A lista atualizada de lugares de São Paulo onde sempre tem uma banda independente tocando

Read More
Letty and the Goos no Bar da Avareza

“Ah, mas não tem lugar pra banda independente se apresentar em São Paulo”. Você já deve ter ouvido isso e também ouvido que “a cena tá morrendo” por esse motivo.

As duas afirmações estão incorretas: São Paulo está cheia de locais onde sempre tem uma banda autoral se apresentando, mesmo que às vezes precise dividir a noite com alguma banda cover (afinal, a casa precisa de grana, e infelizmente muita gente prefere dar seu suado dinheirinho pra cover, fazer o quê). Fiz uma pequena lista de casas, estúdios e lugares que atualmente abrigam a borbulhante cena autoral independente do país. Fique de olho na agenda desses locais e compareça aos shows!

(Aliás, a tal cena só morre se você ficar só reclamando dela ao invés de se levantar e aparecer para fortalecer essas apresentações. Estamos combinados?)

Associação Cultural Cecília
Rua Vitorino Carmilo, 449 – Santa Cecília

Paula Cavalciuk

Paula Cavalciuk no Cecília

A Cecília é uma casa que exala cultura pelas paredes. O espaço oferece quase diariamente shows dos mais variados estilos, sempre com muita proximidade entre público e artista. A Associação Cultural Cecília também realiza seus tradicionais festivais de rua e outros projetos com música e artes.

Morfeus Club
Rua Ana Cintra, 110 – Santa CecíliaAletrix

Aletrix no palco do Morfeus

Rap, hip hop, metal, punk, reggae e dub são alguns dos estilos que você encontra ao adentrar o Morfeus Club, do lado do metrô Santa Cecília. Sempre tem algum show rolando e vale a pena dar uma olhada na decoração da casa, toda feita com materiais encontrados em caçambas e jogados pela rua.

Secretinho
Rua Inácio Pereira da Rocha, 25 – Pinheiros

O Secretinho tem aquele ar de casa, mas recebe frequentemente belos shows de bandas independentes, além de muito rap e hip hop. É pequenininho, mas tem um quintal atrás para você dar uma espairecida.

Baderna
Rua Oscar Freire, 2529 – Jardins

Localizado em frente ao metrô Sumaré, o bar de atmosfera simples e caseira recebe com muita simpatia bandas e projetos musicais diversos além de oferecer culinária vegetariana e um jardim espaçoso nos fundos.

Centro Cultural Zapata
R. Riachuelo, 328 – Sé

Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos no Centro Cultural Zapata

O Centro Cultural Zapata é dedicado à diversidade artística e à cultura underground e além de artes plásticas abriga shows de bandas de todos estilos – do punk ao indie, do grindcore ao eletrônico. Fica próximo ao terminal Bandeira e à estação Anhangabaú do metrô.

Trackers
R. Dom José de Barros, 337 – República

Jorginho Amorim e a Tribo no Trackers

Jazz, rock, punk, soul, discotecagem, sound system, reggae… Tudo isso cabe na Trackers, casa que fica em um prédio bem próximo à Galeria do Rock e sempre tem uma festa em seus diversos ambientes. Tão plural quanto a casa é sua programação. Fique de olho, que sempre tem algum evento que pode te interessar.

 

Sensorial Discos
R. Augusta, 2389 – Jardins

A Sensorial Discos reúne loja de discos, bar e espaço para shows, além de reunir uma galera que curte música pra bater um papo sobre o assunto. Também rolam lançamentos de livros, discotecagens e muito mais por lá. Escolha sua cerveja artesanal e curta o show.

Hotel Bar
R. Matias Aíres, 78 – Consolação

TEST no Hotel Bar

Pequenininho, mas cheio de personalidade. Na badalada região baixa da Rua Augusta, o Hotel Bar sempre tá com um show bacana pra você conferir, mesmo que seja ouvindo do lado de fora tomando umas.

Casa do Mancha
R. Felipe de Alcaçova, 89 – Pinheiros

Acruz Sesper Trio na Casa do Mancha

Uma das casas mais requisitadas da cena independente, a Casa do Mancha começou  em 2007 com um pequeno estúdio na sala da casa onde de fato morava o músico e produtor Mancha Leonel. De lá pra cá se tornou o lar de shows de todos os tipos de som, sempre com um público fiel.

FFFront!
R. Purpurina, 199 – Sumarezinho

Clemente e a Fantástica Banda Sem Nome no Fffront

Acho que a própria página do FFFront explica bem: “É um espaço criado entre amigos para ser dividido com diversão, conversas e momentos de ode ao ócio, sem culpa”. Frequentar, divulgar, trazer amigos e se sentir bem é o que a casa prega. Ah, e tem shows fodaços, vira e mexe.

Espaço Zé Presidente
Rua Cardeal Arcoverde, 1545

Rael no Zé Presidente

O Zé Presidente fica na Vila Madalena e além de diversos shows, costuma receber festas dos mais variados gêneros. É uma casa, com estrutura de casa, mas um belo local com palco para as apresentações.

Centro Cultural Rio Verde
R. Belmiro Braga, 119 – Vila Madalena

Gigantesco, o Centro Cultural Rio Verde abriga shows de bandas grandes? Sim. Bandas pequenas? Sim. Bandas de rap? Sim. Eventos? Sim. Festivais? Também. Ou seja: fique de olho, alguma coisa bacana provavelmente terá por lá quando você visitar.

Augusta 339
R. Augusta, 339 – Consolação

Um dos poucos sobreviventes que continua investindo em shows na outrora selva de apresentações noturnas Rua Augusta, o Augusta 339 tem feito cada vez mais eventos com bandas independentes e autorais dos mais diversos estilos. Quer um exemplo? Tem show de hardcore lá… E também de lançamento do Pe Lanza, ex-Restart. Quer mais democrático que isso?

Estúdio Aurora
Rua João Moura, 503 – Pinheiros

In Venus no Estúdio Aurora

Você já deve ter visto os eventos do Estúdio Aurora Ao Vivo. O estúdio sempre recebe bandas para shows intimistas mas cheios de fúria e vigor com um som incrível. Vale a pena ficar de olho.

Breve
R. Clélia, 470 – Barra Funda

gorduratrans no Breve

O ex-Neu virou Breve, mudou de lugar… Mas a abertura para bandas autorais em shows incríveis continua, até com mais força que antes. O Breve virou um dos lugares mais procurados quando se fala em música autoral hoje em dia.

Estúdio Lâmina
 Av. São João, 108 – 41 – Centro

Mescalines no Estúdio Lâmina

O Estúdio Lâmina fica no quarto andar de um prédio construído na década de 40, no centro histórico de São Paulo. É um Espaço de Cultura Independente que busca divulgar novos artistas da cena, então além de shows você pode encontrar artes visuais, dança, circo contemporâneo, cinema, poesia e mais.

Espaço Disjuntor
R. da Mooca, 1747 – Mooca

Gustavo da Lua no Disjuntor

Localizado na Mooca, o Disjuntor também reúne todas as expressões artísticas, com artes plásticas, danças, performance, e, claro, música de todos os estilos.

Casa Matahari Mariposa
R. Silva Bueno, 729 – Ipiranga


“Aberta para reunir pessoas que apreciam boa musica, arte e cultura num raro ambiente realmente alternativo”, segundo a página. Shows de jazz, samba, soul e muito mais.

Underground Club
Av Santos Dumont, 626 – Luz

Perto do metrô Armênia, o Underground Club foi criado com inspiração nos bares e clubes europeus que apresentam bandas independentes.

Feeling Music Bar
R. Domingos de Morais, 1739 – Vila Mariana

O Feeling aposta no rock e vira e mexe tem uma banda independente por lá, além de festivais, concursos e festas. Ah, e como toda casa de música que se preze, um belo bar. Porque música sem uma cervejinha é algo que não rola!

Jai Club
Rua Vergueiro, 2676 – Vila Mariana

Show de banda independente, show de banda grande, balada, festa temática, lançamento de livro… Tudo isso você encontra no Jai Club, perto do metrô Ana Rosa e uma casa muito bonita, com uma decoração bem bacana (e um fliperama com Street Fighter!)

Bar da Avareza
R. Augusta, 591 – Consolação

Papisa no Bar da Avareza

O Crush em Hi-Fi em parceria com os blogs Hits Perdidos, Cansei do Mainstream e RockALT faz mensalmente o projeto Contramão Gig no Bar da Avareza, na Rua Augusta, sempre com bandas autorais em shows ao vivo. Ah, e a casa agora começou a investir em mais shows autorais também!

Sentiu falta de alguma casa que abriga shows autorais? Tem alguma sugestão? Manda aqui nos comentários que eu atualizo o post!

25 discos brasileiros sensacionais que infelizmente ainda não estão no Spotify

Read More

O Crush em Hi-Fi é um dos Embaixadores Spotify e a gente adora encher nosso perfil por lá de playlists de tudo que é jeito. Mas, infelizmente, muitas bandas, artistas e selos ainda não se renderam ao mundo do streaming e não subiram suas obras nos mais diversos serviços que existem por aí. Uma pena, ainda mais pra nós, que adoramos criar playlists. Pois bem: resolvemos criar uma lista de 25 (e olha que poderiam ser muitos mais!) discos muito bons que deveriam (e precisam) estar nos serviços de streaming mas por enquanto ainda não podem ser encontrados por lá. Bandas e artistas citados nesse post, se puderem, resolvam isso, seus fãs clamam!

1 – Cordel do Fogo Encantado – “Cordel do Fogo Encantado” (2001)
Houve uma época em 2001 em que os shows do Cordel do Fogo Encantado era uma verdadeira febre entre a juventude que pirava no manguebit e nas misturas de estilos. A doideira de Lirinha e o show frenético eram lotados e todo mundo queria ir. Pois é, quem tem saudade dessa época ainda não tem nas plataformas de streaming os discos de 2001, auto-intitulado, nem “O Palhaço do Circo Sem Futuro”, de 2002, ou “Morte e Vida Stanley”, seu último trabalho. Quem se habilita a subir lá?

2 – Thee Butchers’ Orchestra“Golden Hits By Thee Butchers’ Orchestra” (2003)
Lançado pela Thirteen Records, o disco alavancou o trio Thee Butchers’ Orchestra às posições mais altas da música independente de São Paulo na época. Os shows não deixavam ninguém ileso: uma porrada sonora inigualável com o mais puro barulho.

3 – Retrofoguetes“Ativer Retrofoguetes!” (2003)
O Retrofoguetes surgiu após o fim dos geniais Dead Billies, e o disco de estreia do grupo foi esse, cheio de surf music de qualidade lançado pela Monstro Discos.

4 – Soutien Xiita“Cantando pra Subir” (1999)
Em 1999 a Tamborete lançava o disco do Soutien Xiita, uma porrada violenta e gritada com aquela cara de anos 90 que só as bandas dos anos 90 possuem mesmo. Letras em inglês e aquela tosquice proposital deliciosa.

5 – Graforreia Xilarmônica“Coisa de Louco II” (1995)
Não dá pra entender como os discos de uma banda tão icônica quanto a Graforreia Xilarmônica ainda não estão disponíveis nos serviços de streaming. Não faz sentido os usuários não terem acesso a músicas como “Bagaceiro Chinelão”, “Minha Picardia” e o clássico dos clássicos do Sul “Amigo Punk”.

6 – Os Cascavelletes“Os Cascavelletes” (1989)
Outra ausência gaúcha sentida quando a gente vai usar o Spotify são os seminais Cascavelletes e suas letras cheias de malandragem fuderenga e o velho duplo sentido. O primeiro disco da banda tem sons inesquecíveis como “Morte Por Tesão”, “Menstruada” e “Ugagogobabagô”.

7 – Killing Chainsaw“Killing Chainsaw” (1992)
O rock alternativo brasileiros dos anos 90 tem entre seus grandes clássicos indiscutíveis o disco de estreia do Killing Chainsaw, de Piracicaba, com uma linda capa do filme “Akira”. Essa banda merece ser ouvida, compartilhada, conhecida, reconhecida, espalhada, adorada.

8 – Ack“Play” (1998)
O Ack lançou “Play” no final dos anos 90, um disco recheado de punk rock com ótimas melodias. O álbum conta com o quase hit “Michael J. Fox” e participações de BNegão e Henrike, do Blind Pigs.

9 – Walverdes“90°” (2000)
Num momento em que o rock em português se reerguia, o Walverdes mandou um discaço em “90°” com muita fúria e ajudou a levantar mais a cena gaúcha da época.

10 – Arthur Franquini“When Loneliness Fucks You Up” (2004)
Arthur Franquini era muito mais do que o primeiro baterista dos Forgotten Boys: era um baita compositor, como o disco “When Loneliness Fucks You Up” pode contestar. Saudades, Arthur.

11 – The Maybees“The Maybees” (1998)
O Maybees é a banda que depois veio a se tornar o Ludov. Na época de Maybees o som era mais calcado no guitar noventista com letras em inglês em músicas que não fariam feio em selos incensados americanos.

12 – Stratopumas“Singles” (2006)
Eu lembro bastante de ver o Stratopumas em um dos comerciais que mostrava bandas independentes lá na Mtv. No comercial, eles eram os que melhor emulavam coisas como The Strokes. No disco “Singles” dá pra ver que eram muito mais que isso, mas que sabiam, sim, usar o garage rock revival a seu favor.

13 – Faichecleres“Indecente, Imoral e Sem Vergonha” (2004)
O trio gaúcho, junto com Cachorro Grande, era habituée das casas de show da Rua Augusta no meio dos anos 2000, além de estarem em alta rotação nos circuitos do rock independente. Hoje andam meio sumidos, mas músicas como “Aninha Sem Tesão” e “Ela Só Quer Me Ter” lembram bastante os bons tempos do rock do Sul nos anos 80.

14 – Arrigo Barnabé“Clara Crocodilo” (1980)
COMO ASSIM um dos maiores discos da Vanguarda Paulistana não está disponível nos serviços de streaming? Isso é praticamente um sacrilégio musical. Além desse, álbuns como “Gigante Negão” e tantos outros merecem ser colocados por lá.

15 – Premeditando o Breque“Premeditando o Breque” (1981)
Falando em Vanguarda Paulistana, e esta pérola do bom humor musical? É difícil saber que não temos lindas pérolas musicais como “Brigando Na Lua”, a deliciosa e indigesta “Feijoada Total” e “Fim de Semana” pra ouvir em nossos streaming e colocar em nossas playlists…

16 – Walter Franco“Revolver” (1975)
Esse disco de 1975 é um absoluto clássico da música brasileira e conta com uma de minhas músicas preferidas de todos os tempos do rock nacional, “Feito Gente”, som que foi emulado meio sem querer muitos anos depois pelos Arctic Monkeys em “Do I Wanna Know”. Pois é, visionário o Walter Franco.

17 – Os Lobos“Miragem” (1971)
Descobri esse discaço por acaso! Formado por Dalto e Cristina (voz), Ronaldo (guitarra), Cássio (guitarra), Fábio (teclados), Francisco (baixo) e Cláudio (bateria) no início da década de 1970, Os Lobos faziam um delicioso rock psicodélico nos moldes dos Mutantes!

18 – Sonic Disruptor“Poppers” (1996)
O filho único de uma das grandes bandas de guitar brasileiras saiu em 1996 e é um dos melhores exemplares de shoegaze brasileiro feito com perfeição, com sons como “Plastic Sunny Car”, “Angel Wheels” e “Sweet Cool (Acid Test)”. O disco foi produzido pelo querido Kid Vinil.

19 – Muzzarelas“Maledetos” (2005)
Em 2005, a maior banda de punk rock queijeiro e cervejista da região metropolitana de Campinas resolveu que era a hora de lançar um disco de covers. Mas não qualquer covers: são versões alucinadas de grandes bandas do underground como Línguachula, Acmme, Happy Cow, Tube Screamers e diversas outras (que também mereciam estar nos serviços de streaming, aliás).

20 – Linguachula“Linguachula” (1995)
Já que falamos na banda no disco dos Muzzarelas, eu repito: cadê o Linguachula no Spotify e seus concorrentes, hein? Esse disco de 1995 é incrível!

21 – RAPadura  – “Fita Embolada do Engenho” (2010)
Chico Science ficaria orgulhoso em ver esse rap autenticamente nordestino misturando ritmos e trazendo um rap com embolada, coco e muito mais. Infelizmente, nada do cearense RAPadura (ou RAPadura Xique Chico) está no Spotify. Merece seu espaço, porque é sensacional.

22 – Peter Perfeito“Funk Rock Nervoso” (1995)
O terceiro disco da banda que contava com ninguém menos que Tom Capone como guitarrista tem hardcore, tem ska, tem aquela cara incrível de anos 90 e tem que ser disponibilizado nas redes de streaming o mais rápido possível.

23 – Squaws“O Jogo Vai Virar” (1998)
O Squaws era a “próxima banda a estourar” que nunca estourou. Na época, era indicada por várias revistas e críticos musicais como uma banda que misturava rock e rap e que entraria na lista de sucessos como Planet Hemp e Raimundos. Pois é, não rolou, mas ficou o disco “O Jogo Vai Virar”, que ainda não está no Spotify. Cadê?

24 – Mestre Ambrósio“Mestre Ambrósio” (1996)
Em 1996 o manguebit começava a ganhar o Brasil e o disco do Mestre Ambrósio é uma das melhores obras que misturava tudo que tinha de ritmos brasileiros como forró, embolada e maracatu com rock e saía com um trabalho inesquecível. Passava bastante na Mtv Brasil (que saudades, meu Deus) e “Se Zé Limeira Sambasse Maracatu” chegou a ser um hit menor da época.

25 – Virna Lisi“O Que Diriam Os Vizinhos?” (1996)
Falando em Mtv Brasil dos anos 90, lembra de como passava o clipe de “Eu Quero Essa Mulher”, que chegou a ser indicado ao VMB? Se você era da época, com certeza lembra do Virna Lisi. Baita banda. Cadê esse disco lá nos streaming, pessoal? Cadê?

Tamanho não é documento: cantarolando 10 músicas curtinhas

Read More

Esta semana estava relembrando esse disco que já dá para ser considerado um clássico independente brasileiro, o “Noisecoregroovecocoinvenenado(2006) da banda paraibana Zefirina Bomba, e reparei que a maioria das músicas têm menos de 2 minutos. Aliás, boa parte delas nem chega a 1 minuto. Pauleiras na medida certa, direto ao ponto e que deixam um aftertaste de satisfação. Tipo um bocado caprichado ou um Yakult.

Resultado de imagem para zefirina bomba noisecore

Algumas músicas curtas, apesar de deixarem aquele gostinho de quero-mais, são tão redondinhas que nos dão a sensação de que se fossem maiores, estragaria. É sobre este sentimento que trata a coluna de hoje, que, em vez de gastar as tintas com uma canção só, vai homenagear 10 faixas curtíssimas para cantarolar o dia inteiro sem enjoar.

A primeira delas é a hipnótica “O Que é que tem pra tu ver na TV”, do Zefirina Bomba. No mundo do hardcore, não é incomum as canções serem curtas, diretas intensas e imediatas. Essa do Zefirina se destaca porque passa uma ideia tão simples quanto sincera, a letra é “O que é que tem pra tu ver na TV? Comercial.” – não precisa dizer mais nada. Mas principalmente, a bateria foge daquela batida reta típica de HC para dar um peso estilo Dave Grohl arretado – alias, Guga é um dos melhores bateristas que já vi ao vivo. O resultado, depois que a música termina é um grande “minha nossa”.

Ainda no mundo do punk/hardcore, a canção “Wasted”, do Black Flag é uma expressiva e suficiente canção de 51 segundos sobre um cara que fez muitas merdas enquanto estava bêbado. Considerando outras canções do BF, como a “Drinking and Driving”, talvez a letra na verdade esteja zombando desse moleque que faz um monte de merda para parecer “cool”, em vez de estar enaltecendo suas realizações. Mas também pode ser uma letra absolutamente literal, o que não a deixa menos interessante e franca. Aliás, o EP de estréia do Black Flag, Nervous Breakdown (1979) em que está a Wasted, é um ótimo exemplo de concisão e suficiência, já que só tem 5 minutos de duração.

Na lista também tem Beatles, com a singela hidden track de 23 segundos no disco Abbey Road” (1969), intitulada “Her Majesty”. É uma mini-canção satírica sobre a rainha Elizabeth II escrita pelo Paul McCartney. Essa faixa era para ficar entre a “Mean Mr. Mustard” e a Polythene Pam” – aliás, duas canções curtinhas de pouco mais de 1 minuto, que muito bem poderiam fazer parte desta lista também. Mas o Sir Paul não achou que combinou, e pediu que a cançãozinha fosse destruída. Porém, a gravadora EMI tinha uma política de não destruir nada que fosse gravado pelos Beatles, então a pequena “Her Majesty” foi inserida no disco após um trecho de silêncio depois da última faixa, sem ser listada na tracklist, tornando-se a primeira hidden track da história. Os Beatles inventando moda (meio sem querer), pra variar.

A próxima faixa é uma verdadeira obra-prima de 1:55 minutos. “Renaissance Fair” (1967), do Byrds. Essa canção é aparentemente simples, mas na verdade é cheia de detalhes nos lugares certos. Ela fala de uma feira renascentista – provavelmente em um sonho – com várias cores, música, aromas de especiarias e pessoas com flores no cabelo. Esse cenário descrito na canção é embalado pelas impecáveis harmonias vocais, e um mix de guitarras com um saxophone, que dão um climão e te levam pro sonho junto com eles. Essa dá pra ouvir em loop.

Mantendo o clima ‘renascentista’ da lista, outra pérola de 1:23 minutos é a “Cheap Day Return” do Jethro Tull. A canção acústica, assim como várias do “Aqualung” (1970), tem uma influência forte dos violões do Bert Jansch e Roy Harper, ou seja, folkão britânico de primeira, trazendo essa vibe medieval perfeito para as flautas do Ian Anderson e seu vocal com muita expressão.

Ainda nos folkões britânicos, não poderia faltar uma do Incredible String Band, a “Son of Noah’s Brother” (1968). Possivelmente uma referência bíblica, a letra da canção mais curta desta lista é a frase “Many were the lifetimes of the Son of Noah’s brother/
See his coat the ragged riches of the soul [muitas foram as vidas do filho do irmão de Noé/ veja seu casaco, as riquezas esfarrapadas da alma]”. A linguagem solene contrasta com a simplicidade da canção, mas a letra é uma frase tão completa que já se faz suficiente pra sustentar e dar força para a faixa, tanto que é uma cançãozinha muito querida do disco “Wee Tam and The Big Huge”.

Em uma vibe parecida está a “El Rey” (1973), do Secos e Molhados. É outro caso, assim como a do Incredible String Band, em que a concisão da música faz você pensar mais ainda no que ela significa. Nessa dos Secos e Molhados, é pintada uma cena de um rei, ou alguém com muito poder, passando diante do observador. A letra é repleta de símbolos e imagens concretas, como uma poesia barroca dessacralizada, como os modernistas faziam. Logo de cara, ele joga a decadência do poder para nós com a imagem do “rei andar de quatro”, causando um choque inicial que em seguida é quebrada com o “quatro caras diferentes”, que pode significar algo como as máscaras do poder. Sem contar nas imagens das celas cheias de gente, e das velas, representando as mortes causadas pelo monarca. Isso ainda num contexto da ditadura militar… Essa música dá para viajar muito, merece um post só pra ela. Brilhante.

A próxima música é do meu maldito favorito, Walter Franco. A faixa “Água e Sal” está no disco “Ou Não” (1973). Eu sempre involuntariamente cantarolo esta música enquanto tomo bando de sal para neutralizer as energias – às vezes precisa, recomendo muito. Mesmo sem querer, muitas músicas do Walter Franco têm meio que uma função de mantra, e essa é uma delas.

Eu já fiz um post aqui nesta coluna sobre a representante Britpop dessa lista [veja aqui], a “Far Out” do Blur. Ela tem a versão extendida, mas eu não consigo me acostumar com ela maior do que os 1:40 min que estão no disco “Parklife” (1994) . É a essência do Syd Barrett suficientemente capturada pra deixar qualquer um satisfeito depois de ouvir.

Para fechar, “Horn” do Nick Drake. Que coisa mais linda, gente. Essa faixa instrumental, lenta, violão simples mas muito característico do estilo de Nick Drake. Apenas ouçam.

Playlist:

5 programas do underground que apoiam a cena do rock e metal independente

Read More

Hoje venho destacar e mostrar como a mídia independente vem crescendo cada vez mais, merecendo sua atenção e talvez, sua indicação para amigos e bandas que procuram subir na cena underground. Com estes programas jamais poderemos falar que o Rock N’ Roll morreu pois você sempre estará atualizado nas novidades de qualidade! Então leia agora 5 programas no formato rádio ou vídeo.

1- Heavy Metal Onlinehttps://www.facebook.com/heavymetalonline.br/

Começo destacando o programa que eu acompanho a mais tempo e que dedica 100% de seu conteúdo a bandas de peso do nosso país. Clinger Carlos Teixeira comanda este belo programa que está completando 5 anos de atividade e que vêm levantando uma mescla especial entre documentários realistas sobre nosso cenário e edições de programas com quadros dedicados a cena de peso. O programa já esteve no grande festival alemão Wacken Open Air e tem todo o suporte para você indicar sua banda e aparecer na telinha de peso do You Tube.

2- A Hora do Canibalhttps://www.facebook.com/groups/HoraDoCanibal

9 anos de programa, mais de 300 edições abraçando o underground. Ivan Gomes faz a graça desta super comunicação distribuindo só o fino do underground. O interessante é que ele mescla o rock com edições especiais, agregando bandas de todo o mundo. Aqui o rock underground tem seu espaço e muito bem recepcionado. Passei recentemente a escutar o programa e a cada edição se torna tudo muito especial pois podemos sentir sua dedicação e conhecimento desta cultura. O programa vai ao ar a meia noite, toda a segunda-feira pela Mutante Rádio, hora especial de executar um ritual do canibal vegetariano.

https://www.podomatic.com/podcasts/ahoradocanibal

3- Arte Extremahttps://www.facebook.com/programaarteextrema

Dois fãs do som extremo, cada um com seu blog, se reúnem para detonar e mostrar o melhor do underground nacional em um programa de vídeo. O mais bacana disso tudo, é que o programa está voltando com uma nova temporada, mas seguindo na sua característica de programa cru e pesado.

4- Rock Masterhttps://www.facebook.com/rockmasterbh666/

Um dos programas mais completos em estrutura na minha opinião, o Rock Master é comandado por Daniel Seabra e grandes amigos que entendem do gênero. De Minas Gerais o programa tem belo espaço que sempre apoia as bandas nacionais e conta com várias emissoras que distribuem o programa por todo o Brasil. Contam inclusive com um site onde você faz seu pedido ou indica sua banda. Você confere novas edições toda terça-feira e quinta-feira.

5 – Metal Etílicohttps://www.facebook.com/metaletilico

Não poderia deixar de citar o meu filho. Há dois anos venho numa diversão espalhando o underground mesclado ao mainstream com edições no rádio e em vídeo. São mais de 10 emissoras e em 2018 chegamos a 3 anos de atividade com fortes novidades. O programa é dominical tendo seu início ás 21h e se extende pelas demais emissoras.

Tenho muito a agradecer a galera que movimenta esta cena e apoia um ao outro, isso torna esta matéria especial. Citei aqui um pouco, pois tenho conhecimento de muitos outros programas e comunicadores que se divertem e espalham a boa música!

5 músicas de Gilberto Gil que você provavelmente não conhece

Read More
Gilberto Gil

Gilberto Gil tem uma das obras mais extensas e diversas da música popular brasileira. Por mais que se escutem horas e horas de suas criações é quase impossível esgotá-las. No caminho muita coisa pode se perder ou pode ser esquecida. Hoje tenho cinco músicas destacadas pra dialogar um pouco sobre partes um tanto quanto inexploradas de sua obra (em teoria e no que eu sinto). Um pontapé inicial do que espero que sejam pesquisas mútuas e avanços na descoberta de novas surpresas.

1 – “Sala do Som”

A música tem duas versões até onde sei. Uma grata surpresa do álbum de raridades “Satisfação: raras e inéditas” e outra mais em tom de samba do álbum “Quanta”, de 1998. Fica a cargo de gosto pessoal escolher a melhor – fico com a de 77 que traz os ares da obra de Gil dos anos 70 – provavelmente a melhor fase de seu Gilberto.

É um exercício de imaginação interessante pensar Milton “Bituca” Nascimento entrando “sem bater, na sala do som”. A letra é um retrato de uma rotina de gravação e definição do roteiro de um show – uma metalinguagem inusitada. A melodia com ares da “trilogia Re” (“Refavela”, “Realce”, “Refazenda”) dá a tônica dessa surpresa musical.

As duas versões estão disponíveis no Spotify e no Youtube.

Gil e Milton Nascimento – 2001

2- “Máquina de Ritmo”

O álbum “Banda Larga Cordel” (2008) definitivamente traz boas surpresas, sendo o primeiro álbum de inéditas depois de “Quanta” (1997). “Banda Larga” provavelmente não traz consigo as melhores versões musicais, que provavelmente se consolidaram no DVD ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro – “Concerto de Cordas e Máquinas de Ritmo”. Uma dessas é a que dá nome ao show: “Máquina de Ritmo”. Um desejo de continuidade dos samba, um pedido pra que “não se deixe o samba morrer”, uma defesa das máquinas de ritmo, afirmando: é samba sim! Dizer que não é samba é conservadorismo besta e que traz como consequência uma morte real do samba.

Na análise faixa a faixa do disco (disponível no Youtube) isso fica claro. Gil compara às máquinas de ritmo às guitarras elétricas, alvo de passeatas e perseguição nacionalista na década de 60. A escuta das duas versões, tanto a do Banda Larga quanto a do show de 2012 vale a pena (em especial a versão ao vivo), assim como a que se faz presente no documentário Outros Bárbaros de 2002 (outra super indicação).

Tudo disponível no Spotify e no Youtube.

Análise da faixa por Gil: https://youtu.be/1C5NYywEBX4

3 – “Rep”

Entramos agora num dos álbuns mais subestimados de seu Gilberto – “O Sol de Oslo”. Gravado em 1994 e lançado em 11 de Setembro de 1998, ao lado de Marluí Miranda e Rodolfo Stroeter em Oslo, na Noruega (em maioria). Um disco que traz surpresas interessantes para o ouvinte e boas reflexões e meditações.

O Sol de Oslo – 1998

Em “Rep”, Gil traz uma inquietação que se mantém atual. O povo sabe o que quer. Mas, sempre há algo a mais. O povo também quer o que não sabe! Será que o povo sabe o que quer? Será que o povo quer o que não sabe? Será que não sabe?

Com seu rap com “e” Gil traz vários questionamentos e provocações que, principalmente em 2017, se fazem necessárias. Sempre se faz necessário debater quando se toca nos tópicos povo, ciência, fome e conhecimento. Talvez não exista nada parecido com isso na discografia do artista como um todo. Sol de Oslo traz peculiaridades que só ele carrega consigo. Desde uma gravação em país nórdico até um rap de Gilberto Gil. Nisso esse álbum é sensacional.

É uma pena que o álbum não esteja disponível no Spotify. O Youtube “mata a fome” por hora.

E por falar em “Sol de Oslo”…

4- “Kaô”

Uma saudação à Xangô. Uma viagem celestial e espiritual. Para os que crêem e para os que não crêem, a melodia e a voz penetrante de Gil acalmam o coração e a alma. Como descrito perfeitamente por Tulio Villaça, um ponto de umbanda que não é um ponto. Um mantra que não é um mantra. Uma canção que é um mantra e também um ponto de Umbanda.

O sincretismo que Gil tanto admira se faz presente com Xangô e com a mitologia nórdica, pela figura de Thor, aproveitando todo o clima de Oslo. Melodia e percussão sutis, quiçá simples, porém incríveis. O álbum como um todo merece uma escuta atenta. O calor brasileiro e o frio nórdico fazem uma interessante combinação, que, aparentemente não fez e não faz muito sucesso. Uma pena. Nunca é tarde!

Texto de Túlio Villaça: https://tuliovillaca.wordpress.com/2010/08/13/em-feitio-de-oracao/

Análise do álbum por Rodolfo Stroeter: http://www.gilbertogil.com.br/sec_disco_interno.php?id=36 (opção “textos”)

5 – “Chiquinho Azevedo”

Guardo para o final uma grata surpresa que tive com um dos melhores canais de música do Brasil, o Alta Fidelidade de Luiz Felipe Carneiro. Em homenagem ao aniversário de 75 anos de Gil, fez um “top 5”, onde, surpreendentemente colocou “Chiquinho Azevedo”, do “Quanta”. Na realidade a música não é de 1997. Como o próprio Gil relata, era uma música que estava perdida em seus arquivos. Chiquinho Azevedo, seu companheiro de banda, havia sido preso junto com Gil no famoso episódio da prisão por porte de maconha em 76. Como o próprio Gilberto relata, esta música fora um “desafeto” para mostrar que Chiquinho era um “bom rapaz” – havia salvado um menino no Recife.

“Quanta” (1997) – onde a música foi ressuscitada em estúdio 

A agonia do salvamento do menino toma aquele que escuta a música. Embora a letra seja simples, junto com a melodia, é difícil não ficar na espera por cada nova estrofe e pelo desfecho da história. A revolta com o médico anônimo é igualmente inevitável. É incrível como o tempo passa e as mesmas questões, paradigmas, impasses e conflitos morais vistas em 1977 se mantêm. Incrível e triste. O salvamento de Chiquinho poderia ter acontecido na semana passada em qualquer praia do Brasil. Com sua simplicidade que cativa é uma música fantástica e imperdível.

Disponível no Spotify e no Youtube

Vídeo do Luiz Felipe Carneiro: https://www.youtube.com/watch?v=D27yVTsFNxU

13 músicas para refutar quem diz que Ramones faz tudo sempre igual

Read More
Ramones

Se você tem amigos que não gostam de Ramones, já deve ter ouvido aquele argumento de que “as músicas deles são todas iguais”. Lógico que a pessoa tem todo o direito de não gostar do quarteto novaiorquino, mas se ele resolver usar essa desculpinha furada para te ofender de alguma forma, sem problemas: Use esta lista de 13 músicas para provar que sim, os Ramones depois de seus três primeiros discos foram muito mais criativos e diversificados do que se pinta por aí. Vamos lá:

“Needles and Pins”, do disco “Road To Ruin”, de 1978
Tá, essa é uma cover de uma música do The Searchers de 1963, mas pra quem diz que Ramones só faz música igual, é um tapa na cara. Uma baladinha sessentista com cara de The Ronettes pra ninguém botar defeito e Joey fazendo sua melhor imitação de crooner romântico.

“Poison Heart”, do disco “Mondo Bizarro”, de 1992
É incrível que as pessoas falem que Ramones é tudo igual quando essa música escrita pelo Dee Dee foi um hit tão estrondoso nos anos 90. Aliás, é uma das melhores músicas da banda, na minha opinião, com letra, instrumental e execução sensacionais. Linda demais.

“Pet Sematary”, do disco “Brain Drain”, de 1989
Mesmo um dos maiores hits da banda, trilha do filme “Cemitério Maldito”, é BEM diferente de “Blitzkrieg Bop” e afins. Os tecladinhos e tudo…

“Chop Suey”, do disco “Pleasant Dreams”, de 1981
Essa aqui é um bubblegum divertidíssimo que lembra algumas coisas das Go-Go’s e tem aquela pegada de festinha sessentista na praia. Olha esses backings, gente.

“Danny Says”, do disco “End Of The Century”, de 1980
Mais uma que é bem diferente do que se espera dos quatro caras de jaqueta. Uma balada singela com Joey tentando usar sua voz de forma sutil e fofinha. A produção do Phil Spector deve ter a ver com o resultado.

“No Go”, do disco “Too Tough To Die”, de 1984
Dançante e calcado no rock dos anos 50, foge bastante do que se ouve normalmente quando se fala em Ramones.

– “I Won’t Let It Happen”, do disco “Mondo Bizarro”, de 1992
Tá, é mais uma balada, mas essa com mais cara de algo que o Bruce Springsteen faria em seus discos. Aliás, uma cover dessa feita pelo Boss seria incrível, hein…

“We Want The Airwaves”, do disco “Pleasant Dreams”, de 1981
Outro hit, dessa vez com riff de guitarra do Johnny e uma baita cara de rock oitentista.

“Do You Remember Rock’n’Roll Radio”, do disco “End Of The Century”, de 1980
A homenagem do quarteto ao rock dos anos 50 e 60 tem metais, tem muita inspiração do rock praiano sessentista e é uma delícia de ouvir. Sim, também tem muito do dedo do Phil Spector.

“Little Bit O’ Soul”, do disco “Subterranean Jungle”, de 1983
Essa aqui é uma das mais diferente de todas. Sério, se não fosse o vocal do Joey Ramone, eu nunca diria que essa é uma música dos Ramones.

“Strength To Endure”, do disco “Mondo Bizarro”, de 1992
Essa aqui tem vocal do CJ Ramone e é um punk noventista que poderia muito bem estar no disco de qualquer banda de punk noventista que sabe o que faz. Bem distante do punk que os Ramones faziam no começo e todo mundo fala que eles fizeram por toda a carreira…

“Go Lil’ Camaro Go”, do disco “Halfway To Sanity”, de 1987
Ramones com voz da Debbie Harry dando aquela força. E com “papa-oom-mow-mow”. Quem precisa de Camaro Amarelo quando existe essa?

“It’s Not My Place (In a 9 to 5 World)”, do disco “Pleasant Dreams”, de 1981
Igualzinha à “Blitzkrieg Bop”, né? Não, nem um pouco. Pronto, tá aí sua lista. Se alguém falar que Ramones é tudo igual, mostra isso. São 13 argumentos lindos que dão uma bela playlist, inclusive.

A trilha sonora perfeita para um Halloween sangrento

Read More

 

Chegou o natal dos trevosos e queremos comemorar! Não importa se você mora em terras tupiniquins e queira chamar de “Dia do Saci”, o importante é colocar sua fantasia, pegar um copo de vinho barato e aproveitar as festinhas com a melhor (e mais mórbida) playlist.
Conversamos com alguns amigos do underground nacional para saber o que escutariam em uma noite de Halloween. O resultado foi assustadoramente bom.

Mesmo com algumas mudanças e intervenções comerciais no decorrer do tempo, a história do Halloween desafia as festas cristãs tradicionais por ter uma origem pagã que não perde suas raízes. Manter viva uma comemoração que fala sobre a morte e exalta figuras demonizadas pela sociedade tem lá sua importância. É no ode ao bizarro e no confronto social sobre o que é considerado “aceitável” que o rock encontra o Halloween. Muitas bandas e artistas homenageiam a data, seja nas composições ou na estética “creepy”. Impossível não mencionar alguns ícones: Alice Cooper com suas apresentações chocantes que influenciaram toda uma geração, Black Sabbath que construiu o conceito da banda inspirado em contos de terror, Misfits que deu origem ao Horror Punk, Rob Zombie que até dirigiu o remake do filme Halloween e King Diamond com seu microfone feito de ossos humanos. Claro que a lista de artistas que bebem dessa fonte é muito maior e, inclusive, merecem uma matéria futuramente.

No Brasil, terra de Zé do Caixão, Mula Sem Cabeça, Toninho do Diabo, Michel Temer e Saci Pererê, temos nossas bandas terrivelmente boas. A coletânea Isto é Horror Punk Brasil reúne bandas brasileiras que falam sem misericórdia sobre cadáveres, sangue e satanás. As bandas de punk rock brazuca tem um sarcasmo único nas composições, coisa que só sabe fazer quem cresceu com medo do homem do saco, no meio da tensão da favela, com presidente vampiro sugando o povo e correndo de bandido portador de peixeira. Rir da desgraça é coisa que brasileiro faz melhor do que ninguém.


E falando em rir da morte e se divertir com a decadência, vamos às indicações de músicas para embalar o Halloween com muito sangue de groselha:

Zumbis do Espaço – “O Mal Imortal” // Amanda Magnino
Começando pela minha indicação, claro! Zumbis do Espaço é punk rock do Brasil e o clipe dessa música tem participação do grande mestre José Mojica Marins, o Zé do Caixão. Zumbis do Espaço não tem medo de chocar ninguém, fala do capeta, violência e cemitério. Por algum motivo muito bizarro, sempre que eu escuto a banda eu fico de bom humor, então, pra mim, é a trilha sonora ideal pra uma noite de celebração degenerada.

Misfits – “London Dungeon” // Alexandre Cacciatore – O Inimigo

Nekrotério – “Jason” // Joe Porto – Lava Divers
O Joe considera Nekrotério o Misfits do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. E cá pra nós, se alguém sobrevive às loucuras do cerrado, sobrevive a qualquer noite de terror.

Bauhaus “Bela Lugosi’s Dead” // Victor José – Antiprisma
“Classicão. Não vejo nenhuma outra música com apelo tão soturno a ponto de me fazer lembrar sangue, vampiro, lápide, cadáver, caixão, cemitério e noite apenas com poucos compassos de bateria. E o mais estranho é que, se você reparar bem, aquilo é uma bossa nova! Ela é tétrica por inteiro. Aquele riff repetitivo do baixo, a guitarra levemente noise e o vocal afetado dão um ar de hipnose nos quase dez minutos de duração. E mesmo esquecendo dessa coisa dark, dá pra perceber que ali tem uma noção estética absurda. Parabéns aos envolvidos. Além disso “Bela Lugosi’s Dead” é meio que pioneira nessa pegada, tanto que muita gente a considera como “a inauguração do rock gótico”, o que fez com que o Bauhaus se incomodasse um pouco (e com razão). Poxa, Bauhaus é uma banda incrível, vai muito além disso. Enfim, não dá pra pensar em fazer uma festa de Halloween sem essa.”

Carbona – “Eu Acredito em Monstros” // Andrei Martinez – Francisco, El Hombre

Alice In Chains – “Grind” // André Luis Santos “Murça” – Desventura
De acordo com meu querido amigo Murça, o clipe dessa música é o mais mórbido possível.

Itamar Assumpção – “Noite de Terror, Oh Maldição” // Moita Mattos – Porcas Borboletas
Nessa versão o Itamar mistura “Noite de Terror” do Roberto Carlos“Oh Maldição” de Arrigo e Paulo Barnabé. Obviamente a mistura ficou bem bizarra, ou seja, perfeita para uma noite sinistra.

Ministry – “Everyday Is Halloween” / Rafael Lamin – Enema Noise
Não precisa nem falar nada, né?

O Lendário Chucrobillyman – “Macumba For You” // Mauro Fontoura – Muñoz

Sopor Aeternus – “A Strange Thing To Say” // Vitor Marsula – Molodoys
“A escolha já começa com a própria artista, que é, basicamente, uma pessoa que ninguém tem certeza de onde vem, o que é e como é e, pela banda de apoio, que é alegadamente uma hoste de espíritos que ajudam Anna Varney Catandea, a única integrante viva da banda a compor, e do fato da banda só performar para a alma dos mortos. Juntando à temática da música, que é a relação do personagem com o seu único amigo, um assassino da mais alta qualidade e a ponderação e até felicidade em pensar que o mesmo poderia ser quem tiraria sua vida num futuro, tornam ela, para mim, uma ótima música para essa época. Isso sem contar a música em si, que tem uma pegada que vai desde a música barroca até uma sonoridade bem agressiva de forma linda e que te cativa muito. E o clipe da música merece uma atenção também por ser bem creepy e reconfortante, como é essa época do ano.”

The Cramps – “Bikini Girls With Machine Guns” // Marco Paulo Henriques – Uganga
Não podia faltar The Cramps nessa lista, obrigada Marco Paulo!

John Carpenter

– “Escape From New York” // Gabriel Muchon – Poltergat
“Não tem como não falar de John Carpenter quando o assunto é Halloween e música. O cara não só escreveu e dirigiu o primeiro filme da lendária franquia de Michael Myers, mas também criou e produziu a icônica trilha sonora. Recentemente ele lançou um disco “Anthology: Movie Themes 1974-1998″ e conta com vários clássicos, como o “Escape from New York’.”

Drákula – “Cidade Assassina” // Gordon Rise – Light Strucks
Mais uma do horror punk nacional pra nossa lista.

Soundgarden – “Beyond The Wheel” // Lúcia Vulcano – Pata
‘Beyond the Wheel’ é a quarta música do ‘Ultramega Ok’
do Soundgarden e fica entre as músicas 665 e 667. Ou seja… A sonoridade remete a um clima tenso, com um andamento lento e riff bem pesado. A letra fala de uma dinâmica familiar patriarcal, baseada em guerra e lucro. Bem, não há coisa entre o céu e a terra mais assustadora do que isso, certo?”

Marilyn Manson – “The KKK Took My Baby Away” / Amanda Ramalho – Chá das 4 e 20 Músicas / Jovem Pan FM
“Eu ganhei um tributo aos Ramones de uma amiga gótica na minha adolescência, cheia de bandas famosas fazendo versões dos caras, mas essa sempre me impressionou mais. O clima é totalmente macabro. Quando eu penso nessa musica eu canto na versão do Manson, não na dos Ramones. Pra mim ela faz muito mais sentido com ele.”

The Gothic Archies – “Smile! No One Cares How You Feel” // Pedro Serapicos – Serapicos
Stephen Merritt é um dos meus cantores preferidos e um compositor absurdamente prolífico, lúdico e diverso. Mais conhecido por seu trabalho com o The Magnetic Fields (especialmente pelo épico album triplo de 1999 ’69 Love Songs’), Merritt também dá as caras em diversos outros projetos, como o Gothic Archies, definido pelo compositor como um projeto de ‘goth-bubblegum’. As músicas desse projeto tem todas um ‘quê’ fantasmagórico e abordam, com humor ácido, mórbido e inteligente, um lado mais melancólico, dark, visceral e pessimista da existência. Destaque pra canção ‘Smile! No one cares how you feel’; com poesia arrebatadora que aborda a vaidade, egoísmo e dissimulação.”

Black Sabbath – “Black Sabbath” // Mariana Ceriani – Dead Parrot
“Você não precisa entender a letra e nem o próprio título da música pra saber que está falando de algo macabro. Dá pra imaginar toda uma história de terror pelo arranjo inteiro, mas principalmente pelo riff de guitarra principal por si só (habemus Tony Yommi). Não é à toa que é a faixa que tem o mesmo nome do álbum e com a capa mais assustadora das capas.”

Eminem – “3 A.M.” // João Pedro Ramos – Crush em Hi-Fi
“Nessa música do discoRelapse” o rapper fala da perspectiva de um serial killer que questiona sua sanidade. O som tem até referências à “Silêncio dos Inocentes’

White Zombie – “I’m Your Boogieman” // Chris Lopo
“A música é original do KC & The Sunshine Band, mas foi em 1996 que o White Zombie levou o título ao pé da letra e fez um dos clipes mais legais da curta vida da banda. Gravado para a trilha sonora do filmeO Corvo: Cidade dos Anjos”, a música ganhou um vídeo que parece ter saído diretamente de um capítulo da série Os Monstros”. Nele, temos uma banda de monstros tocando pra uma plateia de monstrinhos hiper-empolgados. Os takes com Rob Zombie cantando já se passam na atualidade, com zumbis estilo The Walking Dead” vagando, ao seu redor, dentro de uma jaula, decorada igualzinho àquela melhor festa de Halloween que vai aparecer só pra quem sonhar com o clipe.”

Spidrax – Lenda Urbana // Helder Sampedro – RockALT e Crush em Hi-Fi
A letra macabra da música junto aos riffs


Depois de tantas sugestões discrepantes e sensacionais, montamos uma playlist no Spotify da Crush em Hi-Fi com todas essas indicações e mais algumas outras que colocamos para vocês saírem na rua pedindo doces, com maquiagem duvidosa e fantasia improvisada.

Dê o play e lembre-se sempre de não morder o coleguinha sem autorização, ok?

 

Já escolheu o look do dia?

 

6 músicas que falam, mesmo que disfarçadamente, sobre brochadas e impotência

Read More

Todo mundo sabe que MUITAS letras de música falam sobre todos os tipos de sexo possíveis e imagináveis, seja de forma explícita ou nas entrelinhas. Como esse assunto é tão comum no mundo da música, permeando letras de praticamente todos os estilos musicais, é claro que as tentativas mal sucedidas de transar também seriam relatadas mais cedo ou mais tarde. Pois bem: o Crush em Hi-Fi reuniu 6 das melhores canções relatando brochadas, impotência e afins. Lá vai:

The Strokes“Last Nite”

Quando me falaram que o primeiro hit arrebatador dos Strokes falava de uma noite mal-sucedida… Mas pensando bem e analisando a letra, faz todo o sentido. Se essa análise estiver correta, o eu lírico da música ainda fica bem indignado que ninguém entende sua tristeza e consequente dificuldade em transar. “People they don’t understand/ Girlfriends, they can’t understand/ Your grandsons, they won’t understand /On top of this, I’ll never gonna understand”.

Momentos brochantes:
“Last night, she said
“Oh, Baby, I feel so down
See it turns me off
When I feel left out”

Arctic Monkeys“My Propeller”

Só de chamar o próprio pinto de “hélice” já fica parecendo que Alex Turner estava mesmo era afim de fazer um pintocóptero, não de transar. Mas enfim: na música que fala escancaradamente sobre a maria mole que o membro do moço virou. Não dá pra deixar de notar que ele coloca a culpa na moça, aparentemente. Tsc tsc… “If you can summon the strength tow me/ I can’t hold down the urgency/ You’ve got to make your descent slowly/ And oil up those sticky keys”.

Momentos brochantes:
“My propeller won’t spin and I can’t get it started on my own
When are you arriving?”

Art Brut“Rusted Guns of Milan”


  • As armas enferrujadas de Milão se referem, sim, a uma piroca que não está lá funcionando muito bem. Nesse caso, a letra mostra todo o desespero do rapaz em questão em tentar fazer o pimpolho ficar ereto, com a repetição “I know I can” e várias tentativas de retomar a paudurice, mas depois termina em mil desculpas e o medo do ocorrido se espalhar. “I’m sorry, I’m so sorry, can I get you a cup of coffee? Don’t tell your friends, don’t tell your friends, I promise it won’t ever happen again”. Calma, cara.

Momentos brochantes:
“It doesn’t mean that I don’t love you, one more try with me above you. 
It’s got nothing to do with anything I’ve had to drink.
It’s more to do with the way I think”.

Dead Kennedys“Too Drunk To Fuck” 

Aqui o Jello Biafra já especifica exatamente qual o motivo de seus problemas penianos: encheu a cara como se não houvesse amanhã. E até uma diarreia no final ele fala que rolou. Eca.

Momentos brochantes:

  • “Too drunk to fuck
    Too drunk to fuck
    Too drunk to fuck”

Kings Of Leon“Soft”

Bem, o nome da música é “mole” e ele fala que adoraria participar da festinha, mas tá molenga. Precisa dizer mais?

Momentos brochantes:

“I’d pop myself in your body
I’d come into your party
But I’m soft”

Elastica“Stutter”

Finalmente uma na visão de uma mulher. Infelizmente, ela fica o tempo todo achando que a culpa é dela. Pelo menos ela fica de boa, fala que tá tudo bem e que não vai espalhar a empreitada que falhou por aí. “Well it isn’t a problem / Nothing we can’t keep between the sheets / Tell me you’re mine love / And I will not wait for other bedtime treats”.

Momentos brochantes:

“Is it something you lack when I’m flat on my back?
Is it something that I can do for you?
It’s always something you hate or it’s something you ate
Tell me is it the way that I touch you?”

Construindo Bikini Hunters: conheça as 20 músicas que mais influenciaram o som da banda

Read More

Quando uma banda se forma, as influências de cada um dos integrantes são inúmeras e variadíssimas. Essa mistura de músicas, artistas, discos e sons entra em um imenso caldeirão musical e traz algo totalmente novo e cheio de identidade. É nessa construção de identidade que a coluna Construindo vai focar: aqui, traremos 20 músicas que foram essenciais para que uma banda ou artista criasse seu som, falando um pouquinho sobre elas. Hoje temos o quarteto Bikini Hunters. Não deixe de seguir o perfil do Crush em Hi-Fi no Spotify e ouvir a playlist desta semana, disponível no final do post!

Ramones“Now I Wanna Sniff Some Glue”
A Bikini só existe por causa dos Ramones! Em 2006 eu e o Vini (ex-baterista) éramos dois adolescentes doidos para montar uma banda com o som bem bubblegum, semelhante aos primeiros álbuns dos Ramones. Durante muito tempo da banda essa música esteve presente nos shows, por ser a música mais curta que o Ramones já compôs ela refletia um pouco da nossa ansiedade de tocar rápido e sermos diretos.

Carbona“Garopaba Go”
No início da banda o Carbona era nossa maior referência nacional, até mesmo por ser uma das poucas bandas de bubblegum nacional e fazer um som bem semelhante ao que almejávamos fazer. “Garopaba Go” foi a primeira música que tocamos juntos, então ela é fundamental nessa lista.

The Queers“It’s Cold Outside”
The Queers são os mestres do bubblegum e acabaram vindo fazer um show em Veranópolis (inacreditável, mas real). O Vini (ex-baterista), era super fã dos caras, mas estava morando nos EUA na época que ocorreu o show, então, ele voltou pro Brasil de horror e quase que nos obrigou a fazer uma versão português dessa música (eu sempre achei meio “brega” esse lance de traduzir músicas). No fim, ficou super melosa, mas bem divertida de tocar.

Nirvana“You Know You’re Right”
A Bikini teve algumas fases bem grunge, onde nós sempre buscávamos colocar nas músicas próprias algumas situações onde o baixo e a bateria segurassem a música e a guitarra ficasse apenas fazendo algumas frasezinhas bem colocadas. Acho que dá pra perceber um climão parecido com “You Know You’re Right” no meio da nossa canção “Tudo o Que Eu Queria”.

Velvet Revolver“Let It Roll”
Com a entrada do Gui (Guitarrista) na banda o som ia mudar com absoluta certeza. As referências dele são muito mais rock and roll do que a dos antigos integrantes, que tinham como base o punk rock e o grunge. Depois de alguns ensaios o Gui falou “o que vocês acham de tirarmos ‘Let It Roll’ do Velvet Revolver?”; eu me assustei (parecia algo muito longe do que vínhamos tocando), mas respondi que por conhecer muito pouco de Velvet queria dar uma ouvida no som. Quando ouvi, pirei na hora. A música tem a pegada punk do Duff com os riffs e solos geniais do Slash. Let It Roll certamente define um pouco do estilo de som que a Bikini pretende seguir daqui pra frente.

Ultramen“Tubararãozinho”
Esse foi o primeiro som que a Bikini tocou com a nova formação e, hoje em dia, é o cover que eu mais gosto de tocar nos shows. A ideia foi do Lipe (baixista) e, mesmo que inusitada, entrou na cabeça da banda toda logo na primeira vez que tocamos ela. O riff de guitarra – presente em praticamente toda música – é muito rock and roll, mas lá pro meio da canção rola muito groove e mesmo com tanta mistura a música consegue ser um pop acessível para todo tipo de público. 

Titãs “Vossa Excelência”
Outro cover que temos tocado em quase todos os shows e, infelizmente, tem uma letra que condiz muito com o momento atual do nosso país. O Kelvin (baterista) sempre comenta, com toda razão, que essa música é uma aula de como a simplicidade pode ser genial.

Tequila Baby“Sexo HC”
Essa música tem toda a sacanagem que tanto gostamos de colocar nas nossas músicas. Além disso, a influência da Tequila Baby na Bikini Hunters é inegável, pois mesmo que cada integrante da banda tenha suas influências próprias, a Tequila é unanimidade por ter sido uma das primeiras bandas que todos nós ouvimos. 

Rolling Stones“Honky Tonk Women”
Estávamos bebendo ceva há uns dias atrás enquanto esse som rolava e começamos a discutir qual a melhor música dos Stones. Não conseguimos entrar em um consenso, mas, ok, foi uma discussão besta, afinal, os Stones são demais em todos os acordes e nós amamos eles! 

Forgotten Boys “Blá Blá Blá”
Mesmo com algumas mudanças de formações, o Forgotten sempre foi uma das principais, ou talvez, A PRINCIPAL, influência da banda. Acho que pela primeira vez estamos perto de fazer um som semelhante, do nosso jeito, claro, mas com esse lance de riffs pesados e bem marcantes.

AC/DC“The Jack”
É blues, é rock, é sensualidade, é AC/DC! Esse som faz a nossa cabeça em todos os sentidos e a gente jamais vai negar que curte um striptease (risos).

Acústicos e Valvulados “Sarjeta”
“…Eu quero a sarjeta, eu quero a sacanagem…o porre e a ressaca….o foda-se ligado”. Essa letra é muito Bikini Hunters! Abrimos alguns shows com essa música e teve uma galera que veio perguntar se era uma música nova nossa; até gostaríamos que fosse, mas é cover da Acústicos, banda que, para nós, está no seu melhor momento (mesmo com 26 anos de estrada). 

Green Day“Basket Case”
Um tanto quanto clichê, mas necessário. Boa parte da minha postura no palco é influência do Billie Joe. Acho ele um dos maiores frontmans da história da música! 

Beatles“Helter Skelter”
Os Beatles ajudaram a construir qualquer banda de rock! Difícil foi escolher só uma música deles, mas como amamos distorções e sujeira, “Helter Skelter” é a escolha perfeita, uma música que foge um pouco de tudo que o Beatles criou.

Foo Fighters“Walk”
A última música que estávamos criando para o próximo disco começa com um dedilhado e no meio das composições alguém comentou “Pow, tá lembrando um pouco a vibe de “Walk” do Foo Fighters, daria até para fazer uns acordes parecidos com o que eles utilizaram na base”;​ em outro caso também lembro que já rolou o pitaco “Pow essa batera tá muito reta, faz algo meio na vibe do Taylor do Foo Fighters”. Enfim, mesmo que não sejamos os maiores fãs, o Foo Fighters nos inspira de alguma forma.

Guns’N’Roses“Attitude”
Eu não sou muito ligado no Guns, mas o resto da banda são todos fãzaços, então, como já fui bastante fã de Misfits, eis a combinação perfeita, Guns fazendo um cover fodástico de Misfits. 

TNT“Me Dá o Cigarro”
TNT é tão clássico que passa dos limites de influência musical para uma forma de comunicação informal, afinal, durante todas as pausas dos ensaios da Bikini alguém cantarola “…me dá o cigarro, me dá o fogo…” (obviamente, pedindo um cigarro ou isqueiro emprestado).

Slash“Doctor Alibi”
Uma noite saímos (levemente desnorteados) de uma festa e viemos aqui pra minha casa assistir incessantemente (sério, assistimos umas 10 vezes seguidas e mais algumas vezes aleatórias entre uma música e outra) uma apresentação ao vivo dessa música. Acho que todos sentimos que essa é a linha de som que estamos buscando. Não tem muita frescura e é genial mesmo assim! Também não tinha como não ser uma canção pra lá de fodástica estando envolvidos o maior guitarrista da história do rock e a maior lenda do rock de todos os tempos.

Sublime With Rome“Take It Or Leave It”
Esse som tá sempre no pen drive do meu carro, então, volta e meia carregando amplis, baterias, guitarras ou coisas do tipo ele toca e a gente comenta “Putz, Sublime é foda né!? Olha que vibe gostosinha, baixo groovezadozudozaço, alta energia boa”. Então, de uma forma ou de outra ele faz parte de banda. Quem sabe a gente não lance um reggaezinho ou ska no próximo disco!? (Humm… pensando bem, é difícil (risos)).

Erasmo Carlos “Fama de Mau”
No fim das contas somos bons jovens! Até estamos tocando esse Erasmão para mostrar que no fundo é tudo marra, essa coisa de rock descarado e tudo mais, é só pra manter a nossa fama de mau (ou talvez não)…

Músicas com plot twists que você vai gostar mesmo depois desses spoilers

Read More

O termo se tornou familiar. Qualquer um que já assistiu a uma série – ou acompanhou as últimas temporadas desse longa chamado VIDA –  sabe bem a que se refere. Plot twist é aquela virada inesperada no enredo, aquele momento que traz uma surpresa agradável – “The One With Obama’s Triumph” S08E12 – ou não –  “The One With Trump Winning”, S16E09.

Verdade seja dita, está difícil superar os últimos plot twists deste não ficção do qual fazemos parte. A boa notícia é que a arte está aí para nos salvar (yey!). Então, quando bater aquela desesperança, já sabe né? O melhor a fazer é buscar refúgio em uma playlist delicinha, tipo essa que reúne as reviravoltas (reais ou não) em músicas de bandas que amamos.

“Funny Little Frog”, Belle & Sebastian

Belle & Sebastian, com sua poesia confessional e arranjos delicados, é um abracinho quente quando a gente precisa. O líder da banda escocesa, Stuart Murdoch é, para mim, um dos melhores compositores/cantores/dançarinos-desajeitados/crushes do indie pop mundial. “Funny Little Frog“, faixa do disco “The Life Pursuit” (2006), é prova disso.

A música descreve uma paixão arrebatadora, uma quase-devoção (com direito a fotografia pendurada na parede) de um homem por um crush enigmático. No desenrolar da letra você tem alguns indícios de que existe algo de platônico no romance. Mas é só nos segundos finais da canção que ele decreta isso.

“You are the cover of my magazine

You’re my fashion tip, a living museum

I’d pay to visit you on rainy Sundays

I’ll maybe tell you all about it someday”

(Eu também pagaria para ter ver em um domingo chuvoso, Stuart <3)

“Babies”, Pulp

Saímos do amorzinho fofinho do Stuart, para as primeiras aventuras sexuais de um Jarvis Cocker adolescente e pervertido. Em “Babies”, faixa do “His’n’Hers” (1994), ele conta como, junto com uma amiga, costumavam ouvir atrás da porta a irmã mais velha dela com garotos no quarto. Mas, jovem e excitado, Jarvis Cocker (ou o cock do Jarvis) queria mais: “I want to see as well as hear/ And so I hid inside her wardrobe”.

Em uma dessas, ele acabou transando com a irmã da amiga. Só no trecho final da música ele revela que foi tudo uma confusão, e que, na real, era da amiga que ele gostava, não da irmã.

“I know you won’t believe it’s true,

I only went with her ‘cause she looks like you.”

(Desculpa equivalente ao “baixei o Tinder sem querer”, Jarvis.)

“Cooking Up Something Good”, Mac Demarco

“Mommy’s in the kitchen, cooking up something good/ And daddy’s on the sofa, pride of the neighborhood”. Quem conhece as letras do Mac percebe de cara um tom irônico nesse retrato da família ‘de bem’. A relação conturbada com o pai, que por conta do alcoolismo e uso de drogas o abandonou quando criança, está presente em grande parte do trabalho do músico canadense.

Quem sabe disso, já espera a virada nessa bela cena de família que vem na segunda parte da música. “Daddy’s in the basement, cooking up something fine”. A gente sabe que não é um ranguinho esperto que ele está fazendo no porão. “Cooking up”,  em inglês, é gíria para ‘preparar drogas’, especificamente as que precisam de aquecimento. Em um show, Mac termina a música dizendo: “This song is about my dad’s methamphetamine habit”. Aí não resta dúvida, né.

“A Boy Named Sue”, Johnny Cash

Todo mundo conhece alguém que já teve problemas na infância ou adolescência por ter um nome diferentão.  Não adianta, se tem uma coisa que a quinta série A não perdoa é um nome diferentão. O ‘contadô de causo’, Johnny Cash, fala sobre esse ‘fardo’ que um garoto chamado Sue teve que carregar durante a vida.

Aparentemente, Sue teve que aguentar muita TRETA. “It got a lot of laughs from a’ lots of folk/ It seems I had to fight my whole life through”. Sua missão na vida passou a ser encontrar o pai que o abandonou e escolheu o seu nome. Quando ele finalmente o encontra, mais TRETA. Os dois se pegam no bar, mas antes que a coisa ficasse feia mesmo, o pai explica porque deu a ele esse nome:

“Son, this world is rough

And if a man’s gonna make it, he’s gotta be tough

And I know I wouldn’t be there to help ya along

So I give ya that name and I said goodbye

I knew you’d have to get tough or die

And it’s the name that helped to make you strong”

Yeah he said, “Now you just fought one hell of a fight

And I know you hate me, and you got the right

To kill me now, and I wouldn’t blame you if you do

But ya ought to thank me, before I die

For the gravel in ya guts and the spit in ya eye

‘Cause I’m the son-of-a-bitch that named you “Sue”.

Resumindo, um nome com potencial para virar chacota foi a forma que o pai encontrou para fazer o filho aprender a enfrentar as coisas duras e injustas da vida. Não é uma metodologia muito Waldorf, mas parece que funcionou.

“Space Oddity”, David Bowie

A virada dessa história é bem triste. Só não tão triste quanto outro plot twist do Bowie que pegou o mundo inteiro de surpresa em janeiro do ano passado 🙁 🙁

Um dos maiores clássicos do compositor/cantor/ator/produtor/crush conta a história de Major Tom, um astronauta fictício em uma missão espacial que, apesar de bem sucedida no começo, não tem um final feliz. Depois de ‘flutuar pelas estrelas de um jeito peculiar’ e ver de longe a Terra azul, Major Tom perde contato com a base de controle.

Já ouvi a música inúmeras vezes, e nessa parte sempre rola aquele arrepiozinho nos pêlos:

“Ground control to Major Tom,

Your circuit’s dead, there’s something wrong

Can you hear me Major Tom?”

Dá o play e sente.