13 thoughts on “Sobre”

  1. Salve, João!
    Faço parte do Desert Killers, duo de blues-alt-rock. Acabamos de lançar mais um single do disco novo na semana passada e em agosto lançaremos o disco cheio – gravado nos estúdios da Red Bull em São Paulo.
    Seria massa se vocês ouvissem e quem sabe dessem a opinião sobre o disco.
    Tem muito material nosso nos links abaixo:

    1) Link pro nosso canal do youtube. Lá você encontra os 2 primeiros singles do nosso novo disco, o clipe de um dos sons (com cenas das gravações do disco nos estúdios da Red Bull) entre outros vídeos:

    https://www.youtube.com/channel/UCzQAyhhpuUzvNa-ti1mq-3A/videos

    2) Link pro nossa página no soundcloud, com os singles do disco novo, nosso primeiro EP e outros registros:
    https://soundcloud.com/desertkillers

    3) Link pra um TOP 10 DIY Albuns de 2014 do site indie rock cafe
    (USA):http://www.indierockcafe.com/2015/02/top-diy-indie-rock-songs-albums-of-2014-vol-v/

    4) E um breve release segue abaixo desta mensagem com mais infos sobre o DK.

    Ah, os singles e nosso primeiro Ep também estaõ em todas as plataformas:
    Spotify, Rdio, LastFM…

    abs,
    Toni

    :: :: ::

    Release DK

    Desert Killers é um duo, montado e liderado por Matheus Zingano e Antonio “Toni” Ribeiro desde 2013, fruto das estradas percorridas pelos dois, que já participaram de bandas contundentes do cenário independente brasileiro. Com um DNA impregnado pelo o Blues, pelo Funk e pela atmosfera árida e ao mesmo tempo apaixonante do deserto, Desert Killers impressiona pela criatividade, potência e dinâmica. Seu primeiro EP “Ardio” (2014) alçou a banda aos seus primeiros shows, foi o cartão de visita para um público
    crescente e abriu espaço para seu primeiro full álbum, Mirage, recém gravado em parceria com a Red Bull.
    Com 8 canções e lançamento previsto para agosto de 2015, o disco vem despertando interesse em quem já tem conferindo as prévias de cada faixa disparadas pela banda nas redes sociais, já assistiu ao teaser do
    documentário sobre as gravações ou então tem comparecido aos shows de pré lançamento. Com produção de Matheus e Toni, mixagem de Rodrigo Funai e Masterização de Felipe Tichauer (USA), Mirage mostra sem rodeios porque essa banda é uma das boas e recentes surpresas da música!

  2. Gostaria de deixar uma sugestão de pauta para o site. é o festival Wave Winter Festival, que acontece em SP mês que vem e que traz bandas do cenário alternativo nacional e internacional. envio abaixo o press release.

    Festival traz bandas internacionais a São Paulo em formato inédito
    Similar aos eventos alternativos europeus, Wave Winter Festival tem 17 horas de atrações nacionais e internacionais em quatro espaços diferentes, por um único preço.
    Acontece em 29 de agosto, em São Paulo, o Wave Winter Festival (WWF). Nesta data, bandas alternativas nacionais e internacionais se apresentam em quatro espaços distintos da capital paulista: Carioca Club, que concentra a maior parte das apresentações, Atmosphere, Madame e Templo Club (veja detalhes abaixo). O festival terá duração de 17 horas.
    “Os artistas foram escolhidos pelo público em votação pela internet. Os DJs foram convidados por seu trabalho e envolvimento com a cena alternativa, tanto em São Paulo quanto em outros estados”, explica Marcos Teixeira de Lima, um dos organizadores do festival.
    Os organizadores do Wave Winter Festival, veteranos na cena underground brasileira, idealizaram o evento em formato diversificado para dar a oportunidade de interação dos presentes com ambientes e participantes. Quem comparecer poderá circular entre os diversos locais do evento com uma pulseira de identificação.
    “Dessa maneira, pessoas da cidade e de outras localidades poderão ficar mais tempo juntas e manter mais contato com as casas, os artistas e a música”, comenta Alex Twin, um dos organizadores do WWF. Artistas farão sessões de autógrafos nos clubes.
    O que diferencia o Wave Winter Festival de outros festivais nacionais é o formato, criado para atrair o público que gosta de música alternativa no país e na América do Sul. “Queremos trazer para o público algo como vemos na Europa: um evento que reúna moda, cultura e comportamento”, diz Luciana Tonoli, organizadora do Wave.
    ATRAÇÕES
    Internacionais
    Skeletal Family / Ghost Dance: banda inglesa veterana do movimento gótico mundial. Formada em West Yorkshire em 1982, fez sucesso nos anos 80. Em 1985 a vocalista Anne Marie saiu da banda e formou o GHOST DANCE, com Gary Marx, fundador do Sisters of Mercy. Anne Marie voltou para a banda em 2013. Grupo muito conhecido dos amantes de música alternativa em todo o mundo e escolhido pela mídia inglesa no TOP 10 da melhores bandas de Gothic Rock de todos os tempos. Apresentará músicas das duas bandas clássicas.
    She Past Away: banda turca formada em 2006, faz parte de uma nova leva de grupos alternativos. É conhecida por seu estilo próprio, com raízes pós-punks e darkwave. Nos dois últimos anos, é a sensação nos principais festivais da Europa da cena underground. Seu primeiro álbum esgotou em menos de três semanas e o novo álbum saiu no final de maio. A banda pega também uma sonoridade entre Motorama e bandas post-punk modernas e atuais.
    The Frozen Autumn: banda italiana de darkwave (vertente da música gótica), formada em 1993 com uma mistura de vocais melancólicos e influências sonoras do eletropop dos anos 80. Pode-se dizer que foram influenciados pelos holandeses do CLAN OF XYMOX, que inclusive produziu algumas músicas da banda. Hoje em dia, viraram um duo com Froxeanne e Diego Merletto. Toca em São Paulo pela terceira vez.
    The Invincible Spirit: um dos pioneiros da EBM (Electronic Body Music) alemã faz seu primeiro show fora da Europa, comemorando 30 anos da banda. Após o DAF, também da Alemanha, foram os primeiros a anexar sequencers e fazer música para dançar com toques electro-industrial. Seu grande hit pelas terras brasileiras, muito tocada nos anos 80, 90 e 2000, é a clássica PUSH.
    Nacionais
    Blue Butterfly: projeto de Brasília que retira sua assinatura sonora de uma infinidade de gêneros musicais eletrônicos: Gothic Rock, Synthpop, Electro, Industrial, EBM (Electronic Body Music), Futurepop e Darkwave.
    Harry: criada nos anos 80, a banda Harry nasceu na cidade de Santos, em São Paulo. Foram logo pra mídia, tocando na programação normal de rádios como 89 FM e fazendo muitos shows por todo o Brasil. A banda assinou com Sony Music no segundo álbum e se tornou cult no fim dos anos 80. Show exclusivo para o Wave Winter Festival, traz a formação original (Hansen Harry EBM, Cesar Di Giacomo, Richard Johnsson e Roberto Verta) que fez sucesso nos anos 80, com sonoridade eletrônica da época.
    In Auroram: duo paulista traz ao Wave Winter Festival sua sonoridade ethereal/neoclassic, lançaram um álbum há alguns anos pelo selo brasileiro Wave Records, e tiveram boa aceitação na cena internacional e brasileira. Preparam um novo álbum para 2016. Quem gosta de Enya, Dead Can Dance, com certeza vai adorar a performance da banda ao vivo. destaque também para o excelente vocal lírico da cantora Astéria.
    Kalte Stern: banda com sonoridade entre darkwave e elementos étnicos de SP criada nos anos 90, teve seu único álbum lançado na época e distribuído pelo selo Eldorado com produção de Marcelo Gallo. A banda parou por alguns anos e retornou com formação original. Fará um show especial para o festival.
    Valores
    R$ 180,00 até 15 de julho
    R$ 230,00 a partir de 16 de julho
    Como comprar
    Os ingressos do Wave Winter Festival já estão à venda com preços promocionais. Podem ser adquiridos online (http://www.wavewinterfestival.com.brhttp://www.clubedoingresso.com e nos seguintes endereços físicos:
    Mr. Monster – Galeria do Rock – Av. São João, 439 – República
    SoulShadow – Galeria Presidente – Rua 24 de Maio – República
    Bilheteria do Carioca Club – Rua Cardeal Arcoverde, 28 – Pinheiros
    FORMA DE PAGAMENTO: dinheiro ou cartão de crédito (à vista ou em até 3 vezes, com taxa da operadora).

  3. Boa noite, somos a banda Pedras Pilotáveis de rock independente da Zona Oeste do Rio de Janeiro e essa semana acabamos de lançar nosso primeiro EP. Se puderem nos ajudar a divulgar seria uma honra, Obrigado e continuem com o lindo trabalho! Valeuuuuu!

    Então galera, ta ai pra quem quiser ouvir, compartilhar, dançar e viajar. Muito obrigado a todos que fizeram parte disso e a todos vocês que curtem nosso som! Valeu! Pedras rolandooooooooo!
    Disponível em todas as mídias digitais e versão física.
    Adquira o seu EP pelo e-mail: [email protected]
    “PEDRAS QUE ROLAM NÃO CRIAM LIMO” é um antigo provérbio popular que foi resgatado pelo movimento da ideologia Rock n’ Roll. A imagem de uma “pedra que rola” expressa bem a conexão entre pensar e viajar. Essa filosofia é reproduzida, por exemplo, no nome da banda Rolling Stones e na música “Like a rolling stone, de Bob Dylan. Agora, imagina: se pedras que rolam não criam limo, que dirá Pedras Pilotáveis? Esse talentoso power trio é consciente da responsabilidade da arte na história do Rock!
    A Banda Pedras Pilotáveis iniciou suas atividades em Bangu Zona Oeste do Rio de Janeiro, quando Felipe Ramos (guitarra e vocal) e Rafael Rocha (Bateria) terminaram suas bandas se uniram pra montar um projeto voltado pro que mais gostavam de ouvir com as mais variadas influências de Blues e Rock and Roll dos anos 70 como: Jimi Hendrix, Led Zeppelin, BB King, Cream, Tim Maia, The Meters…depois de mudar a formação algumas vezes a banda se firmou com o formato Power trio trazendo para o time Jon Pires (Baixo) grande músico do cenário carioca que rápido se encaixou com a “nova fase” e firmou uma química que gerou uma nova roupagem nas músicas autorais da banda com letras em português que mostram muita maturidade e competência de seus integrantes. A Banda também foi uma das vencedoras do Festival Nova Música BHrasileira de 2012, como prêmio gravou o single “Não pode chover para sempre” produzido por Felipe Rodarte no grande Estúdio Toca do Bandido (Tom Capone) em Vargem Grande e Abriu o show da banda Detonautas Roque Clube no Imperator RJ.O single foi muito bem recebido pelo público tanto que chegou a tocar na Rádio Mirandela 98,7 FM (baixada fluminense) no programa “Sem Poeira” e na Rádio Cidade Rock 102,9 FM no programa “A Vez do Brasil”, a banda também participou do programa Zoasom aonde tocaram 3 músicas ao vivo na Rádio Roquette Pinto 94,1 FM, acabou de lançar um vídeo clipe “https://www.youtube.com/watch?v=47LBhCzUGHM”.. e este mês está lançando seu primeiro EP em todas as plataformas virtuais e a versão física pode ser adquirida pelo e-mail [email protected].

  4. Bom dia pessoal do Crush em Hi-Fi, tudo bem?

    Meu nome é Emilly, sou responsável pela assessoria de imprensa do músico Fernando Mascarenhas, que lançou recentemente seu EP chamado “Ascensão e Queda”.

    Acompanhamos o site e acredito que este trabalho possa ser relevante para o conteúdo de vocês. Se trata de um álbum lançado por um selo independente, Insalubre Records, gravado com equipamentos analógicos e tendo recebido boas críticas por onde tem passado, inclusive de pessoas como Cláudio César Dias Baptista, o engenheiro de som e luthier da banda os Mutantes.

    Mando em anexo o release oficial. Fotos de divulgação podem ser facilmente encontradas na fanpage no facebook.
    No site oficial (http://fernandomascarenhas.tumblr.com) pode ser encontrado um link para download.

    A audição online pode ser feita através dos links :

    https://www.youtube.com/watch?v=1R9wm_xCefk

    https://soundcloud.com/fernandomascarenhas

    Obrigada pela atenção, e aguardaremos um breve retorno. Caso haja uma publicação ficaremos honrados em divulga-la em nossas mídias.

    Atenciosamente,

    Emilly de Almeida

    —————————-

    Release oficial:

    ASCENÇÃO & QUEDA – Sobriedade, versatilidade, inovação, equipamentos analógicos e o bom e velho rock and roll
    Fernando Mascarenhas é músico e está na estrada desde 2008.
    Nascido em Curvelo, MG e radicado em São Paulo, foi membro fundador de bandas como Os Verdes Incolores, Canoa Elétrica, Paquiderme Escarlate e sempre caminhou pelos meandros do rock rural, da psicodelia e da música popular.
    Em sua carreira solo teve como debut o EP “Paquiderme Escarlate”, registro caseiro do projeto que viria a se desdobrar na banda homônima. Em meio a lançamentos de outros projetos, disponibilizou seu segundo registro solo em 2013, o intimista “Canções de lugar nenhum”, uma pérola do lo-fi com timbres nebulosos e vocais engarrafados numa atmosfera que abarca de Elliot Smith a Arnaldo Baptista, de Mutantes a Stone Roses.
    “Ascensão e Queda” é o título do mais recente EP, lançado no fim de 2015 – através do selo independente “Insalubre Records” – que trás um clima mais direto e ruidoso, flertando com o garage rock dos anos 60 e com o folk seco de Neil Young.
    Em três faixas, “Tribulações”, “Se bastar” e “Pela fresta”, Fernando traça uma opereta sobre a vida na cidade, desventuras dos relacionamentos, o desencontro como musa pra um artista que paga contas, respira, que está vivo e presente na comédia humana, isso tudo comprimido em vocais rasgados, guitarras aparentes e constantes, fuzz, reverb e muito overdrive. Tudo timbrado e mixado em equipamento analógico. O álbum recebeu respeitáveis elogios do músico, luthier e engenheiro de som da banda Os Mutantes, Cláudio César Dias Baptista:
    “ Temas inteligentes e sensíveis. Letras cativantes e bem cantadas. Audibilidade ótima, o que é raro; perfeita separação estereofônica e idem o equilíbrio: mesmo em caixas comuns de computador ouvem-se os instrumentos com nitidez e se entende a letra. Não ficarei nessa primeira audição, em caixas simples, que é um bom teste, antes de baixar e ouvir no Sistema de Som CCDB, como se deve. Concordo e atesto o quanto li na apresentação do EP, em sua página de Facebook. PARABÉNS, a Fernando Mascarenhas e todos a quem agradece. E, sim! Gravação e som digital tem seu mérito, se bem realizada e com o melhor equipamento. Só o som analógico alcança e contém o Infinito. – CCDB”

  5. sobre Laranja Mecanica, em 2016:

    gostei muito, o programa ficou bom e o som de vcs é foda.
    Marcelo Farjoni (Estúdio Indústria Musical)

    hehe,
    adorei o som
    você está de parabéns no vocal e guitarra!
    Rodrigo Averna (Industria Sessions)

    Laranja Mecanica vai detonar
    e nós colaboramos pra isso
    Nelson Souza Lima (CCSP)

    Gostamos muito do perfil da banda e com certeza vocês seriam muito bem vindos aqui no Zona Independente.
    Aninha Antonucci (Zona Independente)

    Senhores muito bom o som, temos interesse em fazer uma parceria com vcs.
    Bernardo Boechat (Dingo Records)

    Ae tava aqui ouvindo o bandcamp de vcs
    Vcs são foda pra caralho né..
    Boriz (Soda & Limonada)

    “Essa banda foi formada em 1995, uma das melhores bandas que tive o privilégio de ver na vida. O Paulinho passou de ídolo para amigo/irmão/pai/herói, o cara é super talentoso, toca guitarra muito bem, o Rural é uma figura um dos primeiros baixista que conversei na vida e o mestre Damazio é um baterista Zen, literalmente um dos caras mais inteligentes que conheço. Primeiro show de rock você nunca esquece”.
    Dom Orione (Video Cassetes) crushemhifi.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *