Cantarolando: O teste de fidelidade de “Babooshka”, de Kate Bush (1980)

Kate Bush

Cantarolando, por Elisa Oieno

A canção “Babooshka”, um dos hits da Kate Bush, é a faixa que abre o terceiro disco da cantora “Never For Ever”, de 1980. Foi lançada como single – aliás, com uma capa bem legal, que lembra aquelas fotos que o Mick Rock tirou do Syd Barrett no apartamento.
Kate Bush é uma compositora carregada de referências literárias e cinematográficas. É possível perceber isso especialmente em suas letras e performances teatrais.

Porém, “Babooshka” veio de uma inspiração bem mais pop, para não dizer popularesca: um famigerado ‘teste de fidelidade’ que ela assistiu na TV. A canção conta a historinha de uma mulher que decide fazer o teste com seu marido, lhe enviando cartas perfumadas assinadas “Toda sua, Babooshka” – o grudento refrão da música “all yours, Babooshka”. Ela resolve marcar um encontro, e o marido até estranha o quanto que Babooshka, essa guerreira amazona russa sensual, lembra sua esposa quando ela era jovem e bonita, antes de ser uma senhora deprimida e de ter ‘esfriado’ com ele. O marido ficou derretidão e, claro, não passou no teste.

She wanted to test her husband
She knew exactly what to do
A pseudonym to fool him
She couldn’t have made a worse move

She sent him scented letters
And he received them with a strange delight
Just like his wife
But how she was before the tears
And how she was before the years flew by
And how she was when she was beautiful
She signed the letter
All yours
Babooshka, Babooshka, Babooshka-ya-ya!

O clipe dessa música também é interessante. É daqueles bem simples, bastando a presença corporal da cantora para termos idéia da música: ela vestida de preto, com um véu recatado interagindo com o contra-baixo, que seria o marido. Aliás, diversas vezes o baixo nas músicas tem a intenção de ser o contraponto masculino para sua voz. No refrão, ela se transforma em Babooshka, uma figura quase oposta à da esposa.

Apadrinhada pelo David Gilmour, com 16 anos Kate Bush já havia composto dezenas de músicas, gravou algumas faixas demo e conseguiu um contrato pela EMI para gravar um álbum no estúdio Abbey Road. Porém, só depois de dois anos de contrato é que o disco começou a ser gravado. O produtor disse que ela era muito jovem, eles estavam ‘maturando’ a artista para então lançá-la como a grande aposta da gravadora. Sobre isso, a própria Kate diz que eles assinaram com ela para segurá-la na gravadora, para que nenhuma outra a contratasse. De qualquer forma, funcionou – ela se desenvolveu ainda mais como artista e fez aulas de dança interpretativa com a professora do David Bowie.

Todas as canções deste disco foram compostas por Kate no piano, e o disco foi co-produzido por ela. A partir daí, o sucesso e prestígio de Kate Bush só aumentou, sendo ela uma das mais autênticas artistas do mundo pop. Dá para dizer que Kate Bush fez a escola das grandes artistas da atualidade, pelo menos as que têm a intenção de incorporar aspectos artísticos, experimentais ou performáticos, como Lady Gaga e Lorde.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *