Akeem Music reformula seu som com mais eletrônica e dança no clipe de “Far Away”

Akeem Music reformula seu som com mais eletrônica e dança no clipe de “Far Away”

21 de março de 2019 0 Por João Pedro Ramos

Formado por Akeem Delanhesi (vocal e guitarra), Ricardo de Carli (sampler e bateria) e Gabriel Gottardo (teclados), o Akeem Music reformulou completamente seu som no ano passado, trazendo uma nova pegada eletrônica com a adição de vários samples de música brasileira, inclusive de música brasileira independente. Para que a mudança fosse completa, a banda decidiu retrabalhar as músicas de seu primeiro álbum, “The Real Meaning of Revolution, Only Astronomers Know”, de 2017.As versões redesenhadas farão parte de um EP chamado “Rebites”, previsto para sair em abril deste ano, e a primeira a ser lançada é “Far Away”, que ganhou um clipe gravado na fazenda Lano Alto, no interior de São Paulo.

“Essa música contempla um som do disco novo dos nossos amigos gaúchos da Dingo Bells. Começamos a tocar ela e naturalmente ela se encaixou na “Keep On”, que mais tarde se tornou ‘Far Away’”, conta Akeem. O clipe teve direção do próprio vocalista e produção de Yentl, gerente da fazenda, Akeem chamou toda sua família a participar do clipe, dançando em uma cena coreografada.

“O lugar é realmente incrível! Estávamos de boa num final de semana parado e uma câmera dando sopa. Tivemos a ideia de gravar algumas imagens. Depois vendo o potencial dos takes eu armei tudo meio que aleatoriamente escolhendo uns lugares bem massa. A ideia da dança veio da minha mãe, ela é professora e coreografa. Aí ficou fácil!”, finaliza Akeem.

– O que motivou a mudança do som da banda?

Na verdade foi o amadurecimento dos integrantes e a entrada do nosso novo batera Ricardo De Carli, que nos trouxe um outro mundo dos samples e beats eletrônicos.

– Porque a escolha por retrabalhar músicas antigas e não criar coisas novas, somente com uma inédita?
Porque nessa nova entrada do Ric, a banda se remodelou em trio, e tivemos que rearranjar as musicas que já tocávamos. Aí já aproveitamos e colocamos as novas caras mais eletrônicas pra essas músicas antigas.

– Como foi a gravação do clipe “Far Away” e porque escolheram essa música?
“Far Away” é bem especial tanto para mim, quanto para a banda. Esse som foi escolhido para minha antiga banda a tocar no CMW em Toronto. Canadá. E nessa nova onda de remodular esse som, a gente colocou samples da Dingo Bells, que são amigos nossos, então ela se tornou bastante especial e gostosa de tocar ao vivo.

– Já tem planos para após o “Rebite”?
Já, sim! Temos uma viagem programada para LA em julho e vamos tocar em alguns shows intimistas por lá. Também estamos planejando outro EP para esse ano ainda.

– Quais as principais influências da banda hoje em dia?
Hoje ouvimos muito Toro Y Moi, Darwin Deez, Rex Orange County, The Voidz, UMO… E alguns brazucas como Tagua Tagua, Dingo Bells , Kassin e Teto Preto.

– O rock está mesclando cada vez mais aspectos do pop e da EDM em si, o que se pode ver em bandas como Imagine Dragons e até clássicas como Weezer. Porque isso ocorre?
Acho que o contexto mundial é do “easy listening” e do chill and relax… As bandas estão focadas mais em fazer sons que transmitam varias energias, inclusive esse de ser mais relax. Ouvimos bastante essa mudança no novo disco do Arctic Monkeys.

– O Akeem é um projeto solo ou uma banda? Porque utilizar seu nome?
Akeem Music é uma banda, mas como as musicas são minhas, também pode ser relacionado à minha pessoa como artista. Mas gosto de chamar de banda também, pois não conseguiria fazer isso sem meus companheiros.

– Como vocês definiriam o som da banda hoje em dia?
Sempre a pergunta mais difícil (risos)! Acho que somos uma banda de indie pop electro synth brasil samba hendrix. 🙂

– O som da banda pode voltar a mudar? Vocês não pretendem se fechar em apenas um estilo?
Acho que sim, estamos em constante evolução, e estamos sendo sempre influenciados por todos os lados. Pode mudar sim!

– Como vocês veem a cena independente hoje em dia?
Acho que já foi pior, mas ainda carece de muitas coisas. Mas consigo ver um respiro de novos artistas independentes que estão sobrevivendo hoje e fazendo um rolê super legal.

– Recomendem bandas e artistas independentes que chamaram sua atenção nos últimos tempos.
Tagua Tagua, Teto Preto, Edgar, Kassin, Duda Beat, VERDE, Supervão.