5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Júlio Victor, do Sasha Grey As Wife e do canal Tá Na Capa

5 Pérolas Musicais escolhidas a dedo por Júlio Victor, do Sasha Grey As Wife e do canal Tá Na Capa

24 de março de 2017 0 Por João Pedro Ramos

Todo mundo tem seus gostos, preferências e, é claro, seus garimpos no mundo da música. Com certeza tem alguma banda ou artista que só você conhece e faz de tudo para espalhar o som entre seus amigos e conhecidos. “Todo mundo precisa conhecer isso, é genial!” Se você é aficionado por música, provavelmente tem uma pequena coleção pessoal de singles e discos que não fizeram sucesso e a mídia não descobriu (ou ainda vai descobrir, quem sabe) que gostaria que todo o planeta estivesse cantando.

Pois bem: já que temos tantos amantes da música querendo recomendar, o Crush em Hi-Fi resolveu abrir esse espaço. Na coluna “5 Pérolas Musicais”, artistas, músicos, blogueiros, jornalistas, DJs, VJs e todos que têm um coração batendo no ritmo da música recomendarão 5 músicas que todo o planeta PRECISA conhecer. Hoje o convidado é Júlio Victor, da banda Sasha Grey As Wife e do canal do Youtube Tá Na Capa.

Malice Mizer“Syunikiss ~Nidome no Aitou~”

“Meu interesse pela música francesa começou com o Malice Mizer, uma finada banda japonesa muito importante tanto pela musicalidade como pelo conceito estético que influenciou uma geração, sendo um dos pioneiros do movimento visual kei. Após a morte do baterista Kami a banda definhou até deixar de existir, é uma pena, pois é um dos bateristas que mais gosto, ele tem muita personalidade. A mistura dos sons vai desde o eletrônico francês até ritmos e instrumentos tradicionais”.

https://www.youtube.com/watch?v=ZmK5IbbNPEo

Baton Rouge“Côte du Py”

“Descobri essa banda pois o guitarrista da primeira banda que gravei na vida me passou sua pasta inteira de músicas. Conheci muita coisa por lá, mas Baton Rouge foi uma das mais valiosas. Uma espécie de de post punk com hardcore e uma pitada daquele real emo. Gravações grosseiras, vocais gritados e aquele ar de sofisticação ainda. É um som agridoce e pouco conhecido, do tipo que tu sabe que só vai poder ver ao vivo se sair do país e der sorte”.

Sport“Ulrike Maier”

“Primeira banda francesa que vi um show na vida e pasmem, foi aqui na minha cidade, Volta Redonda, interior do Rio de Janeiro. Eles fizeram uma tour gigante, na raça, na unha. Todos integrantes muito felizes e com calor pra cacete. As letras falam muito sobre convivência e a experiência dessa apresentação foi linda. Rolou em uma praça, puxando energia do poste, várias bandas do gênero, crianças passando, brincando na grama enquanto o show rolava, galera cantando à plenos pulmões. Aquela ocasião que tu não consegue tirar o celular do bolso e guarda tudo na memória”.

Zaz“Je Veux”

Zaz é uma daquelas artistas pops que mais o país dela conhece do que o mundo por completo. No Brasil temos vários assim, isso acontece por conta de não cantar em inglês, mas em seu idioma natal. Para mim é uma daquelas recordações que “sobram” de um relacionamento, a pessoa se vai e ficar uma banda, uma música, um show. Até rupturas trazem coisas boas. A música ‘Je Veux’ é engraçada pois exalta uma simplicidade que lembra bastante a temática de ‘Royals’ da Lorde, só que de maneira mais simples ainda, mais pé no chão. Gosto desse tipo de mensagem, exaltando uma vida simples e tal. Ouça Zaz para cozinhar, é inspirador”.

https://www.youtube.com/watch?v=Tm88QAI8I5A

Alcest“Autre Temps”

“As pessoas falam que eu pareço o vocalista e de fato pareço. As pessoas falam que minha banda, Sasha Grey As Wife, lembra Alcest e de fato lembra. O som deles é folk, pesado, intenso, catártico, letras dramáticas e cheias de referências. Acho que foi a melhor referência que tive para incluir minha paixão pela música francesa dentro do meu som, pois, os objetivos musicais são parecidos. Gosto também como eles se renovam à cada disco, parece sempre algo novo, sem limites, do ambiente acústico aos gritos”.