Achou pouco? Conheça mais 10 lugares de São Paulo que fortalecem a cena da música autoral

Achou pouco? Conheça mais 10 lugares de São Paulo que fortalecem a cena da música autoral

9 de setembro de 2015 3 Por João Pedro Ramos

A cada dia, novas músicas são compostas, novas bandas são formadas e novas letras são escritas. E mesmo que as bandas covers sejam uma aposta fácil para as casas noturnas que querem atrair público que quer apenas curtir os sons que já fazem sua cabeça, muitos locais ainda apostam em bandas e artistas autorais, fortalecendo a cena da nova música que sempre está efervescendo em todos os cantos do Brasil.

O post com 10 locais de São Paulo que apostam em bandas autorais foi um dos maiores sucessos do Crush em Hi-Fi até hoje. Como muita gente sugeriu outros lugares que também resistem à epidemia de covers, uma Parte 2 do post se fez mais do que necessária. Aqui, já aumentamos um pouquinho o raio, falando também de lugares em Paranapiacaba e São Caetano do Sul.

Seja você uma banda, artista ou um amante de música, confira mais 10 lugares que investem em bandas autorais:

Rockerama – Rua Rui Barbosa, 401, Bela Vista

Quem já tocou por lá: The Jets, The Go Getters, Hotzilla Trio

https://www.youtube.com/watch?v=UqCQZlPfjBM

O Rockerama Club é um desdobramento do programa Rockerama, apresentado por Mônica Guimarães (Moniboop) e Larissa Grecco (Lady Cat). O local abrigas diversas festas e aposta em um visual anos 50 com palco para shows ao vivo, pista de dança e bar e um mezanino perfeito para ver as bandas com uma visão privilegiada. O rockabilly é o ritmo mais apresentado pelos grupos que tocam na casa, ou seja: é perfeito para dançar até os pés pedirem arrego. Rrrrrrrrock!

Trackers – Rua Dom José de Barros, 337, República

Quem já tocou por lá: Hierofante Púrpura, Bonifrate

“O Trackers, além de espaço para eventos, é uma instituição de ensino. Começamos há 09 anos como escola de produção de áudio e vídeo, focada na produção de áudio com freeware e video mapping somente no 2º andar, e os eventos começaram a tomar forma, até o momento de passarmos as salas de aula e escritórios para o 3º andar”, explicaram pela página do local. “Na época, já tínhamos uma mistura de galeria de arte e escola de música no 1º andar: piano, teclado, violão, instrumentos bem básicos. Nosso projeto mais atual é o Conservatório Trackers de Música Contemporânea, que está sendo preparado no 4º andar, daí nosso interesse nas bandas autorais, festas com músicos profissionais, passando também pelo jazz, blues, cúmbia e afins”.

Associação Cultural Cecília – Rua Vitorino Carmilo, 449, Santa Cecília

Quem já tocou por lá: Strombólica, Mamma Cadela, Wander Wildner

A Associação Cultural Cecília busca agregar profissionais, parceiros e amigos conectados a cultura, arte e lazer. Além de shows de bandas autorais, o local também  oferece programação semanal, com cinema, exposição e workshops, além de também ter um pub com cerveja e hambúrgueres artesanais. A Cecílica também conta com espaços  de produtora cultural, estúdio de som, estúdio de tatuagem, arquitetura, espaço de corpo e arte, produtora de vídeo… Ou seja: se você curte arte, achou o lugar perfeito!

A Casa-Bar – Rua Gama Lobo, 582, Ipiranga

Quem já tocou por lá: Esquivo Devoluto, Nego Sá e Perifa Blues, Tatá Brasilina e Malandragem Patuá

Qual a ideia da Casa Bar? “Arte independente, som lado B, alternativo e autoral”, explicou Marcella Ene, produtora da casa. O Festival Na Rua é um dos projetos da casa, reunindo bandas e artistas na rua à tarde e à noite para shows e exposições gratuitas. Marcella diz que a casa investe em bandas autorais “para provar que existe muita qualidade na arte e na música que está sendo feita agora no paralelo da “grande mídia”, que chama e impõe como ‘sucesso’ toda sorte de porcariada comercial vazia”. Ela completa: “Para apoiar e principalmente fortalecer os artistas que de fato estão trazendo criações próprias incríveis, lutando para prosperar nesse sistema. É um espaço paralelo de propósito, onde o público é convidado a contribuir com os artistas, com um couvert CO-labor-ATIVO mínimo e aberto, direcionado integralmente para os músicos, trazendo essa consciência de que tudo é energia e troca”.

Espaço 50 – Rua Rio Grande do Sul, 73, São Caetano do Sul

Quem já tocou por lá: Deb and The Mentals, Zander, Maguerbes

São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, também tem seu espaço para grandes shows de bandas e artistas autorais de todos estilos. Entre o rock, o rap e a nova MPB, o Espaço 50 é um dos locais que reúne um público ávido por novidades musicais na região. Todo final de semana tem novidade, e vale a pena conhecer a casa (e as bandas que se apresentam por lá).

Simplão de Tudo – Reserva Florestal, Paranapiacaba, São Paulo

Capitaneado pela simpática Cris, o Simplão de Tudo é um camping em Paranapiacaba (“no meio da floresta”, segundo ela) que investe no rock’n’roll e na natureza. Adoram receber bandas autorais e chegaram a organizar alguns festivais, bem no estilo Woodstock de ser.

Submundo177 –  Rua Capitão Cavalcanti, 177, Vila Mariana

Quem já tocou por lá: Wry, Baleia Mutante, Plutão Já Foi Planeta

Conversei com Fábio Casaca, que falou um pouco mais sobre a Submundo177, que fica em um hostel. “O Telstar sempre teve uma veia artística, nosso sonho era transformá-lo em algo mais do que simplesmente um hostel. Mesmo antes da inauguração oficial da Submundo177, nosso espaço cultural, já abríamos espaço para fotografia, grafite, artes plásticas e eventualmente música. Decidimos apostar de vez na música com o projeto Subsunday Sessions porque tanto eu quanto o meu irmão e sócio já estivemos do outro lado e sabemos quanto difícil é fazer parte de uma banda independente. Com este projeto não temos a pretensão de nos tornarmos um espaço para grandes shows e nem a intenção por enquanto de criar um show de calouros”, esclarece. “Queremos ser uma opção para o público assistir a bons shows por R$10 ou R$15, valor que é repassado para as bandas. Obviamente há uma curadoria: trabalho autoral é primordial, trabalhos lançados e o estilo musical tem que combinar com a identidade da casa. Desde que iniciamos com a Subsunday, recebemos diariamente muito material, nem conseguimos responder a todos. Estamos perto de fechar algumas parcerias que nos permitirão criar uma estrutura melhor e quem sabe mais pra frente abrir mais espaço para a música e colocar todo mundo pra tocar aqui”.

Spades Café – Rua Augusta, 339

Quem já tocou por lá: Tio Che, Bullet Bane, KSis

Já no fim da famosa Rua Augusta e praticamente colado em outra casa que investe em bandas autorais (o Astronete), o Spades Cafe reserva suas sextas e sábados para bandas a partir das 23h. Às vezes os domingos também reúnem bandas no local, como no final de outubro, quando ocorreram apresentações das bandas Good Intentions, Bayside Kings, Mais Que Palavras e Surra pra terminar a semana de maneira hardcore.

Festa Gimme Danger @ Squat – Al. Itu, 1548, Cerqueira César

Quem já tocou por lá: Deb and The Mentals

Criada pela DJ, redatora, radialista e blogueira Debbie Hell, a festa Gimme Danger toca muito glam rock, proto punk, riot grrrls e punk rock no Squat, além de ter uma banda autoral por edição. “Porque a grande maioria dos meus amigos tem banda, conheço tantas outras incríveis, e vejo de perto como é o corre dos infernos que é pra tentar fazer sua banda virar. Vi bandas sensacionais nascerem fazer um ou outro show, e se desmancharem sem lançar um único disco. Não vou entrar no mérito de quem é a culpa, e começar a filosofar sobre o underground, mas se eu tenho a oportunidade de organizar uma festa e dar espaço para bandas boas mostrarem seu trabalho, a minha parte estou cumprindo. E se alguém voltar pra casa depois do show querendo montar uma banda, ou querendo saber mais sobre o som que tocou, melhor ainda”, disse Debbie. Amanhã (10/09) rola a segunda edição da festa, com apresentação da banda Color For Shane.

Epicentro Cultural – Rua Paulistânia, 66, Sumarezinho

Quem já tocou por lá: Dead Rocks, Porcas Borboletas, Jorge Mautner

Próximo ao metrô Vila Madalena do metrô paulistano, o Epicentro Cultural mistura galeria de arte, espaço para cursos diversos e atividades educativas, além de, é claro, shows autorais. De bandas independentes até grandes mestres da música como Jorge Mautner: o Epicentro reúne tudo isso e muito mais!