5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Luciano Portela, baixista da Penhasco e O Apátrida

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Luciano Portela, baixista da Penhasco e O Apátrida

2 de setembro de 2016 0 Por João Pedro Ramos

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje o convidado é Luciano Portela, baixista nas bandas Penhasco e O Apátrida.

Odair José“Não Me Venda Grilos”

“O Odair é um cantor popular, muitos cismam em chama-lo de brega. Eu mesmo antes de conhecê-lo cometia esse erro. Falo que ele é muito mais do que isso depois que ouvi em uma de suas entrevistas que ele se considera um cronista musical. Da sua discografia eu particularmente indico um dos discos que nem é tão falado, a Ópera Rock conceitual ‘O Filho de José e Maria’ lançado em 1977, onde o cantor conta a história de Jesus Cristo. Disco e músicas perfeitas”.

Wanderley Cardoso“Células Mortas”

“O conheci fuçando nos discos da minha mãe, a princípio era pra mim mais um cantor da jovem guarda porém com um vozeirão que não se vê por aí. Como sempre procuro discos pelo Centro, descobri por acaso um dele chamado ‘Renascer’ de 1971, onde se percebe uma guinada na sua carreira. Ele sai da Jovem Guarda e cai para o soul, em grande estilo”.

Alípio Martins“Vem Me Amar”

“De Alagoas e conhecido como o Rei do Carimbó. Considero Alípio um cantor que consegue vincular boas composições e muito bom humor. Letras de duplo sentido com mudanças fonéticas (“Oh! Darcy”. Leia isso em voz alta e pense com o que se parece). Muito conhecido até no meio underground depois que o Merda fez um cover da música Piranha. Dele eu indico um disco da década de 80 chamado “Vem Me Amar”. A canção homônima é maravilhosa”.

https://www.youtube.com/watch?v=66TTMmWHTu8

José Augusto“Eu Quero Apenas Carinho”

“Um cantor fora de série e que quase ninguém comenta tanto. Seu primeiro disco de 1973 que tem a canção de que vale ter tudo na vida tem uma mescla de Jovem Guarda com Funk e soul. Belas canções e um tom profundamente existencialista”.

Diana“Fatalidade”

“Diana é uma das cantoras que mais admiro, tenho o famoso ‘disco azul’ feito por ela nos anos 70. Nem preciso dizer o quando o revisito essa pérola. Eu a olho como a nossa Juliette Greco. Vejo nesse disco toques de Jovem Guarda mas muita, muita chanson française. É o disco que tem a famosa “Por Que Brigamos” regravada pela cantora Bárbara Eugênia recentemente. Mas desse disco eu indico a música “Fatalidade” que é um versão de outra canção italiana da qual infelizmente não me lembro agora o nome”.