A dupla Skating Polly continua amadurecendo em “The Big Fit”, seu novo disco

A dupla Skating Polly continua amadurecendo em “The Big Fit”, seu novo disco

18 de abril de 2016 0 Por João Pedro Ramos

No sucessor de “Fuzz Steilacoom”, as irmãs Kelli Mayo e Peyton Bighorse resolveram aumentar ainda mais a linda esquizofrenia musical que faz do Skating Polly uma das melhores bandas surgidas nos últimos tempos. Em “The Big Fit”, as garotas de Oklahoma soam como verdadeiras bombas relógio prontas para detonar, mas sem deixar de lado momentos bonitos, melódicos e até doces. Mas não se iluda: logo em seguida elas podem novamente inundar seu ouvido com berros que fariam o L7 aplaudir em pé.

Com produção de Kliph Scurlock (Gruff Rhys, Flaming Lips), o disco já teve algumas músicas e clipes lançados: “Oddie Moore”, “Nothing More Than a Body”, “Perfume For Now”, “Pretective Boy” e “Hey Sweet”. A intenção, segundo Peyton, é criar um clipe para cada canção do novo álbum.

Conversei com ela sobre “The Big Fit”:

– Como o som do Skating Polly evoluiu desde o início até chegar em “The Big Fit”?

Quando começamos nós tínhamos só 9 e 14 anos, de modo que a nossa música amadureceu assim como nós amadurecemos. Agora gastamos mais tempo trabalhando em novas maneiras de fazer as nossas canções melhores e mais interessantes.

– Nós podemos perceber um lado “mais existencial” do Skating Polly com canções de Peyton e um lado mais “riot” com as músicas da Kelli. É isso mesmo? Algo como uma dupla meio Ying Yang?

Pode ser, às vezes, mas Kelli também tem um monte de canções realmente belas e mais calmas e eu tenho algumas músicas mais pesadas. Isso é dividido muito uniformemente, acho.

– Algumas das músicas já tinham sido lançadas antes do lançamento do álbum, com videoclipes, inclusive. Vocês pretendem lançar vídeos para todas as canções?

Estamos torcendo para que sim! Recentemente passamos dois dias e meio gravando cinco clipes. Eu realmente acho que seria legal se tivéssemos um vídeo para cada música.

– Quais são suas músicas favoritas em “The Big Fit”?

Agora a minha favorita é “Arms & Opinions’. Eu acho que Kelli fez um excelente trabalho com cada parte desta canção. Ela tem uma das minhas letras favoritas já escritas por ela e a melodia é muito bonita.

– Ouvi dizer que você está gravando um split que vai ser lançado em breve, é isso?

Vamos lançar um split 7″ com uma banda muito legal, a Qui, muito em breve! Estamos muito empolgadas com isso.

– Quais bandas você diriam que acabaram influenciado “The Big Fit”?

Como sempre, ouvimos um monte de Babes in Toyland, Elliott Smith e Neutral Milk Hotel durante a composição das canções. Mas também ouvimos um pouco de Genius Perfume e um monte de CDs mixados que um de nossos amigos nos fez.

– Diga-me um pouco mais sobre a arte do álbum. Quem fez?

A incrível Kat Kon colaborou na arte com a gente. Kelli fez um esboço da capa e, em seguida, enviou para Kat Kon desenhá-la. Ela trouxe totalmente a arte à vida e foi melhor do que jamais poderíamos ter sonhado. Ela se encaixa com a idéia do álbum perfeitamente.

– Por que o nome do álbum “The Big Fit”?

Quando lançamos “Fuzz Steilacoom” havia algumas pessoas que o criticaram por ser muito esquizofrênico, mas que a esquizofrenia é algo que nós amamos sobre música. As canções de “The Big Fit” realmente não se encaixam como as pessoas podem pensar que deveriam, por isso é tipo como um camiseta extra grande se encaixa em alguém que usa modelo P. Tecnicamente não se encaixam, mas funciona a pessoa disser que sim.

Ouça o disco “The Big Fit” no Spotify: