathleen Hanna. O The Pessimists é uma banda de São Paulo formada pelo Sesper (Garage Fuzz/ACruz Sesper Trio), Mila (Futuro) e a Nathalia (Rakta). “Six Songs” é o nome do EP que saiu em 2016 e traz faixas curtas, fortes, diretas e com aquela entonação convocatória misturados a melodias simples, muito bem encaixadas e empolgantes. Garage punk com uma boa dose de pós punk. O resultado é um disco visceral e com muita identidade”.

Julien Baker“Rejoice”

“Ela recentemente assinou com a Matador Records, então não é algo tão novo, mas ainda assim vale muito compartilhar. Conheci a Julien Baker em 2015 e quando escutei o primeiro disco dela, “Sprained Ankle”, achei impressionante. Foi daqueles casos em que eu e Amanda piramos tanto que veio uma necessidade gigante de escrevermos e registrar no Sounds Like Us aquilo que a gente estava ouvindo. É um disco simples. É Julien em seus 20 anos recém completados, sua guitarra, violão e entrega, muita entrega. Tudo em um clima de emoção intensa em que ela divide suas letras confessionais com o ouvinte. “Rejoice” é uma música linda”.

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Wagner Creoruska, d’O Bardo e o Banjo

Read More
Wagner Creoruska, d'O Bardo e o Banjo
Wagner Creoruska, d'O Bardo e o Banjo

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje, o convidado é Wagner Creoruska, também conhecido como Bardo, d’O Bardo e o Banjo!

Hayseed Dixie“Tolerance”
“Como grande apreciador de bluegrass eu não poderia começar de outra forma. Essa é uma própria de uma banda que ficou muito conhecida fazendo covers, o Hayseed Dixie, além de ser minha primeira referência de bluegrass quando comecei a conhecer esse estilo. Foi essa banda que me fez querer comprar um banjo e hoje o Bardo e o Banjo existir. Sobre ‘Tolerance’, é minha música preferida deles, meu clipe preferido também, e um som que nunca pode faltar nas minhas playlists”.

Seasick Steve“Summertime Boy”
“Esse é um som novo de um cara que tem muita história pra contar antes da sua carreira despontar. Seasick Steve têm um pouco de tudo que eu gosto, blues, folk, instrumentos estranhos, rock, espirito do pantano norte-americano. Essa é uma das músicas dele que mais fez sucesso. Enfim, vale o play, vale por na playlist pra pegar a estrada, vale curtir”.

New Riders of the Purple Sage“Panama Red”
“Essa é uma indicação que vale por duas. A música é de uma das bandas mais legais dos anos 70, que misturava rock e country muito bem, o New Riders of the Purple Sage. A banda tinha uma formação incrível com guitar steel, ótimos guitarristas e músicas legais pra caramba. “Panama Red” depois foi regravada pelo Old & in The Way, uma das melhores bandas de bluegrass de todos os tempos (na minha opinião, claro), banda que tinha Jerry Garcia, guitarrista do Grateful Dead, tocando banjo”.

The Flying Burrito Brothers“Six Days On The Road”
“Essa música, gravada nesse programa ao vivo, é FODA! Existe versão de estúdio dela mas essa é a melhor. Ouço ela sempre que vou pegar a estrada. Outra banda que mistura rock e country, de uma forma bem legal, também dos anos 70”.

Wild Cherry“Play That Funky Music”
“Fugindo um pouco do folk/bluegrass esse é um som da década de 70 que foi sucesso nas pistas de dança, na época e até nos dias de hoje. Na verdade é um dos sons mais divertidos pra botar a galera pra dançar, na minha opinião claro. Foi um dos poucos hits do Wild Cherry que lançou apenas 4 discos entre 1976 e 1979 quando a banda acabou”.